IAPA e Amnistia Internacional: Os dois estão deitados um na garganta do outro.

#MafiaCubanoAmericana #ManipulacionMediatica #MercenariosYDelincuentes #FakeNewsVSCuba #ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea

Em Cuba e na América Latina, temos material suficiente sobre ambas as instituições para as conhecer e definir… e, ao mesmo tempo, para as repudiar.

A IAPA, ou seja, a Associação Interamericana de Imprensa, sempre foi um porta-voz dos proprietários da grande imprensa, dos monopólios de informação, estreitamente aliada ao poder daqueles que nela têm uma retaguarda segura para a defesa dos seus interesses económicos.

Com este endosso, logicamente, não poderia ser deixado de fora do grande espectáculo provocatório para alterar a ordem em Cuba. A sua tarefa era clara: entrar na ofensiva contra o governo cubano e, supostamente, fazê-lo com base na “defesa do jornalismo independente”.

A agência noticiosa espanhola EFE estava encarregada de expressar as suas opiniões com os seus despachos de Miami: “a situação em Cuba merece decisões urgentes por parte da comunidade internacional”.
Esta foi a opinião expressa pelo Presidente da SIP Jorge Canahuati e pelo presidente do Comité para a Liberdade de Imprensa e Informação, Carlos Jornet, numa declaração sobre três alegados jornalistas detidos em Camagüey após os motins de 11 de Julho.

Pediram nada menos que a Comissão Interamericana dos Direitos Humanos – a outra parte desta mesa – para “conceder urgentemente medidas cautelares a favor dos “três jornalistas detidos e mantidos incomunicáveis”.

Outra notícia, esta da CNN americana em espanhol, recorre a uma montagem grosseira e argumenta que “os jovens cubanos avisam que vão continuar nas ruas apesar do sangue que manchou a sua bandeira”.

Neste caso, entrevistam uma personagem bastante obscura na região, Erika Guevara Rosas, directora para as Américas da Amnistia Internacional, que se considera uma especialista em direitos humanos.

Ela disse à estação de televisão que desde domingo tem vindo a monitorizar o uso excessivo da força e detenções arbitrárias em protestos espontâneos que rapidamente se espalharam por 58 localidades em todo o país.

Neste caso vale a pena salientar o “uso excessivo da força”, as “detenções arbitrárias” e as “58 localidades” do país onde as manifestações tiveram lugar.

Tais mentiras são muito fáceis de combater, porque os únicos que usaram força excessiva foram as pessoas violentas cheias de ódio, que partiram montras de lojas, esmagaram edifícios, esmurraram, feriram pessoas com pedras e paus, destruíram carros estatais e privados e até atacaram um hospital infantil.

Todas as detenções que tiveram lugar foram feitas sob regras estritas de respeito pela lei e pela integridade dos cidadãos, e onde cada detido tem os direitos legais estabelecidos.

Quanto às 58 localidades, não conheço o mecanismo de contagem que a CNN tem de ser tão exacto ao fazer esta declaração.

Esta estação de televisão ecoa a afirmação do funcionário da Amnistia Internacional que, além disso, foi capaz de contar uma mentira grosseira ao dizer que “o governo cubano está a pressionar ou a recrutar jovens, incluindo menores, para se manifestarem a seu favor, até mesmo para chocar com aqueles que protestam”.

E, como parte do esquema de desinformação, noutra entrevista à BBC Mundo, Guevara-Rosas denunciou que “registaram pelo menos 247 pessoas que foram detidas ou estão desaparecidas”.

Os representantes das agências e outros meios de comunicação social sabem muito bem que em Cuba não há detenções arbitrárias nem pessoas desaparecidas. Em qualquer caso, os meios de comunicação em questão e o vedet entrevistado têm o país errado: Cuba não é o Chile e os seus carabineros; a nossa força policial não é constituída por supremacistas brancos que matam ou ferem pessoas negras todos os dias nos Estados Unidos, para dar apenas dois exemplos.

Reproduzido no Uribismo! O professor do ensino secundário que se dirigiu ao que muitos falam em silêncio na Colômbia.

#AhiLesVa #Colombia #FalsosPositivos #Educacion

Como a subversão é financiada em Cuba.

#EstadosUnidos #Cuba #análisis #RedesSociales #ManipulacionMediatica #SubversionContraCuba #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuenres #CubaNoEsMiami #CubaSeRespeta #PeriodismoIndependiente

Milhões por uma democracia Made in USA.

#Cuba #RevolucionCubana #InjerenciaDeEEUU #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #SubversionContraCuba #RedesSociales #PeriodismoIndependiente #USAID #NED #CubaSeRespeta #CubaViva

Autor: Ronald Suárez Rivas | ronald@granma.cu

Embora nunca tenha produzido os frutos que seus promotores esperam, a subversão contra Cuba continua sendo um negócio lucrativo que movimenta milhões de dólares.

Disfarçado de múltiplas formas, por meio de agências, empresas e organizações que quase nunca são transparentes na gestão de seus recursos, o patrocínio de ações que buscam derrubar a Revolução ultrapassou os 249,5 milhões nas últimas duas décadas.

É o que afirma o site Cuba Money Project, dedicado à cobertura de histórias sobre os programas e projetos do Governo dos Estados Unidos relacionados com a Ilha.

subversion

Só em 2020, um relatório baseado nas informações públicas que agências como a USAID administram em seus portais digitais estimam em 2,5 milhões o montante para financiar iniciativas subversivas.

Não chega a ser uma cifra parcial, pois “alguns programas são tão secretos que os destinatários dos fundos nunca são revelados”, explica a jornalista Tracey Eaton, em um artigo para o Cuba Money Project, intitulado O Negócio da Democracia em Cuba está crescendo.

A Eaton garante que pelo menos 54 grupos operaram programas na ilha com dinheiro da USAID ou do NED desde 2017, coincidindo com a chegada de Donald Trump à presidência.

“Uma extensa rede de grupos financiados pelo governo dos Estados Unidos envia dinheiro a milhares de ativistas da ‘democracia’ cubanos, jornalistas e dissidentes todos os anos”, disse ele.

Recentemente, após a provocação perante o Ministério da Cultura, um repórter do site ADN Cuba – um dos meios de comunicação administrados do exterior, que distorce a realidade do país – reconheceu em um vídeo que circulou nas redes, tendo recebido entre 150 e $ 200 para cobrir o evento.

Outras publicações com agenda anticubana, sob o lema do suposto jornalismo “independente”, também admitiram seus vínculos com agências norte-americanas.

Esta, no entanto, é apenas a face visível de um negócio extremamente solvente, já que o Departamento de Estado, a USAID e o NED relatam ter contratados “não divulgados”, aos quais uma parte dos fundos também é destinada para uma mudança. Sistema político em nosso país.

É impossível saber quanto do dinheiro americano vai para Cuba e quantas pessoas recebem, acaba dizendo Eaton. O que está muito claro é que os milhões investidos não têm sido suficientes para que o império ponha de joelhos um povo decidido a defender sua soberania a qualquer custo.

Programa do Word preciso sobre mídia anticubana.

#RedesSociales #ManipulacionMediatica #SubversionContraCuba #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #CubaSeRespeta #CubaNoEsMiami #CubaViva #FakeNewsVSCuba #RevolucionCubana

Análise do show da mídia em 27 de janeiro contra #Cuba.

#Cuba #RedesSociales #ManipulacionMediatica #SubversionContraCuba #MINCULT #CubaEsCultura #CubaSeRespeta #CubaNoEsMiami #MafiaCubanoAmericana #InjerenciaDeEEUU #MediosIndependientes

O velho roteiro contra Cuba e os novos bonecos em cena.

#ManipulacionMediatica #SubversionContraCuba #MafiaCubanoAmericana #FakeNewsVSCuba #TenemosMemoria #SomosContinuidad #FielesANuestraHistoria #MSINoMeRepresenta #LaFarsaDeSanIsidro #TerrorismoMadeInUSA #YoSigoAMiPresidente

 Por Redacción Razones de Cuba

Tomado de Granma

Por: Ronald Suárez Rivas, Mailenys Oliva Ferrales

A televisão cubana denunciou mais uma vez, nesta quarta-feira, ações que fazem parte do chamado golpe suave que o Governo dos Estados Unidos tenta realizar em nosso país.

Depois de ter falhado durante décadas na tentativa de destruir a Revolução, o vizinho do Norte apela a novos métodos na ânsia doentia de tentar mudar o curso que esta ilha caribenha tomou há muito tempo de forma soberana.

No entanto, como o presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez apontou recentemente em sua conta no Twitter, é “um velho roteiro importado com novos atores”.

O material televisivo referia-se ao artigo publicado em Cubadebate pelo jovem analista de mídia Javier Gómez Sánchez, com o título Os ideólogos do golpe brando: a sociedade aberta em Cuba e a articulação contra-revolucionária.

#

O texto indica que “a agressividade do governo Donald Trump, e o posicionamento de um discurso contra a Revolução, por parte de atores da mídia, com todas as intenções, repulsivas, têm feito parte dos planos e não um acidente dentro deles. Promover uma contra-revolução que se apresenta como irracional e nojenta, em relação à qual a neo-contra-revolução poderia se apresentar como uma alternativa, para que fosse vista pelos cubanos como algo preferível.

Nessa contra-revolução gasta, sem agenda própria, violenta e sem raízes sociais, associam-se personagens como Berta Soler e José Daniel Ferrer.

O primeiro, uma pessoa com um longo histórico de provocações apoiada por dinheiro da Fundação Nacional Cubano-Americana da Flórida. No audiovisual, argumenta-se que a falta de efetividade de suas ações tem cobrado seu preço, por isso o montante de dinheiro que recebe diminuiu. Ela inclusive assinala que foi acusada de utilizar esses recursos para benefícios pessoais e não para lutar por uma suposta “causa de Cuba”.

Ferrer poderia ser definido como um criminoso comum, com antecedentes criminais consideráveis, promotor de ações contra-revolucionárias, suposto líder fabricado para lhe dar reconhecimento internacional.

O povo cubano certamente se lembrará do vídeo divulgado há algum tempo, em que bateu várias vezes com a cabeça contra uma mesa, para depois acusar um oficial do Minint de tê-lo atacado.

Na mesma linha de uma contra-revolução associada à marginalidade e à violência, integram-se outras personagens como Luís Manuel Otero, que se tem dedicado, através de grotescas expressões pseudoartísticas, a promover valores contrários à Revolução, os símbolos nacionais, beirando a e novamente com ilegalidade.

Segundo a análise realizada no Noticiero de la Televisión Cubana, entre esses pequenos “atores” está Maykel Osorbo, cujos constantes apelos às redes sociais pela violência, desrespeito e desordem defendem a invasão dos Estados Unidos em Cuba.

Denis Solís, um homem cuja conduta agressiva e socialmente condenável, o levou a ser punido pelo crime de desacato, movendo-se na mesma linha, posicionando-se como o impulsionador da farsa de San Isidro.

Fora de Cuba, a contra-revolução também é administrada por outros indivíduos. Essas ações são realizadas pelos Estados Unidos com o consentimento, ou, pelo menos, com o silêncio das autoridades daquele país, durante a administração Trump, os seguintes elementos:

Yamila Betancourt, promotora de ações terroristas em Cuba, que paga por vandalismo na ilha e usa as redes sociais para fazer grosseiros pedidos de desacato.
Sob o pseudônimo de Ultrack, esse outro representante da contra-revolução busca transferir a agressividade de sua linguagem nas redes sociais para a realidade cubana, ou seja, para nossas ruas.
E Alexander Otaola, que inicialmente atraiu o público e seguidores, abordando questões relacionadas com artistas e entretenimento, para posteriormente definir sua linha clara de agressão contra Cuba e incitar uma revolta social na ilha através da desobediência e do caos.

Paralelamente a estes expoentes da agressão às Grandes Antilhas coexiste outra versão da contra-revolução, que segundo o artigo La ned tem quem lhe escreve, de Javier Gómez Sánchez, é uma espécie de nova ou neo-contrarrevolução que procura estabelecer-se como aquela alternativa menos repulsiva, para acabar sendo a opção aceita pelo povo.

Embora não sejam todas, entre as que se enquadram nesta linha está Tania Bruguera, uma pessoa que, a partir de uma construção simbólica na arte, busca benefícios e posicionamentos, e algumas de suas ações flertam com a ilegalidade, inclusive a organização de uma provocação em a Praça da Revolução.

Neste mesmo cenário aparece

Carlos Manuel Álvarez, diretor do médium “independente” El Estornudo, que, a partir de suas redes sociais, denegriu, com alto disfarce, tanto o trabalho de médicos cubanos no exterior, como também de Che e Fidel.

Outros vinculados a esta modalidade de contra-revolução são Omara Ruiz Urquiola, ex-professora do Instituto Superior de Design, participante da farsa de San Isidro e parente de altos funcionários do governo dos Estados Unidos em Cuba; e a jornalista e ex-professora da Universidade de Havana Elaine Díaz, atualmente residente no exterior, que se dedicou a recrutar jovens jornalistas e universitários para contaminar seus ambientes e pensamentos.

Fazem parte da lista Eliécer Ávila, um jovem cubano residente nos Estados Unidos, que por diversas vezes declarou estar comprometido com a violência e a invasão de Cuba; e Ariel Ruiz Urquiola, atuante no trabalho de descrédito dos médicos cubanos no exterior.

Também faz parte desta rede Rosa María Payá, representante dos interesses da extrema direita de Miami em relação a Cuba, que recentemente postou em sua conta no Twitter: «Durante anos perguntei primeiro ao governo Obama e depois ao governo Trump reincorporar o regime cubano à lista dos patrocinadores do terrorismo porque é o correto e consistente.

Em apoio à atividade desses promotores da mudança de regime em Cuba, também se proliferou a criação de meios de comunicação como Cibercuba, El Estornudo, Cubanet, El Toque e La Joven Cuba, entre outros.

“São meios digitais criados e sustentados como parte de uma operação de longo prazo implementada pela CIA em Cuba para fabricar uma imprensa que, a partir da internet, gerará conteúdo político deliberadamente tóxico para a Revolução, sob a fachada do exercício jornalístico”, afirma em seu artigo Gómez Sánchez.

Enquanto isso, dos EUA Nos Estados Unidos, organizações como a USAID, o NED (National Endowment for Democracy) e as Open Society Foundations estimulam, com concursos e bolsas, a promoção de lideranças contra-revolucionárias, como tem sido feito com a milionária financiada Yoani Sánchez, entre outras.

Em outras palavras, tanto a expressão grotesca e anexacionista dos marginalizados dentro e fora de Cuba, quanto a de vozes com um discurso mais elaborado, é a mesma contra-revolução; uns desgastados, menos cuidados pelos seus senhores, e outros que respondem aos novos tempos, com discursos aparentemente mais conciliatórios, mas com o mesmo propósito final: derrubar a Revolução.

Na chave de mídia.

#Mundo #EstadosUnidos #DonaldTrump #Cuba #Mexico #Colombia #Venezuela #Brasil #Chile

En Clave Mediática .

#teleSUR #AmericaLatina #SaludMundial ##Covid-19 #EstadosUnidos #Capitolio

Sinal da Telesur retorna à televisão na Bolívia.

#Bolivia #TeleSUR #JeanineAñez #LuisArce #EvoMorales #Periodismo #Jornalista

Retirado do teleSUR .

O Governo do Presidente da Bolívia, Luis Arce, anunciou que a partir desta quarta-feira o sinal da plataforma multimídia teleSUR voltou, depois de ter ficado um ano fora do ar por ordem do então governo de fato presidido por Jeanine Áñez.

“O TeleSUR retorna à rede Entel. O sinal da multimídia mais importante da América Latina, volta à Bolívia a partir de hoje. Censura não é o caminho da democracia popular. Celebramos a liberdade de expressão ”, anunciou o Vice-Ministério da Comunicação da Bolívia em mensagem postada em sua conta no Twitter.

Imagen

O governo de facto de Áñez, que assumiu o poder após o golpe contra o ex-presidente Evo Morales em novembro de 2019, ordenou a retirada do sinal teleSUR do serviço de distribuição de fibra óptica e satélite da Entel.

Também pressionou todas as outras operadoras de televisão a cabo e via satélite a fazerem o mesmo.

Luis Arce, el nuevo presidente de Bolivia, apuesta por un proceso de cambio  "sin odio" | Internacional

A presidente da plataforma multimídia, Patricia Villegas, disse por sua vez em um tweet que “hoje o teleSUR retorna à Bolívia. A primeira plataforma a substituir o nosso sinal é a ENTEL ”.

“Esperamos o mesmo comportamento das operadoras de cabo que foram obrigadas pela ditadura a nos eliminar de suas ofertas de programação”, disse o jornalista.

O correspondente da mídia na Bolívia, Freddy Morales, lembrou que o governo de fato de Áñez retirou o TeleSUR do ar em 21 de novembro de 2019, “tanto da ENTEL quanto de outros serviços de TV a cabo. Esta noite, ENTEL restaura nosso sinal em IPTV e DTH ”.

%d bloggers like this: