#ParaísosFiscais, #Lasso, #Piñera e #Abinader, a #CaixaDePandora está aberta ..

#ParaisosFiscais #PapelesDePandora

A extensa investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) revelou no domingo que 14 líderes mundiais e 21 outros líderes que desde então deixaram o poder esconderam bens e rendimentos no valor de milhares de milhões de dólares para evitar pagar impostos em paraísos fiscais.

Os ficheiros vazados, apelidados de Pandora Papers, incluem 35 líderes mundiais – ainda no poder ou reformados – e mais de 300 funcionários públicos em todo o mundo que detêm bens em ou através de paraísos fiscais.

Os Documentos de Pandora incluem, entre outros estadistas, os três actuais líderes latino-americanos: o Presidente do Equador, Guillermo Lasso, o Presidente do Chile, Sebastián Piñera e o líder da República Dominicana, Luis Abinader. Além disso, as fugas incluem outros altos funcionários latino-americanos: 11 presidentes reformados, 90 políticos de alto nível e um governador de um banco central.

Guillermo Lasso
De acordo com os documentos divulgados, o Presidente equatoriano Guillermo Lasso teve ligações a 10 empresas offshore e trusts no Panamá e nos estados americanos do Dakota do Sul e Delaware: Bretten Trust, Liberty US Trust, Bernini Foundation, Bretten Holdings, Da Vinci Foundation, Fundación Bienes Raíces, Nora Group Investment Corp, Pietro Overseas SA, Positano Trade LLC e Tintoretto International Foundation.

Bretten Trust e Liberty US Trust foram criados em 2017, e a Lasso autorizou a transferência para esses dois trusts de empresas operadas por duas fundações de interesse privado panamenses, denominadas Bernini e Barberini. De acordo com as regras de cada fundação, seriam feitas distribuições mensais aos beneficiários após a morte de Lasso, incluindo $20.000 à sua esposa, $2.000 aos seus filhos e $1.500 ao seu irmão.

Lasso disse ao ICIJ que não tem “nenhuma relação de propriedade, controlo, benefício ou interesse de qualquer tipo” com o Bretten Trust e o Liberty US Trust e que sempre cumpriu a legislação equatoriana que proíbe candidatos e funcionários públicos de deter empresas em paraísos fiscais.

As outras entidades mencionadas foram dissolvidas e, tal como confirmado pelo presidente do país latino-americano, não têm actualmente existência legal, enquanto que a utilização passada de qualquer entidade internacional era legítima.

Luis Abinader
O presidente dominicano está ligado a duas empresas panamenhas: Littlecot Inc. e Padreso SA, criada antes de a Abinader assumir a presidência do país em 2020. Os ficheiros indicam que as acções eram inicialmente “acções ao portador”, um mecanismo que permitia esconder a identidade dos proprietários das acções.

No entanto, em 2015, uma lei panamenha obrigou as empresas a revelar os nomes dos proprietários de tais títulos. Em 2018, um representante da família presidencial enviou um documento ao prestador de serviços offshore Overseas Management Corp. Nele, os irmãos de Abinader foram listados como accionistas da Littlecot Inc e da Padreso SA em vez de “al tenedor”.

Por seu lado, o presidente dominicano esclareceu ao ICIJ que a Littlecot Inc. possui uma propriedade familiar na República Dominicana, enquanto que a Padresso SA detém acções em seis outras entidades com propriedades e extensões da universidade privada propriedade da sua família.

Quanto às acções ao portador, a Abinader esclareceu que as entidades em questão foram criadas “por consultores que contratámos para comprar as empresas nestas jurisdições (neste caso, o Panamá)”. Explicou também que estes tipos de títulos eram utilizados para “facilitar as transacções comerciais com clientes e reduzir os obstáculos administrativos para as empresas durante a constituição”.

Paralelamente, o líder salientou que é proprietário de entidades “offshore”, uma vez que a utilização de entidades dominicanas para “comprar bens ou trocar bens no estrangeiro costumava ser um desafio (e ainda é) devido à falta de reconhecimento que estas empresas têm em jurisdições estrangeiras”.

Entretanto, o porta-voz presidencial Homero Figueroa reagiu aos Pandora Papers na sua conta do Twitter, observando que a informação hoje divulgada reconhece “a transparência do presidente”.

Sebastián Piñera
O inquérito jornalístico aponta para o facto de que o actual presidente chileno Sebastián Piñera esteve envolvido em várias empresas offshore. Os filhos de Piñera detinham 33,3% das acções do projecto mineiro Dominga. Em Dezembro de 2010, quando Piñera já era presidente há nove meses, a sua família vendeu as suas acções na empresa mineira ao empresário Carlos Alberto Délano, um dos amigos de infância de Piñera. A venda foi feita através de duas empresas de fachada registadas nas Ilhas Virgens Britânicas.

A venda foi selada com dois minutos: um assinado no Chile por 14 milhões de dólares e o outro no mesmo paraíso fiscal por 138 milhões de dólares. O pagamento deveria ser feito em três prestações, mas com uma contingência: o último pagamento só seria feito se o governo chileno não declarasse a área de operações do projecto Dominga como um santuário natural. O governo de Piñera decidiu não promover a iniciativa ambiental e assim a terceira parcela foi desembolsada.

Esta decisão do governo Piñera foi precedida por outra: em Março de 2010, o presidente anunciou o cancelamento da construção da central termoeléctrica de Barrancones, após uma onda de protestos de ambientalistas. O projecto foi encerrado apesar de ter as licenças para funcionar. Na altura, não se sabia que Piñera estava envolvido no projecto Dominga, segundo o Centro de Investigación Periodística (CIPER, Chile).

Além disso, os jornais publicados revelam que alguns dias antes de Piñera tomar posse em 2018, a empresa Parque Chiloé Overseas Inc. (Parque Chiloé Overseas Inc.). (registado nas BVI e ligado a ele) fundiu-se com o Parque Chiloé SA do Chile. Esta última foi então absorvida por outra entidade chilena, Inversiones Odisea, onde quatro dos filhos do presidente possuem acções.

Entretanto, o gerente das empresas familiares de Piñera, salientou aos investigadores que o inquilino de La Moneda não participou, nem tinha conhecimento dos detalhes da compra e venda do projecto Dominga. Ao mesmo tempo, ele especificou que nem Piñera, nem nenhum dos seus familiares directos têm controlo sobre empresas registadas nas IVB.

A Presidência chilena já emitiu uma declaração explicando, entre outras coisas, que a venda do projecto Dominga já foi objecto de uma investigação e que o Ministério Público “recomendou que o caso fosse encerrado devido à inexistência de um crime”.

Por seu lado, o jornalista Marco Teruggi salientou que é difícil processar os evasores fiscais, um facto que, na sua opinião, contribui para a desigualdade na América Latina. “Num continente tão desigual, em vez de contribuir para situações de necessidades extraordinárias – como as causadas pela pandemia – estas grandes fortunas decidem fugir para evitar pagar os seus impostos e, portanto, não contribuir para o bem comum”, disse ele.

Tomado de RT

Edição Central teleSUR .

#Brasil #LavaJato #Ecuador #AmericaLatina #Salud #Covid-19

Relatório demolidor sobre o governo de #LenínMoreno e os protestos de 2019 no #Equador .

#Ecuador #OEA #UnuionEuropea #InjerenciaDeEEUU #LeninMoreno

Protestos no #Paraguai em meio à segunda onda de coronavírus. ‘Marito’ Abdo vai superar esta crise?

#SaludMundial #Paraguay #GrupoDeLima #Covid-19 #Politica

Alba-TCP exige levantamiento de medidas coercitivas.

#AmericaLatina #Ecuados #Venezuela #Nicaragua #Cuba #EstadosUnidos #Sanciones #InjerenciaDeEEUU #cOVID-19 #sALUDmUNDIAL #eCONOMIA #PoliticaExterior

O candidato #Lasso retira acordo de recontagem no #Equador.

#Ecuador #Elecciones #Politica #CNE

O candidato à Presidência do Equador pela aliança CREO-PSC, Guillermo Lasso, retratou neste domingo o acordo alcançado com o candidato presidencial Yaku Pérez para a recontagem de votos em 17 das 24 províncias do país.

Em carta enviada ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Lasso pede que este poder promulgue os resultados do primeiro turno eleitoral realizado no dia 7 de fevereiro, “sem prejuízo das correspondentes contestações que se apresentem nos termos da lei”.

As eleições de 7 de fevereiro foram vencidas pelo candidato à presidência da aliança de oposição União pela Esperança (Unes), Andrés Arauz, com 32,06 por cento, e ele espera um adversário para o segundo turno, marcado para o próximo dia 11 de abril.

Lasso, indicado pelo movimento Creando Oportunidades (CREO), em aliança com o Partido Social Cristão (PSC), e Pérez, candidato do partido indígena Pachakutik, que disputam o segundo lugar, porque obtiveram 19,66 e 19,61 por cento dos votos elenco, de acordo com a contagem oficial preliminar.

Lasso aceptó el viernes pasado la petición de Pérez de realizar un recuento parcial de los votos del 7 de febrero.

Na sexta-feira passada, a CNE anunciou que, num encontro com Lasso e Pérez, se chegou a um acordo para recontar 100 por cento dos votos na província de Guayas e rever 50 por cento dos votos em 16 províncias.

Em sua carta neste domingo, o candidato do CREO-PSC disse concordar com a revisão de 100 por cento em Guayas, localizada no sudoeste do país, mas estabeleceu que, “se houver consenso com os demais candidatos”, recontará os 50 por cento do as pesquisas nas seguintes províncias: Los Ríos, Manabí, El Oro, Esmeraldas, Pichincha e Bolívar.

“Parece-me ineficaz e uma perda de tempo abrir 50 por cento das urnas nas outras 9 províncias, que o candidato Pérez escolheu unilateralmente, já que nelas me conquistou amplamente e aceito o resultado”, afirmou. disse.

Ele garantiu que “nunca aceitaria a possível intenção de aumentar ilegalmente o resultado em seu favor e em meu detrimento nessas províncias.”

Por sua vez, o candidato Yaku Pérez disse em um tweet que Lasso não é igual a 2017, porque nos últimos quatro anos “ele co-governou com o pior governo, o de Moreno. Por isso não tem chance de sucesso se ele chega ao segundo turno “.

“Por que você está recuando na contagem de votos? O que você e a CNE fizeram que não quer que o Equador saiba? Para você a política é um jogo, para mim é a oportunidade de mudar a vida de milhões de equatorianos. pesquisas é defender a democracia “, disse Pérez em outro tweet.

Conclui a campanha eleitoral para sufrágios gerais Equador 2021.

#Ecuador #CNE #Elecciones

Por Redacción Razones de Cuba

A campanha eleitoral para as eleições gerais no Equador, marcada para o próximo domingo, termina hoje com eventos em diferentes cidades deste país sul-americano.
Até a meia-noite, os candidatos aos diversos cargos em jogo poderão socializar seus programas políticos e fazer com que a população lhes dê o voto nas urnas.

Caravanas, caminhadas e comícios fazem parte das atividades focadas nos últimos dias em convencer a população que ainda não decidiu a quem favorecer, que oscila entre 30 e 60 por cento, segundo estudos.

O intenso dia é implantado em várias províncias como Pichincha, onde se localiza esta capital, Guayas, Azuay e Manabí.

Para toda a campanha, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) estabeleceu um protocolo de biossegurança com o objetivo de evitar que o proselitismo levasse ao aumento da propagação de infecções por Covid-19 no país, onde os casos positivos acumulados até a véspera foram de 252.390.

Nesse contexto, em municípios com mais de 100 mil eleitores, os movimentos políticos só poderiam realizar mobilizações com no máximo 200 pessoas, no que diz respeito ao distanciamento físico, além da obrigatoriedade do uso de máscara e gel antibacteriano.

Enquanto isso, em cidades com um número de 10.000 a 100.000 pessoas qualificadas para votar, a capacidade permitida era de até 150 seguidores e em cidades com um registro eleitoral de menos de 10.000, apenas cem podiam participar das caminhadas.

As caravanas de automóveis também tinham restrições de até 50 carros em cidades com mais de 100.000 eleitores, 30 nas quais havia 10.000 a 100.000 e um máximo de 20 veículos naquelas com menos de 10.000 eleitores.

Apesar das medidas bem definidas, em muitas ocasiões houve violações do regulamento em manifestações e eventos de campanha.

A partir das 00h00 (hora local) desta sexta-feira, um período de silêncio eleitoral vai reger todo o país, o que, segundo as autoridades, ajuda o eleitor a rever as propostas dos candidatos e a definir a sua seleção.

Da mesma forma, a partir de amanhã ao meio-dia, entrará em vigor a chamada Lei Seca, que se aplica 36 horas antes e 12 depois do dia da votação e proíbe a venda, distribuição ou consumo de bebidas alcoólicas.

Retirado da Prensa Latina

O cinismo de Dita Charanzová, vice-presidente do Parlamento Europeu.

#UnionEuropea #DitaCharanzová #Minrex #Cuba #BrunoRodriguez #MafiaAnticubana #MercenariosYDelincuentes #DerechosHumanos #CubaSalva #EEUUBloquea #Washington #RevolucionCubana #RedesSociales #SubversionContraCuba #ONU #Chile #Colombia #Ecuador #Peru #Brasil #Guatemala #JairBolsonaro #LeninMoreno #DonaldTrumpCulpable #Covid-19 #SaludMundial #JoseMarti

Conhecida por suas posições de extrema direita e fiel seguidora da linha política de Donald Trump, a tcheca Dita Charanzová, vice-presidente do Parlamento Europeu, não para de atacar Cuba e acusá-la de “violar” direitos humanos, mas sim de violações verdadeiras e criminosas por governos semelhantes a Washington, não diz uma única palavra.

Mais parecida com uma subordinada do Departamento de Estado ianque do que com o próprio Parlamento Europeu, Charanzová tenta formar uma matriz de opinião contra a Revolução Cubana, em busca da entidade que representa para romper os acordos entre a Ilha e a União Europeia, com a evidente interesse em retomar a fracassada Posição Comum, proposta por José María Aznar, outro peão dos Estados Unidos.

Internet

A que liberdades básicas e direitos humanos você se refere ao atacar Cuba?

Como se tivesse copiado o discurso de Donald Trump em 16 de junho de 2017 em Miami, a citada recentemente declarou:

“É hora de perceber que nossa estratégia atual não está funcionando em benefício do povo cubano.”

Seguindo a mesma tática ianque de querer afogar o povo cubano, passa a confundir parlamentares e a opinião pública europeia que os direitos humanos são “violados” em Cuba, tudo dentro do contexto lançado pelos ianques para defender a contra-revolução interna na Ilha, criada e financiado pelos Estados Unidos, que não tem nenhum reconhecimento popular, por sua falta de moral, ética e seu caráter mercenário.

Suas declarações fazem parte do recente encontro bilateral entre a União Européia e Cuba, situação que amarga o Departamento de Estado por insistir em isolar a Revolução e intensificar sua guerra econômica, comercial e financeira, em meio à terrível pandemia que atinge o mundo.

Para aborrecimento da máfia terrorista anticubana de Miami e dos políticos norte-americanos que se opõem a uma melhora nas relações com Havana por parte do novo governo Joe Biden, o pronunciamento da reunião bilateral presidida pelo chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, e pelo chanceler cubano Bruno Rodríguez Parilla, afirma:

“Houve um debate frutífero com o Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, sobre as relações gerais UE-Cuba e o impacto das sanções dos EUA na economia cubana e nos interesses comerciais e de investimento da UE.”

Esta posição não é aceita por Washington, que imediatamente moveu seus peões para criticá-la e combatê-la.

O mundo pôde acompanhar a TV cubana internacional, a verdade sobre o fabricado “Movimento San Isidro”, que não é um movimento nem tem seguidores, é formado por pessoas de baixa moral, que jamais seriam aceitas em nenhum país da educada e educada Europa.

Fundación Nacional Cubano Americana - Dita Charanzova exige liberación de  presos políticos | Facebook

O apelo das redes sociais para se concentrarem perante o Ministério da Cultura, no final de 2020, foi promovido por outra das peças ianques, Tania Brugueras, uma provocadora de longa data em ações subversivas, que conquistou através da mentira, arrastando vários jovens da arte estudantes e até artistas consagrados que, ao sentirem a verdade nos vídeos veiculados na TV, se distanciaram do embuste sedicioso da embaixada dos Estados Unidos em Havana, prova da falta de autenticidade daquele inventado “Movimento”.

As evidências mostram que por trás da tcheca Dita Charanzová está a mão dos ianques, fazendo parte de suas tendenciosas campanhas apoiadas pela mídia pela Rádio Televisión Martí, geradora da guerra psicológica contra Cuba, criada e financiada pelo governo dos Estados Unidos. apesar de nunca ter sido ouvido ou visto na rádio e na televisão da ilha.

A ultradireita pró-ianque do Parlamento Europeu pretende sancionar Cuba pela suposta violação dos direitos humanos, porém não se pronuncia a favor da sanção da Colômbia pelos 84 massacres perpetrados em 2020 e outros 6 até 24 de janeiro de 2021, executado por forças paramilitares protegidas pelo regime de Iván Duque, irmão próximo dos Estados Unidos.

Um relatório recente do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, reconhece esses crimes, entre os quais há 19 crianças, 12 mulheres e mais de 352 pessoas assassinadas, muitas delas líderes sociais.

Quando esses crimes ocorreram em Cuba?

Nem um único contra-revolucionário assassinado ou desaparecido em 62 anos da Revolução.

Por que Dita Charanzová não adota posição semelhante contra o governo de Sebastián Piñera, por suas violações permanentes dos direitos humanos no Chile, onde a polícia atira em jovens que exigem justiça social, trabalho, melhor educação e eliminação das desigualdades?

La guerra mediática de #EEUU contra #Cuba; Visión histórica y percepción  política | Cuba por Siempre

O que acontece no Peru e na Guatemala com o pessoal de saúde que não preocupa o MEP?

Onde está sua consciência diante do panorama de saúde sofrido pelo povo brasileiro, diante da falta de sensibilidade do regime de Jair Bolsonaro, onde cemitérios não chegam para enterrar os cadáveres?

Quais foram suas propostas de sanções contra o regime de Lenin Moreno no Equador, por não ter programas de saúde eficazes, que resultou na morte de pacientes Covid-19 no meio da rua sem assistência?

Qual resolução você aprovou contra o governo de Donald Trump, diante do péssimo manejo da pandemia, que tornou o país mais rico do mundo o mais infectado e com o maior número de mortes em todo o planeta?

Há muita hipocrisia e cinismo no Checo Charanzová, combinado com seu ódio contra um pequeno país, que defende seu sistema socialista que permite cuidar de todos os seus cidadãos, manter um forte sistema de saúde, educação e previdência social que Ninguém, apesar das 242 sanções impostas pelos Estados Unidos somente em 2020, algo que parece não importar para esta mulher que se esforça para agradar seus patrões ianques.

José Martí foi exatamente quando disse:

“É considerado crime querer forçar a opinião pública”