Redes sociais

Não desperdice seu dinheiro.#PatriaOMuerte

Imagem
Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Economía, Noticias de Cuba, Política, ECONOMIA, economia nacional, MIAMI, Redes sociais, redes sociales | Deixe um comentário

As palavras soam e um dever dos revolucionários em tempos de internet.

Autor: Iroel Sánchez | internet@granma.cu

Nas aulas de Biologia, não me lembro bem se no ensino fundamental ou médio, eles ensinavam reflexos condicionados baseados no trabalho do cientista russo e Prêmio Nobel de Medicina, Ivan Pavlov. Acho que seu experimento é bastante conhecido: ele tocou um metrônomo antes de alimentar um cachorro e observou que, ao ouvir o mesmo som, quando o cachorro não tinha sido alimentado por um tempo, começou a salivar. Mais tarde, ficou na lenda que Pavlov usava um sino e não um metrônomo, mas o princípio é o mesmo: a associação induzida entre certos estímulos e as respostas emitidas. Com base nisso, a Psicologia Comportamental foi aplicada na educação, na publicidade e em muitas outras áreas nos Estados Unidos.

Em sua célebre entrevista a Ignacio Ramonet, Fidel se refere ao uso dessa técnica na propaganda anticomunista: «E estar desinformado não é o mesmo que perder a capacidade de pensar, porque na mente predominam os reflexos: o socialismo é mau, o socialismo é ruim, tira sua autoridade parental, tira sua casa, tira sua esposa. E todos os ignorantes, todos os analfabetos, todos os pobres, todos os explorados repetindo: “O socialismo é mau, o socialismo é mau. É assim que os papagaios são ensinados a falar, os ursos a dançar e a se curvar respeitosamente aos leões. ‘

Noam Chomsky inclui o efeito da propaganda anticomunista entre os cinco filtros que decidem o conteúdo da mídia. Tanto ele quanto Fidel se referiam à situação que existia antes do advento das redes sociais na internet, que, embora certamente tenha democratizado o acesso à comunicação, também fortaleceu hegemonias pré-existentes.

redes sociales

Em um cenário em que os processos acontecem em alta velocidade, o emocional tende a prevalecer sobre o racional, e a chamada egomação – promoção e predomínio de si junto com informações vinculadas ao que é pertinente ou relevante para aquele eu – prevalece sobre si mesmo, interesse no diálogo, aprofundamento e conhecimento dos outros. Sem levar em conta o uso politicamente interessado das redes sociais na Internet, em lugares como o Facebook, consolidou-se um modelo de negócio baseado em lucrar com a justiça própria e vender influência sobre indivíduos e grupos. No caso de Cuba, a esse cenário universal se soma a articulação com um orçamento anual de meio milhão de dólares aportado pelo Governo dos Estados Unidos para influenciar a sociedade da ilha.

À propaganda anticomunista, histórica e universalmente estabelecida pelo discurso dominante e pelo uso manipulado de termos como “democracia”, “direitos humanos” e “liberdade”, soma-se a construção de certas expressões sobre a realidade cubana que, a partir de os imaginários construídos sobre Cuba nessa arcada da tolerância que é Miami, se transferem para a internet como bom senso sobre a Ilha, aproveitando-se situações ocorridas há mais de quatro décadas, nem sempre analisadas em profundidade entre nós –UMAP, «Quinquênio cinzento», atos de repúdio a quem emigrou para o Mariel … -, são retirados do contexto e apresentados como características permanentes, sistêmicas e atuais do socialismo cubano, enquanto tudo que o capitalismo que nos rodeia faz sobre um o dia-a-dia é silenciado em termos de repressão, censura, violência, tortura e exclusões contra maiorias e minorias.

Basta que alguém utilize, sem qualquer demonstração, as palavras censura e repressão, ou a expressão “ato de repúdio”, para que não seja necessário fornecer dados e argumentos, nem analisar os acontecimentos a que se referem: imediatamente uma série de Postagens em que circulam o mundo três frases indignadas escritas por alguém em seu perfil no Facebook. E quando aparecem argumentos e dados que negam aquela leitura apressada, duas coisas acontecem: como quem afirma que a terra é plana, o indignado continua a se apegar à sua “verdade” e ao maquinário que ecoou sua indignação
compromete-se contra aqueles que contribuíram com uma visão mais analítica. É assim que funciona a liberdade de expressão sobre Cuba na Internet.

Em poucos meses vimos esse procedimento ser usado para justificar o derramamento de sangue de porco nos bustos de José Martí, a indignação da bandeira cubana de várias maneiras, a tentativa de ressignificar datas históricas como 27 de novembro, apagar o slogan Pátria o Morte ou alteração do nome da Plaza de la Revolución nos mapas do Google. Mas se você diz que há uma guerra cultural contra Cuba a partir das redes sociais da internet, então você é – por essa maquinaria que mobiliza as reflexões, condicionadas pela propaganda, de milhares de pessoas no Facebook – um extremista, um stalinista tropical que não tolera “pensamento diferente” porque, é claro, é “pensamento” e não propaganda. E não se surpreenda se, infelizmente, você encontrar entre os assinantes dessas declarações pessoas que você considerou críticas, inteligentes e informadas. A capacidade de pensar foi substituída pela reação emocional e tudo pode acontecer. As palavras soaram e aquela tarefa intelectual de estabelecer a verdade não é mais importante, na era da egomização o importante é conseguir gostos, embora muitos deles sejam de trolls e falsos perfis, seu ego ficará inchado e seu cérebro ficará feliz em não ter que se esforçar.

Do nosso lado, além da educação mais abrangente e profunda para formar um cidadão crítico, não manipulado pelos gestores dessa guerra híbrida, é importante entender que o cenário mudou radicalmente; que o interminável curso de provocações que buscam criar uma situação de ingovernabilidade, aproveitando a superioridade tecnológica e midiática que o imperialismo coloca à disposição de seu punhado de servidores em Cuba – mesmo que aspirem a desencadear violência e mortes – não pode contar com outra resposta senão Não é inteligência, sentido político e capacidade analítica evitar cair em emboscadas multiplicadoras e, sem perder firmeza de princípios, estar preparado em todas as partes do país para antever o rumo de cada ação possível, documentar e divulgar a verdadeira versão e a causa dos fatos, e podendo sempre sustentar que a ética e a razão, como o povo, estão do lado da Revolução. Vamos agir assim neste “xadrez de mil peças”, como Fidel chamava a luta ideológica, que agora está sendo transferida, em parte, para a internet, e o povo cubano voltará a vencer.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Fidel Castro y Hugo Chávez., MIAMI, Redes sociais, redes sociales, sonhos de Fidel | Deixe um comentário

Todos varrem o chão com #Descemer, também conhecido como os Efialtes da Tessália.

Categories: # Cuba, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Los artistas del Imperio, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

O que o Fundo Nacional para a Democracia paga pelo que está perturbando a tranquilidade do seu bairro em #Cuba .

Se você quer saber por que a tranquilidade do seu bairro se altera em #Cuba, de onde vêm “militantes” que não nasceram e por que você não reconhece seu país nas manchetes da imprensa estrangeira, descubra o que paga o National Endowment para a democracia para isso.

Imagem
Imagem
Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Injerencia De EEUU, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Quem está por trás das políticas de sufocamento contra Cuba?

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #FalsosAtaquesAcústicos, Cuba, diplomáticos estadounidenses, Estados Unidos, #Fernández de Cossío, diretor-geral dos #EstadosUnidos do Ministério das Relações Exteriores de Cuba,, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Barack Obama Bruno Rodríguez ParrillaDonald Trumpoficina del Servicio de Ciudadanía e Inmi, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., CubavsBloqueo, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, EUA avalia retornar a Cuba para lista de estados patrocinadores do terrorismo, joe biden, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, mentiras construídas em Washington contra Cuba, RADIO MARTI, Redes sociais, SANCIONES, Terrorismo, TERRORISMO VS CUBA, Trump, Trump procura reforçar o bloqueio, TURISMO, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

A Pátria é cantada com um coração puro.

Autor: Mailenys Oliva Ferrales | internet@granma.cu

A “arte” que nasce à mercê da vontade de quem paga – a todo custo e a todo custo – cheira a enxofre para tentar romper, da mais grosseira interferência política, à soberania de uma nação.

A criação artística que não tem bandeira própria nasce órfã da “alma” e do sentido; que se consolida no ressentimento alheio; e que busca, como única finalidade, tentar contaminar o pensamento com a manipulação, na conveniência, da história de um povo e de sua cultura.

Este tipo de criação não é excitante, nem contagiante, nem convidativo. Quase não encontra eco na contra-revolução desgastada que, dentro e fora desta ilha, orquestra campanhas de pressão e utilização da arte para fins políticos.

Pobres de espírito aqueles que condicionam seu trabalho, seu talento e sua carreira a tais ansiedades mesquinhas, de cujas mais recentes malformações surgiu o videoclipe erroneamente batizado de Patria y vida, que nas vozes de Yotuel Romero, Descemer Bueno, Maykel Osorbo e El Funky , e a dupla Gente de Zona, promovem a reescrita de quem somos.

“É assim que se canta o país: vivo num país livre / que só pode ser livre / nesta terra, neste momento / e estou feliz porque sou um gigante / …”, disse o nosso Presidente Miguel em Seu relato na rede social Twitter Díaz-Canel Bermúdez, e nada mais foi necessário para ratificar a certeza de que os conceitos genuínos de pátria e liberdade em Cuba são o que defendemos há mais de 60 anos sob o legado eterno de Fidel.

No final do seu tweet com outro fragmento da canção Pequena serenata diurna, do trovador Silvio Rodríguez: «… sou feliz, sou um homem feliz / e quero ser perdoado / por este dia, os mortos da minha felicidade» , Díaz-Canel reafirmou as essências da música que realmente nos identificam e nos orgulham como cubanos.

Aquele outro, que se turva facilmente, que tenta fragmentar raízes, e que nomeia Che e Martí sem honra, que aqui não é música.

Já o salientou o Apóstolo, que continua a alertar para a validade da sua palavra escrita: «O disfarce abominável e a laje funerária são os sorrisos e os pensamentos de quem vive sem Pátria, ou se se vê um pedaço dela nas garras do inimigo. “

Categories: # Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #YoSoyFidel, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, CUBA - ESTADOS UNIDOS, Cuba, fidel castro, cultura, DIAZ CANEL, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, MUSICA CUBANA, O presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, Redes sociais, sonhos de Fidel | Deixe um comentário

O Partido Die Linke alemão reafirma a solidariedade com a Revolução Cubana .

Autor: Milagros Pichardo | internacionales@granma.cu

O Partido da Esquerda Alemã (Die Linke), por ocasião da reunião de sua Presidência ocorrida em 14 de fevereiro, aprovou uma resolução que reafirma sua tradicional posição de apoio a Cuba, publica o site do Itamaraty.

O texto aprovado, após uma resolução anterior ter sido objeto de falsas interpretações e manipulação da mídia, indica que “a solidariedade com Cuba socialista e sua Revolução foi, é e será mantida pelo Die Linke”.

Também defendem o amplo processo de discussão social gerado na Ilha com a aprovação da nova Constituição em 2019, a fim de continuar o desenvolvimento democrático de Cuba no marco de seu sistema social socialista.

Cuba vs. Bloqueio estende que o documento também pede o fim do bloqueio dos Estados Unidos contra Cuba e apóia ativamente o pedido ao Comitê Norueguês de conceder o Prêmio Nobel da Paz ao contingente médico cubano Henry Reeve que lutou contra COVID-19 em mais de 40 países e territórios.

O partido também se pronunciou a favor da ratificação do “Acordo de Diálogo Político e Cooperação” da União Européia com Cuba e do desenvolvimento da cooperação entre a Alemanha e o país caribenho.

Nos dias anteriores, diversos meios de comunicação anticubanos tentaram manipular informações sobre a reunião da presidência do Partido, referindo-se a uma suposta solidariedade da esquerda com o chamado movimento San Isidro. Essa matriz foi rapidamente desmontada por meio de um artigo publicado no Cubadebate, onde seu autor, Justo Cruz, denuncia a versão contra-revolucionária tendenciosa e provocadora. Cruz esclareceu que dentro do Partido existe apenas uma pequena minoria que professa outros pontos de vista que não a relação histórica de amizade e cooperação entre Die Linke e Cuba.

Categories: # Cuba, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #salud, ações subversivas, alemanha, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, epidemia, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Profesionales e la Salud, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Pátria ou Morte .

Autor: Pedro Jorge Velázquez | internet@granma.cu

Martí foi traído. Não há tempo para se intimidar por aqueles que procuram pisotear nosso país com uma canção. Quanto esquecimento existe no adeus? Quanto ódio cabe nas artérias de Miami? Quem nos esquece, esquece os jovens que cantam com eles, esquece seu povo, esquece sua pátria, esquece Martí. Os que cantam o fazem como se Cuba não lhes tivesse dado nada, como se tivessem se tornado artistas em Júpiter, como se não se lembrassem onde cresceram e quem os abraçou pela primeira vez, como se respeitar as nossas deficiências fosse não um dever, como se o oportunismo pudesse tirar tão rapidamente a gratidão de ser cubano; como se viver nestas ruas, como se cavar no nosso sulco, como se comer do nosso próprio prato, não fosse orgulho.

Martí era um independentista. Que ninguém se esqueça disso. Martí morreu por nós porque odiava o jugo espanhol e conhecia o monstro do norte. É por isso que ele o chamou de Golias e queria ser Davi. Sua morte foi a maneira mais digna de viver. A pátria o viu morrer e abriu suas entranhas para recebê-lo. Martí nunca cedeu suas terras aos interesses de outro governo. Ele nunca foi um anexacionista. Ele nunca foi um traidor. Ele nunca escreveu contra sua pátria ou fez qualquer discurso contra seu povo. Ele não permitiu que ninguém o manipulasse porque ele era um homem de ferro e luzes. E quando teve que plantar na frente de Zambrana, com a testa mais franzida que Nova York já viu, ele o fez. É por isso que peço que levante sua voz hoje. Faça isso por Martí.

Obra de Pedro San Jorge

Aquela canção inundada de ódio que tenta zombar de tudo o que somos, de tudo o que demos para sermos livres, do que foi derramado neste chão; aquela música que tenta mudar Cuba por um milhão de visualizações no YouTube, que tenta negociar nosso prestígio para curtir; aquela canção de seis zumbis hipnotizados pelo boom e pelo mercado, de seis tipos presos à hegemonia e ao egoísmo, de seis ratos que não sabem que a esse povo, como Martí, não falta dignidade; Essa canção rag e covarde não me representa. Seu ódio não me representa. Sua letra nojenta não me representa. Gente de Zona não me representa. Martí me representa. Descemer Bueno não me representa. Che me representa. Maykel Osorbo não me representa. Silvio me representa. Funky não me representa. Israel me representa. Yotuel não me representa. Fidel me representa.

No dia em que foi decidido aqui gritar Pátria ou Morte, não estávamos brincando de soldado. Estávamos mudando infernos, estávamos fundando uma cidade. Martí também gritou “Independência ou Morte” porque sabia que não havia outra maneira de salvar o país. No dia em que foi decidido gritar Pátria ou Morte aqui, não houve tentativa de impor uma doutrina, mas sim foi prestado respeito àqueles que morreram para alcançar a independência. No dia em que Fidel gritou Pátria o Muerte, todo o país chorava porque cem irmãos nos mataram em uma explosão e 400 ficaram feridos. A CIA os matou. O ódio os matou. Para que você conheça bem. Gritamos pelos 34 desaparecidos daquela explosão, pelas dezenas de homens inválidos para o resto da vida, pelas viúvas, pelos órfãos, pelas mães que queriam desaparecer. E tinha que ser Pátria ou Morte em Girón quando eles vieram nos invadir e nos matar. E tinha que ser Homeland ou Death in the Escambray quando famílias inteiras foram mortas a tiros. E teve que ser Homeland or Death quando um avião com 73 cubanos deixando Barbados desabou. Pátria ou Morte é nossa única verdade, nossa declaração, nossa denúncia, nosso grito, nosso veredicto e também será nosso epitáfio.

De que país e de que vida você está falando, que idolatra o ódio de outro governo contra seu país? Qual é o dominó bloqueado? Quem trancou o dominó? De que país e de que vida você está falando, que não cantam contra um bloqueio que acaba com a vida dos cubanos? De que “sangue para pensar diferente” você está falando? Onde é isso? Onde ficou a bússola, onde eles se perderam, quando mudaram? De que país e de que vida você está falando, se Maykel Osorbo recentemente pediu uma intervenção militar? É esse o país que eles querem? Invadido? De que país você está falando, se canta contra ele de outra fronteira? De que vida eles estão falando, se ofenderam nossos mortos mais sagrados? De que país e de que vida você está falando, se a vida neste país não foi respeitada até o triunfo da Revolução?

Deixe a história agora, que esta é e será Pátria ou Morte, porque respeitamos aqueles que nos deram sonhos e liberdade. “Não é uma frase numantina ou suicida, mas uma disposição impenitente de entregar tudo.” É Pátria ou Morte, porque somente com essa determinação fomos livres. Grátis, como pensamento imprevisível. É pátria ou morte porque este país não pode morrer novamente. Há lágrimas que ainda correm pelo rosto e feridas que ainda queimam na pele. É Pátria ou Morte porque quem se levanta hoje com Cuba se levanta para sempre. É pátria ou morte porque o coração nos sangra.

A única maneira de ficar seguro, a única maneira de resistir ao ataque dos ventos do norte, a única maneira de ser o farol deste continente afundando, a única maneira de não ser os cães de uma ideologia opressora, a única maneira de continuar a construir um país melhor: criticando o mal feito e avançando, única forma de uma criança pobre da montanha se profissionalizar, única forma de ter nossas escolas, nossos hospitais, nossos parques; nossa arte, gratuita, crítica e genuína; A única forma de as nossas vidas serem respeitadas, a única forma de acordarmos felizes todos os dias, com um imperfeito mas nosso, é acreditar, é dizer, todos os dias, Pátria ou Morte!

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #YoSoyFidel, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, cultura, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, HEROES Y MARTIRES, HISTORIA DE CUBA, Manipulacion, MUSICA CUBANA, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Patria Jose Marti, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión, Terrorismo, TERRORISMO VS CUBA | Deixe um comentário

Cante para a pátria, não contra ela.

Autor: Pedro de la Hoz | pedro@granma.cu

De La Bayamesa, de Céspedes, Castillo e Fornaris, escrita em 1851, a Me They Say Cuba, em que Alexander Abreu inseriu, em meio ao som frenético, as notas do Hino de Bayamo, a Pátria foi cantada um, dez , mil vezes, em suas essências mais limpas e cativantes. Porque um povo com música na alma expressa seu sentimento de pertencimento à arte que melhor o representa.

Contra essa tradição permanentemente atualizada, qualquer tentativa de perverter sentimentos e corroer convicções irá fracassar em operações como a que começou a circular de Miami – onde mais! – poucas horas atrás.

Não existem intenções ocultas. O texto aposta sem dissimulação pela restauração capitalista e a derrubada do poder revolucionário. Ao rever o lançamento, servido por canais de comunicação a serviço da subversão, a agência EFE destacou estes objetivos: “A canção é abertamente contrária ao Governo de Cuba e suas políticas”.

Presidente de los Consejos de Estado y de Ministros de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, preside Velada Político Cultural en Homenaje al 2do Aniversario de la desaparición física del Comandante en Jefe Fidel Castro, en la Escalinata de la Universidad de la Habana

Não há argumentos, mas uma série de lugares-comuns para o discurso anticubano: uma Cuba ditatorial onde predominam a mentira, a repressão e a tortura; uma ditadura sem apoio popular (“você já está transbordando, você não tem mais nada, você já está saindo, o povo está cansado de aguentar”).

Não há o menor indício de engenhosidade, nenhum resquício de inteligência na conversão crua do lema Patria o Muerte em Patria y Vida, o título da diatribe. Como se a defesa da vida, a liberdade, a resistência, não estivessem corporificadas no slogan que nos acompanha desde o adeus às vítimas da sabotagem do navio La Coubre.

A aliança dos protagonistas também não é surpreendente. Famosos, os ocasionais talentosos formados em nosso sistema de ensino –embora se saiba que fama e talento não são sinônimos–, impulsionados pelas tendências da moda dentro daquela faixa que se chamou de música urbana, tiveram sucessos comerciais em Cuba.

Até que, deslumbrados pelo desejo de maiores lucros, seduzidos pela celebridade floridiana ligada à indústria anticubana, e com péssimos relatos sobre a capacidade de resistência dos próprios contra o violento ataque do trumpismo contra nosso povo, rasgaram suas roupas e evidenciaram a precariedade de seus princípios éticos, se o tivessem.

Assim, confortavelmente instalados em Miami, eles começaram a reclamar, insultar, reclamar e reescrever suas histórias pessoais. Um deles apagou da memória os versos que cantou em 2016: (“Volto ao berço que me viu nascer / volto àquele bairro que me viu correr / o que fui, o que sou e serei para a minha linda ilha “); outro, como que para não deixar dúvidas sobre seu caráter moral, negou ter saudado o Presidente da República de Cuba em um concerto (“foi um erro … tive medo”), e um terceiro, certamente incentivado por um alucinógeno alto, ameaçado de vir “dar um facão” contra os governantes.

Neste último, ele é relacionado a um convidado para participar do espetáculo: o criminoso que em Havana pediu a Trump “fogo, fogo e fogo para que isso acabe”: bloqueio e invasão a Cuba. O fogo que queima uma bandeira cubana no vídeo. O fogo da vileza com que tentam turvar a memória de Martí e Che na carta. O fogo contra a Pátria, contra a vida.

Será bom guardar no coração as palavras de Martí a um compatriota em 1886: «A Pátria tem necessidade de sacrifícios. É um altar e não um pedestal. É-lhe servido, mas não o leva para o usar ». E tê-los acompanhados de trilha sonora que inclui, entre outros temas, a Serenata Diurna, de Silvio Rodríguez.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, cultura, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, HISTORIA DE CUBA, Jose Marti, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Patria Jose Marti, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: