Não conseguiram e não conseguirão fazê-lo. A razão é o nosso escudo.

#XCubaYo #PasionXCuba #LaRazonEsNuestroEscudo #NosVemosEl15

Cuba é uma democracia .

#RevolucionCubana #CubaSoberana #CoCubaNoTeMetas

Por: Pedro Miguel

Estou farto de ler que Cuba é uma ditadura, por isso escrevi algumas notas para provar que não é: pelo contrário, a democracia reina em Cuba. Vejamos:

Em democracias representativas como a Grã-Bretanha e Espanha, o chefe de Estado não é eleito pelo povo: o cargo é hereditário.

Tal como nesses países, na Alemanha e noutras repúblicas parlamentares, o chefe de governo é eleito, mas não directamente: os eleitores votam nos representantes e são os representantes que elegem o chefe de governo.

O mesmo é verdade em Cuba: de 5 em 5 anos os cidadãos elegem os membros da Assembleia Nacional do Poder Popular de 605 membros. A constituição declara que é “o órgão supremo do poder estatal” e representa “todo o povo e expressa a sua vontade soberana”.

A Assembleia Nacional do Poder Popular elege de entre os seus deputados aqueles que compõem o Conselho de Estado, “o órgão que o representa entre sessões, executa as suas resoluções e desempenha as outras funções que a Constituição e a lei lhe atribuem”.

Esta assembleia elege também o Presidente e o Vice-Presidente e nomeia, sob proposta do Presidente, o Primeiro-Ministro e os membros do Conselho de Ministros; elege o Presidente do Supremo Tribunal e os seus juízes, o Procurador-Geral da República, a Controladoria-Geral da República e outros funcionários.

Todas as pessoas com 16 anos ou mais têm o direito de votar livremente, igualmente, directamente e por escrutínio secreto. Todos têm o direito de votar. Os candidatos não são nomeados pelos partidos, mas por assembleias de bairro ou de circunscrição e organizações sociais. Qualquer pessoa pode nomeá-los.

As assembleias são obrigadas a equilibrar o género, a cor da pele e o fundo social para assegurar uma representação justa e pluralista.

Nas assembleias, são apresentadas as qualidades dos nomeados e os participantes decidem por maioria de votos através de uma votação por braço erguido sobre as nomeações.

As campanhas eleitorais são proibidas; as fotografias e curricula vitae dos candidatos são simplesmente divulgadas e realizam reuniões com os eleitores nos locais de trabalho, cooperativas, escolas, etc.

Para ser eleito, é necessária uma maioria absoluta; se nenhum dos candidatos atingir metade mais um dos votos válidos, os dois com mais votos vão para uma segunda volta.

A partir de 1993, Fidel e Raúl Castro submeteram-se periodicamente ao veredicto dos eleitores. Concorreram como candidatos a deputados e venceram invariavelmente nos seus respectivos distritos.

As urnas eleitorais são guardadas por crianças e jovens pioneiros, seladas no final da votação e depois contadas publicamente. Os correspondentes dos meios de comunicação social nacionais e estrangeiros, membros do corpo diplomático e até turistas podem testemunhar as recontagens.

Os deputados são responsáveis pelo seu desempenho e podem ter os seus mandatos revogados em qualquer altura. Os deputados ao serviço não recebem uma remuneração monetária superior aos salários que tinham antes de entrarem para a Assembleia Nacional do Poder Popular. Este modelo tem prevalecido em Cuba nas eleições de 1976, 1981, 1986, 1993, 1998, 2003, 2003, 2003, 2008, 2013 e 2018.

Qualquer pessoa pode tornar-se deputado da Assembleia Nacional do Poder Popular, desde que consiga ganhar o apoio da sua assembleia. E qualquer pessoa pode tornar-se membro do Conselho de Estado e presidente da república, desde que consiga obter o apoio dos seus pares no mais alto órgão do poder político.

O Partido Comunista Cubano não tem carácter eleitoral; não nomeia ninguém e é um mito que todos os aspirantes a uma deputação têm de lhe pertencer.

Em suma, o lugar-comum que Cuba vive sob uma ditadura é um embuste. Em Cuba existe uma democracia sem partidos, o que não é a mesma coisa, e o poder é governado por uma constituição e um quadro legal bem definido.

É verdade que o artigo 62 da Constituição estabelece o carácter socialista do Estado cubano e a impossibilidade de alterar esta característica. Mas algo semelhante acontece em Espanha e noutros países europeus, onde não existe o direito de erradicar as monarquias por meios democráticos ou legais. No entanto, isto não significa que os meios de comunicação ocidentais estejam a lixar cerca de 24 horas por dia com a ideia de que estes são regimes ditatoriais.

E é tudo.

Tirada de CubaDebate

Sofra as carraças, Raul envia os seus cumprimentos. Admitem, de Miami, estar felizes com o bloqueio contra Cuba.

#RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #TerrorismoNuncaMas #MercenariosYDelincuentes #CubaNoEsMiami

SOS Blockade vs Cuba .

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #CubaEsSalud

Por: José Manzaneda

Imagine que a União Europeia impôs um bloqueio económico total à Espanha, proibindo o comércio, as transferências, o turismo, a venda e compra de tecnologia ou medicamentos, a utilização do euro, que – através de ameaças e procedimentos legais – impediu empresas de outras partes do mundo de investir, sancionou companhias de navegação que trazem gás natural ou petróleo e, por sua vez, negou a entrada no território da União Europeia aos nossos cidadãos.

Apesar de sermos um país com um elevado nível de desenvolvimento económico, imagine os efeitos devastadores que isso teria nas nossas condições de vida (em termos de salários, pensões, serviços públicos, transportes, etc.), no meio da crise económica causada pela pandemia. Bem, agora, imagine este bloqueio sobre a população de um país insular e pobre em recursos no Sul, como Cuba.

Assistimos hoje, com perplexidade, a uma operação, na imprensa e nas redes sociais, de negação do bloqueio económico, comercial e financeiro dos EUA contra Cuba, que justifica um crime contra a humanidade e a violação maciça dos direitos humanos de onze milhões de pessoas, sujeitas a uma chantagem brutal: morrer à fome ou derrubar o seu governo.

O impacto do bloqueio em cada uma das fontes de rendimento da ilha é brutal: na ordem de cinco mil milhões de dólares por ano, 430 milhões por mês. Até 2021, 147 mil milhões de dólares em perdas.

Em que consiste o bloqueio de Cuba?
As bases permanentes do cerco económico e financeiro contra Cuba são, entre outras, as seguintes:

O chamado “embargo comercial”. As empresas e cidadãos cubanos não podem vender quaisquer produtos ou serviços no maior mercado do mundo, os EUA, nem podem adquirir os seus produtos ou serviços, com excepções e regulamentos muito rigorosos (certos alimentos e medicamentos, pagos antecipadamente). Isto implica enormes ultrapassagens de custos em absolutamente todas as importações de Cuba, muitas delas provenientes de mercados distantes. Também a impossibilidade de adquirir produtos e tecnologia apenas disponíveis nos EUA.

Os navios que tocam os portos cubanos não podem continuar para os EUA, o que se multiplica, para a ilha, todos os custos de frete e seguro.

A proibição do turismo americano, o que significaria uma injecção imediata de liquidez para a economia da ilha.

Perseguição constante, sanções e pressão extraterritorial sobre empresas e países para impedir o comércio com Cuba. Empresas de países terceiros não podem exportar para os EUA produtos contendo uma única grama de açúcar cubano ou níquel, fechando uma grande parte dos mercados internacionais da ilha. Do mesmo modo, países terceiros não podem vender mercadorias a Cuba com mais de 10% de componentes norte-americanos.

A impossibilidade de Cuba obter créditos de desenvolvimento, devido ao direito de veto ou voto preferencial dos EUA em organizações financeiras multilaterais, tais como o Banco Mundial ou o Banco Interamericano de Desenvolvimento.
243 novas sanções

A estas medidas e a muitas outras não mencionadas, juntam-se 243 novas sanções impostas durante a administração de Donald Trump, das quais mais de 50 foram aprovadas durante a pandemia de Covid-19. Por exemplo:

A proibição das remessas, que tornaram a emigração cubana a única, nos EUA, que não pode enviar dinheiro às suas famílias de forma legal e segura.

O encerramento da imigração, por congelamento de vistos, devido ao encerramento do consulado dos EUA em Havana, algo que procura aumentar o efeito de “panela de pressão” sobre a população cubana. O compromisso, assinado por Barack Obama, de conceder pelo menos 20.000 vistos por ano, é agora letra morta.

A inclusão de Cuba na lista de alegados “países patrocinadores do terrorismo”, o que implica o encerramento quase completo dos bancos internacionais da ilha, e a impossibilidade, há meses, de fazer compras (de alimentos e medicamentos, por exemplo) com os dólares recolhidos.

A perseguição sistemática das companhias de navegação que trazem petróleo venezuelano para Cuba, o que levou a uma redução drástica dos transportes urbanos e das restrições eléctricas.

A restrição ainda maior das muito poucas viagens dos EUA a Cuba autorizadas pela administração Obama, bem como a proibição total de compra de produtos em terra. A proibição de cruzeiros, por exemplo, arruinou numerosos estabelecimentos do sector privado cubano.

A proibição de voos para nove dos dez aeroportos internacionais de Cuba, uma medida que afecta a comunidade cubana nos EUA, o único que não estava anteriormente sujeito a restrições de viagem.

A retirada da única licença de investimento que foi autorizada por Obama: a da empresa hoteleira Marriot.

A plena aplicação da Lei Helms-Burton, que procura afugentar todo o investimento estrangeiro, bem como a activação de dezenas de processos judiciais contra empresas de investimento, principalmente europeias, para as obrigar a abandonar a ilha.

A ruptura – através de pactos com governos aliados, tais como os do Equador e do Brasil – dos seus acordos médicos com Cuba, que lhe permitiram financiar o sistema de saúde pública da ilha. Isto explica em parte a escassez de cuidados de saúde e visa criar uma crise sanitária na ilha.

A abolição de acordos bilaterais esperançosos, como o que foi assinado – e nunca entrou em vigor – entre a Federação Cubana de Basebol e a Liga Principal de Basebol dos EUA, que teria posto fim à “fuga” de atletas e ajudado a financiar o desporto de base em Cuba.

Imagine se eles cortarem a electricidade na sua casa, fecharem as suas portas para manter fora comida e medicamentos, impedi-lo a si e aos seus dependentes de sair para ganhar a vida, e depois culpá-lo pela má gestão da sua casa e chamar-lhe ditador. É o que os EUA fazem com Cuba e o seu povo.

Uma estratégia de seis décadas de asfixia, mais o cerco da guerra económica dos últimos quatro anos, juntamente com a ausência de receitas do turismo devido à pandemia, levaram a uma situação aguda de escassez em Cuba em todas as áreas. O resultado político, esperado durante 60 anos, de uma estratégia que procura matar um povo refém através da fome e da escassez, é muito pobre: tendo conseguido que uma pequena parte da população, cansada e desesperada, ceda e se revolte contra o governo e a Revolução.

Mas a euforia é um mau conselheiro. Estas pessoas não são a maioria. A maioria conhece a causa essencial dos seus problemas, e tem saído à rua por toda Cuba, aos milhares, para defender a soberania do seu país e a Revolução. Os criminosos vão continuar a tentar. Mas Cuba continua a ser um osso duro de roer.

Tirada de CubaDebate

Se é cubano, não o perca, Irael Rojas (Buena Fe) Uma resposta digna de um cubano digno.

#ACubaPonleCorazon #ManipulacionPolitica #RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #ManipulacionMediatica #CubaNoEsMiami

ALABAO: De novo à rua?

#MiMoncadaEsHoy #CubaNoEstaSola #SiempreEn26 #LasCallesDeLosRevolucionarios

O Estado cubano e as leis têm a obrigação de salvaguardar a tranquilidade e a segurança dos cidadãos. #Cuba

#Cuba

Por: Yudy Castro Morales

Embora as investigações sobre os tumultos ocorridos em Cuba no domingo 11 de Julho estejam em curso, José Luis Reyes Blanco, chefe do Departamento de Supervisão da Direcção do Processo Penal da Procuradoria-Geral da República (FGR), disse à Granma que “alguns dos comportamentos demonstrados constituem de facto um crime”.

Para apoiar a sua afirmação, Reyes Blanco, que tem 30 anos de experiência no sector, apelou, antes de mais, à Carta Magna, não só pela sua superioridade como Lei das Leis, mas também como projecto social, aprovado por mais de 86% dos cubanos.

O artigo 1º, disse, consagra “Cuba como um Estado de direito socialista e de justiça social, democrático, independente e soberano, organizado com todos e para o bem de todos” e, no artigo 4º, estabelece que “a defesa da pátria socialista é a maior honra e o dever supremo de todo o cubano”.

Este preceito, sublinhou o procurador, também apoia o direito dos cubanos a lutar por todos os meios, incluindo a luta armada, quando nenhum outro recurso é possível, contra alguém que tente derrubar a ordem política, económica e social que decidimos construir.

Protestas en Cuba: las fotos de la inusual manifestación contra el gobierno  en Cuba y la respuesta de la policía - BBC News Mundo

Na sua revisão dos princípios constitucionais que protegem a defesa da nação, Reyes Blanco concentrou-se também no Artigo 13, que enuncia os objectivos essenciais do Estado, entre os quais se encontram: manter e defender a independência, integridade e soberania, bem como preservar a segurança nacional.

Também chamou a atenção, como noutras ocasiões, para o Artigo 45, que se refere aos limites que a Lei Suprema estabelece sobre o exercício dos direitos dos cidadãos, como muitos, durante os tumultos dos últimos dias, levantaram como argumento “a defesa e aplicação dos seus direitos”.

Vale a pena lembrar que, segundo o texto constitucional, “o exercício dos direitos dos indivíduos é limitado apenas pelos direitos dos outros, segurança colectiva, bem-estar geral, respeito pela ordem pública, a Constituição e as leis”.

José Luis Reyes concentrou-se também no Artigo 90, que se refere às responsabilidades e deveres dos cidadãos, derivados do exercício dos seus direitos e liberdades.

A este respeito, mencionou, entre outros, “o dever de mostrar o devido respeito pelas autoridades e seus agentes; de respeitar os direitos dos outros e não abusar dos seus; e de agir nas suas relações com outras pessoas, em conformidade com os princípios da solidariedade humana, respeito e observância das regras de coexistência social”.

Sem recorrer ao conhecimento da lei, e sujeito apenas ao senso comum das pessoas, é possível afirmar que os actos em questão transgridem de forma flagrante estes limites e deveres.

Las fotos más impactantes de las multitudinarias protestas contra el  régimen de Cuba - Infobae

INFRACÇÕES E FACTORES AGRAVANTES

Neste momento, explicou José Luis Reyes, o Ministério Público realiza o controlo da investigação criminal de todos os processos, com rigoroso respeito pela qualidade e celeridade, a determinação da responsabilidade individual, as características pessoais do acusado e as circunstâncias concomitantes.

No que respeita às medidas cautelares, acrescentou, será utilizada a prisão preventiva e a prisão preventiva, de preferência para os casos mais graves, ou aqueles cometidos por reincidentes e multi-recidivistas.

Salientou ainda que serão tidas em conta circunstâncias agravantes de responsabilidade criminal, o que implica a modificação dos limites mínimos e máximos das sanções a impor:

Fazer parte de um grupo de mais de três pessoas.
Provocando graves consequências com o crime.
Envolvendo menores.
Tirar partido de uma situação especial.
Usando um meio que causa um perigo comum.
Actuar contra pessoas ou bens relacionados com actividades prioritárias para o desenvolvimento económico e social do país.
Em termos de possíveis crimes, o procurador salientou os considerados “comuns”, cometidos contra a ordem pública e a administração e jurisdição, sem ignorar outros como crimes contra a vida (ferimentos), e actos de vandalismo como o saque de lojas.

Com base neste tipo de infracções, acrescentou a desordem pública, por outras palavras, “qualquer pessoa que provoque lutas ou distúrbios em estabelecimentos abertos ao público, veículos de transporte público, círculos sociais, espectáculos, festas familiares ou públicas ou outros eventos ou locais frequentados por numerosas pessoas, é punível com uma pena de prisão de três meses a um ano ou uma multa de 100 a 300 quotas ou ambas.

Protestas en Cuba: las fotos de la inusual manifestación contra el gobierno  en Cuba y la respuesta de la policía - BBC News Mundo

“Se o objectivo for perturbar de alguma forma a ordem pública, a pena é a privação de liberdade durante um a três anos ou uma multa de 300 a 1 000 quotas ou ambas”.

Ele também especificou o que diz respeito ao ataque: “qualquer pessoa que utilize violência ou intimidação contra uma autoridade, um funcionário público, ou os seus agentes ou assistentes, para os impedir de realizar um acto próprio das suas funções, ou para exigir que o realizem, ou por vingança ou represália pelo exercício dessas funções, incorre na pena de prisão de um a três anos”.

No entanto, Reyes Blanco acrescentou, se alguma das seguintes circunstâncias coincidir nos actos supracitados: duas ou mais pessoas participam, é realizada com o uso de armas, causa lesões corporais ou danos à saúde da parte ofendida, e o objectivo prosseguido pelo agente é alcançado, a pena de privação de liberdade pode ser aumentada de três para oito anos.

Durante os actos de desestabilização, também se podem presumir as seguintes infracções:

Resistência: Qualquer pessoa que resista a uma autoridade, funcionário público ou aos seus agentes ou auxiliares no exercício das suas funções, incorre na pena de privação de liberdade de três meses a um ano ou numa multa de 100 a 300 quotas.
Desprezo: Quem ameaçar, caluniar, caluniar, difamar, insultar, insultar, insultar ou de qualquer forma ofender ou ofender, por palavra ou por escrito, a dignidade ou o decoro de uma autoridade, funcionário público, ou dos seus agentes ou auxiliares, no exercício das suas funções ou por ocasião ou ocasião, será punido com uma privação de liberdade de três meses a um ano ou uma multa de 100 a 300 quotas, ou ambas.
Desobediência: Qualquer indivíduo que desobedeça às decisões das autoridades ou dos funcionários públicos, ou às ordens dos seus agentes ou assistentes emitidas no exercício das suas funções, será punido com uma privação de liberdade por um período de três meses a um ano ou uma multa de 100 a 300 quotas ou ambas.
O DEVIDO PROCESSO, UMA PREMISSA CUBANA PARA A ACÇÃO

Sempre que falamos especificamente de processos penais, é necessário salientar, na opinião do Chefe do Departamento de Supervisão da Direcção de Processo Penal do FGR, o devido processo, entendido como o garante e guardião dos direitos dos cidadãos.

Como detalhado na Constituição, em cada caso as autoridades cubanas asseguram o cumprimento de todos os princípios que tornam isto possível, tais como

Não ser privado de liberdade, excepto por uma autoridade competente e durante o período legalmente estabelecido.
A ser prestada assistência jurídica desde o início do processo.
Presumir-se inocente até que um julgamento final seja proferido contra eles.
Ser tratado com respeito pela sua dignidade e integridade física, mental e moral, e não ser vítima de violência ou coerção de qualquer tipo para os forçar a testemunhar.
Não testemunhar contra si próprios, o seu cônjuge, companheiro ou parentes até ao quarto grau de consanguinidade e segundo grau de afinidade.
Ser informado das acusações contra ele/ela.
A ser julgado por um tribunal legalmente pré-estabelecido e ao abrigo de leis que precedem a infracção.
Comunicar imediatamente com a sua família ou familiares se for detido ou detido.
Se é uma vítima, para gozar de protecção para o exercício dos seus direitos.
Para além de qualquer dano ou prejuízo que tenha ocorrido nos últimos dias, existe um bem maior, disse o procurador, que tem sido manchado e que o Estado e as leis cubanas, a começar pela Constituição, têm a obrigação de salvaguardar. Esse bem é a tranquilidade e a segurança dos cidadãos, uma das sublimes conquistas da Revolução.

A Carta Magna, nas palavras de Reyes Blanco, “protege-nos a todos, mas em seu nome, os limites não podem ser transgredidos. O país tem o direito de se defender contra uma conduta que vise subverter a ordem constitucional. E o Código Penal mantém o seu objectivo primordial de proteger a sociedade, o povo, a ordem social, económica e política e o regime do Estado”.

Extraído de Granma

O que deve ser um jovem comunista.

#ErnestoGuevara #RevolucionCubana #AmericaLatina

Por: Ernesto Guevara  Redacción Razones de Cuba

A Liga dos Jovens Comunistas tem de se definir com uma única palavra: vanguarda. Vós, camaradas, deveis ser a vanguarda de todos os movimentos. O primeiro a estar pronto para fazer os sacrifícios que a Revolução exige, qualquer que seja a natureza desses sacrifícios. O primeiro a trabalhar. O primeiro a estudar. O primeiro a defender o país.

Creio que a primeira coisa que deve caracterizar um jovem comunista é a honra que ele sente por ser um jovem comunista. Essa honra que o leva a mostrar perante todo o mundo que é um jovem comunista, que não o torna subterrâneo, que não o reduz a fórmulas, mas que o exprime a cada momento, que sai do seu espírito, que está interessado em mostrá-lo porque é o seu símbolo de orgulho.

Além disso, um grande sentido do dever para com a sociedade que estamos a construir, com os nossos semelhantes e com todos os homens e mulheres do mundo.

Isso é algo que deveria caracterizar o jovem comunista. Além disso, uma grande sensibilidade perante a injustiça; um espírito inconformista sempre que algo está errado, não importa quem o tenha dito. Questionar tudo o que não é compreendido; discutir e pedir esclarecimentos sobre o que não é claro; declarar guerra ao formalismo, a todos os tipos de formalismo. Estar sempre aberto para receber novas experiências, para compor a grande experiência da humanidade, que há anos avança para o caminho do socialismo, para as condições concretas do nosso país, para as realidades que existem em Cuba: e para pensar – cada um e cada um de nós – como mudar a realidade, como melhorá-la.

O jovem comunista deve ter sempre como objectivo ser o primeiro em tudo, lutar para ser o primeiro, e sentir-se incomodado se em algo ocupa outro lugar. Lutar para melhorar, para ser o primeiro. É claro que nem todos podem ser os primeiros, mas ele pode estar entre os primeiros, no grupo de vanguarda. Ser um exemplo vivo, ser o espelho onde os camaradas que não pertencem à juventude comunista podem olhar para si próprios, ser o exemplo onde homens e mulheres mais velhos que perderam um certo entusiasmo juvenil, que perderam a fé na vida e que reagem sempre bem ao estímulo de um exemplo podem olhar para si próprios. Esta é outra tarefa dos jovens comunistas.

Juntamente com isso, um grande espírito de sacrifício, um espírito de sacrifício não só para viagens heróicas, mas para cada momento. Sacrificar-se para ajudar o seu camarada em pequenas tarefas, para que possa fazer o seu trabalho, para que possa cumprir o seu dever na escola, nos seus estudos, para que possa melhorar a si próprio de qualquer forma. Estar sempre atento a toda a massa de pessoas que o rodeiam.

Ou seja: a cada jovem comunista é pedido que seja essencialmente humano, que seja tão humano que se aproxime do melhor do que é humano, que purifique o melhor do homem através do trabalho, do estudo, do exercício da solidariedade contínua.
desenvolver a sua sensibilidade ao ponto de se sentir angustiado quando um homem é assassinado em qualquer parte do mundo e de se sentir entusiasmado quando algures no mundo é hasteada uma nova bandeira da liberdade.

O jovem comunista não pode ser limitado pelas fronteiras de um território: o jovem comunista deve praticar o internacionalismo proletário e senti-lo como se fosse seu. Para recordar, como nós aspirantes a comunistas aqui em Cuba devemos recordar, que somos um exemplo real e palpável para toda a nossa América, e ainda mais para a nossa América, para outros países do mundo que também lutam noutros continentes pela sua liberdade, contra o colonialismo, contra o neocolonialismo, contra o imperialismo, contra todas as formas de opressão dos sistemas injustos; lembrar sempre que somos uma tocha ardente, que somos todos o mesmo espelho que cada um de nós individualmente é para o povo de Cuba, e somos esse espelho para os povos da América, os povos do mundo oprimido que lutam pela sua liberdade, para olhar para dentro. E devemos ser dignos desse exemplo. Em qualquer altura e em qualquer momento devemos ser dignos desse exemplo.

É isso que pensamos que um jovem comunista deve ser. E se nos dizem que somos quase românticos, que somos idealistas inveterados, que pensamos em coisas impossíveis, e que não é possível fazer com que a massa de um povo se torne quase um arquétipo humano, temos de responder, uma e mil vezes, que sim, é possível, que temos razão, que todo o povo pode avançar, que podem liquidar a mesquinhez humana (…); para nos aperfeiçoarmos como todos nós nos aperfeiçoamos dia após dia, liquidando intransigentemente todos aqueles que ficam para trás, que não são capazes de marchar ao ritmo que a Revolução Cubana está a marchar .

Muito sério! #Otaola compara os opositores em #Cuba a uma vaca.#GuerreroCubano

#GuerreroCubano #CubaNoEsMiami #CubaSeRespeta #RedesSociales #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes

Outra grande notícia falsa de #Otaola. Racismo e descrédito entre o MSI e o 27N #GuerreroCubano .

#GuerreroCubano #RedesSociales #ManipulacionMediatica #CubaNoEsMiami #MafiaCubanosAmericana #RevolucionCubana