Constituição da República de Cuba, Cuba

O referendo enfatiza a participação do cidadão na nova Constituição

Banderas
Foto: Juvenal Balán

Uma das etapas importantes do referendo de 24 de fevereiro sobre a nova Constituição de Cuba acontece nos dias de hoje: a formação de comissões eleitorais provinciais, municipais, distritais e especiais.

Em cerimônias solenes, esperados até o dia próximo dia 13, os designados para integrar rubricado o documento criando o juramento e código de ética, em linha com assumindo a responsabilidade por organizar, dirigir e validar a votação, que deve envolver uma oito milhões de cidadãos cubanos com direitos eleitorais.

Este passo é essencial para a entrada em vigor da Constituição, adotada por uma votação nominal de 583 deputados presentes na segunda sessão ordinária da Nona Legislatura da Assembléia Nacional do Poder Popular (ANPP), em 22 de dezembro passado.

Desde 04 de janeiro, começaram as cerimônias precederam acima mencionados no final de 2018, para a inauguração do escritório dos 17 membros do Referendo responsável da Comissão Eleitoral Nacional (CEN), cumprindo a chamada emitida pelo ANPP, como ao estabelecido na Lei nº 72, “Lei Eleitoral”.

Paralelamente, em todo o país, procede-se à organização e formação daqueles que irão trabalhar na votação e criar as condições para garantir todas as garantias.

A presidente do CEN, Alina Balseiro Gutiérrez, disse que eles também trabalham no plano de comunicação e na autorização de cédulas, urnas e recenseamento eleitoral.

REFERENDO LEGAL AMPARO

Lei nº 72, “Lei Eleitoral” é o documento legal que regula o sistema eleitoral cubano e seus procedimentos, aprovado pelo ANPP, na sua reunião em 29 de Outubro de 1992.

Capítulo 3 estabelece, nomeadamente, que as Comissões Eleitorais, do nacional ao provincial, municipal, distrital, circunscrição e especial, são criados para organizar, gerenciar e validar as eleições a serem realizadas e para o desempenho de referendos. Para esta última edição concede um capítulo inteiro, o nº 10.

O QUE É UM REFERENDO POPULAR?

O artigo 162 da referida norma legal estabelece que “através do referendo convocado pela Assembleia Nacional do Poder Popular, cidadãos com lei eleitoral expressar ou não ratificar os projetos de lei de reforma constitucional” para que eles possam entrar em vigor.

Para realizá-lo, são utilizadas cédulas que expressam, de maneira clara e concreta, o assunto a ser consultado. No caso do referendo de 24 de Fevereiro, a pergunta será: “Você ratifica a nova Constituição da República?” E a votação terá dois espaços: um para sim e outro para o Não, de acordo com as disposições do a lei.

PASSOS PARA O REFERENDO POPULAR

– A ANPP põe à disposição das pessoas a Constituição que será levada ao referendo popular e tem o dia para isso.

– O Conselho de Estado designa os membros da Comissão Nacional Eleitoral (CEN).

– Comissões provinciais, municipais e distritais, circunscrição e eleitorais especiais são criadas.

– O CEN, em coordenação com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, fornece necessário para garantir o voto por eleitores que estão fora do país no dia do referendo é realizado.

– A Comissão Eleitoral Municipal calcula os votos no município e encaminha o resultado à Comissão Provincial Eleitoral.

– A Comissão Eleitoral Provincial calcula os votos emitidos em todos os municípios da província e envia o resultado para o CEN, que realiza o cálculo nacional.

– Os colégios eleitorais que estão fora do território nacional, uma vez que o controlo efectuado, comunicar o resultado do referendo para suas respectivas embaixadas, que transmitiu ao Ministério dos Negócios Estrangeiros com a finalidade de que é comunicada ao CEN.

– O CEN, uma vez que a contagem total do referendo realizado, informa o Conselho de Estado para publicar seus resultados e realizar o ANPP aos efeitos relevantes.

A CONSTITUIÇÃO DO POVO

A adoção da nova Constituição foi precedida por um processo de consulta popular que durou três meses, no que é descrito como uma expressão genuína da natureza democrática e participativa do nosso sistema socialista.

O texto foi enriquecido com as opiniões expressas no 133,681 reuniões em bairros e locais de trabalho e alunos do ensino secundário e universitário, a ponto de que as intervenções devidamente valorizados, eles se originaram alterações em quase 60% dos itens Projeto, contendo, entre outros aspectos relevantes, os fundamentos políticos e econômicos, os direitos e deveres e a estrutura do Estado.

CONHEÇA-SE QUE:

– No triunfo da Revolução Cubana, iniciaram-se transformações visando a transparência nos processos eleitorais, e que se tornarão cada vez mais participativas

Continuar a ler

Categories: Constituição da República de Cuba, Cuba, Uncategorized | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: