“As personagens lamentáveis da contra-cultura”.

#SubversiónContraCuba #ManipulacionMediatica #CubaNoEsMiami #CubaSeRespeta

Por Braulio Frómeta

Nos últimos meses, têm tido lugar eventos que recentemente com a canção “Patria y Vida” fazem parte da ofensiva mediática concebida e financiada pelo governo dos Estados Unidos e seus Serviços de Inteligência, tentando criar uma opinião pública com tal slogan contra a nossa Revolução.

É como quando lhe pedem uma canção para um título ou tema de um romance. As suas letras são de uma tal incultura político-histórica, incluindo a inculturação pessoal dos seus próprios autores, que um tal pedido os torna mercenários desprezíveis.

Embora os tome como base para esta afirmação, não é apenas a destes músicos, mas daquela contra-cultura de diferentes géneros ou manifestações que, de uma forma ou de outra, se curvam perante tais pressões, seja por medo do seu futuro económico-artístico, seja por ignorância, seja por confusão induzida, em suma, por qualquer argumento que sirva de justificação para tal posição.

Esquecem-se que a nossa “Pátria ou Morte”. Nós Venceremos” nasceu e é o slogan da nossa decisão e confronto com o inimigo que os protege, e que o cenário que o provocou não diminuiu de forma alguma.

Nestes dias recordamo-lo para que as novas gerações que tanto se esforçam por confundir, e que não sofreram esse período inicial, sobretudo porque os seus avós e pais o enfrentaram com coragem e decisão, para que pudessem chegar a esta fase, precisamente com aquele nível e cultura de que se vangloria.

Basta seguir o caminho do financiamento desde a aprovação do orçamento contra Cuba, passando pelos directores da USAID e NED, até chegar aos mercenários internos e externos, que demonstrámos em recentes denúncias, para ver esta nova versão da “Operação Mangustoé” (aprovada por Kennedy em 1961) com a modernização de lacaios e traidores que, como tal, emergiram e sempre actuaram nas fases mais críticas da Revolução, hoje convertidos em verdadeiros milionários renegando o investimento que com eles foi feito.

Gostaria de partilhar alguns pensamentos de artistas e intelectuais de renome que, com uma cultura verdadeiramente universal, se pronunciaram para descrever as atitudes dos que estão sujeitos aos verdadeiros opressores.

“Tão fácil seria satisfazer as necessidades da vida para todos, se esta coisa sagrada chamada dinheiro, que é suposto ser inventada para as remediar, não fosse realmente a única coisa que o impede”. Thomas More (1535). teólogo, político, humanista e poeta inglês.

“Quando o poeta Homero cantou a fundação de Tróia e mais tarde a sua guerra se tornou a mais famosa de todas as guerras, será que essas mulheres e esses homens, essas deusas e esses deuses que são tão parecidos connosco, ciumentos, vingativos, traiçoeiros, existiam? Quem sabe se existiram, a única coisa certa é que existem” Eduardo Galeano (1940- 2015) jornalista e escritor uruguaio.

As Revoluções das Cores que varreram do mapa vários países da Europa de Leste e as Repúblicas Soviéticas. As guerras no Médio Oriente tais como a Líbia, Iraque, Paquistão, Afeganistão, Síria. Para não mencionar África, Sudão, Ruanda, Iémen, Congo, Nigéria. Terrorismo, religiões, etnias, transnacionais. Como eram? Como vivem hoje?

“A guerra é o caminho que Deus escolheu para nos ensinar geografia”. Ambrose Bierce, escritor francês de 1914.

E mesmo a Europa: os conflitos de Espanha sem poder chegar ao governo; França, similares, Grécia, Inglaterra, etc. Será isto estranho à política imperialista e à sua cabeça os Estados Unidos, que tanto engrandecem?

Compreende porque é que este desenho imperialista usa, disfarça e transforma este país num instrumento político?

Porque joga com ele? É esta a sua ignorância e ignorância?

“Antes de mais, trata-se de reunir as vias de integração para a configuração da União Sul-Americana e da Pátria Grande da América Latina. Sozinhos, separados, contamos muito pouco e não vamos a lado nenhum. Seria um beco sem saída que nos condenaria como segmentos marginais, empobrecidos e dependentes dos GRANDES PODERES MUNDIAIS”. (Prólogo escrito em 2005 pelo então Arcebispo de Buenos Aires, Jorge Mario Bergolio, 1936, agora Papa Francisco, 2013, ao livro do uruguaio Guzmán Carriquilly “Una apuesta por América Latina”).

Na década de 1970, académicos norte-americanos projectaram diferentes teorias contra as sociedades do Campo Socialista que procuravam elevar o carácter da Subversão Interna com políticas subtis emanadas do estudo de problemas e contradições que se desenvolviam internamente.

Da mesma forma estudaram a actividade económica privada no seio do Socialismo com a participação da CIA e outros Órgãos de Inteligência, dos quais surgiram nomes e tratados como: “Teoria da Desideologização”; “A Construção de Pontes”; “Corrosão de Dentro”; “Convergência”, que começou a introduzir ideias e atitudes com os resultados já hoje conhecidos, disfarçados pelo uso destas personagens cultas.

Para isso, a “receita” é criada pela Académica. Os “chefs” são os Serviços Especiais Americanos, especialmente a CIA, e são cozinhados pelos da cultura, dos meios de comunicação, dos programas, e tudo o que permite mudar ou suavizar o pensamento, especialmente dos jovens, porque são considerados mais susceptíveis.

Hoje, a globalização substituiu o anticomunismo como ideologia dominante: as empresas transnacionais, a invasão das tecnologias de informação, a livre circulação de bens e capitais.

Isto não é alheio ao que está a acontecer com a imigração de povos dos seus países devastados da América Latina para os Estados Unidos; e os da África para a Europa da sua antiga colonização.

O intelectual agudo Eduardo Galeano (idem.) disse-nos: “antes, a Europa despejava soldados, prisioneiros e camponeses famintos no Sul do Mundo. Os protagonistas das aventuras coloniais (como aconteceu nos Estados Unidos de hoje) entraram na história como agentes itinerantes de Deus, Civilização lançada para o resgate da barbárie. Agora a viagem está invertida. Eles são protagonistas de desventuras coloniais. É a barbárie lançada ao assalto da Civilização”.

Hoje existem cerca de setenta (70) muros em todo o mundo. Constituído para reforçar a chamada “Segurança Interna”, e obviamente para parar os fluxos migratórios: México um virtual com a América Central e as Caraíbas; entre Marrocos e o Sahara Ocidental (3000 km.); entre a Hungria e a Sérvia e Croácia; o da Bulgária com a Turquia; entre a Áustria e a Eslovénia; entre a Macedónia e a Grécia. Israel está com a Cisjordânia (712 km) mais Gaza, Síria, Jordânia e Egipto. A extensão da entre os Estados Unidos e o México (3000kms) e entre a Índia e o Bangladesh (2700km.) No entanto, graças às teorias e aos media, especialmente nos Estados Unidos, demonizaram a de Berlim, ignorando a história.

O nosso próprio José Martí, quando esteve em Nova Iorque em 1881, declarou: “Os Estados Unidos são de facto a esperança do mundo, mas será que possuem realmente todos os elementos espirituais necessários para servir de lar seguro para a verdade, a liberdade e a dignidade humana; não será a sua energia prodigiosa excessivamente canalizada para os fins materiais mais grosseiros? E prosseguiu: “este país é, aparentemente, o senhor de todos os povos da terra, e na realidade o escravo de todas as posições humildes que perturbam e pervertem outros povos” (1881) NÃO esqueçamos a sua frase: “Eu vivi no monstro e conheço as suas entranhas”.

Um pouco antes, a 5 de Agosto de 1829, Simón Bolívar tinha dito: “os Estados Unidos parecem destinados pela Providência a atormentar a América com a miséria em nome da Liberdade”.

Agora acontece que as armas da Democracia endireitadas pelos povos nas décadas da ALBA, tornam-se os mecanismos políticos utilizados pelas Oligarquias e Transnacionais norte-americanas e seus lacaios (oligarcas-clero-armies) actuando através das Constituições sobre as nossas inexperiências, insuficiências e erros, muitos criados pelas suas posições de ataque económico e incorporando de forma sofisticada um novo actor que eles também dominam: os meios de comunicação social.

“Os americanos são excelentes vendedores. Conseguiram vender o seu Sistema ao ponto de o fazer acreditar que é a encarnação do futuro, mas, de facto, falta aos Estados Unidos um projecto humano para o futuro”. (El Planeta Americano-1996- por Vicente Verdu (1942) escritor e jornalista, doutorado em Ciências Sociais pela Universidade de Sorbonne, Paris e pela Fundação Nieman da Universidade de Harvard, EUA).

É o evento actual sobre Democracia convocado no seu país impondo uma selecção subordinada sujeita aos seus conceitos e mantendo o assédio principalmente contra Cuba, Venezuela e Nicarágua.

Não esqueçamos a utilização das Cimeiras das Américas, começando pela de Trinidad e Tobago (2009). A partir daí Obama iniciou a sua política de “esquecer o passado” Panamá 2015, bem identificada nas teorias do cientista político americano Francis Fukuyama (1952) no seu livro “The End of History and the Last Man” (1992). Desde essa cimeira, Obama declarou: “o objectivo é recuperar a liderança e a influência dos Estados Unidos na América Latina” (claro que já existem a Rússia, a China e os BRICS, cujas políticas mais humanas visam o desenvolvimento destes povos).

Nenhum dos esquemas de controlo e repressão foi desactivado ao abrigo da Teoria de Segurança Nacional, que muitos parecem ignorar.

Já no documento “Santa Fé I, Uma Nova Política dos EUA para os anos 80” se afirma: “o alvo da guerra é a mente da humanidade. A ideopolítica deve prevalecer”.

Anos mais tarde, em Santa Fé II, 1990, afirmam: “A USAID é a nossa agência para levar a cabo a guerra actual”. Para manter estas declarações actualizadas, temos as do cientista político americano Gene Sharp na sua teoria do “golpe suave”. “A natureza da guerra no século XXI mudou, nós americanos lutamos com armas psicológicas, sociais, económicas e políticas”.

Se voltarmos às personagens iniciais, sugiro que procurem e identifiquem em que Programa estão a actuar porque os Estados Unidos e o seu aparelho de Inteligência, como a USAID, NED e CIA, estão a actuar:

O activismo face às tarefas sociais e políticas

A criação de contra-valores

Atacar objectivos colectivos

Desactivação da participação

Agir sobre as desigualdades

O funcionamento das Organizações de Massas

A desmistificação da gestão

Criam um estado de opinião e opinião pública, procurando apropriar-se de conhecimentos e informações para o indivíduo, que consideram objectivos e que têm frequentemente um conteúdo moral. Tentam exercer as seguintes funções na sociedade: educação, orientação, controlo social, e um mecanismo de regulação do comportamento e do funcionamento da vida quotidiana.

Tudo para fabricar o indivíduo de que necessitam para se imporem.

Fidel disse-nos a 17 de Novembro de 2010 na Universidade de Havana:

“as campanhas dos meios de comunicação de massas são para tomar conta das mentes, não só mentiras, mentiras afectam o conhecimento, mas o reflexo condicionado das mentes afecta a capacidade de pensar. Estar mal informado não é o mesmo que perder a capacidade de pensar.

É por isso que, de acordo com a categoria com que se identificam silenciosamente, sabemos que o seu pensamento egoísta é resumido como “o que é meu não é o mesmo que o que é nosso”.

A diferença para nós, o povo, é que “o que é nosso” é “o que é meu” que partilhamos com o pensamento marciano-fidelista de que a Pátria é Humanidade e desfrutamos deste “que é nosso”, partilhando os nossos médicos, professores, cientistas, construtores, desportistas, profissionais de todos os tipos, e porque não, combatentes, se necessário, para impedir que este “que é meu” continue a crescer.

Ratifico: “PATRIOTE OU MORTE. NÓS VENCEMOS

Sussurros, murmúrios e mais do mesmo.

#Cuba #RevolucionCuban #PatriaOMuerte #TridoresNoMeRepresentan #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #ElBloqueoEsReal

Autor: Pedro de la Hoz | pedro@granma.cu

A obsessão anticubana de alguns eurodeputados e o negócio com a contra-revolução que um astuto empresário nascido na Ilha, mas radicado em Espanha, vem trazendo há muito tempo, tentaram animar um espectáculo no Parlamento Europeu esta sexta-feira, que tentou vender um panorama apocalíptico e irreal em Cuba.

O roteiro velho e gasto, encorajado pela posição comum fracassada da época do alinhamento de Aznar com a Casa Branca, e a reciclagem de vozes antigas, como a de alguém que negou sua militância lutadora – ele até ofereceu uma festa no dia em que eles deram o cartão – e de outro que há anos vem cantando que chegará e nunca chegará, agora acrescentam algumas linhas, derivadas das ações mais recentes contra Cuba nascidas em Miami, que estão comprometidas com a nova administração dos Estados Unidos não só não inverter, se não apertar o bloqueio.

dinero

Mal murmura e sussurra em discursos com pouca imaginação e pouca solvência: um rapper que delira por se acreditar porta-voz de 11 milhões de cubanos, outro que mal sabe definir a democracia, um comediante que não tem muita credibilidade quando fala sério e, portanto, dois ou três a mais do que na soma não vai além de abundar mais sobre o mesmo. Todos em boa companhia, como quem não canta nem escreve e conta como carta de apresentação pedindo fogo, bloqueio, fome e morte para seus compatriotas, como foi documentado aos olhos de todos os habitantes desta terra.

Que distração foi introduzida no fórum de Bruxelas pelos eurodeputados Leopoldo López Gil, dos anfitriões do reacionário Partido Popular, da Espanha, e Dita Charanzova, da República Tcheca, ninguém menos que a vice-presidente do Parlamento Europeu, discípula de o bilionário Andrej Babis e porta-estandarte do neoconservadorismo populista. Com tantos temas úteis para enfrentar, como os programas de vacinação disponíveis para todos ou a recuperação econômica de um continente atingido pela pandemia, Charanzova e López Gil se permitem jogar a contra-revolução anticubana. Aliás, a tcheca é muito, muito próxima de Juan Guaidó, tanto que convidou o fantoche venezuelano para participar do evento.

A credencial do moderador do programa, Javier Larrondo, fala por si: foi ele quem deu assistência e corda à patética criatura que foi filmada enquanto se atacava contra uma mesa na montagem de uma Cuba violadora dos direitos humanos, e Ele aparece ao lado dele como co-fundador do grupo.

No chat que acompanhou a transmissão online do show, alguém escreveu: “Você não me representa”, E assinou: “Pátria ou Morte, Vamos vencer”.

O cinismo de Dita Charanzová, vice-presidente do Parlamento Europeu.

#UnionEuropea #DitaCharanzová #Minrex #Cuba #BrunoRodriguez #MafiaAnticubana #MercenariosYDelincuentes #DerechosHumanos #CubaSalva #EEUUBloquea #Washington #RevolucionCubana #RedesSociales #SubversionContraCuba #ONU #Chile #Colombia #Ecuador #Peru #Brasil #Guatemala #JairBolsonaro #LeninMoreno #DonaldTrumpCulpable #Covid-19 #SaludMundial #JoseMarti

Conhecida por suas posições de extrema direita e fiel seguidora da linha política de Donald Trump, a tcheca Dita Charanzová, vice-presidente do Parlamento Europeu, não para de atacar Cuba e acusá-la de “violar” direitos humanos, mas sim de violações verdadeiras e criminosas por governos semelhantes a Washington, não diz uma única palavra.

Mais parecida com uma subordinada do Departamento de Estado ianque do que com o próprio Parlamento Europeu, Charanzová tenta formar uma matriz de opinião contra a Revolução Cubana, em busca da entidade que representa para romper os acordos entre a Ilha e a União Europeia, com a evidente interesse em retomar a fracassada Posição Comum, proposta por José María Aznar, outro peão dos Estados Unidos.

Internet

A que liberdades básicas e direitos humanos você se refere ao atacar Cuba?

Como se tivesse copiado o discurso de Donald Trump em 16 de junho de 2017 em Miami, a citada recentemente declarou:

“É hora de perceber que nossa estratégia atual não está funcionando em benefício do povo cubano.”

Seguindo a mesma tática ianque de querer afogar o povo cubano, passa a confundir parlamentares e a opinião pública europeia que os direitos humanos são “violados” em Cuba, tudo dentro do contexto lançado pelos ianques para defender a contra-revolução interna na Ilha, criada e financiado pelos Estados Unidos, que não tem nenhum reconhecimento popular, por sua falta de moral, ética e seu caráter mercenário.

Suas declarações fazem parte do recente encontro bilateral entre a União Européia e Cuba, situação que amarga o Departamento de Estado por insistir em isolar a Revolução e intensificar sua guerra econômica, comercial e financeira, em meio à terrível pandemia que atinge o mundo.

Para aborrecimento da máfia terrorista anticubana de Miami e dos políticos norte-americanos que se opõem a uma melhora nas relações com Havana por parte do novo governo Joe Biden, o pronunciamento da reunião bilateral presidida pelo chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, e pelo chanceler cubano Bruno Rodríguez Parilla, afirma:

“Houve um debate frutífero com o Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, sobre as relações gerais UE-Cuba e o impacto das sanções dos EUA na economia cubana e nos interesses comerciais e de investimento da UE.”

Esta posição não é aceita por Washington, que imediatamente moveu seus peões para criticá-la e combatê-la.

O mundo pôde acompanhar a TV cubana internacional, a verdade sobre o fabricado “Movimento San Isidro”, que não é um movimento nem tem seguidores, é formado por pessoas de baixa moral, que jamais seriam aceitas em nenhum país da educada e educada Europa.

Fundación Nacional Cubano Americana - Dita Charanzova exige liberación de  presos políticos | Facebook

O apelo das redes sociais para se concentrarem perante o Ministério da Cultura, no final de 2020, foi promovido por outra das peças ianques, Tania Brugueras, uma provocadora de longa data em ações subversivas, que conquistou através da mentira, arrastando vários jovens da arte estudantes e até artistas consagrados que, ao sentirem a verdade nos vídeos veiculados na TV, se distanciaram do embuste sedicioso da embaixada dos Estados Unidos em Havana, prova da falta de autenticidade daquele inventado “Movimento”.

As evidências mostram que por trás da tcheca Dita Charanzová está a mão dos ianques, fazendo parte de suas tendenciosas campanhas apoiadas pela mídia pela Rádio Televisión Martí, geradora da guerra psicológica contra Cuba, criada e financiada pelo governo dos Estados Unidos. apesar de nunca ter sido ouvido ou visto na rádio e na televisão da ilha.

A ultradireita pró-ianque do Parlamento Europeu pretende sancionar Cuba pela suposta violação dos direitos humanos, porém não se pronuncia a favor da sanção da Colômbia pelos 84 massacres perpetrados em 2020 e outros 6 até 24 de janeiro de 2021, executado por forças paramilitares protegidas pelo regime de Iván Duque, irmão próximo dos Estados Unidos.

Um relatório recente do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, reconhece esses crimes, entre os quais há 19 crianças, 12 mulheres e mais de 352 pessoas assassinadas, muitas delas líderes sociais.

Quando esses crimes ocorreram em Cuba?

Nem um único contra-revolucionário assassinado ou desaparecido em 62 anos da Revolução.

Por que Dita Charanzová não adota posição semelhante contra o governo de Sebastián Piñera, por suas violações permanentes dos direitos humanos no Chile, onde a polícia atira em jovens que exigem justiça social, trabalho, melhor educação e eliminação das desigualdades?

La guerra mediática de #EEUU contra #Cuba; Visión histórica y percepción  política | Cuba por Siempre

O que acontece no Peru e na Guatemala com o pessoal de saúde que não preocupa o MEP?

Onde está sua consciência diante do panorama de saúde sofrido pelo povo brasileiro, diante da falta de sensibilidade do regime de Jair Bolsonaro, onde cemitérios não chegam para enterrar os cadáveres?

Quais foram suas propostas de sanções contra o regime de Lenin Moreno no Equador, por não ter programas de saúde eficazes, que resultou na morte de pacientes Covid-19 no meio da rua sem assistência?

Qual resolução você aprovou contra o governo de Donald Trump, diante do péssimo manejo da pandemia, que tornou o país mais rico do mundo o mais infectado e com o maior número de mortes em todo o planeta?

Há muita hipocrisia e cinismo no Checo Charanzová, combinado com seu ódio contra um pequeno país, que defende seu sistema socialista que permite cuidar de todos os seus cidadãos, manter um forte sistema de saúde, educação e previdência social que Ninguém, apesar das 242 sanções impostas pelos Estados Unidos somente em 2020, algo que parece não importar para esta mulher que se esforça para agradar seus patrões ianques.

José Martí foi exatamente quando disse:

“É considerado crime querer forçar a opinião pública”

Alcântara deificada joga sujo para aqueles de San Isidro Otaola já está em mutação.

#ManipulacionMeditica #CubaNoEsMiami #MercenariosYDelincuentes #MafiaCubanoAmericana #SubversionContraCuba #DonaldTrumpCulpable #ForaTrump #EleccionersEEUU #GuerreroCubano #ElGuerreroEsCuba #TenemosMemoria #SomosContinuidad #CubaViva

Operadores políticos e sua atividade para subverter a vida em Cuba.

#EstadosUnidos #Internet #Cuba #SubversionContraCuba #MercenariosYDelincuentes #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #CubaSeRespeta #YoSigoAMiPresidente #DiazCanelB

A evidência é esmagadora, José Daniel Ferrer é um assassino. Aprenda Alexis Valdés.

#TodosSomosGuerrero #ElGuerreroEsCuba #SubversionContraCuba #ManipulacionMediatica #FerrerDelincuente #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #TenemosMemoria #SomosContinuidad #EEUUBloquea #DonaldTrumpCulpable #ForaTrump #MarcoRubio

O velho roteiro contra Cuba e os novos bonecos em cena.

#ManipulacionMediatica #SubversionContraCuba #MafiaCubanoAmericana #FakeNewsVSCuba #TenemosMemoria #SomosContinuidad #FielesANuestraHistoria #MSINoMeRepresenta #LaFarsaDeSanIsidro #TerrorismoMadeInUSA #YoSigoAMiPresidente

 Por Redacción Razones de Cuba

Tomado de Granma

Por: Ronald Suárez Rivas, Mailenys Oliva Ferrales

A televisão cubana denunciou mais uma vez, nesta quarta-feira, ações que fazem parte do chamado golpe suave que o Governo dos Estados Unidos tenta realizar em nosso país.

Depois de ter falhado durante décadas na tentativa de destruir a Revolução, o vizinho do Norte apela a novos métodos na ânsia doentia de tentar mudar o curso que esta ilha caribenha tomou há muito tempo de forma soberana.

No entanto, como o presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez apontou recentemente em sua conta no Twitter, é “um velho roteiro importado com novos atores”.

O material televisivo referia-se ao artigo publicado em Cubadebate pelo jovem analista de mídia Javier Gómez Sánchez, com o título Os ideólogos do golpe brando: a sociedade aberta em Cuba e a articulação contra-revolucionária.

#

O texto indica que “a agressividade do governo Donald Trump, e o posicionamento de um discurso contra a Revolução, por parte de atores da mídia, com todas as intenções, repulsivas, têm feito parte dos planos e não um acidente dentro deles. Promover uma contra-revolução que se apresenta como irracional e nojenta, em relação à qual a neo-contra-revolução poderia se apresentar como uma alternativa, para que fosse vista pelos cubanos como algo preferível.

Nessa contra-revolução gasta, sem agenda própria, violenta e sem raízes sociais, associam-se personagens como Berta Soler e José Daniel Ferrer.

O primeiro, uma pessoa com um longo histórico de provocações apoiada por dinheiro da Fundação Nacional Cubano-Americana da Flórida. No audiovisual, argumenta-se que a falta de efetividade de suas ações tem cobrado seu preço, por isso o montante de dinheiro que recebe diminuiu. Ela inclusive assinala que foi acusada de utilizar esses recursos para benefícios pessoais e não para lutar por uma suposta “causa de Cuba”.

Ferrer poderia ser definido como um criminoso comum, com antecedentes criminais consideráveis, promotor de ações contra-revolucionárias, suposto líder fabricado para lhe dar reconhecimento internacional.

O povo cubano certamente se lembrará do vídeo divulgado há algum tempo, em que bateu várias vezes com a cabeça contra uma mesa, para depois acusar um oficial do Minint de tê-lo atacado.

Na mesma linha de uma contra-revolução associada à marginalidade e à violência, integram-se outras personagens como Luís Manuel Otero, que se tem dedicado, através de grotescas expressões pseudoartísticas, a promover valores contrários à Revolução, os símbolos nacionais, beirando a e novamente com ilegalidade.

Segundo a análise realizada no Noticiero de la Televisión Cubana, entre esses pequenos “atores” está Maykel Osorbo, cujos constantes apelos às redes sociais pela violência, desrespeito e desordem defendem a invasão dos Estados Unidos em Cuba.

Denis Solís, um homem cuja conduta agressiva e socialmente condenável, o levou a ser punido pelo crime de desacato, movendo-se na mesma linha, posicionando-se como o impulsionador da farsa de San Isidro.

Fora de Cuba, a contra-revolução também é administrada por outros indivíduos. Essas ações são realizadas pelos Estados Unidos com o consentimento, ou, pelo menos, com o silêncio das autoridades daquele país, durante a administração Trump, os seguintes elementos:

Yamila Betancourt, promotora de ações terroristas em Cuba, que paga por vandalismo na ilha e usa as redes sociais para fazer grosseiros pedidos de desacato.
Sob o pseudônimo de Ultrack, esse outro representante da contra-revolução busca transferir a agressividade de sua linguagem nas redes sociais para a realidade cubana, ou seja, para nossas ruas.
E Alexander Otaola, que inicialmente atraiu o público e seguidores, abordando questões relacionadas com artistas e entretenimento, para posteriormente definir sua linha clara de agressão contra Cuba e incitar uma revolta social na ilha através da desobediência e do caos.

Paralelamente a estes expoentes da agressão às Grandes Antilhas coexiste outra versão da contra-revolução, que segundo o artigo La ned tem quem lhe escreve, de Javier Gómez Sánchez, é uma espécie de nova ou neo-contrarrevolução que procura estabelecer-se como aquela alternativa menos repulsiva, para acabar sendo a opção aceita pelo povo.

Embora não sejam todas, entre as que se enquadram nesta linha está Tania Bruguera, uma pessoa que, a partir de uma construção simbólica na arte, busca benefícios e posicionamentos, e algumas de suas ações flertam com a ilegalidade, inclusive a organização de uma provocação em a Praça da Revolução.

Neste mesmo cenário aparece

Carlos Manuel Álvarez, diretor do médium “independente” El Estornudo, que, a partir de suas redes sociais, denegriu, com alto disfarce, tanto o trabalho de médicos cubanos no exterior, como também de Che e Fidel.

Outros vinculados a esta modalidade de contra-revolução são Omara Ruiz Urquiola, ex-professora do Instituto Superior de Design, participante da farsa de San Isidro e parente de altos funcionários do governo dos Estados Unidos em Cuba; e a jornalista e ex-professora da Universidade de Havana Elaine Díaz, atualmente residente no exterior, que se dedicou a recrutar jovens jornalistas e universitários para contaminar seus ambientes e pensamentos.

Fazem parte da lista Eliécer Ávila, um jovem cubano residente nos Estados Unidos, que por diversas vezes declarou estar comprometido com a violência e a invasão de Cuba; e Ariel Ruiz Urquiola, atuante no trabalho de descrédito dos médicos cubanos no exterior.

Também faz parte desta rede Rosa María Payá, representante dos interesses da extrema direita de Miami em relação a Cuba, que recentemente postou em sua conta no Twitter: «Durante anos perguntei primeiro ao governo Obama e depois ao governo Trump reincorporar o regime cubano à lista dos patrocinadores do terrorismo porque é o correto e consistente.

Em apoio à atividade desses promotores da mudança de regime em Cuba, também se proliferou a criação de meios de comunicação como Cibercuba, El Estornudo, Cubanet, El Toque e La Joven Cuba, entre outros.

“São meios digitais criados e sustentados como parte de uma operação de longo prazo implementada pela CIA em Cuba para fabricar uma imprensa que, a partir da internet, gerará conteúdo político deliberadamente tóxico para a Revolução, sob a fachada do exercício jornalístico”, afirma em seu artigo Gómez Sánchez.

Enquanto isso, dos EUA Nos Estados Unidos, organizações como a USAID, o NED (National Endowment for Democracy) e as Open Society Foundations estimulam, com concursos e bolsas, a promoção de lideranças contra-revolucionárias, como tem sido feito com a milionária financiada Yoani Sánchez, entre outras.

Em outras palavras, tanto a expressão grotesca e anexacionista dos marginalizados dentro e fora de Cuba, quanto a de vozes com um discurso mais elaborado, é a mesma contra-revolução; uns desgastados, menos cuidados pelos seus senhores, e outros que respondem aos novos tempos, com discursos aparentemente mais conciliatórios, mas com o mesmo propósito final: derrubar a Revolução.

RECLAMAÇÃO NOVA E MUITO FORTE DE ATOS TERRORISTAS CONTRA CUBA.

#TerrorismoNuncaMas #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #MercenariosMadeInUSA #TodosSomosGuerrero #CUBA #EEUU RedesSociales #SomosContinuidad #YoSigoAMiPresidente

Luis Almagro financia provocação anticubana em frente à Embaixada #Cuba em Washington

Resultado de imagen de Luis Almagro Cuba

Por Scarlett Lee

O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, é abertamente o principal financiador da campanha nos Estados Unidos a favor da libertação do contra-revolucionário José Daniel Ferrer García, atualmente preso não por sua “posição política”, mas pela prática do crime. de ferimentos graves contra o cidadão Sergio García González. Continuar a ler “Luis Almagro financia provocação anticubana em frente à Embaixada #Cuba em Washington”

%d bloggers like this: