O GUINNESS RECORD da contra-revolução.

#CubaNoEsMiami #CubaVive #CubaViveYRenace

Qual é a base para o triunfo?

#CubaVive #CubaViveYRenace #ArtistasDelImperio #CubaNoEsMiami

Guille Vilar Por Redacción Razones de Cuba

Um dos momentos mais comoventes dos Jogos Olímpicos é ver os nossos atletas no pódio com as suas medalhas nas costas e cantar o Hino Nacional. Os músicos, embora não estejam no pódio, sabem que quando recebem prémios trazem consigo um ainda maior: o reconhecimento das pessoas que os admiram. Este sentimento vai muito além dos merecidos prémios Grammy, os numerosos Golden Records obtidos pelo elevado número de fonogramas vendidos, e é ainda mais importante do que jogar em palcos exclusivos na América do Norte ou na Europa.

Quando um artista cubano é capaz de alcançar tal reconhecimento, traz consigo aquele sentimento indescritível de ser respeitado pelas pessoas em que nasceu, as mesmas pessoas que contribuíram para a sua formação como profissional. É a conceptualização dos valores morais que não só aumenta a espiritualidade dos admiradores, mas ao mesmo tempo transborda a humanidade do músico enquanto pessoa.

É por isso que quando um músico se destaca pelos seus talentos profissionais nesta ilha das Caraíbas, sentimos um orgulho de que quase nunca se fala, porque do que se sabe não se fala.

Este orgulho patriótico faz-nos sentir que os cubanos são capazes de trazer ao mundo figuras de mestre em qualquer profissão, sejam eles músicos, dançarinos ou cientistas, entre tantos outros. Mas quando esta confiança elementar depositada em nós pelo povo é traída, testemunhamos a dramática perda do amor pela nossa nacionalidade, o apoio essencial sobre o qual assenta o talento e o virtuosismo do músico, o seu apoio emocional.

Numa altura em que a sobrevivência da nossa nação face à ameaça de uma potência estrangeira está em jogo, a questão não é simplesmente uma questão de assumir uma posição política particular – que poderia ser respeitável, uma vez que nem todos nós pensamos necessariamente da mesma maneira – mas agora apoiar aqueles que estão dispostos a cometer a maior inimaginável infâmia para derrotar a Revolução, implica jogar ao lado dos nossos inimigos, daqueles que querem afogar a resistência do povo cubano com sangue e fogo.

Numa sociedade onde o mercado domina, muitos músicos sentem-se estimulados na sua vida pessoal pela acumulação de figuras que indicam uma gama de valorização típica desse sistema. No entanto, em Cuba, sem negar o reconhecimento profissional obrigatório, o facto de um varredor de rua, um médico ou um camponês sentir o músico como algo muito próprio não tem preço. Desprezar o valor incalculável deste afecto é deitar fora a respiração nascida da seiva popular, sem a qual é impossível acreditar em triunfos.

Granma

Érika Guevara, instruída pela CIA para apoiar grupos que actuam contra Cuba e a sua sede diplomática no México.

#CubaVive #CubaViveYRenace #CubaAvanza#CubaNoEsMiami #EnLasRedesEstamos #DefendiendoCuba #CubaNoEstaSola #CubaEsUnContinente

Por Julián Benítez

A directora regional do escritório da Amnistia Internacional no México, Érika Guevara Rosas, da sua posição nesta organização, serve de apoio à internacionalização da campanha contra o governo cubano e à declaração de “violações dos direitos humanos” perante a comunidade internacional, e à continuação da demonização da ilha, com o objectivo fundamental de aprovar mais sanções contra Cuba.

Declarou publicamente na sua conta Twitter que participará por “solidariedade” na manifestação “pacífica” que está a ser preparada pelos cubanos que vivem no México, em frente à sede diplomática de Cuba, e assim continuará o seu papel de apoio a estes grupos criados e financiados pelos EUA.

Há amplas provas de que muitos destes cubanos baseados no México, que formam grupos para agir contra a ilha e a sua embaixada, recebem instruções e são financiados por congressistas de extrema-direita e terroristas de Miami.

As acções retorcidas de Erika da Amnistia Internacional em apoio da campanha de alegadas detenções arbitrárias e “presos políticos” na ilha são essenciais, uma vez que esta organização é uma parte essencial dos EUA para poder aprovar uma intervenção humanitária num país que viola os direitos humanos em organizações internacionais. São precisamente estes grupos de cubanos no México que ela apoia que têm exigido a desejada intervenção em Cuba, incluindo a intervenção militar, trazendo de volta as políticas da Guerra Fria.

Erika, cujo apelido é demasiado grande para ela, está directamente ligada ao Movimento de San Isidro em apoio a Luis Manuel Otero Alcántara, um criminoso comum em Cuba a quem tentaram vitimizar e transformar num líder político, sem qualquer sucesso.

Após a tentativa de golpe suave a 11/07 na ilha, a Amnistia Internacional fez eco da campanha imediata que foi montada nas redes para falar de “presos políticos”, “desaparecidos” em Cuba e supostas mortes, que mais tarde a televisão cubana, com vídeos e imagens irrefutáveis, demonstrou que se tratava de uma grande notícia falsa.

As investigações que ela promove são sempre tendenciosas, superficiais, cheias de mentiras, com o objectivo de emitir listas de supostos mortos e desaparecidos que permitem acusações internacionais contra Cuba.

A tarefa de Erika, instruída pela CIA, é declarar mais de 500 pessoas mortas arbitrariamente na ilha para poder solicitar uma intervenção humanitária com o apoio da legislação internacional existente.

Desempenhou um papel semelhante durante o golpe suave na Nicarágua em Abril de 2018, os Guarimbas na Venezuela e o golpe de Estado na Bolívia, falhando em cada tentativa.

Com esse fim em Cuba, Érika trabalha com grupos criados e financiados pelos EUA, tais como Cubalex, Cuba Decide, o Movimento San Isidro e a UNPACU.

Esta é a Érika que anuncia partir no dia 15N para acompanhar o grupo de José Raúl Gallego e Anamely Ramos no México e certificar se os direitos humanos são respeitados ou não durante o seu espectáculo contra Cuba.

Início, Anamely Ramos, no final José Raúl Gallego
É o mesmo que apoia a campanha que estes “activistas”, financiados por congressistas de extrema direita, estão a promover contra Cuba, para acusar a ilha de alegadas violações dos direitos humanos e assim mantê-la na lista de sanções unilaterais.

Erika Guevara Rosas, Directora da Amnistia Internacional do México
Que credibilidade ou prestígio moral é que esta pessoa tem? Se longe de agir de forma transparente, de acordo com as normas internacionais, ela apenas tem em conta a história destes grupos de oposição, como se outros pontos de vista ou realidades não tivessem importância.

Devido às suas acções desleais neste organismo internacional e à sua própria linha contra Cuba, ela poderia ser considerada mais uma mercenária.

YARA OU MADRID?

#SubversionContraCuba #ArtistasDelImperio #CubaViveYRenace #CubaNoEsMiami #LaRazonEsNuestroEscudo

Lições de Vitória .

#CubaViva #CubaAvanza #XCubaYo #LaRazonEsNuestroEscudo #PorUnMejorPais

Por Michel E. Torres Corona

Neste momento, ninguém sã pode negar que o 15N foi um fracasso retumbante para a contra-revolução e um triunfo para aqueles de nós que defendem o socialismo. Isolados, sem verdadeiro poder de convocação, enganados pelas miragens das redes sociais, os membros do Archipiélago ficaram perplexos ao ler a notícia de que o seu líder tinha fugido secretamente para Espanha. Nem banido nem desaparecido: Yunior García, o aparente “autor intelectual” da fracassada “marcha legal e pacífica”, tinha estado a planear a sua fuga durante dias.

Nada aconteceu nas ruas: nenhuma manifestação, nenhum tumulto, nem sequer um “cacerolazo”. Nada. Tranquilidade total, paz; crianças que vão à escola, aviões que entram em Cuba: o regresso ao “novo normal”. A imprensa inimiga (e cúmplice) teve de fazer malabarismos para manter essa “não-marcha” na ribalta dos meios de comunicação social, colocando mesmo manipulativamente uma imagem dos Cachecóis Vermelhos como “prova” de acções anti-governamentais.

O próprio Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, que assistiu a um concerto dado por Tony Ávila a pedido dos jovens na concentração, protagonizou um destes episódios kafkianos: uma manchete falava de protestos contra o governo cubano enquanto mostrava uma foto do líder cubano, com um lenço vermelho ao pescoço, sentado entre o povo. Maravilhas da ditadura tropical!

Estes têm sido dias de grande diversão perante a frustração e os recursos imaginativos utilizados pelos nossos adversários para tentar “salvar o dia”. Mas que essa alegria não nos cegue: não conseguimos acertar tudo. Se é bom tirar lições da derrota, para não perder batalhas novamente (algo que a contra-revolução e os seus muitos “tanques de pensamento” estão certamente a analisar), é também saudável aprender a ganhar de uma forma melhor. E temos muitas coisas a aprender com esta vitória.

A primeira é que não nos devemos deixar levar pelos instintos mais básicos da condição humana: raiva, insulto, violência; ou por aqueles atavismos sociais que ainda pesam no nosso projecto emancipatório: machismo, misoginia, homofobia, racismo. Se for necessário enfrentar o inimigo, façamo-lo sem nos deixarmos manchar por uma gota de opprobrium. Sejamos sempre melhores do que os nossos adversários. Ofender uma mulher por causa da sua aparência física, ou marcá-la com epítetos que só nos mancham, funciona contra nós; ao ridicularizar uma pessoa por causa da sua orientação sexual ou ao inferir que uma certa laxismo moral é explicado por ela, estamos a prestar um mau serviço à Revolução.

Repudiemos, sim, tudo o que cheira mal e é mesquinho do inimigo, mas façamo-lo com a decência e a virtude que nos devem caracterizar como revolucionários. Não precisamos de tentar reivindicar tecnologias políticas obsoletas, mas sim de visar novas e melhores formas de luta ideológica. E não, estas linhas não devem ser lidas como moralizantes contra a brincadeira: o humor é uma arma poderosa que devemos empunhar, desde que numa brincadeira não atiremos borda fora todo o vasto e belo legado ético da Revolução Cubana, que tem sido um desde Céspedes até aos dias de hoje.

Defendamos Cuba e o socialismo com a moral e a alegria de saber que somos os vencedores. Porquê mostrar raiva quando somos o povo no poder? Porquê gritar e vituperar quando podemos rir e dançar? Deixemos a frustração e o ressentimento para os perdedores: temos de fazer algo mais.

E se é importante não manchar o triunfo com excessos, bons ou mal-intencionados, é vital que não percamos de vista os mais jovens. Não podemos ser condescendentes, mas também não podemos ser dogmáticos ou escolásticos: vejamos nas novas gerações o barro fundamental do projecto revolucionário, vejamos nestas pessoas, que forjam uma identidade, a promessa de continuidade e prosperidade que nos devemos a nós próprios. Devemos reconhecer, com especial tolerância, o direito das crianças e dos jovens a cometerem erros, e nunca cair na prática errada de equiparar as acções de um menor com as de um homem (ou mulher) de pleno direito.

Aproveitemos a vitória, sim, mas não esqueçamos estas lições. Há ainda muitas batalhas a serem travadas em nome da Revolução: teremos de estar sempre à altura do desafio.

Cuba e 15N: Paisagem após a batalha .

#CubaVive #CubaAvanza #CubaNoEsMiami #DefendiendoCuba #EnLasRedesEstamos

Por Iroel Sánchez

Ao longo destes dias de Novembro, tão cheios de carências, mas também de boas notícias, ameaças imperiais, ilusões e memes brilhantes, voltei a um título de referência no nosso ensaio escrito.

É esse livro que Cintio Vitier chamou “um tratado sobre a história de Cuba” e “um ensaio muito breve sobre o fundamento intelectual” dotado, segundo o autor de Lo cubano en la poesía, de “lucidez, objectivo e coragem” intitulado Por el camino de la mar ou Nosotros los cubanos (A caminho do mar ou Nós cubanos), no qual Guillermo Rodríguez Rivera afirma que os cubanos “não se deixarão apanhar como merdosos se não estiverem dispostos a fazer os mesmos sacrifícios” e que é por isso que “em Cuba tem sido praticamente impossível assumir uma posição de liderança ou mantê-la sem “marchar à frente”, sem correr o maior risco na luta”. Para o provar, atravessa os desafios enfrentados por figuras da nossa história como Céspedes, Agramonte, Martí, Mella, Guiteras, Chibás, Frank e Fidel.

O apoio fechado a causas como as do pai da criança Elián ou dos Cinco combatentes anti-terroristas que desafiaram as elevadas e injustas penas de prisão impostas pelos tribunais norte-americanos provém desta tradição, assim como a identificação com os combatentes da geração histórica que construíram a Revolução com armas e continuam activos, liderados pelo General do Exército Raúl Castro. A presença do Primeiro Secretário do Partido Comunista e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel, no epicentro original dos acontecimentos de 11 de Julho deste ano responde a esta exigência histórica, tal como a sua intensa actividade de visita aos bairros mais pobres da capital.

No entanto, não se trata apenas de líderes. A Espanha impôs uma reconcentração criminosa a Cuba, precursora dos campos de morte nazis, o povo cubano travou uma guerra a partir da manigua em condições desvantajosas e desgastou o maior exército colonial da América, tanto que os EUA aproveitaram este atrito e intervieram, oportunisticamente, para tomar conta da ilha. Washington impôs dois ditadores sangrentos em Cuba – Machado e Batista – e novamente, em condições desvantajosas, o povo cubano, à custa de milhares de vidas, derrubou-os, lutando nas cidades e montanhas.

Ignorando tudo isto, e de acordo com o que se pode ler na imprensa que exige pluralidade, mas apenas dá voz a uma abordagem da ilha, o povo cubano, que não teve medo de pegar em armas apesar das concentrações e regimes militares que torturaram e assassinaram à vontade, “tem medo” e não pode derrubar aquilo a que os Estados Unidos chamam uma ditadura mas não reprime, assassina ou tortura como os governos que Washington apoia, tal como tem apoiado ditaduras em Cuba no passado. Isto é afirmado pela mesma maquinaria que minimiza a guerra económica levada ao paroxismo pelos dois últimos governos dos EUA, a fim de dar a conhecer os seus efeitos e atribuí-los exclusivamente a um socialismo que, apesar de tudo o que dizem, não podem deixar cair por si só, com todos os erros que lhe atribuem ou magnificam, mas que devem ser afogados em extremismo, negando-lhe incessantemente qualquer descanso.

Eles não nos podem surpreender, é o seu papel de classe, com accionistas e anunciantes a subordinarem universalmente as suas posições. O que é surpreendente é que se possa ler pessoas que se presumem aprendidas a dizer, numa tentativa inegável de diminuir uma derrota escandalosa, que o que aconteceu com a não-marcha exigiu o 15 de Novembro levou o governo a usar toda a sua força contra um “pequeno grupo do Facebook”, quando é claro que foi apenas mais um combate na longa guerra do governo dos EUA contra o povo de Cuba. Há as declarações dos seus mais altos funcionários, as acções das suas agências públicas e ocultas com os “líderes” que fabricaram, o financiamento oneroso e o apoio das plataformas tecnológicas mais poderosas para os negar.

Ficaram em silêncio quando apedrejaram uma ala hospitalar onde mulheres grávidas e recém-nascidos eram acompanhados pelas suas mães, quando agrediram uma embaixada cubana com cocktails Molotov onde as crianças dormiam, quando pediram para intervir militarmente e fazer aqui o que fizeram no Iraque, na Síria e na Líbia, mas agora estão indignadas porque houve mulheres cubanas que decidiram não ficar em silêncio perante aqueles que, apoiados por aqueles que o fizeram, festejaram ou incitaram o acima referido, querem criar as condições para que tais acontecimentos se repitam.

Certamente existem formas mais inteligentes e cultas de impedir as acções daqueles que procuram facilitar as coisas para as quais os nossos juízes, que estão longe de ser uma parte, preferiram permanecer em silêncio. Os jovens revolucionários, convencidos de que as melhores armas de uma Revolução humanista como a nossa são a inteligência, a cultura e a alegria, não se calaram perante estes e outros erros do nosso lado, porque sabem que qualquer acto que se desvie desta conduta, por mais excepcional que seja, nos diminui, mas aqueles que se calam perante o repúdio, a violência e o terror praticados, com impunidade e sistematicamente, contra todo um povo, são ainda mais diminuídos na sua hipocrisia.

Há muito para fazer em Cuba, muito para transformar, para superar os desafios de tantas limitações externas e também as nossas próprias. Mas temos razões para celebrar mais uma vitória sobre o império mais poderoso da história, apesar do facto de terem passado de derrota em derrota durante 60 anos. Consolam-se dizendo agora que o efémero mártir mártir de adereço que colocou o Atlântico no caminho, e deixou os seus irmãos e irmãs no triste papel a que Guillermo Rodríguez Rivera aludiu, prometeu regressar. Sim, é isso que Batista, Prío, Mas Canosa e um longo etc. de “homens corajosos” que disseram que voltariam e pelos quais ainda estamos à espera. Aqueles que regressaram a Cuba, superando mil obstáculos e contra a vontade daqueles que apoiaram esta Baía dos Porcos virtual, foram aqueles que souberam “marchar à frente”: Martí, Gómez e Maceo, em “resumo”, Fidel, Raúl, e os seus camaradas a bordo da Avó, fiéis ao seu juramento de serem livres ou mártires, e Gerardo Hernández Nordelo, René González, Antonio Guerrero, Fernando González Llort e Ramon Labañino, a quem o Comandante dedicou um Volverán que ainda ressoa.

TURBANTE vs WESTERN e algo mais…

#CubaNoEsMimai #RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #ArtistasDelImperio #CubaViveYRenace

Dramaturgos de Miami. Tudo isto tem sido uma farsa aqui e ali.

#ManipulacionMediatica #RedesSociales #CubaViveYVivira #CubaViveYFlorece #CubaNoEsMiami #TerrorismoMadeInUSA

A decadente intelligentsia burguesa .

#ManipulacionMediatica

Por: Fernando Buen Abad

A intelligentsia burguesa está a atravessar um dos seus momentos mais decadentes. As suas máquinas de guerra ideológicas tornaram-se esclerosadas e refugiaram-se em argumentos filantrópicos implausíveis à sombra da pandemia e dos dons das vacinas de comodidade. Todos envernizados com tecnologias.

Já não são capazes de esconder a luta de classes com os andaimes silógicos mais recorrentes. Não conseguirão esconder o monumental crime económico durante a pandemia que dizimou a classe trabalhadora e enriqueceu as burguesias imperiais como nunca antes. Não poderão esconder a bofetada lacerante perante o direito básico à alimentação, habitação, educação… dignidade. A imoralidade do capitalismo num mundo privado de infra-estruturas mínimas para os pobres e com uma indústria militar a crescer com números recorde é inegável.

Nos cenáculos da intelligentsia burguesa discutem a invenção de um “capitalismo humano”, “capitalismo social”, “socialismo capitalista”… que na prática não corresponde à aberração do seu sofisma. Hoje, para sobreviverem, têm apenas as suas máquinas de notícias falsas e alguns reformistas sem vergonha. A intelligentsia burguesa não tem saliva aprendida suficiente para apagar o “fogo” da emancipação.

O carácter criminoso dos bloqueios, que não passam de extorsão, pilhagem e marginalização com premeditação, malícia e vantagem… todos os factores agravantes indefensáveis da própria “lei” burguesa, são cada vez menos escondidos a cada dia. Na sua ruína, a intelligentsia burguesa fez recuar os relógios da história, dando saltos e limites, e afundou-se nas mais cínicas contradições. Aqueles que costumavam pavonear-se como “defensores da democracia” estão hoje a operar em defesa dos piores montes de corrupção.

Vargas Llosa a defender Fujimori; Krauze a defender o golpe corporativo e Aguilar Camín a proferir insultos em vez do seu raciocínio rançoso. Assim na Argentina, na Colômbia, em Espanha… no Brasil. Agora têm como candidatos políticos o pior do show business comercializado.

Agora, mais do que nunca, o grande projecto humanista de um novo género, capaz de dar forma a uma agenda revolucionária cheia de valores e práticas na vida quotidiana, bem como a longo prazo, é mais urgente do que nunca. A nossa urgência é trabalhar arduamente na organização política anti-capitalista; a revolução das comunicações e da semântica emancipatória; os mapas da subjectividade e o desenvolvimento de métodos críticos que superem as máquinas de guerra ideológicas burguesas. A consolidação de modos de produção emancipados e emancipatórios e relações de produção. Em suma, um novo tipo de programa humanista para a transformação da realidade e a supressão do capitalismo.

Não cair em emboscadas “conciliatórias”; não engolir o discurso de “igualdade” apresentado por aqueles que nos bloqueiam ou nos marginalizam. Não legitimar o “diálogo” falacioso do discurso único. Não se deixe enganar pela igualdade de oportunidades se a igualdade de condições não for garantida. Não sucumbir aos pregadores do individualismo ou do escapismo. Derrotar todo o “supremacismo”, racismo e nazi-fascismo. Com a revolução tudo, contra a revolução nada.

A falência da intelligentsia burguesa é, ao mesmo tempo, uma grande responsabilidade que nos preocupa e nos compromete. Eles farão o seu melhor para espalhar confusão e sujidade à esquerda e à direita. Eles preferirão a mentira e a calúnia como campo de luta rarefeito pela estupidez e devemos evitar que, a todo o custo, nos arrastem para uma emboscada da qual sairemos enfraquecidos ou subordinados ao seu destino. A nossa agenda deve ser a de aprofundar a revolução do pensamento e da práxis. A saída é “ser educado para ser livre” porque “fomos derrotados mais por engano do que por força” e “o perigo está no atraso”. Precisamos urgentemente da unidade da inteligência crítica para uma acção directa. A história avisa-nos disto.

(Extraído do Poder dos Trabalhadores)

Yunior GarCIA 0ta 0la ou Guaid2? Decida-se agora, já não há tempo a perder.

#CubaSeRespeta #UnaSolaRevolucion #XCubaYo #PasionXCuba #LaRazonEsNuestroEscudo

%d bloggers like this: