Os preços do gás sobem “por causa da Rússia” (e depois esvaziam): o que se passa?

#AhiLesVa #Gas #Russia

Os EUA e os seus aliados estão furiosos! Xi Jinping faz um apelo chocante a Putin e à Rússia.

#Rusia #China #EstadosUnidos #India #UnionEuropea #OrienteMedio

#Cuba rejeita nova resolução do #ParlamentoEuropeu .

#ManiobraAnticubana #ParlamentoEuropeo #Cuba #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #InjerenciaDeEEUU

A União Europeia participou na guerra durante vinte anos e agora afirma estar preocupada com o povo afegão.

#EstadosUnidos #Afganistán #UnionEuropea #DerechosHumanos #Terrorismo

Por Arthur González

Durante quanto tempo teremos de ouvir tais padrões duplos neste mundo “democrático”, que afirma ser um “defensor” dos direitos humanos?

A União Europeia deu o seu total apoio aos Estados Unidos na sua guerra contra o Afeganistão durante vinte anos, a um custo elevado em vidas humanas e dinheiro, mas agora, perante a vergonhosa derrota do poderoso exército americano, a sua desastrosa debandada do território invadido, e a tomada do poder pelos Talibãs marcados como terroristas e traficantes de droga, Josep Borrell, Alto Representante para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, disse ao jornal francês Le Journal du Dimanche: “É necessário um diálogo com os Talibãs”.

Ele acrescentou:

“O que aconteceu naquele país é uma tragédia para os afegãos e um fracasso para o Ocidente, que irá perturbar o equilíbrio do poder internacional e temos de lidar com as consequências para evitar uma repetição noutro lugar”.

Quem causou a tragédia do povo afegão?

As tropas norte-americanas e os seus aliados da NATO são os únicos responsáveis pelos milhares de mortes, incluindo crianças inocentes, mulheres e idosos, e pelos milhares de milhões de dólares desperdiçados que poderiam ter sido gastos para melhorar a vida do povo afegão.

Quem pode compreender por que razão propõem agora a necessidade de diálogo com os Talibãs, terroristas e traficantes de droga até há uma semana atrás, agora considerados pela Borrell como interlocutores inevitáveis?

Contudo, tomam uma posição muito diferente contra o governo legítimo da Venezuela, que sancionam, acusam de violação dos direitos humanos, aderem à guerra económica e financeira imposta pelos Estados Unidos, e reconhecem um fantoche dos Yankees como o suposto presidente, apesar de não ter sido eleito pelo povo, solicitando a invasão estrangeira do seu próprio país e sem apoio jurídico e popular.

Face à tomada do poder pelos Talibãs, o alto funcionário europeu emprega um discurso inconsistente, afirmando:

“O Afeganistão está ameaçado por uma crise humanitária e eu prometo que a UE quadruplicará a ajuda humanitária”.

Hipocrisia grossista, uma vez que o povo venezuelano está a sofrer uma grave crise humanitária, causada pela guerra económica e financeira de Washington e da própria União Europeia, que roubaram o dinheiro depositado nos seus bancos, o ouro, e prejudicaram a sua indústria petrolífera, a principal fonte de dinheiro, para afogar o governo constitucional do Presidente Nicolás Maduro, por não se ter ajoelhado aos seus pés.

As declarações de Borrell mostram até onde se pode ir com a duplicidade de critérios de uma política ao serviço dos interesses dos Estados Unidos, afirmando

“Os Talibãs são agora inevitáveis interlocutores, e precisamos de estabelecer uma presença em Cabul. Não podemos virar a página pensando que já não nos preocupamos com a situação. Precisamos de estabelecer ali uma presença.

O que pretendem com a sua presença em Cabul – é facilitar o financiamento e a preparação de uma oposição contra os Talibãs, como fazem na Venezuela e noutros países com governos inaceitáveis para os EUA?

A “preocupação” demonstrada na recente reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da UE na Eslovénia, e o acordo de envolvimento com os Talibãs vitoriosos, deixa uma forte indicação de planos futuros para a subversão interna, como os excelentes alunos de Washington nesta área, porque, como o Alto Comissário Europeu salientou na reunião:

“A fim de apoiar a população afegã, teremos de nos empenhar com o novo governo no Afeganistão, o que não é reconhecimento, é um compromisso operacional”.

Por outras palavras, há vinte anos que massacram o povo, porque as balas e bombas não têm nome, causando mais de 300.000 mortes, e agora dizem que querem “apoiar” a população afegã. Apoio em que aspectos”?

A esta linha de acção juntou-se o Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, que convocou uma reunião ministerial para abordar a situação humanitária no Afeganistão a 13 de Setembro em Genebra, Suíça, a fim de procurar financiamento para a operação humanitária naquela nação e conseguir um acesso humanitário pleno e sem entraves.

Onde estavam estes “preocupados” com o povo afegão nos últimos vinte anos, que não condenou os EUA pela invasão, nem os forçou a sair daquele país, nem os classificou como criminosos, por matarem e mutilarem milhares de civis inocentes?

Milhões de pessoas neste mundo, que conhecem perfeitamente bem os responsáveis por tanta morte, destruição e fome neste planeta, já não podem ser tão facilmente enganadas.

Que aqueles que não os conhecem os comprem, porque, como José Martí expressou sobre os Estados Unidos:

“Segure esta nova Roma, quando ela começar a degenerar em si mesma e a querer, como a dos Césares, toda a flora e fauna do mundo para encher as suas toalhas de mesa e alimentar as suas estacas”.

A Globalização Neoliberal em Crise .

#EconomiaMundial #GlobalizacionNeoliberal #EstadosUnidos #China #ReinoUnido #Brexit

Por: Álvaro García Linera

Estamos a viver a articulação imprevista de quatro crises que se reforçam mutuamente: uma crise médica, uma crise económica, uma crise ambiental, e uma crise política. Uma situação de enorme perplexidade e angústia. A sociedade e o mundo parecem ter perdido o seu rumo, a sua direcção, o seu destino. Ninguém sabe o que vai acontecer a curto e médio prazo, nem ninguém pode garantir se vai haver um novo surto ou se vai surgir um novo vírus, se a crise económica se vai intensificar, se vamos sair dela, se vamos ter empregos ou poupanças. Isto leva a uma paralisia do horizonte preditivo, não só nos filósofos, o que é normal, mas nas pessoas comuns, nos cidadãos, nas pessoas que vão ao mercado, nos trabalhadores, operários, camponeses, pequenos comerciantes. O horizonte preditivo é a capacidade imaginada de nos propormos coisas a médio prazo, coisas que muitas vezes não acontecem, mas que guiam a nossa acção e o nosso comportamento. O horizonte preditivo decompôs-se, desintegrou-se. Ninguém sabe o que vai acontecer.

A suspensão do tempo
É neste sentido que proponho a categoria de “tempo suspenso”. Ainda que as coisas aconteçam, ainda que surjam conflitos, problemas, novidades, todos os dias vivemos uma suspensão do tempo. Há um movimento de tempo quando há um horizonte, quando podemos pelo menos imaginar para onde estamos a ir, para onde estamos a ir. É uma experiência muito dolorosa, uma nova experiência que estamos a viver, no sentido de que não há direcção a seguir, o que é angustiante.

A suspensão do tempo traz consigo um conjunto de sintomas e consequências. O primeiro destes é o que poderíamos chamar “um crepúsculo epocal”. O mundo assiste ao encerramento prolongado, conflituoso e agonizante da globalização neoliberal. Estamos num processo emergente de desglobalização económica que tem vindo a ganhar ritmo, mas que começou há cinco ou dez anos atrás em encaixes e arranques. A primeira vaga da globalização teve lugar no século XIX, até ao início do século XX, e a segunda no final do século XX, entre 1980 e 2010. Esta segunda onda de globalização entrou num processo de desestruturação parcial, um processo de desglobalização económica parcial. Há quatro factos que sustentam esta hipótese:

Em primeiro lugar, o comércio mundial teve uma taxa de crescimento, entre 1990 e 2012, duas a três vezes superior à taxa de crescimento do PIB mundial. De 2013 a 2020 é inferior ou, na melhor das hipóteses, igual à taxa de crescimento do PIB. O comércio, o carro-chefe dos mercados globalizados, diminuiu, de acordo com relatórios da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

O SEGUNDO FACTO É QUE OS FLUXOS DE CAPITAIS TRANSFRONTEIRIÇOS, QUE ENTRE 1989 E 2007 TINHAM CRESCIDO DE 5% PARA 20% DO PIB MUNDIAL, CAÍRAM PARA MENOS DE 5% ENTRE 2009 E HOJE.

O terceiro facto é a saída da Grã-Bretanha da União Europeia, o Brexit, que estabeleceu um limite para a expansão, pelo menos no lado ocidental, desta articulação do mercado, da economia e da política europeia. Por seu lado, os Estados Unidos, com a administração Trump, estão a iniciar um processo gradual de repatriação de capital sob o lema “América Primeiro”. Na sua administração, Trump lançou uma guerra comercial contra a China, mas também contra o Canadá e depois contra a Europa. Ele libertou velhos fantasmas de segurança nacional para tentar impedir a China de assumir a liderança global e controlar a rede 5G. Além disso, a COVID-19 acelerou os processos de reagrupamento das cadeias de valor essenciais, de modo a não repetir os processos que ocorreram na Europa quando, entre países supostamente pertencentes ao mesmo sindicato, lutaram na fronteira por causa de respiradores e material médico. Este controlo permite-lhes não depender de fornecimentos da China, Singapura, México ou Argentina, ou de qualquer outro país. Assim, temos um cenário paradoxal com a China e a Alemanha aliados do comércio livre e os Estados Unidos e a Grã-Bretanha aliados de uma visão proteccionista da economia e do mundo. Nos anos 80, estes dois últimos países lideraram a onda de globalização com Ronald Reagan e Margaret Thatcher, e agora são os seus líderes que lideram uma visão proteccionista e os comunistas, liderados pela China, que apelam a todo o mundo para que abra fronteiras e não impeça a globalização de parar.

Uma última informação sobre esta desglobalização parcial que estamos a viver é o documento que acaba de ser publicado pelo Fundo Monetário Internacional. Há um monitor fiscal e um relatório sobre a economia mundial que apresenta um conjunto de recomendações que são surpreendentes, paradoxais e até engraçadas vindas do FMI: “os prazos da dívida pública devem ser alargados”. Por outras palavras, propõem que os países não paguem a sua dívida pública, que prolonguem e estabeleçam mecanismos de reembolso para os anos seguintes. Não esquecer que foram o FMI, juntamente com Merkel e Deutsche Bank, que se impuseram à Itália, depois à Irlanda e finalmente à Grécia, para os forçar a assumir os seus compromissos de dívida. O relatório sugere “aumentar os impostos progressivos sobre os mais ricos”, não é o programa de um partido de esquerda radical, é a recomendação do FMI. Também propõe impostos “sobre as propriedades mais caras, sobre as mais-valias, e sobre a riqueza”, o que é ainda mais radical do que algumas das propostas que têm sido apresentadas por grupos de esquerda no continente. Continua para “modificar a tributação das empresas para garantir o pagamento de impostos”. Por outras palavras, ele apela a ser mais arrojado e a modificar o sistema fiscal porque há muitas pessoas ricas que fugiram aos impostos. Encerra com uma sugestão de tributação internacional da economia digital, apoio prolongado ao rendimento dos trabalhadores deslocados e aumento do investimento público. Este é um programa de reforma que há um ano era impensável, era uma heresia vinda destes organismos internacionais que funcionam como cérebros do capitalismo global.

Isto está a marcar uma mudança no zeitgeist. Alguma coisa está a mudar. Foi-se o livro de receitas da austeridade fiscal, a ameaça de que afugentar os ricos através da sua tributação nos fará perder riqueza e empregos. Há uma modificação dos parâmetros epistemológicos com que este sector do capital global estava a olhar para o que está para vir em termos desta articulação da crise ambiental, médica, económica e social. Evidentemente, há um medo de classes perigosas e explosões sociais que está a levar a uma mudança de 180º nas posições de política económica promovidas por estes ideólogos do capitalismo global, e que tinham comandado todo o neoliberalismo desde os anos 80 até 2020, em termos de redução do Estado, investimento público, impostos sobre os ricos e apoio social aos trabalhadores. Não sabemos se será temporário, mas trata-se de uma mudança substancial.

A erosão da hegemonia neoliberal conservadora
Um segundo efeito deste tempo suspenso é o que podemos qualificar como um estupor e cansaço da hegemonia neoliberal conservadora implementada nos últimos 40 anos. Não é que tenha acabado, pode durar um bom tempo mais, mas perdeu a sua capacidade de regeneração, de irradiar impulso e de articular esperanças. O neoliberalismo é mantido pela inércia, pela força da herança passada. Podemos ver isto na crise dos instrumentos que tinham sido fetichizados para organizar o futuro.

O neoliberalismo utilizou três instrumentos para criar uma narrativa, um imaginário, falso de facto, mas acreditado por muitas pessoas sobre quem organizou o futuro: o mercado, a globalização e a ciência. O mercado globalizado demonstrou que não é um tema coeso. Face à crise do vírus e à propagação de contágios, nenhum mercado fez nada. Pelo contrário, os mercados escondiam as suas cabeças como avestruzes e o que emergiu como única e última instância de protecção social foram os Estados. A globalização, enquanto ideologia de modernização, melhoria da vida e expansão ilimitada de oportunidades, já não tem a capacidade de conter o descontentamento, organizar os medrosos e acalmar as preocupações dos ansiosos. A ciência, que foi imaginada e deturpada como tendo poder ilimitado e capacidade infinita para transformar e resolver os problemas da humanidade, está agora a mostrar os seus limites. Há coisas que nós humanos não podemos resolver, confrontar ou superar, o resultado das nossas próprias acções. A ciência também tem um horizonte epocal; pode resolver muitas coisas e não outras. É preciso muito tempo, esforço, recursos e mudança de comportamento para que a ciência seja capaz de enfrentar e resolver os problemas que estamos a causar, especialmente devido à forma como temos rompido metabolicamente, orgânica e racionalmente a nossa relação com a natureza.

Tudo isto significa que a hegemonia neoliberal perdeu o seu optimismo histórico. Já não se apresenta ao mundo como portador de certezas imaginadas, horizontes plausíveis, conquistáveis e realizáveis a médio prazo. As certezas imaginadas do futuro foram estilhaçadas e este é agora o novo senso comum. Ninguém pode agora dizer qual é o destino da humanidade. A humanidade nunca tem um destino, é sempre uma incerteza, mas o que as grandes hegemonias fazem é criar um destino imaginário para a humanidade. As ideologias e hegemonias têm uma faculdade performativa: a capacidade de criar aquilo que enunciam. É esta capacidade que a hegemonia neoliberal planetária perdeu porque já não tem força para suscitar entusiasmo, para criar aderência duradoura, ou para propor um horizonte viável no tempo. É um momento de fadiga e estupor hegemónico, um momento que permite uma nova materialidade de hegemonia, que se torna porosa. Já não se apresenta como um fluxo imbatível que vai para um lado, mas como águas estagnadas, onde outros tipos de substâncias, outros tipos de elementos se infiltram. Por conseguinte, estas águas estagnadas de hegemonia conservadora falam da paralisia do horizonte preditivo. Repito: não é o fim nem do neoliberalismo económico nem da hegemonia neoliberal. É um momento de fadiga, esgotamento e enfraquecimento que pode arrastar-se durante anos, com cada vez mais dificuldades, com menos irradiação, com menos entusiasmo, com menos capacidade de gerar aderência duradoura e legitimidade activa.

Discriminação do consenso político e económico neoliberal
A terceira característica deste declínio é a quebra do consenso político e económico neoliberal. Desde a década de 1980, a hegemonia neoliberal foi capaz de se desenvolver nas esferas económica e discursiva porque fundiu duas coisas: economia de mercado livre e democracia representativa. Isto deu-lhe uma grande força. Houve um feedback entre o horizonte económico que procurou encolher o Estado, entregar bens públicos a actores privados, regular e fragmentar a força de trabalho, reduzir salários e direitos, com um sistema de democracia representativa. Após a queda do Muro de Berlim e o comunismo como alternativa à sociedade capitalista, todas as elites, quer à esquerda quer à direita, tinham optado pelo neoliberalismo, com um sentido um pouco mais social ou mais empresarial, porque partilhavam o mesmo horizonte sobre o destino da humanidade.

Após 40 anos, este núcleo de economia de mercado livre e democracia representativa começa a deslocar-se e a dissociar-se, à medida que emerge um neoliberalismo cada vez mais enraivecido. Esta é uma das características da época. Todos os anos vamos repensar a proposta neoliberal, cada vez mais enfurecida, autoritária, racista, xenófoba, antiliberal, anti-feminista, cada vez mais vingativa, cada vez mais fascista. Foi isto que aconteceu na América Latina e noutras regiões do mundo. O caso do golpe na Bolívia, a situação no Brasil, nos Estados Unidos, na Polónia e em muitos outros países. Existe um neoliberalismo cada vez mais autoritário, como forma de se entrincheirar, quando as suas forças e a sua capacidade de atracção estão a enfraquecer.

Além disso, pela primeira vez, a democracia começa a apresentar-se como um entrave às perspectivas neoliberais. O optimismo dos anos 80 foi perdido e as bandeiras democráticas são agora vistas com desconfiança porque existe uma divergência entre as elites. Ou seja, por um lado, há elites que defendem a continuação do neoliberalismo: enriquecer os ricos, virar os pobres de cabeça para baixo, continuar a privatizar e manter a austeridade fiscal; e, por outro lado, há elites e blocos sociais dispostos a implementar outras políticas mais híbridas: preocupar-se com os pobres, repensar as questões da propriedade, fiscalidade, dar poder aos comuns, entre outras questões. Esta divergência e a falta de um horizonte comum de expectativas preocupa as elites neoliberais, que começam a ver a própria democracia e os processos eleitorais com desconfiança, suspeição e distância.

Tendências da suspensão do tempo no futuro imediato
Neste tempo suspenso e ruptura do horizonte preditivo podemos identificar quatro tendências para o futuro imediato.

O primeiro está a ter lugar no debate nos grandes grupos de reflexão do capitalismo mundial: a revitalização do Estado como tema principal. Isto está a acontecer de duas maneiras. A primeira é a revitalização da utilização de recursos públicos para mitigar perdas ou expandir os lucros das empresas. Esta é a velha modalidade neoliberal que procura encolher o Estado, mas alargar a sua riqueza com bens comuns que estão sob controlo ou propriedade do Estado. Actualmente, o dinheiro público está a ser utilizado para comprar acções em grandes empresas cuja produção ou comercialização tem sido afectada pelo confinamento dos últimos meses.

De acordo com um relatório do Fundo Monetário Internacional, em Outubro de 2020, as economias avançadas tinham utilizado capital estatal equivalente a 11% do seu PIB em empréstimos e garantias, e 9% em despesas adicionais. Por outras palavras, economias avançadas como os Estados Unidos, Inglaterra, Espanha, Itália, Alemanha, Noruega, Suécia, Dinamarca, Japão ou Canadá utilizaram entre 15% e 20% do seu PIB para comprar acções de empresas, nacionalizar as perdas empresariais, conceder crédito aos bancos ou amortecer as reduções de lucros empresariais. Isto é uma revitalização do Estado, mas em termos de monopólios privados.

Outra forma de revitalização que também luta para emergir é a do Estado na sua dimensão comunitária, procurando protecção social, melhorando os salários, expandindo os direitos, aumentando o investimento público, protegendo os mais fracos, investindo na saúde e educação, criando empregos, ou nacionalizando empresas privadas para gerar recursos públicos para a população.

Cada estado tem estas duas dimensões. Como Marx salienta, “o Estado é uma comunidade ilusória”, que tem a dimensão de bens comuns (riqueza é um bem comum, impostos são um bem comum, identidades são bens comuns), mas são bens comuns de administração monopolista. O que as forças conservadoras estão a fazer é utilizar os bens comuns para benefício privado, através do reforço do monopólio do Estado; enquanto as forças sociais progressistas estão a lutar pela expansão do Estado como uma comunidade com bens a serem distribuídos e utilizados pela maioria da população. De que forma o Estado se inclina dependerá das lutas sociais, da capacidade de mobilização, da governação através do parlamento e nas ruas, da acção colectiva, e assim por diante.

Uma segunda tendência do momento presente é a utilização do excedente económico de cada sociedade. Nos próximos meses e anos, as lutas sociais, políticas e ideológicas irão aumentar entre diferentes partidos, conglomerados, grupos de pressão, classes e movimentos sociais para determinar quem irá beneficiar dos escassos recursos públicos. Com necessidades muito grandes e bens escassos, será que o sector empresarial, o trabalhador, o camponês, o trabalhador, a classe média, a burocracia, os proprietários de terras, os proprietários de terras ou os banqueiros beneficiarão? Os Estados estão a endividar-se uma ou duas gerações à frente e estão a emitir mais dinheiro para que haja circulação e movimento económico. Isto dá origem a duas disputas: sobre a utilização deste dinheiro e sobre quem vai pagar por ele.

A terceira tendência é o que podemos definir como a abertura cognitiva da sociedade. À medida que as velhas certezas se tornam mais rudimentares e rudimentares, e que o horizonte preditivo da sociedade neoliberal se estreita, as pessoas começam a abrir a sua capacidade e vontade de receber novas ideias, crenças e certezas. Os seres humanos não podem permanecer indefinidamente sem horizontes preditivos mais ou menos estáveis, a médio prazo. É uma necessidade humana porque precisamos de “aterrar”, precisamos de ancorar a projecção das nossas vidas, acções, trabalho, esforços, poupanças, apostas académicas e amorosas num tempo mais ou menos previsível. Quando isto não acontece, procuramo-lo onde pudermos. Esta é a base para a emergência de propostas muito conservadoras e quase fascistas, que é o que está a acontecer em alguns países do mundo. Na Bolívia, os derrotados das eleições foram rezar lá, foram ajoelhar-se em frente ao quartel para pedir aos militares que assumissem o governo. A saída ultraconservadora e fascista reuniu todas as pessoas envolvidas no golpe de estado: Añez, Carlos Meza, Tuto Quiroga, a Organização dos Estados Americanos, OEA. Isto é algo que nunca tinha acontecido antes no continente, nem mesmo nos anos 70, no continente. Agora vemos estas imagens patéticas do abandono da racionalidade política para apelar a este tipo de saída.

A quarta tendência são os gigantescos desafios para as forças progressistas e esquerdistas do planeta para enfrentar a gravidade deste horizonte preditivo quebrado e diluído. Mencionarei simplesmente as seis questões que qualquer proposta deve abordar ao assumir a batalha pelo senso comum e pelo horizonte preditivo da sociedade nos próximos meses e anos:

  1. A democratização política e económica, e as suas diferentes variantes. Isto é o que alguns chamam a possibilidade do socialismo democrático.
  2. A luta contra a exploração, incluindo não só a distribuição da riqueza, mas também a democratização das formas de concentração da grande propriedade.
  3. A desracialização e descolonização das relações sociais e dos laços entre os povos e entre indivíduos dentro das organizações.
  4. Os processos de despatriarcalização e de recuperação da soberania das mulheres sobre a gestão dos seus corpos e das suas relações.
  5. Um ambientalismo social que não olha para a natureza como um parque, mas vê a natureza na sua relação com a sociedade. Requer uma abordagem que restabeleça o metabolismo racional entre o homem e a natureza, tendo em conta a satisfação das necessidades básicas das pessoas mais pobres, dos pobres e dos trabalhadores.
  6. Um internacionalismo renovado. Os desafios que a esquerda e as forças progressistas enfrentam nos próximos anos residirão na sua capacidade de promover propostas cada vez mais radicais de democratização política e económica.

Creio que estamos certamente a enfrentar tempos sociais muito chocantes. Paradoxalmente, apesar de estarmos a falar de um tempo paralisado, uma série de lutas, convulsões e instabilidades permanentes estão a desenvolver-se local e tacticamente que indicam que as vitórias do lado conservador e as vitórias do lado progressista ou da esquerda também não vão durar. É uma época em que nada durará muito tempo. Cada vitória das forças conservadoras será de pés curtos e poderá entrar em colapso, e cada vitória das forças esquerdistas poderá ser de pés curtos se não souber corrigir erros e promover um conjunto de ligações com a sociedade.

Este é o conjunto de ideias que gostaria de partilhar convosco sobre o nosso tempo presente.

(Extraído da Página 12)

ESTE TEXTO É UMA ADAPTAÇÃO DA PALESTRA QUE ÁLVARO GARCÍA LINERA DEU NO CURSO “ESTADO, POLÍTICA E DEMOCRACIA NA AMÉRICA LATINA”, ONDE FOI APRESENTADO POR VICTOR SANTA MARÍA. A PALESTRA COMPLETA PODE SER ENCONTRADA EM:

O CURSO INTERNACIONAL “ESTADO, POLÍTICA E DEMOCRACIA NA AMÉRICA LATINA” É UMA INICIATIVA DIRIGIDA A ACTIVISTAS E ACTIVISTAS SOCIAIS, FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS, PROFESSORES, ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS, INVESTIGADORES, SINDICALISTAS, LÍDERES DE ORGANIZAÇÕES POLÍTICAS E NÃO GOVERNAMENTAIS, TRABALHADORES DA IMPRENSA E QUALQUER PESSOA INTERESSADA NOS DESAFIOS DA DEMOCRACIA NA AMÉRICA LATINA E NAS CARAÍBAS. FOI PROMOVIDO PELO GRUPO PUEBLA, O OBSERVATÓRIO LATINO-AMERICANO DA NOVA UNIVERSIDADE ESCOLAR, O PROGRAMA LATINO-AMERICANO DE EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E UMET. FOI ORGANIZADO PELA ESCOLA DE ESTUDOS LATINO-AMERICANOS E GLOBAIS, ELAG, E FOI APOIADO PELA PÁGINA12.

Extraído de Granma

SOS Blockade vs Cuba .

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #CubaEsSalud

Por: José Manzaneda

Imagine que a União Europeia impôs um bloqueio económico total à Espanha, proibindo o comércio, as transferências, o turismo, a venda e compra de tecnologia ou medicamentos, a utilização do euro, que – através de ameaças e procedimentos legais – impediu empresas de outras partes do mundo de investir, sancionou companhias de navegação que trazem gás natural ou petróleo e, por sua vez, negou a entrada no território da União Europeia aos nossos cidadãos.

Apesar de sermos um país com um elevado nível de desenvolvimento económico, imagine os efeitos devastadores que isso teria nas nossas condições de vida (em termos de salários, pensões, serviços públicos, transportes, etc.), no meio da crise económica causada pela pandemia. Bem, agora, imagine este bloqueio sobre a população de um país insular e pobre em recursos no Sul, como Cuba.

Assistimos hoje, com perplexidade, a uma operação, na imprensa e nas redes sociais, de negação do bloqueio económico, comercial e financeiro dos EUA contra Cuba, que justifica um crime contra a humanidade e a violação maciça dos direitos humanos de onze milhões de pessoas, sujeitas a uma chantagem brutal: morrer à fome ou derrubar o seu governo.

O impacto do bloqueio em cada uma das fontes de rendimento da ilha é brutal: na ordem de cinco mil milhões de dólares por ano, 430 milhões por mês. Até 2021, 147 mil milhões de dólares em perdas.

Em que consiste o bloqueio de Cuba?
As bases permanentes do cerco económico e financeiro contra Cuba são, entre outras, as seguintes:

O chamado “embargo comercial”. As empresas e cidadãos cubanos não podem vender quaisquer produtos ou serviços no maior mercado do mundo, os EUA, nem podem adquirir os seus produtos ou serviços, com excepções e regulamentos muito rigorosos (certos alimentos e medicamentos, pagos antecipadamente). Isto implica enormes ultrapassagens de custos em absolutamente todas as importações de Cuba, muitas delas provenientes de mercados distantes. Também a impossibilidade de adquirir produtos e tecnologia apenas disponíveis nos EUA.

Os navios que tocam os portos cubanos não podem continuar para os EUA, o que se multiplica, para a ilha, todos os custos de frete e seguro.

A proibição do turismo americano, o que significaria uma injecção imediata de liquidez para a economia da ilha.

Perseguição constante, sanções e pressão extraterritorial sobre empresas e países para impedir o comércio com Cuba. Empresas de países terceiros não podem exportar para os EUA produtos contendo uma única grama de açúcar cubano ou níquel, fechando uma grande parte dos mercados internacionais da ilha. Do mesmo modo, países terceiros não podem vender mercadorias a Cuba com mais de 10% de componentes norte-americanos.

A impossibilidade de Cuba obter créditos de desenvolvimento, devido ao direito de veto ou voto preferencial dos EUA em organizações financeiras multilaterais, tais como o Banco Mundial ou o Banco Interamericano de Desenvolvimento.
243 novas sanções

A estas medidas e a muitas outras não mencionadas, juntam-se 243 novas sanções impostas durante a administração de Donald Trump, das quais mais de 50 foram aprovadas durante a pandemia de Covid-19. Por exemplo:

A proibição das remessas, que tornaram a emigração cubana a única, nos EUA, que não pode enviar dinheiro às suas famílias de forma legal e segura.

O encerramento da imigração, por congelamento de vistos, devido ao encerramento do consulado dos EUA em Havana, algo que procura aumentar o efeito de “panela de pressão” sobre a população cubana. O compromisso, assinado por Barack Obama, de conceder pelo menos 20.000 vistos por ano, é agora letra morta.

A inclusão de Cuba na lista de alegados “países patrocinadores do terrorismo”, o que implica o encerramento quase completo dos bancos internacionais da ilha, e a impossibilidade, há meses, de fazer compras (de alimentos e medicamentos, por exemplo) com os dólares recolhidos.

A perseguição sistemática das companhias de navegação que trazem petróleo venezuelano para Cuba, o que levou a uma redução drástica dos transportes urbanos e das restrições eléctricas.

A restrição ainda maior das muito poucas viagens dos EUA a Cuba autorizadas pela administração Obama, bem como a proibição total de compra de produtos em terra. A proibição de cruzeiros, por exemplo, arruinou numerosos estabelecimentos do sector privado cubano.

A proibição de voos para nove dos dez aeroportos internacionais de Cuba, uma medida que afecta a comunidade cubana nos EUA, o único que não estava anteriormente sujeito a restrições de viagem.

A retirada da única licença de investimento que foi autorizada por Obama: a da empresa hoteleira Marriot.

A plena aplicação da Lei Helms-Burton, que procura afugentar todo o investimento estrangeiro, bem como a activação de dezenas de processos judiciais contra empresas de investimento, principalmente europeias, para as obrigar a abandonar a ilha.

A ruptura – através de pactos com governos aliados, tais como os do Equador e do Brasil – dos seus acordos médicos com Cuba, que lhe permitiram financiar o sistema de saúde pública da ilha. Isto explica em parte a escassez de cuidados de saúde e visa criar uma crise sanitária na ilha.

A abolição de acordos bilaterais esperançosos, como o que foi assinado – e nunca entrou em vigor – entre a Federação Cubana de Basebol e a Liga Principal de Basebol dos EUA, que teria posto fim à “fuga” de atletas e ajudado a financiar o desporto de base em Cuba.

Imagine se eles cortarem a electricidade na sua casa, fecharem as suas portas para manter fora comida e medicamentos, impedi-lo a si e aos seus dependentes de sair para ganhar a vida, e depois culpá-lo pela má gestão da sua casa e chamar-lhe ditador. É o que os EUA fazem com Cuba e o seu povo.

Uma estratégia de seis décadas de asfixia, mais o cerco da guerra económica dos últimos quatro anos, juntamente com a ausência de receitas do turismo devido à pandemia, levaram a uma situação aguda de escassez em Cuba em todas as áreas. O resultado político, esperado durante 60 anos, de uma estratégia que procura matar um povo refém através da fome e da escassez, é muito pobre: tendo conseguido que uma pequena parte da população, cansada e desesperada, ceda e se revolte contra o governo e a Revolução.

Mas a euforia é um mau conselheiro. Estas pessoas não são a maioria. A maioria conhece a causa essencial dos seus problemas, e tem saído à rua por toda Cuba, aos milhares, para defender a soberania do seu país e a Revolução. Os criminosos vão continuar a tentar. Mas Cuba continua a ser um osso duro de roer.

Tirada de CubaDebate

#Guaido e o seu roubo de capital assistido pelos #EUA.

#Guaido #Venezuela #UnionEuropea EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal

Con que moral …..

#DerechosHumanos #UnionEuropea #ManipulacionPolitica

E assim começaram as campanhas de ódio financiadas pelos congressistas norte-americanos contra #Cuba.

#UnionEuropea #ManipulacionMediatica #MafiaCubganoAmericana #MercenariosYDelincuentes #RedesSociales #CubaNoEsMiami #EEUUBloquea

O gasoduto que abala a política mundial: porque é que o Nord Stream 2 divide aliados e une rivais?

#EstadosUnidos #Alemania #Rusia #UnionEuropea #NordSteam2 #InjerenciaDeEEUU #Gasoducto