E eu ainda não vi o #SOSBrazil .

#Brasil #JairBolsonaro #EstadosUnidos #ManipulacionPolitica

#DonaldTrump estará por detrás dos conselheiros de #JoeBiden?

#EstadosUnidos #China #Russia #InjerenciaDeEEUU #JoeBiden #Cuba #ElBloqueoEsReal

Por Arthur González Razones de Cuba .

À beira de alcançar os seus primeiros 100 dias na Casa Branca, Joe Biden parece ser aconselhado pelo próprio ex-Presidente Donald Trump, como a linha política assim o supõe.

Com Cuba prometeu na sua campanha que eliminaria parte das medidas cruéis impostas por Trump, incluindo permitir remessas familiares e viagens para os cubanos que vivem nos Estados Unidos, bem como retomar outras medidas aprovadas sob a presidência de Barack Obama, na qual participou como vice-presidente, mas as suas declarações mais recentes indicam que continuará com as sanções, embora não seja inteiramente claro se é por sua própria decisão ou pelas pressões do grupo de mafiosos anti-cubanos com assento no Congresso.

Quanto às relações com a China e a Rússia, a sua retórica é a mesma que a de Trump, porque tanto os Democratas como os Republicanos temem o desenvolvimento económico de ambas as potências, que na aliança estratégica enfrentam as sanções dos EUA.

Internet

A hostilidade irracional só prejudica os Estados Unidos, uma situação que os conselheiros de Biden não pesam, porque o ódio cega a sua razão e expõe o presidente a uma posição muito desconfortável perante os seus aliados europeus, que não partilham inteiramente a política da guerra económica, devido aos efeitos que isso implica para os seus cidadãos.

As acções contra a China sobre a questão de Hong Kong e Taiwan, mostram uma continuidade à falta de jeito de Trump, fingindo ignorar o poder chinês e a sua antiga sabedoria, intrometendo-se nos seus assuntos internos, uma situação que os Estados Unidos não tolera no caso de Porto Rico, É por isso que se opõem sempre ao apoio de Cuba à sua independência, sendo mesmo um tema de discussão histórica nas conversações entre Washington e Havana, discutidas em reuniões privadas entre o próprio Fidel Castro e altos funcionários norte-americanos, como as realizadas em Janeiro de 1980 com Peter Tartoff, Robert Pastor e Wayne Smith.

Porque é que os ianques se opõem à descolonização de Porto Rico e procuram a separação de Hong Kong do território da China?

Irão os Yankees permitir que Pequim estimule os protestos populares entre os porto-riquenhos e apoie com dinheiro campanhas pela independência semelhantes às de Hong Kong?

Os conselheiros de Joe Biden parecem ser recrutados por Trump, com o objectivo de fazer dele um tolo perante o mundo, empurrando-o para uma guerra fria com Moscovo, como foi recentemente confirmado na entrevista concedida à rede noticiosa americana ABC, no seu programa Good Morning America, onde o Presidente Biden, sem pensar no que dizia, se deixou provocar pelo jornalista George Stephanopoulos, que acusou maliciosamente o presidente russo de “ter autorizado uma campanha de interferência digital nas eleições, para prejudicar Biden”.

O presidente respondeu imediatamente: “A Rússia pagará as consequências dessa acção”, e como se o guião das perguntas tivesse sido concebido pessoalmente por Trump para evitar um impedimento entre as duas potências, Stephanopoulos respondeu com outra pergunta provocadora: Pensa que Putin é um assassino?

Biden, apesar da sua vasta experiência política, caiu na armadilha e talvez devido à sua idade avançada foi incapaz de a analisar e de a contornar.

A sua resposta foi politicamente fatal para a sua imagem e a da sua própria nação, assegurando as câmaras de televisão:

“Ele não tem alma, ele tem”.

Mas os erros não param, projectam a impressão de que o próprio Donald Trump sussurra ao seu ouvido o que ele deveria dizer publicamente.

Agora Joe Bidel e os seus funcionários reafirmam o que o ex-presidente disse, que “houve fraude no processo eleitoral e as eleições foram roubadas”, porque na sua obsessão de manchar, a todo o custo, a imagem da Rússia, Irão, Cuba e Venezuela, dizem, sem uma única prova legal, que um relatório das agências de inteligência dos EUA assegura que “houve campanhas de interferência digital nas eleições para prejudicar Biden, e Putin é o responsável”.

Biden não parou para pensar que alegar tal coisa, reforça ainda mais a imagem de Trump e enfraquece-o aos olhos do seu próprio povo? Donald Trump estava certo nas suas acusações de fraude?

Quem poderá estar por detrás do alegado relatório elaborado pelo Conselho Nacional de Informações, constituído por sete agências e outros ministérios, responsáveis pelo processamento da recolha de informações, para que o presidente esteja ciente do que se passa?

Nem uma única prova foi apresentada pelos Yankees sobre a interferência inventada, um método que eles repetem como parte da sua estratégia de acusar os outros e assim justificar as sanções que impõem, acreditando serem eles próprios os senhores do mundo com o poder de punir aqueles que não se curvam.

Putin, mais jovem e mais inteligente do que Biden, respondeu magistralmente à descrição de Biden como um assassino:

“Todos vêem a outra pessoa como ele próprio se vê. Desejo a Biden boa saúde.

A sua resposta a isto foi chamar o embaixador russo em Washington para consultas, para analisar calmamente o caminho da melhoria das relações entre os dois países, porque, como Maria Zakharova, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, declarou:

“Moscovo está interessada em evitar uma degradação irreversível dessas relações e espera que os americanos se apercebam dos riscos relacionados com isso”.

Biden escolheu um caminho terrível, sem se aperceber que poderia facilitar o regresso de Trump à Casa Branca e mesmo recuperar o Congresso, se não rever primeiro o seu corpo de conselheiros com uma lupa, pois parece estar a cavar a sua sepultura política, mostrando estas reacções irracionais, típicas de um presidente sem talento suficiente para liderar uma potência nuclear, que alimentam os comentários de que sofre de uma certa demência senil.

José Martí foi esclarecido quando disse:

“Aquele que degrada os outros degrada-se a si próprio”.

#Cuba reconhece acções a nível mundial para exigir o fim do bloqueio dos #EstadosUnidos.

#CubaSalva #EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #EstadosUnidos #JoeBiden #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #Asia #Oceanía #África #América #Europa.

Autor: Granma | internet@granma.cu

O Presidente da República de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, elogiou as mais de 21.000 assinaturas que apelam à administração de Joe Biden para pôr fim ao bloqueio dos EUA contra a maior das Antilhas.

Através da sua conta oficial no Twitter, o chefe de estado destacou o apoio a esta iniciativa do projecto Pontes de Amor nos Estados Unidos, promovido por cubanos que vivem no estrangeiro.

bloqueo

A carta aberta a Biden, para além de exigir o fim do bloqueio comercial e financeiro imposto à ilha durante mais de 60 anos, solicita a reabertura da embaixada de Washington em Havana e a restauração do programa de reunificação familiar, suspenso pelo antigo Presidente Donald Trump desde 2017.

Defende também o estabelecimento de “políticas compassivas e humanas” em relação a Cuba, autorizando remessas ilimitadas e encorajando as relações financeiras e comerciais, entre outras propostas.

Por outro lado, o canal YouTube Europa para Cuba confirmou a 21 de Março que o seu apelo à solidariedade com a ilha terá lugar a 27 e 28 de Março em cerca de 40 nações em todo o mundo, exigindo o fim do cerco económico dos EUA.

Os dias de solidariedade serão alargados a toda a Ásia, Oceânia, África, América e Europa.

O bloqueio é o maior obstáculo ao desenvolvimento de Cuba e uma violação dos direitos humanos. Os prejuízos acumulados em seis décadas ascendem a 144,413 milhões de dólares, e entre Abril de 2019 e Março de 2020, a acção causou prejuízos da ordem dos 5,570 milhões de dólares, um valor recorde durante um ano.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

A Lei Genocida Helms-Burton .

#Cuba #LeyHelmsBurton #ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #Sanciones #BloqueoEconomico #RevolucionCubana #HistoriaDeCuba

Por Miguel Ángel García Alzugaray

É indiscutível que o bloqueio do imperialismo ianque contra Cuba envolve uma conduta criminosa por parte do Governo dos Estados Unidos que, devido ao seu alcance e conteúdo, pode ser qualificado de genocídio, uma vez que é levado a cabo em total violação do direito internacional, a fim de submeter intencionalmente o nosso povo a condições de existência que lhe causaram enormes danos humanos, materiais, económicos e financeiros, totais ou parciais, a fim de enfraquecer a sua decisão de lutar e vencer, e de o levar a desistir da sua decisão de ser soberano e independente.

É conveniente recordar que o genocídio foi definido como: “A implementação de acções coordenadas destinadas a destruir os elementos decisivos da vida dos grupos nacionais, com o objectivo da sua aniquilação”.

Do ponto de vista jurídico, o genocídio, seja cometido em tempo de paz ou em tempo de guerra, é considerado um crime grave à luz do direito internacional.

O genocídio é actualmente regulado pela Convenção sobre a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio de 1948 e pelo Estatuto de Roma de 1998 do Tribunal Penal Internacional (TPI) (que entrou em vigor em 2002).

Entre os numerosos regulamentos dos EUA que implementam e consolidam a criminosa guerra económica e financeira contra Cuba, a chamada Lei Helms-Burton destaca-se pela sua natureza marcadamente desumana.

A referida lei entrou em vigor em 1996. Foi concebido para codificar e endurecer a política de bloqueio económico, comercial e financeiro oficialmente imposta em 1962, com o objectivo de subverter e derrubar o governo cubano e impor um regime ao gosto do governo dos Estados Unidos.

É composto por quatro títulos e tem sido aplicado desde a sua promulgação. Caracteriza-se pelo seu âmbito extraterritorial extremo, por violar as normas e princípios do Direito Internacional, por violar as regras do comércio e das relações económicas internacionais e por ser prejudicial à soberania de outros Estados, principalmente pela aplicação das suas disposições contra empresas e pessoas estabelecidas no seu território.

O Título III estabelece a autorização para os cidadãos norte-americanos intentarem acções judiciais nos tribunais norte-americanos contra qualquer estrangeiro que “trafica” em propriedades norte-americanas nacionalizadas em Cuba nos anos 60, num processo legítimo, reconhecido pelo Supremo Tribunal dos EUA, levado a cabo pelo governo cubano em plena conformidade com a lei nacional e o direito internacional.

Entre as aberrações mais significativas, este título estende esta autorização aos proprietários que não eram cidadãos americanos na altura das nacionalizações e cujas supostas propriedades ninguém certificou.

A história regista com suficiente clareza que a política de bloqueio económico e os problemas bilaterais entre Cuba e os Estados Unidos não têm a sua origem nas nacionalizações justas que, de acordo com a lei e com direitos legítimos, foram levadas a cabo pelo governo revolucionário. As agressões militares, económicas e terroristas do governo dos Estados Unidos começaram contra Cuba antes dos actos fundamentais de nacionalização das propriedades americanas.

Título I de la Ley Helms Burton, consecuencias que persigue - Tiempo21

É bem conhecido que todas as nacionalizações de propriedades estrangeiras, incluindo propriedades americanas, contemplavam na lei um compromisso de compensação,
que o governo dos E.U.A. se recusou sequer a discutir, enquanto que foi assumido pelos governos dos requerentes de outros países, todos eles beneficiando da devida compensação que todos beneficiaram da devida compensação.

Ao abrigo das disposições da própria Lei Helms-Burton, todos os presidentes dos EUA desde 1996, incluindo Trump em 2017 e 2018, fizeram uso consecutivo do poder executivo para suspender a implementação do Título III de seis em seis meses, com base no reconhecimento de que este consiste no aspecto mais grosseiro e inaceitável deste contra o direito internacional e a soberania de outros Estados.

Também no entendimento de que a sua implementação criaria obstáculos intransponíveis a qualquer perspectiva de regularização de sinistros e indemnização aos legítimos proprietários dos EUA.

Esta lei foi quase unanimemente rejeitada pela comunidade internacional nas Nações Unidas, em organismos internacionais especializados e em organizações regionais como a Comunidade dos Estados da América Latina e das Caraíbas e a União Africana. Vários países têm leis nacionais para lidar com os efeitos extraterritoriais desta lei.

Em geral, esta monstruosidade legal é o resumo das posições mais agressivas contra Cuba e representa a estratégia mais revanchista que a extrema-direita cubano-americana em Miami concebeu para tentar destruir a Revolução Cubana.

A este respeito, é de notar que no passado 16 de Janeiro de 2019, o Departamento de Estado dos EUA anunciou a decisão de suspender por apenas 45 dias a aplicação do Título III da Lei Helms-Burton, “para realizar uma revisão cuidadosa… à luz dos interesses nacionais dos EUA e dos esforços para acelerar a transição para a democracia em Cuba, e para incluir elementos como a brutal opressão dos direitos humanos e das liberdades fundamentais por parte do regime e o seu apoio imperdoável aos regimes cada vez mais autoritários e corruptos na Venezuela e na Nicarágua”.

Com isto, o governo do então Presidente Donald Trump deu um novo passo que reforçou, de uma forma perigosa, o bloqueio contra Cuba, violando de forma flagrante o direito internacional.

Tendo em conta o acima exposto, vale a pena reflectir sobre o alcance e o conteúdo deste corpo de direito anti-cubano.

Contexto político

Colectivo de la Embajada rechaza la Ley Helms-Burton. | Embajadas y  Consulados de Cuba

Dada a continuidade do processo revolucionário e os sinais de recuperação económica, a extrema-direita cubano-americana em Miami e os sectores políticos americanos mais conservadores aumentaram a sua pressão para tomarem medidas mais eficazes, fundamentalmente contra o investimento estrangeiro em Cuba. Este interesse deu origem ao projecto de lei “Helms-Burton”, que é a união de várias peças legislativas propostas ao Congresso entre 1994 e 1995, principalmente pelos representantes cubano-americanos Ileana Ros, Lincoln Díaz-Balart e Robert Menéndez.

Assim, nas eleições legislativas de 1994, pela primeira vez em 40 anos, os Republicanos assumiram o controlo de ambas as casas do Congresso dos EUA, o que significou uma mudança para as políticas mais retrógradas e isolacionistas do espectro político americano, e um aumento do poder de influência dos grupos anti-Cubanos, aliados tradicionais dos Republicanos.

Neste ambiente, a 9 de Fevereiro de 1995, o projecto de lei foi apresentado pela primeira vez pelo Senador Jesse Helms (Republicano da Carolina do Norte) na sua qualidade de presidente da Comissão de Relações Externas do Senado. É de notar que esta foi a primeira proposta legislativa do Senador Helms após a sua tomada de posse e após uma campanha eleitoral em que anunciou as suas intenções de aumentar as sanções contra Cuba.

Ao longo de 1995, os projectos de lei Helms (Senado) e Burton (Câmara) foram objecto de numerosas modificações e negociações, embora nenhuma delas visasse modificar a sua essência agressiva e hostil contra Cuba, e mesmo contra importantes aliados dos Estados Unidos.

Finalmente, o projecto de lei foi aprovado por ambas as câmaras em 21 de Setembro e 19 de Outubro respectivamente, após mais de 4 adiamentos na data das votações, com uma clara maioria dos votos, que ultrapassou mesmo os 2/3 necessários para invalidar um possível veto presidencial.

Em 24 de Fevereiro de 1996, teve lugar a queda dos aviões do grupo terrorista “Brothers to the Rescue”. Este incidente provocou um aumento da histeria anti-cubana por parte dos sectores mais recalcitrantes dos Estados Unidos, com uma importante repercussão nos meios de comunicação social. Isto levou directamente Clinton a 26 de Fevereiro a tomar uma série de acções contra Cuba, entre elas, manifestou o seu apoio à negociação e aprovação da Helms-Burton.

As conciliações, apressadamente levadas a cabo pela Comissão da Conferência, resultaram num projecto de lei ainda mais forte a 28 de Fevereiro que incluiu, entre outros aspectos, a codificação do bloqueio, ou seja, a sua conversão de um Regulamento Federal sob o controlo do Executivo para um Acto do Congresso, que só pode ser modificado por esse órgão legislativo; bem como a redução de outros poderes presidenciais no que diz respeito à condução da política em relação a Cuba.

A 5 de Março, o Congresso aprovou o Relatório da Comissão da Conferência (o texto do projecto de lei conciliado entre as duas Câmaras) com uma votação de 74-22 no Senado e 336-86 na Câmara dos Representantes.

Implementação

A 12 de Março de 1996, o Presidente dos EUA William J. Clinton assinou e pôs em vigor o chamado Cuban Liberty and Democratic Solidarity Act de 1996, ou Libertad Act, mais conhecido pelos nomes dos seus principais promotores, o Senador (Republicano) da Carolina do Norte, Jesse Helms, e o Representante (Democrata) do Illinois, Dan Burton, mas com o qual estão comprometidos os sectores mais conservadores e ultra-direitos do espectro político norte-americano e cubano-americano.

Desde Maio de 1996 e até hoje, o Departamento de Estado tem vindo a notificar as empresas que investem em Cuba nas chamadas “propriedades confiscadas” por meio de cartas de advertência.

Por qué la Ley Helms-Burton? • Trabajadores

Em 16 de Julho de 1996, o Título III da lei entrou em vigor, e o Presidente Clinton, fazendo uso dos poderes também previstos na legislação, emitiu uma ordem paralela de suspensão temporária por 6 meses de uma parte deste Título.

A 16 de Agosto, como resultado dos protestos e críticas à lei entre os principais aliados dos Estados Unidos no mundo, incluindo as leis antídotos promulgadas por vários países e o painel apresentado à Organização Mundial do Comércio pela União Europeia, foi anunciada a nomeação de um “Enviado Especial para a Promoção da Democracia em Cuba”, cuja principal tarefa era promover e alcançar um acordo entre os principais parceiros dos Estados Unidos no que respeita a Helms-Burton, tentando assim internacionalizar a acção desta lei.

A 20 de Setembro de 1996, com vista a implementar uma aplicação mais vigorosa da Lei, foi anunciada a criação da “Unidade para a Aplicação de Helms-Burton” no Departamento de Estado, no âmbito do Gabinete de Assuntos Cubanos.

A lei estabeleceu que o presidente teria de fazer um relatório sobre a sua aplicação do Título II, para o qual, em 28 de Janeiro de 1997, o Presidente Clinton publicou com grande publicidade o documento “Apoio a uma Transição Democrática em Cuba”, carregado de forte retórica anti-cubana, e que alargou os postulados do Título II da lei, relativos a uma suposta “transição democrática” na ilha.

Como resultado de intensas negociações, a 11 de Abril de 1997, foi anunciado o “European Union-United States Understanding”, através do qual este último conseguiu a retirada dos europeus do painel apresentado à Organização Mundial do Comércio por causa da Lei Helms-Burton, em troca da promessa dos EUA de não sancionar as empresas europeias que investem em Cuba.

Este acordo foi seguido por um segundo “Acordo sobre o Reforço da Protecção do Investimento” em Maio de 1998, através do qual a União Europeia inibiria voluntariamente os investimentos em Cuba em “propriedades confiscadas” em troca do compromisso da Administração de trabalhar para a eliminação do Título IV de Helms-Burton. Posteriormente, houve várias rondas de negociações entre as partes nas quais, entre outras disputas comerciais, foi discutido o progresso destes compromissos, especialmente dada a incapacidade da Administração Clinton de obter uma emenda do Congresso ao Título IV; entretanto, não houve sanções contra empresas europeias.

Interpretação

A lei estabelece que qualquer empresa não americana que tenha relações com Cuba pode ser sujeita a represálias legais, e a gestão da empresa pode ser impedida de entrar nos Estados Unidos. Isto significava que as empresas internacionais tinham de escolher entre negociar com Cuba ou negociar com os Estados Unidos, que é um mercado muito maior.

Politicamente, esta lei pretende aumentar o clima de hostilidade na política dos EUA em relação a Cuba, forçar a destruição da Revolução Cubana, e economicamente, intimidar os empresários estrangeiros por todos os meios possíveis para tentar impedir o investimento e o comércio internacional com Cuba.

Instrumentos legais que viola

A Lei Helms-Burton viola de forma flagrante as leis e direitos humanos do povo cubano, a Constituição dos Estados Unidos e várias normas legais desse país, numerosos actos de direito internacional que regulam as relações políticas, económicas, comerciais e financeiras entre Estados, e viola a liberdade de comércio e investimento, para os quais gerou conflitos com os principais parceiros dos Estados Unidos. Entre estas violações encontram-se

O poder do Executivo para conduzir a política externa.
O princípio da “liberdade de financiamento e investimento” e “subordinação das empresas subsidiárias às leis do país residente”.
O princípio reconhecido do “respeito pela soberania dos actos das outras nações”.
A livre circulação de pessoas para efeitos de comércio.
O princípio reconhecido do “respeito pela soberania dos actos das outras nações”.
Tratados Bilaterais de Protecção do Investimento e Tratados Bilaterais de Comércio com numerosos países.
O princípio reconhecido de que “a propriedade é estabelecida de acordo com as leis do país onde está localizada”.

Consequências

Como consequência do bloqueio económico dos EUA, Cuba não pode exportar qualquer produto para essa nação, nem importar qualquer mercadoria desse país.

Não pode negociar com filiais de empresas americanas em países terceiros; não pode receber turistas americanos nem pode utilizar o dólar nas suas transacções comerciais e financeiras no estrangeiro.
Os navios e aviões cubanos não podem tocar no território dos EUA.

A exigência do povo cubano

Vale a pena notar que a 2 de Novembro de 1999, o Tribunal Provincial Popular de Havana declarou admissível o processo contra o Governo dos Estados Unidos por Danos Humanos e sancionou o povo cubano.
por danos humanos e sancionou-o para reparar e compensar o povo cubano no montante de 181,1 mil milhões de dólares e, em 5 de Maio de 2000, também por danos económicos causados pelos Estados Unidos da América.
por danos económicos causados a Cuba e condenou-a no montante de 121 mil milhões de dólares.

Além disso, o Ministério dos Negócios Estrangeiros reiterou a vontade de Cuba de encontrar uma solução para as reivindicações e compensações mútuas.

Em resumo, a Lei Helms-Burton mostra, mais claramente do que nunca, os verdadeiros objectivos da política de hostilidade desde o triunfo da Revolução e que esta política responde aos interesses da oligarquia fascista americana afectada por uma Revolução dedicada à independência nacional e à justiça social.

Os principais objectivos dos promotores desta legislação genocida são, do ponto de vista político, perpetuar o clima de hostilidade na política dos Estados Unidos em relação a Cuba, a fim de forçar a destruição da Revolução Cubana.

Do ponto de vista económico, intimidar os empresários estrangeiros por todos os meios possíveis, numa tentativa de impedir o investimento e o comércio internacional com Cuba.

Face às alusões imorais de Washington à aplicação do Título III da Lei Helms-Burton, Cuba rejeita esta ameaça da forma mais enérgica, firme e categórica. Considera-o como um acto hostil de extrema arrogância e irresponsabilidade, e ao mesmo tempo repudia a linguagem desrespeitosa e caluniosa da mensagem pública do Departamento de Estado.

Para o nosso povo, implica enfrentar mais uma vez, de forma firme, consciente e enérgica, a determinação do imperialismo dos EUA em submeter-se ao seu domínio e tutelar os destinos do nosso povo.
os destinos da nação cubana sob o seu domínio e tutela.

Se o Título III fosse aplicado como estabelecido por esta lei, qualquer cubano e todas as comunidades do país veriam ser instaurados processos nos tribunais norte-americanos sobre a propriedade das casas que ocupam, o local de trabalho onde trabalham, a escola que os seus filhos frequentam, a policlínica onde recebem cuidados médicos, os terrenos em que os seus bairros são construídos; e poderão ver a tentativa de usurpar aos cubanos a riqueza do país, as infra-estruturas, a terra arável, as indústrias, os recursos mineiros, o potencial energético e as bases sobre as quais a ciência e a tecnologia se desenvolvem e os serviços são prestados à população.

Todos devemos recordar o conteúdo aberrante do Plano Bush, que descreve e implementa em pormenor a forma como as famílias cubanas e o país seriam despojados de praticamente tudo.
seria despojado de praticamente tudo.

A este respeito, o Ministério dos Negócios Estrangeiros reiterou os postulados da Lei de Reafirmação da Dignidade e Soberania Cubanas (Lei n.º 80), e sublinha que a Lei Helms-Burton é ilegal, inaplicável e sem valor ou efeito legal. Consequentemente, considerará nula e sem efeito qualquer reivindicação nela baseada por qualquer pessoa singular ou colectiva, independentemente da cidadania ou nacionalidade.

O governo de Cuba reserva-se o direito de responder atempadamente a esta nova agressão.

O jornal gambiano dedica página inteira à #VacinaCubana #Sovereign 02 e à #Política hostil dos #EUA .

#Cuba #SaludMundial #Covid-19 #Vacunas #CienciaEnCuba #EstadosUnidos #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #ElBloqueoEsReal #JoeBiden #Africa

Retirado do Cubadebate .

O jornal Gambian Daily News dedicou uma página inteira da sua edição impressa ao início em Cuba da fase III dos ensaios clínicos do candidato à vacina Soberana 02 contra a COVID-19, e à política hostil que os Estados Unidos mantêm em relação à maior das Antilhas.

Uma reportagem no jornal diário dessa nação da África Ocidental salienta que a vacinação na sua fase final de testes do projecto Soberana 02 começou em oito municípios de Havana, a capital da ilha das Caraíbas, e será alargada a outras localidades no futuro.

Acrescenta que os ensaios deste projecto de droga, um dos cinco actualmente em desenvolvimento em Cuba para combater o novo coronavírus, estão a ser realizados em estrita conformidade com as normas de segurança concebidas para o mesmo.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é daily_news-pagina_completa-580x1009.jpg

O Daily News também publica na mesma página 4, um extenso artigo intitulado: “Quanto tempo durará o fantasma de Trump? no qual se sublinha que, apesar da mudança de governo nos EUA, o mesmo comportamento hostil para com a nação antilhana ainda prevalece na Casa Branca.

A nota jornalística assinala que após quase dois meses na Sala Oval, o Presidente Joe Biden não mudou a postura agressiva do seu antecessor, Donald Trump, contra Cuba, apesar do facto de o actual presidente ter prometido fazê-lo durante a sua campanha eleitoral.

Acrescenta que persistem medidas coercivas drásticas derivadas da inclusão da ilha das Caraíbas na lista ilegal de nações patrocinadoras do terrorismo de Washington e outras 240 aplicadas pelo regime Trump, causando grandes danos aos cubanos, e prejudicando também os cidadãos norte-americanos.

O artigo explica que as numerosas sanções impostas pelo impudente antecessor de Biden, como parte do bloqueio contra Cuba, são tão abrangentes que interferem nas relações do reitor Antilleano com países terceiros, e nas transacções comerciais e financeiras com empresas e bancos internacionais.

O texto recorda que mais de 80 congressistas democratas pediram ao agora inquilino da Casa Branca para inverter a política de Washington em relação a Havana, enquanto centenas de cubanos que vivem nos EUA e milhões de pessoas em todos os cantos do mundo estão a exigir e à espera da mesma determinação.

A #CasaBranca exclui mudança de atitude de #Washington em relação a #Cuba.#

#Cuba #EstadosUnidos #JoeBiden #ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #PuentesDeAmor

Autor: Granma | internet@granma.c

A porta-voz da Casa Branca Jen Psaki disse na terça-feira que Washington não planeja modificar suas restrições a Havana no curto prazo, observando que “uma mudança de política em relação a Cuba não está atualmente entre as principais prioridades do presidente Biden, mas estamos comprometidos em tornar os direitos humanos uma prioridade pilar da política dos EUA. “

joe biden

As declarações de Psaki foram feitas uma semana depois que um grupo de 80 congressistas democratas enviou uma carta a Joe Biden, solicitando uma mudança nas políticas e restrições cruéis impostas por Washington à Ilha durante o governo Donald Trump.

Durante sua campanha, Biden garantiu que suspenderia algumas das restrições de viagens e comércio entre os dois países e que renovaria as negociações diplomáticas. No entanto, isso pode encontrar a rejeição de setores fortes no Congresso.

Os congressistas democratas insistem em termos humanitários e econômicos, e apontam que ordens executivas implementadas pela administração Trump apertaram as sanções a níveis não vistos há décadas, a agência Europa Press expande.

O pretexto sônico: Entre a #CIA e #MarcoRubio (Parte II)

#Cuba #EstadosUnidos #CIA #FalsosAtaquesSonicos #DonaldTrumpCulpable #FakeNewsVsCuba #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes CubaNoEsMiami #CubaSeRespeta

Por Rafael Gonzalez Morales Redacción Razones de Cuba

Após sete meses sem revelar publicamente os supostos incidentes acústicos, e encerrado o processo de revisão da política em relação a Cuba, Marco Rubio considerou que era o momento ideal para pressionar com o objetivo de que esses fatos fossem do conhecimento de todos. Foi um cálculo político perverso baseado no facto de estes “ataques sonoros”, uma vez revelados, constituírem o pretexto perfeito para se conseguir uma deterioração progressiva das relações entre os dois países que conduziria praticamente ao desmantelamento das respectivas embaixadas.

Não se contentava com um retrocesso parcial, como o incluído no memorando de Trump, precisava gerar um clima bilateral rarefeito e tinha certeza de que essa questão tinha esse potencial. Em sua lógica maliciosa, com uma série de diplomatas americanos “afetados por uma arma poderosa de tecnologia desconhecida”, o governo dos Estados Unidos não teve escolha a não ser responder agressivamente.
Segundo investigação da publicação New Yorker, Marco Rubio “começou a cair nas reuniões que sabia o que se passava em Cuba. Funcionários do governo temiam que ele vazasse a informação a qualquer momento.

Ataque Sónico

Nesse contexto, em 9 de agosto, o jornalista da CBS Steve Dorsey perguntou ao porta-voz do Departamento de Estado: Você pode nos contar sobre os incidentes que estão acontecendo em Havana e que afetaram funcionários do governo dos Estados Unidos? O funcionário, no essencial, disse-lhe: «Temos conhecimento do que aconteceu lá. Funcionários do governo dos Estados Unidos que trabalhavam em nossa embaixada em Havana relataram alguns incidentes que causaram diversos sintomas físicos […] Não temos uma resposta definitiva sobre a origem ou causa dos incidentes.

O momento almejado pela extrema direita havia chegado para impor sua agenda sem obstáculos. Em 15 de setembro, cinco senadores republicanos do Comitê Seleto de Inteligência do Senado liderado por Marco Rubio enviaram uma carta ao então Secretário de Estado Rex Tillerson. Na carta, pediam-lhe que declarasse imediatamente todos os diplomatas cubanos nos Estados Unidos como pessoas indesejáveis ​​e, caso Cuba não tomasse medidas tangíveis, fechasse a embaixada dos Estados Unidos em Havana.

Em 29 de setembro, Tillerson anunciou a decisão de reduzir significativamente o pessoal diplomático de sua embaixada em Havana e remover todos os familiares. No comunicado, ele especificou que “até que o governo de Cuba possa garantir a segurança de nossos diplomatas”, só restará o pessoal de emergência. Além disso, emitiram um alerta de viagem aos cidadãos norte-americanos sugerindo que evitassem viajar para a ilha. Horas depois desse anúncio, Donald Trump, diante de uma pergunta de um jornalista sobre esses acontecimentos, apontou em sua linguagem típica: “Houve um grande problema em Cuba. Eles fizeram coisas muito ruins.

Nesse mesmo dia, Marco Rubio divulgou um comunicado que afirmava: “É absurda a ideia de que Cuba não saiba como esses atentados foram cometidos e quem os executou […] Até que os responsáveis ​​por esses atentados sejam levados à justiça, Estados Unidos deve expulsar imediatamente igual número de diplomatas cubanos, rebaixar a embaixada dos Estados Unidos em Havana à Seção de Interesses e considerar a inclusão de Cuba na lista de países patrocinadores do terrorismo.

Olla de grillos? (+Línea de Tiempo) (+Ilustraciones) - Cuba en Noticias

Em 3 de outubro, o Secretário de Estado indicou por meio de um comunicado à imprensa que haviam decidido que 15 funcionários da embaixada cubana em Washington deveriam deixar os Estados Unidos. Em menos de uma semana, o governo Trump adotou medidas com implicações muito negativas para as relações entre os dois países. Em termos práticos, ocorreu um desmantelamento das missões diplomáticas.

A suspensão da emissão de vistos na sede dos EUA comprometeu o cumprimento dos acordos de imigração e afetou as viagens por motivos familiares aos Estados Unidos. A cooperação em questões de interesse comum e a implementação dos 22 instrumentos bilaterais existentes também foram colocadas em risco. Portanto, o pretexto dos “ataques sônicos” começou a valer a pena e a deterioração progressiva das relações começou.

Ao contrário da posição manifestada pelo governo dos Estados Unidos de manipular esta questão por motivos políticos, as autoridades cubanas, desde que foram informadas da ocorrência destes eventos em fevereiro de 2017, deram-lhe a máxima prioridade e envolveram-se imediatamente no seu esclarecimento. Criaram um grupo de trabalho permanente responsável pelo processo de investigação no qual intervieram diversas especialidades do Ministério do Interior. Além disso, foi constituída uma comissão de especialistas composta por especialistas de alto nível dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Saúde Pública, tendo em consideração a natureza dos acontecimentos notificados.

Depois que o governo dos Estados Unidos divulgou publicamente essa situação, um debate crescente começou sobre esses eventos. Cientistas de renome internacional, de várias áreas do conhecimento, pertencentes a prestigiosas universidades e centros de pesquisa dos Estados Unidos e da Europa, têm sustentado várias hipóteses que lançam dúvidas sobre a ocorrência dos alegados ataques acústicos. Esses especialistas consideraram improvável que a grande variedade de sintomas fossem causados ​​por equipamentos conhecidos e que o tipo de som gravado provavelmente não causasse danos cerebrais.

Multimedia - Cuba en Noticias

Em 8 de janeiro de 2018, a agência de notícias AP revelou que a Divisão Operacional de Tecnologia do FBI emitiu um relatório afirmando que após investigar as ondas sonoras abaixo do alcance da audição humana (infra-som), aquelas que podem ser ouvidas (acústica) e aquelas que estão acima No campo auditivo (ultrassom), concluiu que não havia causa sonora para os sintomas físicos vividos pelos diplomatas norte-americanos em Havana. Em essência, a instituição especializada nos Estados Unidos legalmente autorizada a realizar esse tipo de investigação determinou que não havia evidências dos “ataques acústicos”.

Como parte de sua obsessão anticubana, Marco Rubio convocou uma audiência em 9 de janeiro na Comissão de Relações Exteriores do Senado sobre os incidentes de saúde. Seu objetivo era fazer um show político para responsabilizar o governo cubano. O legislador argumentou que era irrelevante saber se os ataques foram realizados com um dispositivo acústico ou de micro-ondas porque, em última análise, a verdade era que “24 americanos ficaram feridos”.

Ele acrescentou que o que aconteceu foi fruto de uma tecnologia tão sofisticada que os especialistas nos Estados Unidos ainda não entendem. Como o nosso cinismo sem limites, afirmou: “os responsáveis ​​por estes atentados querem introduzir atritos nas relações bilaterais”.

Retirado do contexto latino-americano

#BobMenéndez exige que #Biden coloque condições políticas em #Cuba.

#Cuba #RevolucionCubana #PuentesDeAmor #ElBloqueoEsReal #EstadosUnidos #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #Congreso #Capitolio #DonaldTrumpCulpable #FakeNewsVsCuba #Cuba SeRespeta #PatriaOMuerte #CubaNoEsMiami

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Enquanto 80 congressistas democratas, autoridades de mais de 15 cidades, organizações religiosas, acadêmicos e movimentos sociais americanos pediam expressamente ao presidente Joe Biden que normalizasse as relações de seu governo com Cuba, o senador Bob Menéndez exigia que o presidente condicionasse uma eventual negociação com ele. “melhorias na situação dos direitos humanos e das liberdades políticas”.

Menéndez, novo presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, foi um dos principais críticos, dentro do Partido Democrata, da aproximação entre as duas nações promovida pelo governo Barack Obama.

O pronunciamento do político anticubano ocorreu em recente evento organizado pela Fundação Inspire America, instituição sem fins lucrativos cujo objetivo é “promover a mudança de regime em Cuba”.

robert menendez

A atividade contou com a presença dos mais proeminentes animais de direita de Miami, incluindo o senador republicano da Flórida, Marco Rubio; o deputado republicano Mario Díaz-Balart, e a também republicana María Elvira Salazar, que, segundo a carta dos 80 deputados democratas a Biden, reagiu com o tom típico de sua obstinação contra a Revolução: o que eles “têm que enviar é um carta exigindo o fim da repressão ”, disse, referindo-se ao mais desgastado dos argumentos fabricados pela máfia política anticubana.

Bob Menéndez, considerado “o mais republicano dos democratas”, tem se destacado por suas ações contra Cuba e Venezuela, sendo o arquiteto, junto com Marco Rubio, de muitas das “iniciativas” propostas para prejudicar as duas nações.

Nos últimos sete anos, Robert tem estado na mira das autoridades norte-americanas por crimes de conspiração, tráfico sexual, fraude e suborno.

Em 2017, ele foi acusado de 18 acusações de fraude e suborno. Segundo o Ministério Público, o senador recebeu US $ 750 mil em doações, brindes, viagens de avião particular e férias luxuosas pagas por um benfeitor.

Anteriormente, o político ultraconservador se envolveu em um escândalo com prostitutas dominicanas. Segundo um remetente, identificado como Peter Williams, que alertou o FBI, Menéndez contratou e fez sexo com quatro adolescentes naquele país.

Os autos de acusação indicam que, entre agosto de 2006 e janeiro de 2013, o político se hospedou várias vezes em um resort na República Dominicana, conhecido por ser um refúgio exclusivo do Caribe na província de La Romana, na costa sudeste daquele país, onde Acredita-se que ele teve o referido encontro com prostitutas.

Um grande júri federal concluiu que o político usou seu gabinete senatorial para favorecer projetos “em troca de doações e favores”, para motivar declarações falsas sob juramento de trabalhadoras sexuais menores de idade e para defraudar o sistema de saúde dos Estados Unidos.

Bob também tem um histórico de permitir a propagação da prostituição, jogos de azar e extorsão de gângsteres, enquanto era prefeito de Union City, uma cidade perto de Nova York.

Recentemente, alguns meios de comunicação dos Estados Unidos classificaram o colega cubano-americano Ted Cruz, senador pelo estado do Texas, como o pior dos políticos cubano-americanos, ainda “pior que Marco Rubio”, embora, sem dúvida, entre “joias”. Como. é você, é difícil escolher.

#Congressistas norte-americanos pedem a #JoeBiden que normalize as relações com Cuba .

#EstadosUnidos #Biden #Cuba #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #Sanciones #ElBloqueoEsReal #CubaSalva #EEUUBloquea #PuentesDeAmor

Cuba e a arma sônica de James Bond .

#Cuba #SubversionContraCuba #Diplomati#Embajada #FalsosAtaquesSonicos #JameBond #DonaldTrumpCulpable #ElBloqueoEsReal