Socialismo, Democracia Popular ou Contra-Revolução .

#UnaSolaRevolucion #CubaLibreYSoberana #TuEresElPresidente #UnblockCuba #XCubaYo

Por Fabián Escalante

Mesmo sem ser um estudioso, orgulho-me de ter ouvido, lido ou debatido os discursos, artigos e reflexões de Fidel. Consequentemente, sempre que surge um evento de qualquer natureza que requer análise e compreensão, volto a ele, procuro-o e encontro a solução para as minhas preocupações ou dúvidas, bem como o caminho a seguir.

Mais uma vez hoje, regresso a algumas das suas ideias sobre a democracia socialista e o Partido, expressas no discurso das conclusões do IV Congresso, que pretendo ser um quadro para os critérios que desejo expressar a este respeito. Além disso, estão de acordo com o confronto da trama inimiga em curso.

No evento acima mencionado, salientou, entre outros conceitos, que o sistema eleitoral cubano era o mais democrático dos existentes, porque nomeou – sem politiquice – os candidatos à liderança desde a base ou círculo eleitoral até aos deputados à Assembleia do Poder Popular, o mais alto órgão de liderança do país. Além disso, em relação ao conceito de partido único, salientou que era necessário abrir as fileiras aos crentes e patriotas que aceitassem o seu programa, partilhassem os seus princípios e fossem eleitos pelos seus colectivos. Ele salientou que o Partido único, tal como o criado por Martí para a “guerra necessária”, deveria incluir todos os patriotas, revolucionários, homens e mulheres que desejavam o progresso do nosso povo.

Neles, os conceitos de Partido Único, Democracia e Socialismo foram explicitados para o futuro, e gostaria de salientar que esta intervenção data de 1991, no início do chamado período especial, que surgiu devido ao colapso da URSS e dos países socialistas da Europa de Leste e ao oportunismo imperialista ao pensar que a hora final também tinha chegado para a Revolução Cubana.

Esse acontecimento dramático – o colapso “socialista” – que num curto lapso de tempo transformou o mundo num unipolar, não foi o resultado do trabalho subversivo do inimigo, embora tenham feito esforços nesse sentido. Foram os erros políticos e económicos, as traições internas, o nascimento e desenvolvimento de uma casta burocrática em roupagem socialista, o abandono das ideias e doutrina marxista que foram as principais causas de tal implosão, um processo de gentrificação no seio das organizações comunistas desses países.

No entanto, mesmo nessas circunstâncias, o nosso Partido, como Fidel salientou, estava aberto a todos os revolucionários cubanos, aos patriotas, àqueles que desejavam o progresso do nosso povo. Reafirmou-se assim, no meio da crise económica e social acima mencionada, como o Partido da Revolução Cubana e o seu legítimo e, portanto, único representante, agrupando nas suas fileiras todos os cubanos que queriam prosperidade e continuar na construção de uma sociedade socialista.

O caminho empreendido nesta longa batalha nem sempre tem sido amplo e sem armadilhas, não faltaram retrocessos, erros, falhas e tropeços, mas foi rectificado a tempo, na maioria das vezes devido a alertas do próprio Fidel e de outros líderes.

As recentes críticas do Presidente Díaz Canel na reunião com os Presidentes das Assembleias Municipais do Poder Popular, onde afirmou que muitas das medidas socioeconómicas que estão agora a ser implementadas para melhorar as condições de vida das comunidades afectadas deveriam ter sido tomadas de antemão, foram instrutivas. Além disso, o saudável movimento popular gerado, no qual as pessoas participam activamente e em conjunto com as instituições, na solução de antigos e novos problemas no território, abre expectativas esperançosas.

Por estas razões, a melhoria do trabalho do Partido é fundamental nesta fase, para se aproximar das bases, para compreender que a política deve e deve ser levada a cabo nos territórios em que as organizações partidárias actuam. É lá, na comunidade, nos Conselhos Populares, nos círculos eleitorais, onde o inimigo contra-revolucionário decidiu dar-nos batalha e há muitos exemplos.

É no território onde o Partido deve ser forte, inteligente, agressivo, estabelecer-se como um líder social, não pelo ukase, mas pela autoridade merecida e para isso deve ser reforçado, incluindo os patriotas que aceitam o nosso programa e são representativos da comunidade. Transformar o núcleo zonal numa força de luta política e ideológica, capaz de organizar a LUTA contra a actividade subversiva do inimigo, iluminando o confuso, debatendo e ouvindo opiniões e liderando a sociedade na construção do socialismo.

O inimigo, conhecendo as nossas vulnerabilidades, está a preparar-se para atacar. Nas suas instituições no estrangeiro, formou quadros e desenvolveu uma estratégia de “golpe suave”. Aproveita os danos causados pelo bloqueio feroz imposto, a pandemia, a lentidão com que implementamos medidas económicas já aprovadas, as dificuldades de abastecimento, por vezes mal organizadas por administradores incompetentes; um “ordenado” que em tais condições provocou inflação e desorganização, mesmo na economia familiar, erros ainda por resolver, foram alguns dos factores pelos quais se concluiu que chegou o momento de derrubar a Revolução, o exemplo, a esperança.

Os primeiros incêndios da actual ofensiva foram disparados em frente ao Ministério da Cultura em Novembro do ano passado, depois, quando viram uma fraca resposta, aumentaram as acções, continuando em San Isidro, San Antonio de los Baños, Cárdenas, Centro Habana e outras localidades, e chegaram aos dias 11 e 12 de Julho passado, onde através de um uso intensivo das redes sociais, agitando deficiências, erros, cortes inesperados de electricidade e água, agravando a escassez de alimentos, ao suscitar o terror contra a Revolução, a dimensão excessiva das acções Imperiais para derrubar o governo e a ajuda necessária dos mercenários que, para uma recarga telefónica, são capazes de assassinar polícias, sabotar instituições sociais, pilhar – conseguiram provocar graves perturbações em várias localidades do país, incluindo a capital, que teve de ser confrontada pelos revolucionários e pelas forças da ordem, empenhados em manter a tranquilidade dos cidadãos.

Empunham um discurso em que “direitos humanos”, “debate aberto”, “unidade familiar”, “democracia”, a luta contra a repressão policial, a liberdade criativa, o aparente desaparecimento de barreiras ideológicas e políticas, estão todos a ser promovidos. Entretanto, o bloqueio multilateral Imperial imposto a este pequeno país e a sistemática agressão terrorista, mesmo em tempos de uma terrível e dramática pandemia, está ausente, talvez inexistente, “um pretexto comunista”.

No seu desejo de um golpe, o inimigo apelou a uma greve geral impossível a 11 de Outubro, um dia de não trabalho, enquanto as festividades do dia 10, o feriado nacional, que cai num domingo, foram transferidas para o dia seguinte, segunda-feira 11, que é um feriado nacional. Depois, com um aviso prévio significativo e intencional, apelam à realização de uma “marcha pacífica” a 20 de Novembro, data em que as nossas autoridades tinham decidido abrir o país ao turismo internacional – que dizem estar protegido pela Constituição – algo de errado e manipulado, uma vez que a Constituição é clara e declara o direito de manifestação, mas sempre para “fins lícitos e pacíficos” e para exercer estes direitos “no respeito pela ordem pública e de acordo com as regras estabelecidas pela lei”. Afirma também que a defesa da pátria SOCIALISTA é o dever supremo de todos os cidadãos e que a traição da pátria é o mais grave dos crimes. Não podia ser mais claro.

Plano contra Plano, propôs o Apóstolo, e as nossas ruas pertencem ao povo, pertencem aos revolucionários, porque a democracia é revolucionária e socialista. Actividades como as que tiveram lugar no Parque Trillo, em resposta ao sit-in em frente ao Ministério da Cultura, agora que os centros de estudo e trabalho estão a reabrir, poderiam ser exercidas, sem formalismos, procurando a espontaneidade, a autenticidade da resposta revolucionária, sem fechar o caminho ao debate, à reflexão, ao confronto de ideias, sempre que possível.

As organizações do Partido, as organizações sociais e de massas, os jovens, os mesmos que estiveram na linha da frente na luta contra a pandemia, poderiam gerar um amplo movimento, materializado em actividades públicas, de apoio à Revolução, ao Socialismo, em defesa do nosso sistema social, imperfeito, mas com realizações decisivas em todos os campos da esfera humana, para demonstrar a força da Revolução, o apoio do povo às suas realizações e ao seu programa, com o seu Partido Único à cabeça, liderando na rua, na comunidade, no bairro. Penso que este é o nosso compromisso histórico, para com a pátria e para com Fidel.

Lembrando Silvio, nesta nova batalha, lembro-me das estrofes finais de “Necio”, estreadas no IV Congresso: “Não sei o que é o destino, caminhar eu era o que eu era, lá Deus, que será divino, eu morro como eu vivi, como eu vivi…”.

Discurso do Presidente de Cuba no encerramento da Assembleia Nacional.

#MiguelDiazCanelB #YoSigoAMiPresidente #Cuba #SomosContinuidad #VamosPorMas #PoderPopular #Covid-19 #Salud #IdeasQueSonBanderas #YoSoyFidel

EUA. ele é o maior violador dos direitos humanos do mundo.

#DerechosHumanos #Venezuela #OMS #ONU #EstadosUnidos #Start #ForaTrump #NoMoreTrump #MiguelDíaz-CanelBermúdez ##Minrex #CubaSalva #EEUUBloquea #JorgeValero

Retirado do Granma .

Autor: Walkiria Juanes Sánchez | walkiriajuanessanchez@gmail.com

derechos humanos

Foto: Granma

“Os Estados Unidos são o maior violador dos direitos humanos no mundo”, afirmou o embaixador da República Bolivariana da Venezuela no Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Jorge Valero.

No âmbito do ciclo de conferências sobre governança global e desenvolvimento, Os desafios e problemas comuns da humanidade hoje, o diplomata lembrou que os EUA, em meio a uma pandemia, se retiraram da Organização Mundial da Saúde (OMS) .

“É paradoxal que o governo imperial tome esta decisão quando é mais necessário fortalecer esta organização”, disse.

Em questões de segurança e desarmamento, ele também denunciou a retirada do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), e sublinhou como “Trump também declarou que não prorrogará a vigência do Tratado para a Redução de Armas Estratégicas (Start)”, o único acordo ativo sobre armas nucleares.

Valero afirmou que o multilateralismo é o caminho para a paz e destacou que esta abordagem é promovida por “nosso governo bolivariano e chavista, que busca construir uma arquitetura internacional que reúna os Estados e promova a responsabilidade conjunta pelos assuntos internacionais”.

O presidente cubano, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, durante seu discurso na reunião de líderes pelos 30 anos do Fórum de São Paulo, rejeitou o bloqueio ilegal dos Estados Unidos que sistematicamente violou os direitos humanos dos cubanos, por mais 60 anos.

Na ocasião, ele criticou os atos escandalosos do império contra parentes de migrantes e “principalmente contra seus filhos, maltratados, abusados ​​em uma espécie de jaula, porque privam o ser humano de sua dignidade e de seus direitos mais elementares”.

O chanceler cubano Bruno Rodríguez Parrilla denunciou, perante a Assembleia Geral das Nações Unidas, a responsabilidade dos Estados Unidos como principal violador dos direitos humanos de forma sistemática, massiva e flagrante.

Na reunião, realizada no dia 1º. Novembro de 2019, para apresentar ao mundo o projeto de resolução: “Necessidade de acabar com o bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos contra Cuba”, o Chanceler antilhano afirmou que há 2,3 milhões de particulares naquele país de liberdade, em um ano são feitas 10,5 milhões de prisões e mantêm pessoas ilegal e indefinidamente na base naval ilegal de Guantánamo.

“Mais de meio milhão de seus cidadãos dormem nas ruas, 28,5 milhões não têm seguro saúde, as mulheres ganham cerca de 85% do que os homens ganham e há queixas generalizadas de assédio sexual”, enumerou.

Em nível global, explicou Bruno Rodríguez, seu governo é signatário de apenas 30% dos instrumentos jurídicos internacionais e não reconhece o direito à paz, ao desenvolvimento e, nem mesmo, às crianças.

O grupo Puebla exigir que os Estados Unidos terminem os bloqueios contra Cuba e Venezuela.

O grupo Puebla, uma aliança formada por vários líderes internacionais, instou os países do mundo a exigir que os Estados Unidos terminem os bloqueios impostos unilateralmente – e se intensificaram nos últimos meses – contra Cuba e Venezuela.

Esses bloqueios, que são sanções políticas contra seus governantes, violaram os direitos dos habitantes desses países por décadas, condenando-os a viver sem acesso a medicamentos ou bens materiais, informou a agência.

Grupo de Puebla@ProgresaLatam

🌎 | Los principales referentes del progresismo en la región se unen para exigir la condonación de la deuda externa para los países de América Latina.

“Isso, que em situações normais é crueldade, hoje – no contexto da pandemia de coronavírus – é o anúncio de uma tragédia que devemos, a todo custo, evitar”, disse o grupo no contexto da pandemia pela qual está passando. o mundo por Covid-19.

A entidade internacional afirmou: “Hoje é a solidariedade e a paz que devem prevalecer como políticas de relações internacionais entre os povos do mundo. Por esse motivo, é essencial – sempre foi – que os Estados Unidos reajam e levantem, sem condições, essas condições. sanções “.

As escaladas, bloqueios e perseguições políticas de governos e governantes devem, necessariamente e com urgência, terminar, disse o fórum político e acadêmico composto por representantes políticos de todo o mundo.

“É por isso que pedimos a todos que exijamos o fim dessa violação permanente dos direitos humanos de cubanos, cubanos e venezuelanos”, afirmou.

O fórum de líderes progressistas apóia as posições da Secretária Geral das Nações Unidas, António Guterres e da Alta Comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, que defendem o fim dos bloqueios.

A organização também se alinhou à posição do grupo de senadores dos EUA, Chistopher S. Murphy, Chris Van Holen, Tom Caper, Tim Kaine, Benjamin L. Cardin, Tom Udall, Patrick Leahy, Sherrod Brown, Brian Schatz, Jeffrey A. Merkley Richard Blumenthal, que exigiu que Trump retirasse as medidas coercitivas contra Havana e Caracas.

O legado de Hugo Chávez ainda está em vigor na Venezuela e na América Latina.

El presidente venezolano Hugo Chávez, durante un mitin celebrado el 4 de octubre de 2012.

Este 5 de março marca sete anos do desaparecimento físico do líder da Revolução Bolivariana, Hugo Chávez, que deixou para trás um legado de luta e resistência que ainda está em vigor na Venezuela e na América Latina.

El presidente de Venezuela Hugo Chávez, se une a una manifestación progubernamental para conmemorar el aniversario de la democracia venezolana, en Caracas, en enero de 2002.

A resistência do povo venezuelano às constantes agressões dos Estados Unidos e de seus aliados regionais é um sinal da validade dos ideais humanistas e sociais do comandante Chávez.

Por meio de debates, discursos e ações políticas, Hugo Chávez estava construindo um projeto para transformar a sociedade venezuelana, buscando eliminar as estruturas do sistema capitalista e promovendo os valores do socialismo: liberdade, igualdade, solidariedade.

El presidente venezolano en la Asamblea General de las Naciones Unidas en septiembre de 2006.

Apesar da aplicação de medidas coercitivas, o governo venezuelano continuou com uma profunda agenda social iniciada pelo comandante Chávez em favor da maioria do povo venezuelano.

A continuidade de missões como Great Housing Venezuela, Barrio Adentro, a entrega de alimentos pelo comitê de suprimentos (CLAP), entre outras ações sociais, responde à profunda política social mantida nos mais de 20 anos da Revolução Bolivariana.

El presidente Venezolano, Hugo Chávez, hace el saque de honor en el partido inaugural de la Copa América entre Venezuela y Bolivia, el 27 de junio de 2007, en presencia del presidente Evo Morales y el futbolista retirado Diego Armando Maradona.

Em sua caminhada, Chávez não apenas despertou a consciência do povo da Venezuela, mas também abraçou os povos da região, semeando um legado de unidade e paz na América, ao despertar o sonho de Simón Bolívar, que permanece até o dia de hoje

Como na Venezuela, os protestos sociais no Chile contra o modelo neoliberal promovido pelo presidente Sebastián Piñera são outro exemplo claro de como, sete anos após sua morte, o apelo de Chávez a se opor a modelos antissociais permanece em vigor.

El presidente de Paraguay Fernando Lugo y Hugo Chávez, durante un festival en Asunción en Agosto de 2008.

As recentes mobilizações na Colômbia e no Equador exigindo profundas reformas políticas e econômicas de seus governantes são um reflexo de como o ideal de Hugo Chávez se acalmou nos povos latino-americanos que mantêm sua luta por uma sociedade mais equilibrada, sem uma diferença entre ricos e pobres.

Durante o governo do argentino Mauricio Macri, houve manifestações e protestos contra as políticas neoliberais que minaram as melhorias sociais alcançadas nos anos do quirchnerismo.

Los presidentes de Venezuela, Hugo Chávez; Bolivia, Evo Morales; Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, y Ecuador, Rafael Correa (de izquierda a derecha), posan para la fotografía oficial de su encuentro el 30 de septiembre de 2008, en Manaos (Brasil), donde celebraron una cumbre.

A constante manifestação na Argentina nos últimos quatro anos também responde ao chamado de Hugo Chávez para enfrentar o modelo capitalista.

Sete anos após a partida física de Chávez, aqueles que continuam a denunciar os excessos do modelo capitalista e condenam o intervencionismo norte-americano continuam a lembrar as palavras do líder da Revolução Bolivariana.

El presidente de Venezuela, Hugo Chávez, juega con unos niños, durante la emisión número 343 de su programa dominical de radio y televisión "Aló Presidente" en Caracas (Venezuela), en noviembre de 2009.

Hugo Chávez: Te veo, siempre te veo, aunque no te puedan ver

Autor:  | internacionales@granma.cu

Parece que foi ontem, mas já se passaram sete anos. Todos nos lembramos das notícias, um golpe que nos deixou com uma dor que não cura, que não podemos mitigar. Havana, toda Cuba, estremeceu e chorou em sua despedida, na melhor amiga até mais tarde.

Eu estava procurando uma foto para recordar quando encontrei o vídeo de uma garota que recitou um poema, uma garota que cantou para Chávez no aniversário de sua semeadura. Tal era o seu sentimento, tão grande a palavra nascida em seu coração, que emocionou a todos.

Fidel y Raúl estuvieron siempre muy pendientes de la salud de Chávez.

«Eu vejo você, eu sempre vejo você, como eles não podem vê-lo / mas para você eu respondo». Aqueles que amam você, seus soldados, os milhões que você libertou da censura, aqueles que lutam, resistem e constroem, respondem.

«Para você eu respondo, já aprendi a responder / respondo com as verdades, respondo com meu amor / respondo com sua verdade que finalmente consegui entender /».

Seu pessoal responde que, inspirado por essa verdade clara e firme, travou uma das maiores batalhas da história americana.

«Tão depressa que nos deixaste, fiel soldado patriótico / Meu comandante, ouves-me?» ./ Pergunte à moça, uma venezuelana, talvez uma de muitas que deram a possibilidade de ser, uma das que estudaram no novo escolas, às quais você deu livros, lápis, salas de aula, um desses computadores canaítas, professores e professores.

Parece-me que algum senhor da minha terra, que é a sua terra, ensinou-lhe as primeiras letras, que um médico da minha terra curou seus sofrimentos, que um artista da minha terra, que é a sua terra, alegrou sua alma.

«Meu comandante, está me ouvindo? / Vejo você de manhã quando começa o amanhecer / Vejo você nas escolas / Vejo você no quartel / Vejo você nas igrejas / crente Sou de sua fé / Vejo você na longa rua de Sabaneta a pé / Te vejo, eu sempre te vejo Como eles não podem te ver? / Vejo você quando a chuva cai e minha pele fica molhada / Vejo você na natureza que pede para viver também / Vejo você praticando esportes com suor na têmpora / Vejo você quando a sede da sua sede bebe água / ».

Uma sede renovada, sem fim, porque chegar ao amanhecer é como atravessar um deserto, é conquistar toda a justiça, sem mais armas do que amor e verdade, é a sede que nunca se apaga. Sempre haverá lanças para quebrar contra o calçado gigante com botas de sete pernas.

Sete anos e aí está você. Como o Presidente Díaz-Canel disse, eles nos jogaram com tudo, nos jogaram para matar, mas ainda estamos vivos e lutando, porque você também acompanha conosco, cavalgando ao lado de nossos soldados libertadores, renascendo de esquinas, nas planícies e selvas escuras, nas montanhas e rios, vencendo a morte que você nunca terá, porque a pior e única morte real é o esquecimento, e você cresce na memória.

“Eu vejo você gigante na via láctea / eu vejo você de jaleco branco querendo fazer o bem /”.

«Meu comandante, consegues ouvir-me? / Diga-me se você me ouvir, cara? / Alguns não querem vê-lo / eles virão comigo atrás Fabricio, Alí ​​e Che / Simón Bolívar virá com o general Ezequiel / Guaicaipuro virá com José Gregorio também / Martí será acompanhado por Fidel / mãe Rosa trará aranhas com sabor de mel / as pessoas livres virão sem mudar de idéia / se eu te vir e você me vir / me ver porque eu sou Chávez e Chávez também é você / porque Chávez estamos todos lutando para vencer / Viva Chávez, caramba / ».

Até sempre comandante. Até a vitória que virá da sua mão e da de Fidel. Até à vitória, sempre.

Fonte: Poesia para Chávez. Embora eles não possam vê-lo, recitado pela garota, Alegría Marquina, tirada da vtv multimedia.

Presidente de Cuba “EM LAS CACHAS”

 

21 salvos pela Revolução

Este amanhecer ocorreu na Plaza de Armas da fortaleza de San Carlos de la Cabaña, a cerimônia de saudação de artilharia militar, por ocasião do 60º aniversário do triunfo da Revolução Cubana.

Autor: Abel Reyes | internet@granma.cu

21 salvas en honor al 61 Aniversario del Triufo de la Revolución Unidad mixta compuesta por combatientes de la gran unidad de tanques Rescate de Sanguilí, Orden Antonio Maceo y la Escuela Inter Armas de la FAR: General Antonio Maceo, Orden Antonio Maceo

21 salvos em homenagem ao 61º aniversário do triunfo da revolução Foto: Dunia Álvarez Palacios
A celebração, presidida pelos chefes das Forças Armadas Revolucionárias (FAR), contou com uma bateria mista, composta por combatentes da Grande Unidade de Tanques de Resgate de Sanguily, da Ordem Antonio Maceo e da escola Interarmas da FAR. , General Antonio Maceo, Ordem Antonio Maceo.

Presente na manobra, Kimay Bárbara Graverán Álvarez, professor da cadeira de artilharia da escola Interarmas da FAR, disse que, mesmo quando está envolvida nesse tipo de manobra pela quarta vez, a saudação de 21 anos sempre será uma Experiência muito especial em sua carreira.

«É um grande orgulho e privilégio participar deste exercício, porque represento o povo cubano, nosso Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, o general do exército Raúl Castro Ruz e o líder incontestável da Revolução Cubana. Além disso, com essa manobra, reafirmamos que os jovens são continuidade ”, afirmou.

Por sua parte, Lázaro Enrique Perera Molina, um soldado da Divisão de Tanques envolvido na cerimônia, disse sentir-se orgulhoso, como militar, por fazer parte de um exercício de tanta relevância política, que coloca o nome de Revolução e da artilharia cubana.

Nesta ocasião, os 21 salvos foram percussados ​​em homenagem aos mártires da pátria, nosso povo árduo e vitória, de acordo com as vozes de comando encarregadas da bateria de artilharia.

Pdte. Venezuela fecha o ano com uma mensagem de paz

Como parte do culminar deste ano de 2019, e cumprimentando a chegada de 2020, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, emitiu uma mensagem oficial na segunda-feira ao povo venezuelano, em que ele revisou episódios importantes para a nação bolivariana e resumiu a capacidade que Ele tinha o país para “superar obstáculos … e celebrar a vitória da paz, o triunfo da vida em liberdade”.

El presidente Nicolás Maduro junto a la primera dama, Cilia Flores, ofreció un mensaje de paz y solidaridad en el marco de fin de año.

Segundo a mensagem do presidente da Venezuela, transmitida em cadeia nacional, este 2019 representou um ano de testes, considerando as agressões contra um povo pacífico e heróico, que “hoje, está à vista de todo o planeta … do que o imenso Maiorias do nosso país, sem distinção ideológica e acima de todas as diferenças, amam, defendem e defendem a terra que os viu nascer “. Continuar a ler “Pdte. Venezuela fecha o ano com uma mensagem de paz”

Díaz-Canel na Assembléia Nacional: Eles nos jogaram para matar e estamos vivos

Miguel Díaz-Canel, presidente da República, toma a palavra no quarto período ordinário da Assembléia Nacional do Poder Popular, em seu IX Legislativo.

“Na véspera de mais um aniversário da Revolução, antes de tudo, quero excluir os parabéns.”

Segundo o presidente, Cuba passou por um ano cheio de desafios, agressões. O ano 61 da Revolução foi difícil, mas nunca tanto quanto os dias da Revolução nascente, quando houve sabotagens, incêndios, vandalismo. “Esses fatos foram superados e estamos orgulhosos. Tudo é possível com as pessoas e com as pessoas ”.

Ele se referiu ao bloqueio como o pior e mais abrangente obstáculo de todos. “Quando você escreve a história desses dias, terá que manter um capítulo para a escalada da agressão contra Cuba”. Eles eram mais de uma medida por semana para sufocar nossa economia: navios de cruzeiro, voos, transporte de combustível e seguro foram cancelados. “Não há área livre de perseguição.”

Para justificar sua ação, o governo dos EUA se voltou para mentiras novas e rudes de que somos um fator de agressão para a região, argumentou o presidente. Continuar a ler “Díaz-Canel na Assembléia Nacional: Eles nos jogaram para matar e estamos vivos”

%d bloggers like this: