Protestos em Cuba: o que é a agitação social e o que a está realmente a causar?

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaVive #LaFuerzaDeUnPaiz #CubaViveEnSuHistoria #CubaViveYRenace

Três tristes NOVEMBRO para a CONTRARREVOLUÇÃO.

#CubaVive #LasCallesSonDeLosRevolucionarios #NoTeDejesConfundir #CubaViveYRenace

Dramaturgos de Miami. Tudo isto tem sido uma farsa aqui e ali.

#ManipulacionMediatica #RedesSociales #CubaViveYVivira #CubaViveYFlorece #CubaNoEsMiami #TerrorismoMadeInUSA

Padres hipócritas que nunca se importaram com o povo.

#CubaVive #CubaEsUnContinente #LaRazonEsNuestroEscudo #EEUUBloquea #UnblockCuba

Por Arthur González

Existe muita hipocrisia entre alguns padres católicos, intoxicados pelas campanhas anti-cubanas que se espalham pelas redes sociais, e agora estão “preocupados” com uma hipotética repressão a 15 de Novembro, como se em Cuba a polícia actuasse como nos Estados Unidos, Colômbia, Chile, Equador e outros países europeus, onde disparam balas de borracha e disparam contra a população, juntamente com poderosos jactos de água fria, o uso de gás lacrimogéneo e espancamentos impiedosos, algo que nunca foi visto na ilha depois de 1959.

Porque não emitiram uma declaração pela morte de George Floyd às mãos de quatro polícias ianques, ou pelos mais de 300 massacres na Colômbia? Nem sequer dedicaram uma missa a esses inocentes e agora enviam cinicamente uma carta às autoridades civis e militares de Cuba, para se enraizarem com os ianques e a máfia de Miami.

Na sua carta eles dizem: “Nós que assinamos esta carta somos cubanos, padres católicos chamados a ser pastores do nosso povo, que só querem o bem da nossa pátria, queremos uma Cuba onde reine justiça, liberdade e paz” … “Não queremos ver polícias a bater e a maltratar o seu próprio povo novamente. Não queremos voltar a ver derramamento de sangue, não queremos voltar a ouvir tiros. Esse não é o caminho que nos levará à Cuba de que precisamos e que todos queremos”.

“Não derrote os manifestantes porque tanto você como eles vivem em meio a tanta escassez e miséria… Não os impeça de marchar pacificamente, porque tanto você como eles querem viver sem medo de falar, sem medo de serem observados, sem medo de cair em desgraça”.

Que sangue, golpes e tiros são esses hipócritas que dizem sentir-se cubanos e nunca condenam a criminosa guerra económica, comercial e financeira que tem causado tantas limitações, incluindo a extensão das sanções no meio da pandemia de Covid-19, de que falam?

Onde estão as suas críticas à situação sofrida pelo povo cubano devido à guerra económica, que, como dizem os documentos oficiais ianques, é para “induzir o regime comunista ao fracasso nos seus esforços para satisfazer as necessidades do país, juntamente com operações psicológicas que irão aumentar o ressentimento da população contra o regime”.

O clero católico nunca condenou os crimes causados entre os camponeses cubanos pelos bandos de rebeldes, organizados, financiados e armados pela CIA, entre eles o vil assassinato do professor voluntário Conrado Benítez García e do camponês Eliodoro Rodríguez Linares, nem os assassinatos do professor Delfín Sen Cedré, de Manuel Ascunce Domenech, de apenas 16 anos, e do camponês Pedro Lantigua Ortega.

Não houve orações à Virgen de la Caridad del Cobre por estas vítimas porque elas apenas ensinaram as pessoas a ler e a escrever. Também não enviaram cartas à Casa Branca para parar a sua guerra suja que encorajava aqueles criminosos a matar, como fizeram com as crianças camponesas Yolanda e Fermín Rodríguez Díaz, de 11 e 13 anos, assassinadas na quinta La Candelaria, Bolondrón, Pedro Betancourt, Matanzas, pelo bando de Juan José Catalá Coste, nem pelo assassinato de Albinio Sánchez Rodríguez, de 10 anos, pelo bando do contra-revolucionário Delio Almeida.

Os seus familiares nunca foram capazes de curar essas feridas e para eles não houve consolo, não houve orações à Virgem, não houve missas para recomendar as suas almas a Deus.

Porquê o silêncio absoluto perante o ataque terrorista de uma lancha dos Estados Unidos, que metralhou a aldeia de Boca de Samá, matando duas pessoas e ferindo vários outros residentes da aldeia, incluindo duas crianças, uma das quais perdeu um pé. Este acontecimento merecia uma forte condenação por parte da Igreja face a tanto derramamento de sangue de civis inocentes.

A hipocrisia é tão grande que, em 1976, perante o terrível acto criminoso do bombardeamento aéreo de um avião civil cubano com 73 pessoas a bordo, os padres e freiras não abriram a boca para o condenar ou para rezar por eles, como se essas vítimas não merecessem a bênção do Santo Padroeiro de Cuba.

O terrorismo dos Estados Unidos não tem mostrado misericórdia para com o povo cubano e o seu desejo de derrubar o governo revolucionário é tão irracional que desde 1959 o povo cubano acumulou 3.478 mortos e 2.099 deficientes, incluindo 8 mortos e 15 deficientes, como resultado das agressões vindas da Base Naval Yankee em Guantanamo.

Estes crimes deixaram milhares de crianças órfãs, factos que os padres hipócritas não mencionam, e agora juntam-se às campanhas mediáticas contra Cuba, mentindo sobre repressões inexistentes.

Estes padres, agora do lado daqueles que procuram perturbar a ordem e tranquilidade do povo, seguindo instruções dos Estados Unidos, não disseram uma única palavra quando a Dengue Haemorrhagic Fever foi introduzida na ilha, causando a morte de 154 cubanos, 101 dos quais crianças. Nunca houve qualquer condenação dos actos terroristas nos hotéis de Havana onde morreu um jovem italiano.

Para aqueles padres católicos que se autodenominam “pastores do povo cubano”, recomendamos as nossas orações para que a Virgem da Caridade de Cobre, Mãe e Padroeira de todos os cubanos, interceda junto do seu filho Jesus Cristo para os perdoar pelo seu cinismo e falsidade, aliando-se aos que pedem mais bloqueio económico e comercial para aumentar o sofrimento da população, e mesmo uma intervenção armada do exército ianque, que só causaria mortes e destruição, semelhantes às provocadas em dezenas de países, factos não condenados por aquela Igreja cubana que bate no seu peito quando diz: “só queremos o bem da pátria”.

Não foi em vão que José Martí disse:

“Não há satraps mais grotescos e ridicularizados do que os padres das aldeias católicas”.

Cuba: Havana recupera as suas opções recreativas .

#CubaViveYSeDefiende #CubaViveYRenace #CubaViveEnPaz #LaRazonEsNuestroEscudo #LaFuerzaDeUnPaiz

Uffff papito la PARTISTE coñooooo💪🇨🇺❤️ …

#CubaViveYSeDefiende #LafuerzaDeUnPaiz #LaRazonEsNuestroEscudo #TuMarchaNoMeConvence #DefendiendoCuba

Não conseguiram e não conseguirão fazê-lo. A razão é o nosso escudo.

#XCubaYo #PasionXCuba #LaRazonEsNuestroEscudo #NosVemosEl15

Cuba é uma democracia .

#RevolucionCubana #CubaSoberana #CoCubaNoTeMetas

Por: Pedro Miguel

Estou farto de ler que Cuba é uma ditadura, por isso escrevi algumas notas para provar que não é: pelo contrário, a democracia reina em Cuba. Vejamos:

Em democracias representativas como a Grã-Bretanha e Espanha, o chefe de Estado não é eleito pelo povo: o cargo é hereditário.

Tal como nesses países, na Alemanha e noutras repúblicas parlamentares, o chefe de governo é eleito, mas não directamente: os eleitores votam nos representantes e são os representantes que elegem o chefe de governo.

O mesmo é verdade em Cuba: de 5 em 5 anos os cidadãos elegem os membros da Assembleia Nacional do Poder Popular de 605 membros. A constituição declara que é “o órgão supremo do poder estatal” e representa “todo o povo e expressa a sua vontade soberana”.

A Assembleia Nacional do Poder Popular elege de entre os seus deputados aqueles que compõem o Conselho de Estado, “o órgão que o representa entre sessões, executa as suas resoluções e desempenha as outras funções que a Constituição e a lei lhe atribuem”.

Esta assembleia elege também o Presidente e o Vice-Presidente e nomeia, sob proposta do Presidente, o Primeiro-Ministro e os membros do Conselho de Ministros; elege o Presidente do Supremo Tribunal e os seus juízes, o Procurador-Geral da República, a Controladoria-Geral da República e outros funcionários.

Todas as pessoas com 16 anos ou mais têm o direito de votar livremente, igualmente, directamente e por escrutínio secreto. Todos têm o direito de votar. Os candidatos não são nomeados pelos partidos, mas por assembleias de bairro ou de circunscrição e organizações sociais. Qualquer pessoa pode nomeá-los.

As assembleias são obrigadas a equilibrar o género, a cor da pele e o fundo social para assegurar uma representação justa e pluralista.

Nas assembleias, são apresentadas as qualidades dos nomeados e os participantes decidem por maioria de votos através de uma votação por braço erguido sobre as nomeações.

As campanhas eleitorais são proibidas; as fotografias e curricula vitae dos candidatos são simplesmente divulgadas e realizam reuniões com os eleitores nos locais de trabalho, cooperativas, escolas, etc.

Para ser eleito, é necessária uma maioria absoluta; se nenhum dos candidatos atingir metade mais um dos votos válidos, os dois com mais votos vão para uma segunda volta.

A partir de 1993, Fidel e Raúl Castro submeteram-se periodicamente ao veredicto dos eleitores. Concorreram como candidatos a deputados e venceram invariavelmente nos seus respectivos distritos.

As urnas eleitorais são guardadas por crianças e jovens pioneiros, seladas no final da votação e depois contadas publicamente. Os correspondentes dos meios de comunicação social nacionais e estrangeiros, membros do corpo diplomático e até turistas podem testemunhar as recontagens.

Os deputados são responsáveis pelo seu desempenho e podem ter os seus mandatos revogados em qualquer altura. Os deputados ao serviço não recebem uma remuneração monetária superior aos salários que tinham antes de entrarem para a Assembleia Nacional do Poder Popular. Este modelo tem prevalecido em Cuba nas eleições de 1976, 1981, 1986, 1993, 1998, 2003, 2003, 2003, 2008, 2013 e 2018.

Qualquer pessoa pode tornar-se deputado da Assembleia Nacional do Poder Popular, desde que consiga ganhar o apoio da sua assembleia. E qualquer pessoa pode tornar-se membro do Conselho de Estado e presidente da república, desde que consiga obter o apoio dos seus pares no mais alto órgão do poder político.

O Partido Comunista Cubano não tem carácter eleitoral; não nomeia ninguém e é um mito que todos os aspirantes a uma deputação têm de lhe pertencer.

Em suma, o lugar-comum que Cuba vive sob uma ditadura é um embuste. Em Cuba existe uma democracia sem partidos, o que não é a mesma coisa, e o poder é governado por uma constituição e um quadro legal bem definido.

É verdade que o artigo 62 da Constituição estabelece o carácter socialista do Estado cubano e a impossibilidade de alterar esta característica. Mas algo semelhante acontece em Espanha e noutros países europeus, onde não existe o direito de erradicar as monarquias por meios democráticos ou legais. No entanto, isto não significa que os meios de comunicação ocidentais estejam a lixar cerca de 24 horas por dia com a ideia de que estes são regimes ditatoriais.

E é tudo.

Tirada de CubaDebate

Sofra as carraças, Raul envia os seus cumprimentos. Admitem, de Miami, estar felizes com o bloqueio contra Cuba.

#RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #TerrorismoNuncaMas #MercenariosYDelincuentes #CubaNoEsMiami

SOS Blockade vs Cuba .

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #CubaEsSalud

Por: José Manzaneda

Imagine que a União Europeia impôs um bloqueio económico total à Espanha, proibindo o comércio, as transferências, o turismo, a venda e compra de tecnologia ou medicamentos, a utilização do euro, que – através de ameaças e procedimentos legais – impediu empresas de outras partes do mundo de investir, sancionou companhias de navegação que trazem gás natural ou petróleo e, por sua vez, negou a entrada no território da União Europeia aos nossos cidadãos.

Apesar de sermos um país com um elevado nível de desenvolvimento económico, imagine os efeitos devastadores que isso teria nas nossas condições de vida (em termos de salários, pensões, serviços públicos, transportes, etc.), no meio da crise económica causada pela pandemia. Bem, agora, imagine este bloqueio sobre a população de um país insular e pobre em recursos no Sul, como Cuba.

Assistimos hoje, com perplexidade, a uma operação, na imprensa e nas redes sociais, de negação do bloqueio económico, comercial e financeiro dos EUA contra Cuba, que justifica um crime contra a humanidade e a violação maciça dos direitos humanos de onze milhões de pessoas, sujeitas a uma chantagem brutal: morrer à fome ou derrubar o seu governo.

O impacto do bloqueio em cada uma das fontes de rendimento da ilha é brutal: na ordem de cinco mil milhões de dólares por ano, 430 milhões por mês. Até 2021, 147 mil milhões de dólares em perdas.

Em que consiste o bloqueio de Cuba?
As bases permanentes do cerco económico e financeiro contra Cuba são, entre outras, as seguintes:

O chamado “embargo comercial”. As empresas e cidadãos cubanos não podem vender quaisquer produtos ou serviços no maior mercado do mundo, os EUA, nem podem adquirir os seus produtos ou serviços, com excepções e regulamentos muito rigorosos (certos alimentos e medicamentos, pagos antecipadamente). Isto implica enormes ultrapassagens de custos em absolutamente todas as importações de Cuba, muitas delas provenientes de mercados distantes. Também a impossibilidade de adquirir produtos e tecnologia apenas disponíveis nos EUA.

Os navios que tocam os portos cubanos não podem continuar para os EUA, o que se multiplica, para a ilha, todos os custos de frete e seguro.

A proibição do turismo americano, o que significaria uma injecção imediata de liquidez para a economia da ilha.

Perseguição constante, sanções e pressão extraterritorial sobre empresas e países para impedir o comércio com Cuba. Empresas de países terceiros não podem exportar para os EUA produtos contendo uma única grama de açúcar cubano ou níquel, fechando uma grande parte dos mercados internacionais da ilha. Do mesmo modo, países terceiros não podem vender mercadorias a Cuba com mais de 10% de componentes norte-americanos.

A impossibilidade de Cuba obter créditos de desenvolvimento, devido ao direito de veto ou voto preferencial dos EUA em organizações financeiras multilaterais, tais como o Banco Mundial ou o Banco Interamericano de Desenvolvimento.
243 novas sanções

A estas medidas e a muitas outras não mencionadas, juntam-se 243 novas sanções impostas durante a administração de Donald Trump, das quais mais de 50 foram aprovadas durante a pandemia de Covid-19. Por exemplo:

A proibição das remessas, que tornaram a emigração cubana a única, nos EUA, que não pode enviar dinheiro às suas famílias de forma legal e segura.

O encerramento da imigração, por congelamento de vistos, devido ao encerramento do consulado dos EUA em Havana, algo que procura aumentar o efeito de “panela de pressão” sobre a população cubana. O compromisso, assinado por Barack Obama, de conceder pelo menos 20.000 vistos por ano, é agora letra morta.

A inclusão de Cuba na lista de alegados “países patrocinadores do terrorismo”, o que implica o encerramento quase completo dos bancos internacionais da ilha, e a impossibilidade, há meses, de fazer compras (de alimentos e medicamentos, por exemplo) com os dólares recolhidos.

A perseguição sistemática das companhias de navegação que trazem petróleo venezuelano para Cuba, o que levou a uma redução drástica dos transportes urbanos e das restrições eléctricas.

A restrição ainda maior das muito poucas viagens dos EUA a Cuba autorizadas pela administração Obama, bem como a proibição total de compra de produtos em terra. A proibição de cruzeiros, por exemplo, arruinou numerosos estabelecimentos do sector privado cubano.

A proibição de voos para nove dos dez aeroportos internacionais de Cuba, uma medida que afecta a comunidade cubana nos EUA, o único que não estava anteriormente sujeito a restrições de viagem.

A retirada da única licença de investimento que foi autorizada por Obama: a da empresa hoteleira Marriot.

A plena aplicação da Lei Helms-Burton, que procura afugentar todo o investimento estrangeiro, bem como a activação de dezenas de processos judiciais contra empresas de investimento, principalmente europeias, para as obrigar a abandonar a ilha.

A ruptura – através de pactos com governos aliados, tais como os do Equador e do Brasil – dos seus acordos médicos com Cuba, que lhe permitiram financiar o sistema de saúde pública da ilha. Isto explica em parte a escassez de cuidados de saúde e visa criar uma crise sanitária na ilha.

A abolição de acordos bilaterais esperançosos, como o que foi assinado – e nunca entrou em vigor – entre a Federação Cubana de Basebol e a Liga Principal de Basebol dos EUA, que teria posto fim à “fuga” de atletas e ajudado a financiar o desporto de base em Cuba.

Imagine se eles cortarem a electricidade na sua casa, fecharem as suas portas para manter fora comida e medicamentos, impedi-lo a si e aos seus dependentes de sair para ganhar a vida, e depois culpá-lo pela má gestão da sua casa e chamar-lhe ditador. É o que os EUA fazem com Cuba e o seu povo.

Uma estratégia de seis décadas de asfixia, mais o cerco da guerra económica dos últimos quatro anos, juntamente com a ausência de receitas do turismo devido à pandemia, levaram a uma situação aguda de escassez em Cuba em todas as áreas. O resultado político, esperado durante 60 anos, de uma estratégia que procura matar um povo refém através da fome e da escassez, é muito pobre: tendo conseguido que uma pequena parte da população, cansada e desesperada, ceda e se revolte contra o governo e a Revolução.

Mas a euforia é um mau conselheiro. Estas pessoas não são a maioria. A maioria conhece a causa essencial dos seus problemas, e tem saído à rua por toda Cuba, aos milhares, para defender a soberania do seu país e a Revolução. Os criminosos vão continuar a tentar. Mas Cuba continua a ser um osso duro de roer.

Tirada de CubaDebate

%d bloggers like this: