Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA)

Uma análise desde a Linguística até à #SubversãoPolítica ideológica em #Cuba .

Por Francisco Grass

O linguista Noam Chomsky, EUA, 1928, é considerado um dos pensadores mais renomados da actualidade. O seu trabalho abrangente mergulha-nos numa grande variedade de teorias, estudos e conhecimentos relacionados com a linguística, psicologia do desenvolvimento, filosofia e análise política.

Tendo em conta os estudos de Chomsky, e as suas 10 estratégias de manipulação dos media, este artigo enfatiza o caso de Cuba, uma ilha bloqueada e sujeita dos meios de comunicação social a uma agressão constante e a uma guerra mediática que se constrói a partir do conhecimento da linguística e da psicologia para influenciar os pensamentos dos seus habitantes e as suas acções.

Cuba tem estado permanentemente sujeita às acções subversivas dos serviços especiais americanos e dos seus aliados, que há mais de 60 anos têm planeado, promovido, financiado e dirigido actividades deste tipo com objectivos desestabilizadores contra a ilha, utilizando mercenários e pessoas que coincidem com os seus interesses na cena doméstica, que têm levado a cabo acções destinadas a obstruir o desenvolvimento e a boa governação, ao mesmo tempo que tentam manipular sectores vulneráveis da sociedade para confrontar o Estado e as suas instituições.

Estas actividades são reflectidas e amplificadas pelos meios de comunicação social, “santificadas” por instituições internacionais, “ONG”, fundações e outras organizações sob o seu controlo, e difundidas em redes sociais através de campanhas mediáticas de apoio às mesmas. Desta forma, influenciam a opinião pública internacional a procurar o consentimento que legitima as suas actividades contra Cuba, enquanto bombardeiam o povo cubano com campanhas de guerra psicológica e de desinformação. Desta forma, distorcem as realidades, cavalgam sobre problemas existentes para fomentar o ódio, o desespero, a desconfiança, o anarquismo, e para provocar uma explosão social que levará ao colapso da Revolução e porá um fim ao socialismo na nossa nação.

Com base no acima exposto, tomamos como elemento de análise a campanha subversiva desencadeada pelo grupo de falsários de San Isidro e os de 27-N, bem como o movimento anti-cultura que é promovido a partir dos círculos de poder em Washington e da extrema-direita cubano-americana, visando quebrar o moral e a dignidade dos artistas, escritores e jornalistas cubanos, visando quebrar o moral e a dignidade dos artistas, escritores e jornalistas cubanos, Escritores e jornalistas cubanos, a fim de os utilizar como instrumentos da sua guerra suja contra a nação antilhana, ao mesmo tempo que dificultam contratos, negam vistos e transformam-se em objectos de perseguição e linchamento dos meios de comunicação que não cedem às suas pressões, nem se deixam comprar.

A estratégia parece ser parcialmente eficaz, uma vez que não é segredo que vários artistas de música popular como Alexander e Randy Malcom, membros da dupla “Gente de Zona”, Yotuel do “Orishas”, e o rapper urbano “El Micha” cederam às pressões e ao capital.

Estes artistas foram transformados em fiéis vassalos, que por uma ninharia e para preservar o seu status quo, acesso à nação americana e à indústria musical de Miami, concordaram em tornar-se geradores de conteúdo subversivo contra o governo estabelecido em Cuba, a institucionalidade, a Constituição e o socialismo, inserindo nas suas canções conteúdos destinados a provocar mudanças no pensamento e comportamento do povo.

É claro que estes artistas só estão interessados em dinheiro e não em perder os seus vistos, todos os bons cubanos sabem disso. É a mesma agenda, que, a partir de outro contexto, e por outros meios, mas essencialmente, é aproveitar os problemas reais sofridos pelos cubanos comuns, para gerar confusão a partir do afectivo, obviando às verdadeiras causas do mesmo, e incitando ao caos e ao anarquismo, desunião e ódio entre os compatriotas.

Surpreenda-se ao saber que não propõem nada de específico, apenas falam de mudança, claro que uma mudança seria bem-vinda, uma mudança de política hegemónica, interferência, bloqueio, colonização cultural por parte do governo dos Estados Unidos. É por isso que desejamos, um diálogo respeitável, entre iguais, e num clima de respeito mútuo.

Por outro lado, nem sequer ouçam o que estes chamados artistas dizem, porque são instrumentos utilizados pelo império para manipular a população e subverter a ordem em Cuba, tal como fizeram na URSS.

Neste momento, é apropriado recordar o que Allen Dulles, Director-CIA (1953-1961) disse sobre a estratégia subversiva e manipuladora levada a cabo contra a URSS:

“Semeando o caos na URSS, vamos substituir os seus valores, despercebidos, por valores falsos e forçá-los a acreditar neles. Da literatura e da arte faremos desaparecer a sua carga social; a literatura, o cinema, o teatro reflectirão e exaltarão os sentimentos humanos mais básicos; apoiaremos os artistas que começam a semear e inculcar na consciência humana o culto do sexo, da violência, da traição. Na liderança do Estado vamos criar caos e confusão, vamos encorajar o despotismo dos funcionários, suborno, corrupção, falta de princípios. Honestidade e honestidade serão ridicularizadas. Faremos com que as fundações da moralidade pareçam ter um aspecto de desonestidade, destruindo-as.

Esta estratégia, com nuances que a adaptam aos tempos actuais, é semelhante em muitos aspectos à que estão a aplicar hoje contra Cuba, que é apresentada a partir de um contexto linguístico e psicológico. É a especialidade do inimigo, entrar na psique do povo, de um povo específico, estudar em profundidade as suas aspirações e sofrimentos, a sua cultura, a fim de semear a partir daquilo a que chamam “fissuras” as sementes do neoliberalismo, da privatização, da prostituição, da droga, da guerra, da pobreza, da incultura, da eterna mediocridade, do vazio, da sociedade do consumo excessivo, em busca de criar as condições que permitam o domínio dos países que lhes interessam.

Para compreender o processo de manipulação a partir dos conhecimentos linguísticos e psicológicos, tomemos como exemplo a nova canção subversiva “Un Sueño” (Cuba Grita Libertad) do rapper El Micha, que do seu título já denota manipulação, porque Cuba é um país livre e soberano.

A estratégia de distracção escondida na canção.

Evidentemente, esta canção desvia a atenção do público para a suposta responsabilidade do governo cubano pela situação actual na ilha, sem ter em conta que os problemas de Cuba são o produto de um bloqueio de ferro estabelecido e consolidado há mais de meio século, nem menciona a intensificação do bloqueio no meio do Covid-19, nem a crise económica global que este provocou.

Ele canta do próprio país que está a bloquear o seu povo, aquele que ele ama e defende tanto, algo que não faz sentido. Se ele está tão preocupado com o povo, porque não canta de Cuba contra o governo dos Estados Unidos e o bloqueio desumano que nos impõe, que não faz qualquer menção na sua canção subversiva. Mas é verdade que existe um povo, que resistiu, resiste, e não vende a sua liberdade. Evidentemente, este cavalheiro só está interessado no dinheiro que as elites políticas e económicas do vizinho do Norte lhe vão pagar; ele é, sem dúvida, um manipulador que se junta àqueles que vivem à custa do sofrimento do seu próprio povo.

*Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem tempo para pensar; de volta à quinta como os outros animais (citação do texto “Silent Weapons for Quiet Wars”)”.

Resolução de problemas-reacções.

Aqui é evidente como é feita uma tentativa de criar uma situação fictícia ou imprecisa destinada a provocar uma certa reacção na audiência, e a audiência enquanto tal assume um papel determinante no problema e na sua solução. A canção incita a uma rápida mudança de regime, o que implica deixar que a violência urbana se desenvolva ou intensifique, ou que ocorra derramamento de sangue, para que o público seja aquele que exige leis e políticas de segurança em detrimento da liberdade.

Subsequentemente, sob certo gradualismo, o pretexto de uma economia subdesenvolvida (produto do bloqueio e das sanções económicas) ou de uma crise económica seria utilizado para fazer o público aceitar como um mal necessário a regressão dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos. Naturalmente, isto é omitido por razões óbvias.

A estratégia do gradualismo.

Como mencionei anteriormente, o gradualismo é a chave do sucesso, para que condições sócio-económicas radicalmente novas (neoliberalismo) possam ser impostas a partir de uma mudança de regime.

  1. a estratégia de adiamento.

De um contexto social cheio de nuances, reflectem apenas o que entendem ser negativo ou problemático. Eles sabem que a maioria apoia o governo e o sistema social existente, e por isso aludem à necessidade de uma mudança de regime como algo doloroso e necessário. Para dar credibilidade ao mensageiro, vestem-no como um cubano do povo que ele não tem, e embora ele peça uma mudança rápida, e assegure que Cuba está pronta para uma “mudança”, estas estratégias visam ganhar tempo para que o público se habitue à ideia de mudança e a aceite com resignação se a altura chegar.

  1. dirigir-se ao público como criaturas de pouca idade.

No texto da canção, tentando manipular os sentimentos do público cubano, cometem o erro de a abordar como alguém com falta de conhecimento, cultura, capacidade analítica e pensamento crítico. É a aplicação mecânica de métodos de influência psicológica sem considerar as características do sujeito sobre o qual actuam ou a ignorância que os leva a confundir os desejos com as realidades.

  1. usar o aspecto emocional muito mais do que a reflexão.

O uso do emocional é uma técnica mais do que eficaz para suprimir a análise racional e, finalmente, para o sentido crítico do povo. Além disso, a utilização do registo emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente a fim de implantar ideias, desejos, medos, e induzir comportamentos.

Segundo o texto da canção colocada na boca do agora mensageiro do império, ele canta por 11 milhões, algo que é mentira, ele canta em nome da capital do império, o que garante o seu pagamento, e o seu visto. Do mesmo modo, fala das necessidades que as pessoas sofrem, para o que utiliza na sua fala questões sensíveis como a falta de medicamentos, alimentos, recursos, e a situação que tem sido gerada pelo Covid-19.

Não menciona os cinco candidatos cubanos à vacina que em breve estarão disponíveis para o povo, não fala da estratégia eficaz de Cuba na luta contra a pandemia, não fala do esforço que o governo está a fazer para garantir o essencial ao povo no meio do aperto do bloqueio, não fala do esforço que os professores cubanos estão a fazer para garantir a educação de milhões de estudantes.

Os problemas são abandonados, e de uma forma subtil estão ligados a uma suposta falta de vontade do Estado para com o seu povo, e omitem as causas reais dos problemas, o que indica que o seu discurso visa a manipulação, desinformação, e subversão. É a manipulação da realidade em busca de interesses espúrios.

7.manter o público na ignorância e na mediocridade.

Promover este pensamento medíocre, a análise plana dos problemas que afectam a nossa sociedade, promover a anti-cultura, o banal, o consumismo e o conteúdo vazio, é encorajar a ignorância e a mediocridade.

O rapper vende pátrias, não estimula o público a questionar-se sobre as questões que menciona, não lhe convém. É evidente a intenção manipuladora da sua “canção” que depende da ignorância ou contra-revolução para propagar o seu conteúdo incoerente e manipulado.

Estimular o público a ser complacente com a mediocridade.

Semear na juventude a ideia de se opor ao governo como uma moda, aproveitando a sua rebeldia, é estimulá-los a serem complacentes com qualquer conteúdo incoerente desta natureza. Promover esse sentimento, de não querer pensar, ou analisar as verdadeiras causas dos problemas, é promover a mediocridade.

O Reggaeton, considerado por muitos como um género musical banal e medíocre devido à pobreza do seu conteúdo, é utilizado nesta ocasião, aproveitando a sua aceitação pelos mais jovens, como um meio de inserir conteúdos intencionais, adaptados, modificados e dirigidos a este sector da população, que consideram ter sido doutrinado para agir sem pensar, uma espécie de autómato cujo comportamento responde a estímulos ou motivos intencionais inseridos na sua psique por outros.

9- Reforçar a auto-criminação.

Evidentemente, eles tentam fazer-nos acreditar que nós cubanos somos responsáveis pela nossa própria desgraça, uma vez que decidimos seguir o caminho do socialismo, sob a orientação de Fidel. A Revolução é culpada por todos os males sofridos pelo povo. Sem dúvida, o Judas Iscariotes, um mero fantoche sem intelecto, vende a sua dignidade e ataca a sua pátria pelos presentes que lhe são oferecidos por aqueles que ele adoptou como patronos.

Não importa se ele age por ignorância ou imoralidade, na minha opinião, o que é verdadeiramente importante são as intenções das mensagens que ele transmite, que na essência distorcem a realidade para criar uma desconexão com ela, e uma nova ligação com o criado para manipular. Os propósitos políticos, a influência para: fomentar a rejeição do governo, incitar à violência e criar estados de pânico são prioridades da “canção” apócrifa.

10- Conhecer os indivíduos melhor do que eles próprios se conhecem.

É evidente que um cubano de origem humilde é a melhor forma de levar a mensagem modificada para subverter o povo, que também está na sua essência humilde. É por isso que o “rapper” se apresenta como alguém que sofre com o povo, mas não menciona que agora ganha dinheiro à custa disso, ou que os traiu para obter um visto e para cantar em discotecas em Miami.

Se ele é comunista ou não é da sua conta, mas também menciona este facto com orgulho, o que significa encorajar o ódio por aqueles que o são.

Finalmente, no que respeita à manipulação, conhece a realidade e o sofrimento do povo, está agora em Miami, e mostra-se como aliado daqueles que querem uma invasão militar de Cuba. É esta a mudança de que fala na sua “canção”? Penso que, se ele dissesse a verdade escondida entre tantas mentiras e estratégias de influência psicológica, a canção teria o título: “Quero o meu visto e o meu dinheiro”, e o refrão seria: “Cuba fode-te, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo! Cuba fode-te, estou a vender-te, que me importa a pátria se tenho um visto, agora é tempo de invasão militar e sangue inocente ….

Se colocar a verdade, como ela é, não seria muito bem aceite, seria melhor dizer: mude agora! Mas: Como seria a mudança? O que está por detrás dessa palavra? Resposta: ele não diz, diz apenas que quer ver o povo a governar-se a si próprio. Não compreendo, porque na Cuba de hoje, são as pessoas que estão no poder.

Finalmente, gostaria de falar sobre um linguista americano chamado George Lakoff (Berkeley, 1941), que é um investigador em linguística cognitiva. Dentro do seu trabalho é necessário destacar a “teoria dos quadros cognitivos”.

As estruturas cognitivas são estruturas mentais que moldam a nossa percepção da realidade, moldando assim o nosso conhecimento enciclopédico social. Isto significa que cada palavra que o indivíduo descodifica no processo de comunicação passa por um filtro ou frame correspondente, uma acção que está relacionada com a capacidade de interpretação que um indivíduo pode fazer das mensagens que recebe. Neste quadro aparecem informações sobre as experiências do indivíduo em torno da palavra em questão e a aprendizagem social da mesma, ou seja, o contexto.

Em suma, cada indivíduo, de acordo com a sua experiência e socialização, interpreta os termos aos quais atribui diferentes significados, conotações e emoções.

Selecção lexical, “palavras talismãs”, e estruturas cognitivas

Na canção subversiva do rapper “Micha” é feita uma selecção léxica de palavras-chave que englobam um significado social especial, aquilo a que chamaremos “palavras de talismã”. Palavras talismãs” são palavras que historicamente têm sido carregadas de prestígio e, portanto, têm um significado especial para as pessoas. Podem tanto prestigiar como desacreditar as palavras que lhes são apresentadas. Para melhor compreender isto, podemos destacar “palavras talismãs” utilizadas pelo rapper na sua canção tais como: liberdade (de expressão), sonho, povo, solução, verdade, mãe, santos, igreja, esperança, coração, vizinhança, melhorar.

Tendo em conta o acima mencionado, é interessante ver a desconexão destas palavras com a realidade, e o uso de palavras carregadas de um significado sensível como: pior, pandemia, fome, necessidade, sofrimento, mudança, balsa, repressão, abuso, angústia, problema, separação, desespero, depressão, repressão, mau, matar, crime, dor, governo, caro, transporte, choro, censura, casinos, hotéis, político, comunista.

Após a análise feita, pode-se observar claramente como artistas de baixo custo para o império são por ele utilizados para subverter a ordem institucional em Cuba, utilizando os avanços da ciência, especialmente nas tecnologias de informação e telecomunicações, bem como os experientes no campo da linguística, psicologia e neurociência.

É por isso que Fidel, que previu o futuro com clareza e interpretou as intenções pérfidas do inimigo como ninguém, disse: “O futuro da nossa pátria deve ser necessariamente um futuro de homens de ciência, deve ser um futuro de homens de pensamento…”. Ele, da clarividência do seu pensamento, avisou-nos dos perigos que nos esperariam no caminho e da necessidade de levar essa cultura científica ao povo, para que ninguém os possa confundir, nem os falsos profetas os manipulem.

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Ana Belén Montes, Chelsea Manning, Edward Snowden: ética crucificada .

Categories: #Cuba, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #EstadosUnidos, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), CIA, Relaciones Cuba-EE.UU, Subversão contra Cuba, TERRORISMO VS CUBA | Deixe um comentário

#Cuba, #Biden e o idílio .

Por Redacción Razones de Cuba

Como é habitual na “democracia” liberal, após a contagem dos últimos votos, a campanha eleitoral e o que nela foi dito fica para trás. Embora nos seus comícios e entrevistas Biden tenha prometido relutantemente uma mudança de política em relação a Cuba e o regresso dos avanços de Barack Obama, a verdade é que, em relação a Cuba, o que realmente conta é a situação, os interesses políticos e os cálculos de governabilidade, especialmente no Congresso, ao que se junta a amargura histórica de ambos os partidos pela rebelião da ilha.

Quando as cortinas da era Trump começaram a fechar-se, os obstáculos que a direita mais reaccionária dos Estados Unidos estava a começar a interpor-se para impedir Washington de se virar para Havana já estavam à vista.

Todos nos Estados Unidos estavam cientes da firmeza de Cuba na defesa da sua soberania, e tudo o que restava era fabricar novos pretextos para, pelo menos, atrasar qualquer decisão de Biden relativamente às medidas criminosas de asfixia económica implementadas por Donald Trump contra o povo cubano.

Biden y Cuba

As acções foram concebidas em torno de dois eixos fundamentais: os direitos humanos e o terrorismo, temas profusamente de blockbuster na rede de meios de comunicação social articulados contra a ilha durante mais de 60 anos.

Em Havana, mesmo no meio da devastação causada pelos efeitos do bloqueio e da pandemia da COVID, num contexto também marcado pelos esforços de todo o país das Caraíbas para salvar vidas, não só cubanas mas de todo o mundo, grupos subversivos desenvolveram um espectáculo mediático para afectar a imagem do país e das suas instituições e “mostrar” ao mundo a “intolerância” do governo presidido por Miguel Díaz-Canel.

O esquálido grupo de San Isidro, constituído por elementos criminosos financiados pelo erário público norte-americano, criou as condições para a intervenção das autoridades cubanas, facto que foi demonstrado ao mundo como uma acção de alegada repressão. A verdade é que nem uma única pessoa foi torturada, nem uma única pessoa desapareceu, nem sequer uma delas foi julgada pelas suas acções mercenárias, provocatórias e ilegais.

Esta exposição foi a razão pela qual, através das redes sociais e seguindo os contornos mais básicos dos manuais de golpe suave, se tentou uma “demonstração”, que não foi além de algumas centenas de jovens e não tão jovens, em frente ao Ministério da Cultura de Cuba, “exigindo” mais facilidades para os “artistas”. O que pouco foi dito é que Cuba foi provavelmente o país da região que mais fez pela cultura do seu povo e que entre os promotores dessa segunda encenação anti-governamental e pró-EUA se encontravam funcionários reconhecidos das estruturas norte-americanas dedicadas ao financiamento da subversão na ilha, que chegaram ao ponto de apelar a uma intervenção armada contra o seu próprio povo.

Tudo para dar curso ao guião pré-estabelecido, destinado a alimentar o falso mito da violação dos direitos humanos em Cuba, um país do terceiro mundo onde os direitos fundamentais da população são mais respeitados e venerados.

O segundo eixo da campanha, o terrorismo, veio da mão do principal aliado dos EUA na América Latina: a Colômbia.

Após décadas de esforços de Cuba na busca da paz naquele país sul-americano, esforços reconhecidos pela ONU, União Europeia, Rússia, China e o resto dos países da região, o governo colombiano bateu a porta à ajuda da diplomacia da Índia Ocidental ao exigir a extradição da delegação de paz da guerrilha ELN, destacada em Cuba, sede das negociações, a pedido do governo que antecedeu o actual presidente colombiano, Ivan Duque.

O pedido invulgar e ilegal do presidente colombiano foi um dos argumentos “mais fortes” utilizados por Trump para devolver Cuba à lista de países que supostamente não colaboram na luta contra o terrorismo, o que implica consequências económicas e políticas adicionais para o povo cubano.

Face a estes factos consumados, todos milimetricamente construídos e com o apoio dos meios de comunicação social, a porta-voz da Casa Branca anunciou recentemente que uma mudança na política em relação à ilha não se encontra entre as prioridades da administração Biden.

Sem dúvida, Washington está a observar cuidadosamente a possibilidade de uma explosão social em Cuba no meio das duras limitações económicas e financeiras; e não querem deixar cair esta oportunidade de ver a ilha rebelde e digna. Em suma, Obama decidiu tomar as poucas medidas que tomou em relação a Cuba no último ano do seu segundo mandato, mas sem fazer uma única concessão.

A intenção de “democratizar” Cuba, que nada mais é do que destruir o mais belo e mais humano projecto socialista alternativo jamais construído no mundo, tem sido um anseio dos falcões democratas e republicanos, uma vez que era também um anseio da administração Obama, da qual Biden foi o seu vice-presidente.

Ao mesmo tempo, ouvem-se vozes que, como aconteceu nos anos 90 do século passado, exigem concessões de Cuba para aliviar o bloqueio e as medidas criminosas que dificultam a vida quotidiana dos cubanos, uma posição injusta, uma vez que a ilha é a atacada, a mesma ilha que, como nenhum outro país, estendeu a mão ao mundo durante os momentos mais duros da pandemia da COVID.

A guerra económica dos EUA contra Cuba tem de parar porque é criminosa e anacrónica e porque é eticamente insustentável. Esperemos que Biden, que acaba de autorizar um bombardeamento contra o povo sírio e adopta a mesma política que Trump em relação ao Irão, seja suficientemente honrado para pôr fim a este e outros crimes cometidos por sucessivas administrações do seu país. Entretanto, aqueles que acreditavam no idílio, terão de começar a abrir novamente os olhos e apostar na luta e resistência contra o império.

Extraído de La Pupila Insomne

Categories: # Cuba, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #salud, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, joe biden, mentiras construídas em Washington contra Cuba, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, SANCIONES, Washington | Deixe um comentário

“Ação Secreta”#CubaSeRespeta

Categories: # Cuba, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Terroristas em Miami lideram marcha pela “pátria” e “vida”

Por M. H. Lagarde

A marcha, encabeçada por notórios terroristas, que aconteceu neste sábado em Miami para apoiar o que chamaram de “um despertar da consciência cívica em Cuba” após a canção Patria y Vida, pode ser considerada o auge da horrível realidade de Miami.

Segundo o jornal oficial da máfia anticubana de Miami, El Nuevo Herald, a caravana de carros que desfilou pelas ruas dessa cidade contou com a presença de Ramón Saúl Sánchez Rizo, presidente do Movimento pela Democracia e um dos organizadores do evento ., que liderou uma oração em apoio à subversão em Cuba.

Leia mais: IN VIDEO. Pátria e vida: o verdadeiro pano de fundo de uma campanha anticubana

Além de Ramón Saúl Sánchez, o desfile, segundo a mesma fonte, também contou com a presença do notório terrorista anticubano Orlando Gutiérrez-Boronat. Embora agora se apresentem como “pacifistas”, ambos têm uma longa história de ações terroristas contra Cuba.

Para não demorar muito nesta nota, basta dizer que Ramón Raúl Sánchez, no início de sua carreira de “lutador” pela causa de Cuba, fazia parte de organizações terroristas como a Frente de Libertação Nacional de Cuba (FLCN) e Alpha 66, organização dirigida por Andrés Nazario Sargén, acusado de mais de 20 ataques terroristas contra navios e missões diplomáticas cubanas.

Ele foi o segundo coordenador das Organizações Revolucionárias Unidas (CORU, a mesma organização à qual pertencia Posada Carriles e um relatório do Federal Bureau o identificou como um dos autores da explosão em pleno vôo de um pequeno avião com quatro turistas americanos viajando para Cuba em 1978.

Por sua vez, o porta-voz da chamada Direção Democrática Cubana, Orlando Gutiérrez Boronat, era membro da organização Abdala quando esta se fundiu com a violenta Frente de Libertação Nacional de Cuba, descrita pela CIA em seu estudo “Diagnóstico e Previsão do Terrorismo Internacional e Transnacional ”de 1976, como a organização terrorista cubana mais ativa nos Estados Unidos entre 1968 e 1975.

Suas ações “a favor da vida” incluem sua participação no ataque a um avião da companhia aérea comercial Cubana de Aviación, estacionado no aeroporto internacional de Miami, contra o qual lançou uma draga a combustível. O acontecimento causou avarias e avarias de milhares de dólares e o terror dos viajantes que embarcaram. O OPLC ganhou a ação e pagou fiança para o terrorista, que foi libertado.

Orlando Gutiérrez Boronat é também o personagem fatal que os cubanos tiveram a oportunidade de ver em suas telas de televisão depois que, em 4 de dezembro, manifestou seu apoio a uma invasão armada a Cuba para derrubar o governo socialista se os soldados cubanos usassem força letal contra os cubanos quem se opôs ao governo. Ele disse:

“Se houver uma repressão mortal, o uso da força militar para reprimir o povo cubano é legítimo e pedimos uma intervenção internacional liderada pelos Estados Unidos para derrubar esse regime e acabar com ele”.

Não é de estranhar que tais terroristas apoiem o chamado Movimento San Isidro em sua “luta”, se levarmos em conta o “amor” que uns e outros compartilham pela “Pátria” e pela “Vida”.

Prova disso é a conexão entre as ameaças feitas por Boronat e a de um dos intérpretes da canção “vital”, o suposto rapper Maykel Osorbo, que também apelou, publicamente e em voz alta, à invasão dos Estados Unidos a Cuba. .

Categories: #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #CIA, #Cuba #CIA, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), ataques acusticos contra embajada EU, grillo, invasión por Bahía de Cochinos, Mike Pompeo, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Caracas, #Estados Unidos, Golpe de Estado, #Mike Pence, Militar, #Nicolás Maduro Moros, #Venezuela, CIA Mike Pompeo, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Redes sociais, Terrorismo, TERRORISMO VS CUBA | Deixe um comentário

O pretexto sônico: Entre a #CIA e #MarcoRubio (Parte II)

Por Rafael Gonzalez Morales Redacción Razones de Cuba

Após sete meses sem revelar publicamente os supostos incidentes acústicos, e encerrado o processo de revisão da política em relação a Cuba, Marco Rubio considerou que era o momento ideal para pressionar com o objetivo de que esses fatos fossem do conhecimento de todos. Foi um cálculo político perverso baseado no facto de estes “ataques sonoros”, uma vez revelados, constituírem o pretexto perfeito para se conseguir uma deterioração progressiva das relações entre os dois países que conduziria praticamente ao desmantelamento das respectivas embaixadas.

Não se contentava com um retrocesso parcial, como o incluído no memorando de Trump, precisava gerar um clima bilateral rarefeito e tinha certeza de que essa questão tinha esse potencial. Em sua lógica maliciosa, com uma série de diplomatas americanos “afetados por uma arma poderosa de tecnologia desconhecida”, o governo dos Estados Unidos não teve escolha a não ser responder agressivamente.
Segundo investigação da publicação New Yorker, Marco Rubio “começou a cair nas reuniões que sabia o que se passava em Cuba. Funcionários do governo temiam que ele vazasse a informação a qualquer momento.

Ataque Sónico

Nesse contexto, em 9 de agosto, o jornalista da CBS Steve Dorsey perguntou ao porta-voz do Departamento de Estado: Você pode nos contar sobre os incidentes que estão acontecendo em Havana e que afetaram funcionários do governo dos Estados Unidos? O funcionário, no essencial, disse-lhe: «Temos conhecimento do que aconteceu lá. Funcionários do governo dos Estados Unidos que trabalhavam em nossa embaixada em Havana relataram alguns incidentes que causaram diversos sintomas físicos […] Não temos uma resposta definitiva sobre a origem ou causa dos incidentes.

O momento almejado pela extrema direita havia chegado para impor sua agenda sem obstáculos. Em 15 de setembro, cinco senadores republicanos do Comitê Seleto de Inteligência do Senado liderado por Marco Rubio enviaram uma carta ao então Secretário de Estado Rex Tillerson. Na carta, pediam-lhe que declarasse imediatamente todos os diplomatas cubanos nos Estados Unidos como pessoas indesejáveis ​​e, caso Cuba não tomasse medidas tangíveis, fechasse a embaixada dos Estados Unidos em Havana.

Em 29 de setembro, Tillerson anunciou a decisão de reduzir significativamente o pessoal diplomático de sua embaixada em Havana e remover todos os familiares. No comunicado, ele especificou que “até que o governo de Cuba possa garantir a segurança de nossos diplomatas”, só restará o pessoal de emergência. Além disso, emitiram um alerta de viagem aos cidadãos norte-americanos sugerindo que evitassem viajar para a ilha. Horas depois desse anúncio, Donald Trump, diante de uma pergunta de um jornalista sobre esses acontecimentos, apontou em sua linguagem típica: “Houve um grande problema em Cuba. Eles fizeram coisas muito ruins.

Nesse mesmo dia, Marco Rubio divulgou um comunicado que afirmava: “É absurda a ideia de que Cuba não saiba como esses atentados foram cometidos e quem os executou […] Até que os responsáveis ​​por esses atentados sejam levados à justiça, Estados Unidos deve expulsar imediatamente igual número de diplomatas cubanos, rebaixar a embaixada dos Estados Unidos em Havana à Seção de Interesses e considerar a inclusão de Cuba na lista de países patrocinadores do terrorismo.

Olla de grillos? (+Línea de Tiempo) (+Ilustraciones) - Cuba en Noticias

Em 3 de outubro, o Secretário de Estado indicou por meio de um comunicado à imprensa que haviam decidido que 15 funcionários da embaixada cubana em Washington deveriam deixar os Estados Unidos. Em menos de uma semana, o governo Trump adotou medidas com implicações muito negativas para as relações entre os dois países. Em termos práticos, ocorreu um desmantelamento das missões diplomáticas.

A suspensão da emissão de vistos na sede dos EUA comprometeu o cumprimento dos acordos de imigração e afetou as viagens por motivos familiares aos Estados Unidos. A cooperação em questões de interesse comum e a implementação dos 22 instrumentos bilaterais existentes também foram colocadas em risco. Portanto, o pretexto dos “ataques sônicos” começou a valer a pena e a deterioração progressiva das relações começou.

Ao contrário da posição manifestada pelo governo dos Estados Unidos de manipular esta questão por motivos políticos, as autoridades cubanas, desde que foram informadas da ocorrência destes eventos em fevereiro de 2017, deram-lhe a máxima prioridade e envolveram-se imediatamente no seu esclarecimento. Criaram um grupo de trabalho permanente responsável pelo processo de investigação no qual intervieram diversas especialidades do Ministério do Interior. Além disso, foi constituída uma comissão de especialistas composta por especialistas de alto nível dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Saúde Pública, tendo em consideração a natureza dos acontecimentos notificados.

Depois que o governo dos Estados Unidos divulgou publicamente essa situação, um debate crescente começou sobre esses eventos. Cientistas de renome internacional, de várias áreas do conhecimento, pertencentes a prestigiosas universidades e centros de pesquisa dos Estados Unidos e da Europa, têm sustentado várias hipóteses que lançam dúvidas sobre a ocorrência dos alegados ataques acústicos. Esses especialistas consideraram improvável que a grande variedade de sintomas fossem causados ​​por equipamentos conhecidos e que o tipo de som gravado provavelmente não causasse danos cerebrais.

Multimedia - Cuba en Noticias

Em 8 de janeiro de 2018, a agência de notícias AP revelou que a Divisão Operacional de Tecnologia do FBI emitiu um relatório afirmando que após investigar as ondas sonoras abaixo do alcance da audição humana (infra-som), aquelas que podem ser ouvidas (acústica) e aquelas que estão acima No campo auditivo (ultrassom), concluiu que não havia causa sonora para os sintomas físicos vividos pelos diplomatas norte-americanos em Havana. Em essência, a instituição especializada nos Estados Unidos legalmente autorizada a realizar esse tipo de investigação determinou que não havia evidências dos “ataques acústicos”.

Como parte de sua obsessão anticubana, Marco Rubio convocou uma audiência em 9 de janeiro na Comissão de Relações Exteriores do Senado sobre os incidentes de saúde. Seu objetivo era fazer um show político para responsabilizar o governo cubano. O legislador argumentou que era irrelevante saber se os ataques foram realizados com um dispositivo acústico ou de micro-ondas porque, em última análise, a verdade era que “24 americanos ficaram feridos”.

Ele acrescentou que o que aconteceu foi fruto de uma tecnologia tão sofisticada que os especialistas nos Estados Unidos ainda não entendem. Como o nosso cinismo sem limites, afirmou: “os responsáveis ​​por estes atentados querem introduzir atritos nas relações bilaterais”.

Retirado do contexto latino-americano

Categories: #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #Bob Menéndez e #Marco Rubio, #Donald Trump, #Estados Unidos, #FalsosAtaquesAcústicos, Cuba, diplomáticos estadounidenses, Estados Unidos, #Marco Rubio e #Bob Menendez ., A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), ataques acusticos contra embajada EU, grillo, invasión por Bahía de Cochinos, Mike Pompeo, ataques aqcusticos, ataques frenéticos contra Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CIA Mike Pompeo, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., Manipulacion, Manipulacion Politica, MARCO RUBIO, MIAMI, secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo,, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

#BobMenéndez exige que #Biden coloque condições políticas em #Cuba.

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Enquanto 80 congressistas democratas, autoridades de mais de 15 cidades, organizações religiosas, acadêmicos e movimentos sociais americanos pediam expressamente ao presidente Joe Biden que normalizasse as relações de seu governo com Cuba, o senador Bob Menéndez exigia que o presidente condicionasse uma eventual negociação com ele. “melhorias na situação dos direitos humanos e das liberdades políticas”.

Menéndez, novo presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, foi um dos principais críticos, dentro do Partido Democrata, da aproximação entre as duas nações promovida pelo governo Barack Obama.

O pronunciamento do político anticubano ocorreu em recente evento organizado pela Fundação Inspire America, instituição sem fins lucrativos cujo objetivo é “promover a mudança de regime em Cuba”.

robert menendez

A atividade contou com a presença dos mais proeminentes animais de direita de Miami, incluindo o senador republicano da Flórida, Marco Rubio; o deputado republicano Mario Díaz-Balart, e a também republicana María Elvira Salazar, que, segundo a carta dos 80 deputados democratas a Biden, reagiu com o tom típico de sua obstinação contra a Revolução: o que eles “têm que enviar é um carta exigindo o fim da repressão ”, disse, referindo-se ao mais desgastado dos argumentos fabricados pela máfia política anticubana.

Bob Menéndez, considerado “o mais republicano dos democratas”, tem se destacado por suas ações contra Cuba e Venezuela, sendo o arquiteto, junto com Marco Rubio, de muitas das “iniciativas” propostas para prejudicar as duas nações.

Nos últimos sete anos, Robert tem estado na mira das autoridades norte-americanas por crimes de conspiração, tráfico sexual, fraude e suborno.

Em 2017, ele foi acusado de 18 acusações de fraude e suborno. Segundo o Ministério Público, o senador recebeu US $ 750 mil em doações, brindes, viagens de avião particular e férias luxuosas pagas por um benfeitor.

Anteriormente, o político ultraconservador se envolveu em um escândalo com prostitutas dominicanas. Segundo um remetente, identificado como Peter Williams, que alertou o FBI, Menéndez contratou e fez sexo com quatro adolescentes naquele país.

Os autos de acusação indicam que, entre agosto de 2006 e janeiro de 2013, o político se hospedou várias vezes em um resort na República Dominicana, conhecido por ser um refúgio exclusivo do Caribe na província de La Romana, na costa sudeste daquele país, onde Acredita-se que ele teve o referido encontro com prostitutas.

Um grande júri federal concluiu que o político usou seu gabinete senatorial para favorecer projetos “em troca de doações e favores”, para motivar declarações falsas sob juramento de trabalhadoras sexuais menores de idade e para defraudar o sistema de saúde dos Estados Unidos.

Bob também tem um histórico de permitir a propagação da prostituição, jogos de azar e extorsão de gângsteres, enquanto era prefeito de Union City, uma cidade perto de Nova York.

Recentemente, alguns meios de comunicação dos Estados Unidos classificaram o colega cubano-americano Ted Cruz, senador pelo estado do Texas, como o pior dos políticos cubano-americanos, ainda “pior que Marco Rubio”, embora, sem dúvida, entre “joias”. Como. é você, é difícil escolher.

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #Estados UnidosGrupo de LimaPalacio de Miraflores, #EstadosUnidos, #FalsosAtaquesAcústicos, Cuba, diplomáticos estadounidenses, Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), antilatinoamericana agenda geopolítica belicista e Donad Trump alinhados, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, BLOQUEIO VS CUBA, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Constituição é filha da Revolução, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, CUBA - ESTADOS UNIDOS, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., Cuba, fake news, CubavsBloqueo, Fake news, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, MIAMI, relações bilaterais, o governo Donald Trump, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Conversando com Cristina Escobar sobre…Igualdade trancada? “

Categories: # Cuba, # yo voto vs bloqueo, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #colaboracion medica cubana, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Diálogo Cuba e União Europeia sobre direitos humanos, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #FalsosAtaquesAcústicos, Cuba, diplomáticos estadounidenses, Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, 8 de março dia internacional da mulher, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Andrés Manuel López Obrador, Bolivia, estados unidos, Evo Morales, Grupo de Lima, Luis Almagro, Mexico, Nicolás Maduro, Red Europea de Solidaridad con la Revolución Bolivariana, venezuela, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, CubavsBloqueo, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, Solidaridad | Deixe um comentário

O cerco da “pacificação” .

Autor: Antonio Rodríguez Salvador | internet@granma.cu

Além de ser uma farsa ridícula, o que aconteceu no dia 27 em frente ao Ministério da Cultura foi um exercício frustrado de pós-verdade: irracionalidade e absurdo antes calculados, com o objetivo de mostrar um mundo de cabeça para baixo. ..

Supostamente, alguns artistas ali se reuniram para exigir o diálogo, mas se em certas mídias – e também nas câmaras de eco que costumam ser as redes sociais – não tivessem repetido tanto esse propósito e suposta condição, poderíamos jurar que só havia uma multidão de empolgou as pessoas lá paparazzi, e que as palavras “artistas” e “diálogo” dificilmente soaram sem qualquer significado lógico.

Pelas redes sociais pudemos ver o que aconteceu: foi uma provocação de ponta a ponta, o bullying insolente de uma instituição do Estado. Nesse reality show transmitido em tempo real por eles próprios, eles conseguiram envergonhar até a própria indecência.

Constituyen Consejo Asesor del Ministerio de Cultura de Cuba - Radio Ciudad  Habana

Vimos assim como, sem a mais elementar ética, tentaram manipular o vice-ministro Fernando Rojas em um telefonema que ele supôs ser particular. Sentimos a perplexidade e paciência do funcionário; repetidamente o ouvimos propor soluções; mas, antes de cada conformidade, havia sempre uma incoerência para não aceitá-la.

O que eles queriam com tanta ousadia? A pós-verdade é chamada de distorção deliberada de uma realidade, que manipula crenças e emoções, a fim de influenciar a opinião pública e as atitudes sociais. É um ato demagógico que desrespeita o bom senso e busca promover o fanatismo; amputar de mentes qualquer razão ou procedimento inteligente.

Quem eles estavam tentando manipular ou alimentar suas crenças? Achavam que a grande maioria dos artistas e escritores cubanos iria se juntar a eles? Será que eles achavam que tinham a mistura mágica de Puck, de acordo com a famosa comédia de Shakespeare, para encantar uma multidão naquele delirante “sonho de manhã de inverno”?

Já disse outras vezes que o problema não é a crítica, mas o critério que a protege. Que critérios estavam por trás dessa demonstração contra Mincult? A que ele estava respondendo? Um dos principais manifestantes presentes foi o suposto grevista da recente farsa de San Isidro, que pediu insistentemente ao governo dos Estados Unidos o bloqueio total a Cuba.

Mas não o bloqueio que sofremos até agora – já bastante criminoso – mas o de uma ilha rodeada de navios de guerra. Um dos slogans deste assunto é: Chega de “paz”, é preciso fogo, para apelar imediatamente à invasão militar dos EUA. A cultura da morte é o que este homem defende.

É curioso que tal provocação coincida com o momento em que funcionários da Casa Branca anunciam que o governo Biden está revendo a política desse país em relação a Cuba, depois do infeliz estado a que Trump o conduziu. Chance ou plano pré-concebido?

Outro grupo, dos presentes, respondeu aos meios planejados e pagos pelos Estados Unidos para sua habitual campanha de ódio e manipulação de nossa realidade. Meios de comunicação que nunca levantaram a voz para condenar, e nem sequer tocou na pétala de uma rosa, a censura sistemática dos artistas cubanos na Flórida, seu linchamento e demonização metódica, dos quais inúmeros exemplos podem ser dados.

Com que direito falam em nome da cultura cubana? Cultura não é apenas arte, ela também abrange o conjunto de conhecimentos, crenças e padrões de comportamento de toda a sociedade. Inclui a história, as tradições, as idiossincrasias de todo um povo, e essa entrega e essa impudência não fazem parte da nossa moral, dos nossos valores.

Quem capacitou esses jovens a falar em nome de todo um povo? Eles estão chamando essa arrogante auto-proclamação de democracia por acaso? Certamente, na manifestação anterior, realizada há dois meses, se reuniram jovens que poderiam ser capazes de encorajar intenções válidas. No entanto, agora eles não são, e isso mostra que novamente eles não poderiam ser manipulados.

O diálogo social é aquele que se origina em todo um país e, para ele, sobretudo, é tributado com uma alteridade consensual, uma vez que não é possível reunir 11 milhões de pessoas numa sala. É o que ocorre diariamente em nossas ruas e locais de trabalho, com o fazer e o compromisso cidadão.

Parece apropriado dizer que ninguém pode se opor às críticas. A crítica é bem-vinda, mas a do julgamento responsável, aquela que tem permitido que muitos artistas e escritores transcendam seu tempo e sejam, para sempre, contemporâneos. Aquele que nos coloca diante do espelho e nos projeta para o crescimento espiritual; não aquele que, de repente, nos lembra a tão citada passagem bíblica do Sermão da Montanha: “Cuidado com os falsos profetas, que vêm a vós vestidos de ovelhas, mas por dentro são lobos vorazes. Por seus frutos você os conhecerá.

Categories: #Cuba, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, DIAZ CANEL, Estados Unidos contra Cuba, Estados Unidos Vs Cuba, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, O presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, política dos Estados Unidos em relação a Cuba, Redes sociais, redes sociales, Relações Estados Unidos Cuba, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Qual é o objetivo da provocação perante o MINCULT?

Por Arthur González Razones de Cuba .

Não é preciso ser muito experiente em política para perceber que o único propósito por trás da 2ª provocação perante o MINCULT, em 27 de janeiro de 2021, é iniciar um movimento contra-revolucionário como o fabricado pelos Estados Unidos na Ucrânia, Bielo-Rússia, Rússia ou Hong Kong, coisa que as agências de inteligência ianques sabem fazer bem, mas se enganam porque Cuba é diferente dessas nações.

Aproveitando a mudança geracional na ilha, os especialistas em subversão política da CIA sonham em promover um golpe brando, algo que o governo Obama pôde avaliar, ao ouvir recomendações de analistas do Council on Foreign Relation e do Brookings Institution, quem Pediram uma mudança na estratégia a ser seguida com Cuba, para alcançar o tão esperado colapso do socialismo por dentro.

Não é por acaso que a artista Tania Brugueras voltou a Havana para executar em 2009, uma provocação durante a 10ª Bienal de Havana, onde em uma aparente “ação plástica” apresentou a blogueira contra-revolucionária Yoani Sánchez Cordero, para falar durante um minuto a mais como ele queria, e ele vai organizar outro na Plaza de la Revolución em 30 de dezembro de 2014, intitulado El Susurro de Tatlin.

A construção em 2016 do chamado “Instituto de Artivismo Hannah Arendt” (INSTAR) também não foi fortuita, que, segundo ela, declarou à imprensa, visa:

“A criação de ferramentas pacíficas para implementar mudanças políticas na Ilha e a alfabetização cívica, por entender que grande parte da violência que existe no mundo é gerada pelo medo em resposta a coisas que você não sabe que pode controlar, que você não pode ver claramente “.

Tania, financiada pelas agências de inteligência dos Estados Unidos, manipula, incita e participa de ações políticas com jovens recém-formados em escolas de arte de Cuba, que, influenciados por campanhas inimigas, se deixam levar pelas idéias que a própria artista os transferiu ao chamado Instituto, chegou a arrastar o destacado cineasta Fernando Pérez em 2019 para entregar um prêmio na dita monstruosidade, e que no dia 27 de novembro de 2020 foi um dos que estiveram com ela na 1ª provocação no MINCULT.

O argumento do “diálogo” inventado é falho, na verdade o que eles colocam são reivindicações de “liberdade de expressão e organização em novos grupos”, para atacar a Revolução, blindada na arte, situação evidenciada em 27 de janeiro de 2021.

Alpidio Alonso, nuevo ministro de Cultura de Cuba | OnCubaNews

Essas ações têm o aval do Departamento de Estado dos Estados Unidos e de sua embaixada na ilha, situação que marca a marca indelével do que buscam e desqualifica qualquer abordagem artística.

A autorização da Internet em Cuba pelo presidente Barack Obama não foi imprevista e menos humanitária, o objetivo foi exposto pelo senador Marco Rubio, durante evento realizado em 2012 pela Fundação Heritage dos Estados Unidos e Google Ideas, quando afirmou:

“O sistema totalitário cubano poderia entrar em colapso, se todos os cubanos tivessem acesso gratuito à Internet, porque Cuba seguiria o mesmo destino dos países que passaram pela Primavera Árabe”.

Daí o apoio que as agências noticiosas de Miami e as criadas com fundos da CIA, por trás do biombo da USAID e do NED, administradas por jovens contra-revolucionários, que utilizam informações falsas e / deturpadas sobre a situação em Cuba, para conformar matrizes de opinião no Gente contra o governo revolucionário, amplificando erros e criticando as medidas que se tomam na economia, para semear ressentimentos e rejeições, principalmente entre os jovens.

As manchetes da imprensa digital sobre Cuba, demonstram a intenção subversiva, sempre com a qualificação do “jornalismo independente” e da “arte rebelde”, para que o mundo admita que existe uma oposição real, sem falar no forte apoio financeiro que eles recebem dos Estados Unidos, como a própria Tania Brugueras.

Entre os rótulos projetados para causar impacto estão:

“27 de janeiro de 2021 começa com prisões e casas sitiadas pela polícia política”.

“Artistas, ativistas e jornalistas de Cuba estão sendo reprimidos neste momento por capangas da ditadura”.

“Estou sitiado e não posso sair de casa”

“231 atores pedem a criação de uma Associação Nacional de Atores de Cuba”.

“Autoridades cubanas quebram compromissos, endurecem a vigilância e a repressão contra vários artistas”

“A Segurança do Estado detém todos os manifestantes no Ministério da Cultura de Cuba”.

“O Ministro da Cultura de Cuba, Alpidio Alonso, e funcionários da organização, atacaram vários dos jovens que se manifestavam pacificamente”.

Qué pasó el 27 de enero frente al Ministerio de Cultura? | elTOQUE

Qual é o propósito de tudo isso?

O que realmente buscam não é um diálogo artístico, é simplesmente impedir que o novo governo Joe Biden volte à política de Obama, de trabalhar dentro da sociedade cubana, porque para quem aplaude a linha de estrangulamento econômico, essa estratégia não Deu resultados, melhorou a vida dos cubanos, expandiu o turismo e com sua entrada mudou a percepção distorcida de que haviam sido semeados sobre a Revolução socialista e compreenderam a crueldade do bloqueio comercial e financeiro dos Estados Unidos.

Mike Pompeo definiu bem os propósitos da América, quando disse:

“Esta não é uma questão partidária, mas sim sobre a segurança dos Estados Unidos”.

Em 26 de janeiro de 2021, Marco Rubio expressou:

“Temos grande preocupação de que o governo Biden volte às políticas de Obama para Cuba. Farei todo o possível para impedir qualquer indicação de pessoas que tenham que passar pelo Senado e que sejam favoráveis ​​a essas ações. ”

O desenho desta política inclui o Parlamento Europeu e a Igreja Católica, para argumentar em conjunto as violações inventadas dos direitos humanos e a falta de liberdades, um estratagema antigo e gasto que em 62 anos não lhes deu resultados.

José Martí foi exato quando disse:

“Nosso inimigo obedece a um plano: o de nos apodrecer, nos dispersar, nos dividir, nos afogar. É por isso que obedecemos a outro plano. Plano contra plano. Sem um plano de resistência, um plano de ataque não pode ser derrotado ”.

Categories: "Liberdade", "democracia", "racismo" e "direitos humanos", # Cuba, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #CIA, #Cuba #CIA, ações subversivas, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, cultura, ESTADOS UNIDOS, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: