O chanceler cubano chega ao Chile para a posse do presidente eleito Gabriel Boric

HAVANA (Sputnik) – O ministro cubano das Relações Exteriores, Bruno Rodríguez Parrilla, chegou a Santiago do Chile para participar da cerimônia de posse do novo presidente Gabriel Boric, que toma posse no dia 11 de março.

“Chego ao Chile para participar das cerimônias de transmissão do comando presidencial, nas quais tomará posse o presidente eleito Gabriel Boric Font. Temos o prazer de promover o desenvolvimento dos laços históricos que unem nossas nações”, escreveu o chanceler da ilha. em sua conta no Twitter.

Os presidentes da Argentina, Bolívia, Equador, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai, o Rei da Espanha e os primeiros-ministros de Curaçao e Guiana, entre outras personalidades internacionais, devem participar da cerimônia.
Boric, 36, venceu as eleições presidenciais como candidato da coalizão de esquerda Aprova Dignidade, derrotando amplamente seu rival, o direitista José Antonio Kast, da Frente Social Cristã, tornando-se o mais jovem presidente eleito da nação sul-americana.

Cuba e Chile mantêm relações diplomáticas desde abril de 1909, que foram interrompidas em 1962, após a expulsão da ilha da Organização dos Estados Americanos (OEA) por pressão do governo norte-americano.
As ligações entre as duas nações foram restabelecidas em 1970, durante o governo de Salvador Allende (1970-1973), interrompidas novamente após o golpe do general Augusto Pinochet (1973-1990), e restabelecidas definitivamente em 1991.

Visita do adversário venezuelano Leopoldo López é repudiada no Chile

Santiago do Chile, 8 de dezembro (Prensa Latina) Forte repúdio provoca hoje a presença no Chile do oponente venezuelano e foragido da justiça, Leopoldo López, que se encontrou com o candidato presidencial de extrema direita José Antonio Kast e visitou a Convenção Constituinte.

López foi saudado com o lançamento de ovos e os gritos de um assassino ao ingressar na Assembleia Constituinte para um encontro com a direita chilena.

“Vim aqui para protestar contra o convite feito a este fascista, um assassino que participou de várias tentativas de golpe em seu país”, disse Juan Cuevas, um dos manifestantes, que foi detido pela polícia.

“Parece-me que esta visita é um ato indevido que visa claramente torpedear o funcionamento da Convenção”, declarou, por sua vez, Marcos Barraza, integrante do órgão encarregado da redação de uma nova Carta Magna em substituição à de força desde a ditadura. por Augusto Pinochet (1973-1990).

Barraza considerou a presença de López uma provocação e uma ameaça, com o agravante – disse – de que o convidado é um foragido internacional e tem causas pendentes.

López foi saudado com o lançamento de ovos e os gritos de um assassino ao ingressar na Assembleia Constituinte para um encontro com a direita chilena.

“Vim aqui para protestar contra o convite feito a este fascista, um assassino que participou de várias tentativas de golpe em seu país”, disse Juan Cuevas, um dos manifestantes, que foi detido pela polícia.

“Parece-me que esta visita é um ato indevido que visa claramente torpedear o funcionamento da Convenção”, declarou, por sua vez, Marcos Barraza, integrante do órgão encarregado da redação de uma nova Carta Magna em substituição à de força desde a ditadura. por Augusto Pinochet (1973-1990).

Barraza considerou a presença de López uma provocação e uma ameaça, com o agravante – disse – de que o convidado é um foragido internacional e tem causas pendentes.

Leopoldo López foi condenado em 2015 na Venezuela a 13 anos de prisão pelos crimes de instigação pública, associação para cometer um crime e por causar danos durante a onda insurrecional chamada La Salida, que deixou 43 mortos e centenas de feridos.

Promovido por medida substitutiva de privação de liberdade, violou o regime de prisão domiciliar em 30 de abril de 2019 e ingressou na residência do embaixador espanhol em Caracas, onde permaneceu até outubro de 2020, quando deixou o país ilegalmente para se estabelecer. Nação europeia.

Questionada sobre a presença de López na Convenção, a presidente daquele órgão, Elisa Loncón, declarou: “a verdade é que existe um setor da direita que sempre tentou boicotar o processo e não queremos que essa visita seja explorada para ataque à Convenção, porque o Chile está passando por um processo de acordo com sua natureza ”.

Enquanto isso, Fernando Atria, da Frente Ampla, denuncia que esse personagem vem ao Chile para participar de uma campanha para desacreditar tanto a convenção quanto o candidato de esquerda à presidência, Gabriel Boric.

López se encontrou aqui com o candidato do Palácio de La Moneda pelo Partido Republicano de extrema direita, José Antonio Kast, poucos dias antes da votação de 19 de dezembro.

rgh / carro

Os diferentes caminhos percorridos pelo Chile, Brasil e México antes do Covid-19.

O subsecretário de Prevenção e Promoção da Saúde do México, Hugo López-Gatell, acredita que o pico máximo da curva da pandemia de coronavírus no país será atingido entre os dias 8 e 10 de maio. Por outro lado, no México, eles relatam a possibilidade de reiniciar as aulas e a atividade produtiva a partir de 1º de junho. No entanto, o presidente Andrés Manuel López Obrador ressalta que esse cenário só será possível se todos continuarem cumprindo as medidas adotadas.

Eles avaliam o impeachment de Áñez por violar os direitos humanos dos compatriotas.

A secretária do Comitê de Direitos Humanos e Igualdade de Oportunidades da Câmara dos Deputados para o Movimento ao Socialismo (MAS), Sonia Brito Sandoval, disse nesta quarta-feira que está sendo avaliada a possibilidade de submeter o presidente de fato a julgamento político. , Jeanine Áñez, por violar o direito à vida, à saúde e à circulação dos compatriotas.

A declaração de Brito teve origem depois que o governo de fato ratificou sua decisão, pelo decreto 4.200, de manter as fronteiras fechadas e não permitir a passagem de aproximadamente 200 cidadãos bolivianos que estão na cidade de Huara, Chile, e na fronteira com Bolívia.

O argumento de Áñez é que permitir a entrada desses cidadãos bolivianos seria um “risco iminente” diante da possível disseminação do Covid-19 no território nacional.

Segundo o ministro da Defesa boliviano de fato, Luis Fernando López Julio, depois de uma visita à fronteira com o Chile, “o país será protegido ao fechar a fronteira adequadamente, 100% (…) cuidaremos da vida do grande maioria dos bolivianos ”.

Para o MAS e diferentes organizações sociais, essas declarações são contrárias à Constituição e violam o direito à vida dos 200 cidadãos que estão na fronteira, aguardando a ordem que lhes permite retornar às suas casas.

Sonia Brito@soniabrito07

Exigimos al gobierno de @JeanineAnez y @KarenLongaric la inmediata repatriación de nuestros hermanos bolivianos. La decisión inhumana y violatoria a los derechos humanos de no permitirlo será pasible a un juicio. Más aún cuando cierran fronteras a los pobres y abren a sus amigos

Durante seu discurso, a deputada Brito disse que “essa decisão parece absolutamente discriminatória, racista e desumana para nós, que não vamos admitir isso ao presidente. Se algo acontecer às pessoas que estão na fronteira, é de responsabilidade absoluta da senhora Áñez. “Além disso, ela esclareceu que é importante prestar assistência médica a essas pessoas para evitar possível contágio entre elas devido à pandemia que afeta muitos países do mundo.

Posteriormente, o prefeito de Colchane, uma cidade fronteiriça com a Bolívia no Chile, Javier García, criticou fortemente o presidente de fato, Áñez, pela falta de humanismo com seus cidadãos, lamentando “a fraca recepção de seus cidadãos e a falta de humanidade da humanidade”. autoridades do seu país “. Além disso, o presidente local destacou que essas pessoas estão dormindo ao ar livre em tendas, observando que menores, mulheres grávidas e idosos estão no local.

Até a presente data, o Ministério da Saúde boliviano registrou 115 casos positivos de Covid-19, sete pessoas falecidas e um paciente com alta.

Os chilenos desafiam o covid-19 a protestar contra Piñera.

O Ministério da Saúde chileno ativa protocolos de saúde para mitigar a possível disseminação da covid-19 em seu território. Em particular, proíbe eventos com mais de 500 pessoas. Ainda assim, no sábado, centenas de chilenos protestaram em violação às regras. As comunidades estudantis lideraram uma mobilização onde houve fortes confrontos.

O presidente do Chile se recusa a deixar o cargo e descarta o avanço das eleições.

O líder chileno, Sebastián Piñera, recusou-se a renunciar e descartou a possibilidade de antecipar as eleições. Foi assim que ele respondeu a um senador que propôs pôr um fim à crise que o país vive desde outubro passado. Piñera acrescentou que ele está de boa saúde e treinado para manter a posição.

Piñera afirma que lo peor de la crisis política chilena ya pasó

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, disse no domingo que o pior da crise na Nação “já passou”, enquanto a repressão e a morte de civis desarmados pelos Carabineros continuam.

Piñera defiende la gestión del director de Carabineros, el general Mario Rozas, “ha hecho todos los esfuerzos a su alcance para prevenir y evitar atropellos a los derechos humanos”, insistió el presidente.

“Estou convencido de que o ano de 2020 será muito melhor que o de 2019 e, além disso, estou convencido de que o pior desta crise acabou e agora temos que nos encarregar de aprender as lições para construir um país melhor entre todos” , disse o chefe de estado.

Após dois meses e meio de protestos contra o neoliberalismo e sua administração desaprovada no governo, o presidente enfatizou que em 2020 ele trabalhará para solucionar as demandas de milhões de chilenos que não pararam de sair nas ruas.

O chefe de Estado justificou a ação repressiva dos agentes de segurança e classificou como erro algumas ações “não havia sensibilidade suficiente para perceber isso, não tínhamos o senso de urgência necessário”, acrescentou.

Desde 18 de outubro, violações graves e múltiplas dos direitos humanos são geradas pela polícia, as quais são confirmadas pelo Instituto Nacional de Direitos Humanos (NHRI).

No entanto, Piñera defende que a direção do diretor de Carabineros, general Mario Rozas, “fez todos os esforços para impedir e impedir violações dos direitos humanos”, insistiu o presidente.

Além disso, o presidente anunciou que até 2020 serão realizadas reformas no sistema de pensão e saúde com o objetivo de reduzir as manifestações em massa.

Por seu lado, centenas de chilenos continuam se mobilizando exigindo um constituinte com participação inclusiva e acabando com as profundas desigualdades sociais sofridas pelos setores populares.

Sebastián Piñera, o presidente bilionário que se recusa a renunciar

Para muitos chilenos, Sebastián Piñera representa o setor mais privilegiado, que se beneficiou do modelo neoliberal que atualmente governa o Chile.

O presidente milionário
Para muitos chilenos, Sebastián Piñera representa o setor mais privilegiado que se beneficiou do modelo neoliberal atualmente em vigor no Chile e que aprofundou a divisão entre uma elite desconectada da classe média e da classe trabalhadora.

Sebastián Piñera vem de uma família privilegiada, seu pai era diplomata, e sua infância foi entre a Bélgica e Nova York (Estados Unidos), onde seu pai foi trabalhar no primeiro escritório fora do país da Corporação para a Promoção da Produção (Corfo). ), até que ele retornou ao Chile em 1954.

Depois de se formar em Economia com altas honras na Universidade de Boston, Piñera começou uma carreira como empresário, fazendo negócios com entidades públicas chilenas.

Piñera realizou trabalhos para a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL); Ele abriu sua própria empresa de construção, Toltén; e foi consultor do Banco Mundial (BM) e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Entre suas conquistas como empresário, Piñera apresentou os cartões de crédito Visa e MasterCard à empresa Bancard no Chile, assumiu a representação da Apple e comprou a companhia aérea Lan.

Ele também ingressou na propriedade da empresa de comunicação da Entel, era proprietária do canal Chilevisión e era até o maior acionista individual do Colo-Colo, o clube de futebol mais bem-sucedido do Chile.

A revista Forbes estima os ativos do presidente chileno em 2.700 milhões de dólares, em um país onde o salário mínimo é de 418 dólares e onde a renda per capita de 23.000 dólares por ano esconde profundas desigualdades.

Para a maioria dos 17 milhões de chilenos, o presidente é uma pessoa distante da cidade e que não conhece a realidade social e econômica do país.

Todos os lacaios! Grupo de Lima finge ignorar a vontade do povo da Venezuela

Los nefastos ministros de Relaciones Exteriores del denominado Grupo de Lima

Os nefastos ministros das Relações Exteriores do chamado Grupo de Lima

Em uma submissão vergonhosa e humilhante ao imperialismo norte-americano, os governos da Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia emitiram uma “Declaração” absurda na sexta-feira. para a próxima inauguração do presidente Nicolás Maduro, que acontecerá em Caracas no dia 10 de janeiro. Continuar a ler “Todos os lacaios! Grupo de Lima finge ignorar a vontade do povo da Venezuela”

Adeus a um ícone chileno da música como era e sempre será: Lucho Gatica.


De Fausto Triana
Santiago de Chile, 14 de novembro (PL) fez o bolero sua religião e se tornou famoso o mesmo em Cuba no México, mas ainda ultrapassado nos Estados Unidos, para se tornar o próprio ícone: Lucho Gatica, a marcação do luto de despedida em seu Chile natal.

Luis Enrique Gatica Silva acabara de completar 90 anos. Sua morte no México, onde ele morava, abalou as redes sociais em homenagem a uma das figuras essenciais da música romântica.

Ele ficou com Lucho Gatica para sempre e chegou ao firmamento de maneiras diferentes. Continuar a ler “Adeus a um ícone chileno da música como era e sempre será: Lucho Gatica.”

%d bloggers like this: