Um golpe de Estado falhado (9 e fim)

#Cuba #EstadosUnidos #USAID #NED #InjerenciaDeEEUU #AmericaLatina

Por Manuel Hevia Frasquieri

Os acontecimentos de 11 de Julho de 2021 foram deliberadamente instigados a partir de plataformas de comunicação controladas pela CIA, ligadas a um projecto de “golpe suave” que se tem movido de forma ameaçadora contra Cuba nos últimos anos.

Os documentos originais do governo dos EUA revelam o desenvolvimento de uma operação estratégica subversiva destinada à “mudança de regime”, que ainda hoje é relevante nas suas abordagens, objectivos e tarefas no terreno. Não temos dúvidas de que a Agência Central de Inteligência Yankee está por detrás desta conspiração.

Este projecto subversivo esconde uma metodologia operacional em correspondência total com os programas aprovados pela USAID nos últimos anos fiscais, acompanhada por um trabalho de influência diferido e permanente sobre um cenário social cada vez mais sobrecarregado por carências e necessidades materiais acumuladas ao longo dos anos, sujeito a uma guerra económica inclemente.

A metodologia do golpe suave esteve presente nos acontecimentos que levaram ao colapso do socialismo na Europa Oriental na década de 1980, nas marchas de massas das revoluções coloridas que abalaram as antigas repúblicas soviéticas anos mais tarde, e em acontecimentos sucessivos como a Primavera Árabe neste século e as convulsões em massa na Venezuela e Nicarágua nos anos mais recentes.

Muitos investigadores conceptualizam o golpe suave como uma estratégia chave encoberta na imposição da “nova ordem mundial” liderada pelos EUA. É também conhecida por outros nomes como resistência não violenta, golpe suave, desafio político ou luta cívica. Outros chamam-lhe simplesmente desobediência civil, talvez para a despojar da sua conotação política.

A nível teórico, esta doutrina foi concebida por um grupo de neoconservadores americanos e exposta no “Programa de Democracia” do Presidente Ronald Reagan em 1981.

Dessas ideias surgiu o Instituto Albert Einstein, criado em 1983 em Boston, MA, com financiamento do NED, pelo ideólogo anticomunista Gene Sharp, que morreu há apenas dois anos com a idade de 90 anos.

Em 1983, Sharp organizou o “Program on Nonviolent Sanctions” no Centro para Assuntos Internacionais da Universidade de Harvard, onde pesquisou o uso de novas técnicas de “desobediência civil” para enfrentar “regimes totalitários” em todo o mundo.

A não-violência deu um rosto mais ingénuo ao segredo, inerentemente anti-democrático, das acções desenvolvidas pela CIA desde os anos 80 até aos dias de hoje.

Um golpe suave contra Cuba

Em 2015, a máfia anti-cubana de Miami proclamou a resistência não violenta do ideólogo americano Gene Sharp como uma nova oportunidade nos seus planos agressivos contra Cuba.

A não-violência concebeu o uso de novas técnicas de desobediência civil com um perfil intervencionista mais agressivo que rompeu com as fórmulas tradicionais de “luta pacífica” do século passado.

Estas acções facciosas são dirigidas contra governos que os EUA consideram como adversários, dando assim uma conotação particular a estes acontecimentos como “revoluções democráticas populares”, nas quais “o povo exige responsabilidade e governação democrática de governantes despóticos e sistemas políticos arcaicos, que devem ser substituídos”.

Os livros de Gene Sharp “Da Ditadura à Democracia” e “O Papel do Poder na Luta Não-Violenta” substanciam 198 métodos de desestabilização interna desta doutrina, nos quais ele exaltou o uso de acções de protesto e persuasão na primeira fase, através de acções simbólicas, manifestações, assembleias, comícios, marchas e vigílias, seguidas de uma extensa cobertura mediática internacional.

De acordo com estes manuais, os organizadores destes protestos avançam então para outras formas de desobediência civil a que chamam “não cooperação com o adversário” e a chamada “intervenção não violenta” que aumentam a intensidade das provocações, apelando à obstrução de ruas e avenidas, à “ocupação pacífica” de instituições oficiais e a outros actos de desrespeito e violência contra a autoridade, a fim de provocar uma resposta repressiva por parte das autoridades, enfatizando ainda mais o apoio dos meios de comunicação social internacionais.

Embora as leis na maioria dos países do mundo reconheçam o direito de manifestação dentro das normas legais estabelecidas e numa atmosfera de segurança e ordem pública, esta literatura viola estes princípios.

Diferentes autores avaliam a capacidade desta doutrina para gerar cenários destinados a “manipular a realidade e instigar a conspiração interna, como passo preliminar para a desestabilização interna e possível golpe de estado”.

Estas operações são dispendiosas e requerem um financiamento pesado para sustentar os grupos de choque sediciosos e o trabalho de influenciar comunidades vulneráveis e sectores sociais através de propaganda e programas subversivos.

Esta metodologia tem em conta algumas particularidades do cenário político social em que é aplicada. Nos eventos provocatórios na Venezuela e Nicarágua, de acordo com alguns autores, o apoio organizacional e financeiro para estes actos sediciosos foi fornecido por partidos e grupos políticos da oposição com o apoio das embaixadas dos EUA e ONGs geralmente financiadas pela USAID e NED.

Muitas manifestações de rua foram orientadas para um maior grau de agressão. Enquanto alguns grupos de manifestantes iniciam protestos de forma pacífica e ordeira, outros grupos provocadores na linha da frente irão aquecer a atmosfera fechando avenidas, queimando veículos ou outros actos violentos contra as forças policiais. Estes grupos de choque mais agressivos são recrutados entre os jovens marginalizados que actuarão como ponta de lança desta estratégia de golpe semeando o crime e a desestabilização interna.

Estes manuais de luta não violenta reconhecem o carácter subversivo deste movimento, afirmando que pode haver actos de resistência que precisam de ser mantidos secretamente, tais como: “a edição, impressão e distribuição de publicações clandestinas, o uso ilegal de transmissões radiofónicas no interior do país, e a recolha de informações sobre operações governamentais estão entre o número limitado de actividades que têm de ser executadas sob um elevado grau de sigilo”.

Cada acção planeada nas ruas é acompanhada de apoio mediático para manipular o seu impacto na população e nas redes sociais. Os meios de comunicação social privados e internacionais, sob o controlo dos grupos de comunicação e dos mecanismos de inteligência dos EUA na região, participam activamente neste objectivo.

O efeito das imagens cinematográficas da repressão policial provocará uma visão contraproducente na população, produzindo grandes campanhas mediáticas para influenciar a opinião pública dentro e fora do país contra a violência contra estes jovens e a violação dos direitos humanos. Esta propaganda frequentemente repetida aumenta a visão do caos e da desestabilização interna. O seu objectivo é lançar dúvidas sobre a governabilidade do país.

Gene Sharp resumiu esta última noção em poucas palavras: “…a repressão é uma resposta esperada […] o grupo de acção tem de desafiar a repressão […] uma repressão mais severa pode aumentar, em vez de reduzir, a resistência e a hostilidade ao regime […] a violência da repressão pode alienar o apoio ao adversário […]”.

Primeiros vislumbres de um golpe suave

A ala direita terrorista em Miami vociferou em 2015 que “[…] a violência pode levar tempo, mas cabe a nós pô-la no bom caminho” […] é a única estratégia viável para libertar Cuba […]”.

Isto não era novidade, pois Gene Sharp e os seus colaboradores mais próximos tinham estado em contacto com grupos anti-cubanos desde 1996, dando palestras na Universidade Internacional da Florida e entrevistas para a Rádio Martí.

Grupos contra-revolucionários como os Irmãos ao Resgate, o Movimento Democrático e a Direcção Democrática Cubana introduziram ilegalmente na literatura do país sob a forma de livros, panfletos, revistas e vídeos pelo cientista político Gene Sharp, disfarçados de panfletos desportivos ou religiosos.

Alguns grupos contra-revolucionários introduziriam a frase “luta cívica” na sua linguagem de propaganda para mascarar a natureza prejudicial das suas acções. Actos provocatórios com um perfil leve decolaram nas ruas em 2001 e 2002, acompanhados de alguns actos de desordem pública que provocaram mal-estar e repúdio por parte da população e multiplicaram os apelos a supostas greves de fome ou planos de jejum, vigílias, apelos a marchas comemorativas e conferências perante a imprensa estrangeira acreditada. As tácticas não violentas foram iniciadas numa primeira fase, identificadas nesta doutrina como acções de persuasão e protesto.

Foi tudo uma demonstração de acções de desobediência civil para atrair os meios noticiosos de Miami, que se prolongaram durante meses num clima agravado pelas dificuldades herdadas do Período Especial. Foi uma nova tentativa de desestabilizar a nação que foi finalmente frustrada pela Revolução no início de 2003 (ver USAD e NED actividades subversivas contra Cuba).

Em 2015, a máfia anti-cubana conseguiu envolver a Sharp numa nova manobra de propaganda e produziu um documentário em Martí-Noticias, ainda a circular na Internet, intitulado “Gene Sharp fala com os cubanos”[1].

As imagens retratavam um envelhecimento Sharp falando devagar e num tom sóbrio, interrompido por discursos de líderes da CANF e “Brothers to the Rescue” e videoclipes de actos provocatórios em locais isolados em Cuba:

“[…] Se o povo não estiver pronto para lutar, não terá êxito[…]. não vai conseguir […] preparar o povo de Cuba […] seria necessário pensar e estudar com antecedência […] não apenas sair imediatamente para as ruas, preparando o povo dentro de Cuba, é necessário preparar-se […] eles têm de ter confiança uns nos outros através de organizações não governamentais, lugares que são criados e organizados dentro da ilha, em sociedades, sistemas económicos e associações políticas […] eles têm de saber o que torna o povo eficaz [… têm de saber o que torna eficaz a luta não violenta ou o que a torna destinada à derrota […] acredito que as pessoas não devem procurar respostas rápidas e fáceis […] não procuram estrangeiros para os salvar, qualquer que seja a parte do mundo […]”.

Algumas dessas frases de escolha do cientista político Gene Sharp prepararam o terreno ideológico para novas provocações.

Os acontecimentos de 11 de Julho mostraram a complexidade do design subversivo aplicado contra Cuba e o seu elevado grau de mascaramento graças à cumplicidade do governo dos EUA, que o promove com toda a sua capacidade e recursos ilimitados. É vital estudar os antecedentes históricos e a base política desta doutrina, que é a raiz do substrato ideológico que circula nas plataformas de comunicação inimigas, muitas vezes como resultado da aplicação dos programas da USAID.

Desta forma, estaríamos melhor preparados para enfrentar a subversão política e avisar os nossos jovens que o golpe suave a que estamos a ser submetidos não é apenas uma guerra mediática e uma influência propagandística que penetra através das redes sociais, mas a vontade do inimigo de semear em Cuba os fundamentos morais, psicológicos e subjectivos de uma mudança de regime, o que equivaleria a renunciar à liberdade e à independência como nação.

Como o império está errado se pensa que a resistência do povo foi esgotada nestes tempos difíceis.

Condor Planeje um fantasma que persiga os Estados Unidos.

As comunicações diplomáticas e militares de várias nações latino-americanas foram ativamente monitoradas por décadas pela inteligência dos Estados Unidos (EUA), usando máquinas de criptografia fornecidas pela empresa suíça Crypto AG, uma empresa de propriedade secreta da Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) e a agência de inteligência alemã BND.

Os governos ditatoriais da América Latina adquiriram máquinas Crypto AG na segunda metade do século passado para executar o Plano Condor, um sistema continental caracterizado pelo extermínio e desaparecimentos forçados de opositores políticos de esquerda.

Em novembro de 1975, em Santiago, Chile, durante a reunião inaugural da operação, patrocinada pelo regime Augusto Pinochet, os líderes militares de cinco ditaduras do continente assinaram um acordo para usar um sistema de criptografia.

Os equipamentos adquiridos inicialmente foram o Crypto CX-52, mas, em 1977, eles decidiram atualizar para o Crypto H-4605, sem saber que os dispositivos eram manipulados e que os EUA Eu os usei para espionar as comunicações.

De acordo com a mídia do país do norte, os documentos mostram que os funcionários da CIA ficaram alarmados com os abusos dos direitos humanos, mas os arquivos não revelam qualquer esforço substancial das agências de espionagem ou altos funcionários para detê-los.

No plano Condor, países como Chile, Paraguai, Bolívia, Brasil, Uruguai e Argentina estavam envolvidos, mas além disso, a Crypto AG vendeu máquinas manipuladas para mais de 100 nações, incluindo Irã, Egito, Paquistão, Arábia Saudita, Itália, México, Peru, Colômbia, Venezuela e Nicarágua.

Levando em conta os países que adquiriram as máquinas Crypto AG e as datas em que foram operadas, a inteligência dos EUA. Ele ficou imediatamente ciente dos massacres na Indonésia, dos abusos do apartheid na África do Sul, do golpe militar de 1973 no Chile e do golpe de 1976 na Argentina.

Também sobre o assassinato do ex-ministro das Relações Exteriores do Chile, Orlando Letelier, em Washington, em 1976, a crise dos reféns no Irã em 1979, a revolução sandinista na Nicarágua, a Guerra das Malvinas, caso em que o governo Ronald Reagan entregou dados de inteligência ao Reino Unidos, entre outros.

No entanto, a investigação indica que os principais adversários de Washington, a antiga União Soviética (URSS) e a China, nunca foram clientes da Crypto AG, porque suspeitavam de seus laços com o Ocidente.

A empresa Crypto AG foi liquidada em 2018 e duas empresas, CyOne Security, dedicaram-se à venda de sistemas de segurança ao governo suíço e à Crypto International. Eles adquiriram seus ativos. Embora os novos proprietários afirmem que não têm conexão com serviços de inteligência, a CyOne mantém o mesmo diretor executivo da Crypto AG nas últimas duas décadas.

Em abril do ano passado, dos EUA para a Argentina desclassificaram documentos que revelam o terrorismo de estado das ditaduras e como foi realizado o Plano Condor, que mostrou seu conhecimento sobre a operação.

Não-dissidentes, funcionários de Washington sim.

Por Arthur González.

Especialistas ianques em guerra psicológica, são responsáveis por moldar as campanhas de propaganda contra Cuba, Venezuela, Nicarágua, Irã, Rússia e China, com o único propósito de distorcer a realidade e que o público cria as mentiras que se espalham para estabelecer matrizes de opinião contra países que não são aceitos pelos Estados Unidos, mantendo sua independência e soberania.

Continuar a ler “Não-dissidentes, funcionários de Washington sim.”

%d bloggers like this: