Quem é quem? UE recebe mais gás russo à medida que os EUA desviam o abastecimento para a Ásia .

#Gas #Rusia #EstadosUnidos #China #UnionEuropea

O bloqueio, um meio para assumir o controlo de Cuba .

#UnblockCuba #ElBloqueoEsReal #Cuba #XCubaYo #JornadaDeLaCulturaCubana

Por : Manuel Gonzalez Gonzalez

Em geral, quase todos nós já ouvimos falar do bloqueio americano a Cuba, mas infelizmente, nem todos estamos plenamente conscientes do alcance e das consequências desta prática política criminosa contra o povo cubano, que afecta todos os aspectos das suas vidas, privando-os de produtos ou tornando-os desnecessariamente caros. Uma prática que a Assembleia Geral da ONU tem vindo a condenar há décadas por uma esmagadora maioria de 184 votos contra os dois votos dos Estados Unidos e de Israel.

O documentário recentemente lançado, Unblock Cuba, permite-nos mergulhar no bloqueio de uma forma conveniente e didáctica. É um trabalho louvável realizado por um grupo de jovens na casa dos vinte anos, agrupados na Furor Producciones, dirigida por Sergio Gregori, que aos quinze anos de idade se viu face a face com o bloqueio e as suas consequências.

As declarações do antigo vice-presidente do KGB, Nicolai Leonov, que actuou como tradutor entre Nikita Kruchov e Fidel Castro em várias ocasiões, são inovadoras e interessantes. Através das suas palavras, podemos ver a crise dos mísseis cubanos e a relação entre Cuba e a União Soviética de uma forma que os filmes americanos nunca nos disseram.

Outra parte muito interessante deste trabalho é que nos mostra como a aplicação de sanções extraterritoriais do bloqueio se tornou uma arma económica dos Estados Unidos contra empresas europeias e espanholas que operam em Cuba, às quais líderes como o Alto Representante da UE Josep Borrell, o Eurodeputado e ex-Ministro dos Negócios Estrangeiros José Manuel García-Margallo e a Ministra da Indústria, Comércio e Turismo María Reyes Maroto protestaram.

Unblock Cuba é o título de um documentário sobre a história e consequências do bloqueio que os governos dos EUA têm vindo a aplicar ao povo cubano desde 1960, meses após o triunfo da revolução socialista cubana, que pôs fim ao colonialismo norte-americano na ilha. O bloqueio tem sido como uma segunda pele para a revolução cubana. Como tal, este filme é, em grande parte, um documento da história da revolução. Mas não só. Mostra como, antes da revolução, Cuba estava na mira dos Estados Unidos, que primeiro tentaram comprá-la à Espanha e depois utilizaram a derrota espanhola para se instalarem na ilha. Até à revolução.

Embora o documentário tenha sido feito com meios limitados, ganhou prémios e nomeações em mais de vinte festivais. Pode ser visto na Filmin ou adquirido no website da Furor Producciones (https://www.unblockcuba.es/). Estão também a realizar exibições em diferentes cidades de Espanha, geralmente ligadas a associações de amizade com Cuba.

O desbloqueio de Cuba terminou em 2019, pelo que o impacto que o bloqueio teve durante a pandemia não aparece, tal como o facto de não poderem comprar seringas suficientes para administrar as vacinas que foram capazes de criar. A este respeito, há outro documentário, The War Against Cuba, dirigido por Reed Lindsay e produzido por Oliver Stone, cuja terceira parte incide sobre a perversão do ataque do governo dos EUA à medicina cubana no meio da pandemia. Pode ser visto no Youtube.

Camaleões do dólar e a sua camuflagem cultural .

#ManipulacionMediatica #RedesSociales #SubversionContraCuba

Por Francisco Grass

Em alguns, muita arte, em outros, pouco, em todos, essa capacidade de mudar de cor à sombra do dólar, estendem-se e enrolam-se nos braços do “tipo” e “desinteressado” tio San, ou alguém é capaz de o negar?

Se nos distrairmos um pouco, eles vão numa viagem a Langley e depois voltam a “cantar”, “pintar”, elaborar roteiros de mudança de regime tóxico, ou levantar “a sua voz” para o “povo cubano” e “as suas necessidades”. Estes camaleões são “artistas” coloridos e “engraçados”.

Mas de que tipo de Arte estamos então a falar?

Penso que, ao contrário do que a maioria das pessoas entende por arte, estes camaleões decidiram fundar a sua própria “escola”, com um estilo muito particular. Caros Cubanos, parece que a arte agora consiste em manchar o rosto de José Martí com sangue de porco, desfigurar o seu rosto, mostrar uma estátua do Apóstolo com o cérebro para fora, ou talvez tocar a barriga enquanto usa a bandeira cubana para outros fins que não o seu uso original. Para alguns, por mais ilógico que possa parecer, isto é arte, liberdade de expressão e até democracia.

O que mais entendem estes camaleões artistas como arte, talvez canções como “Patria y Vida”, compatriotas, estas pessoas, se se derem a si próprios a vida e acreditarem pouco na Pátria, estão a vivê-la à custa do povo, teriam de ver as suas contas bancárias crescer mais rapidamente do que erva daninha. Enquanto cantam, supostamente em “nome do povo”, andam por aí a fazer selfies com Luis Almagro, ou a soprar ar com uma ventoinha com a bandeira dos EUA enquanto posam para uma fotografia, rodeados de fuzileiros norte-americanos, aplaudindo para que Cuba seja anexada ao império.

Surpreendentemente, o público imediato não é essencialmente o povo cubano, ou mesmo pessoas humildes, e do nada, personagens como Samantha Power e Julie Chung aparecem por magia. O primeiro, Director da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), promotor das intervenções militares na Líbia e na Síria. Este último, até Agosto de 2021, serviu como secretário adjunto interino para os Assuntos do Hemisfério Ocidental na administração Biden. Ambos, um par de “donzelas” mais do que “apoiantes” e atentos à situação interna de Cuba, supostamente familiarizados com a arte cubana e a popular música de dança latina. Quem poderia imaginar? Gostaria de ver Samantha Power e Julie Chung a dançar reggaeton.

Como é gira a arte moderna dos artistas camaleões, expondo “corajosamente” os problemas sociais, tudo por culpa do governo cubano, mas neste tipo de arte, em particular, os Estados Unidos parecem não ter nada a ver com a actual situação de privação e escassez sofrida pela maioria dos cubanos. Ao invés, é uma espécie de espectador subjugado pela situação, artistas finalmente, e alguns cubanos dando a impressão de serem “ingénuos” e “confusos”.

Agora recentemente outro camaleão manifestou o seu desejo de marchar para exigir o direito à liberdade de expressão, liberdade para alegados prisioneiros políticos, e outras questões associadas à “cultura”. No meio de uma pandemia, a arte decidiu demonstrar, mesmo que seja para exigir que Cuba seja anexada aos Estados Unidos, na cara, abertamente.

Este camaleão artista poderia também produzir um vídeo tutorial sobre como provocar uma explosão social por meios “legais” ou como aproveitar uma situação delicada para promover o caos, a desordem e a derrubada de um regime estabelecido pela vontade da maioria. Em suma, para onde quer que se olhe cheira a “arte”, é “cultura”, está a pensar no “bem comum”, e ao mesmo tempo ganha um visto e um pouco de dinheiro extra.

Qualquer pessoa pode ver que estes camaleões anseiam por saltar a lagoa. Porque não o fazem simplesmente? Aparentemente não é tão fácil, eles precisam de adquirir o estatuto de perseguidos pelo regime comunista, um jogo macabro e sinistro para aqueles que desejam jogar na lotaria da Florida, mas o que está em jogo é a Revolução.

Não podemos colocar o futuro da Pátria e sobretudo da Cultura Cubana nas mãos destes camaleões artistas que vivem à sombra da moeda que protege a maioria dos crimes no mundo, é a arte do apocalipse e são estes camaleões que preparam o contexto para os cavaleiros cavalgarem, trazendo fome, sofrimento, guerras, morte, doenças e com tudo isso a sua cultura anti-humana.

Ninguém no mundo quer o que os mestres destes camaleões propõem, nem nós cubanos. Respondamos com coragem contra o oportunismo que usa a arte e a cultura para levar aos povos a doutrina imperial e a sua inaceitável visão de desenvolvimento que necessariamente, como disse Fidel perante a ONU, nos leva a desaparecer como espécie biológica.

Apliquemos a frase de Marti “Ser culto para ser livre” e com esta filosofia libertemo-nos definitivamente das cadeias do colonialismo e do seu legado cultural sobre os nossos povos.

Leia também:

Yunior García Aguilera: E quanto aos direitos da maioria, não contam?

Um novo messias e uma democracia raptada

Yunior García Aguilera, o “patriota preocupado”.

Um Apelo ao Congresso dos EUA, ao Secretário-Geral da ONU e ao Papa .

#ElBloqueoEsReal #EliminaElBloqueoYa #PuentesDeAmor #SolidaridadConCuba

Joe Biden recusou-se a cumprir a sua promessa. Ele preferiu atender às exigências da ultra-direita cubana, que não votou nele, e nunca o fará, em vez daqueles que votaram nele na esperança de que ele fizesse a coisa certa.

Enquanto o bloqueio cubano é especialmente abominável no meio de uma pandemia feroz, Biden e o seu Secretário de Estado mantêm um BLOCKADE que nada faz para beneficiar o povo americano, razão pela qual exigimos a intervenção razoável, inteligente e compassiva do CONGRESSO dos EUA.

100 voces contra el Bloqueo”, una campaña en redes sociales para  sensibilizar de la necesidad de eliminar la política genocida e  injerencista de EEUU contra la isla | Embajadas y Consulados de Cuba

Esta política, para além de ignorar o voto maioritário das Nações Unidas contra o bloqueio de Cuba, afecta as RELAÇÕES INTERNACIONAIS dos EUA com os seus aliados de longa data e prejudica expressamente a responsabilidade desta nação perante o resto do mundo, razão pela qual solicitamos a intervenção do SECRETÁRIO GERAL DA ONU António Guterres.

Joe Biden vangloria-se da sua devoção à FÉ CATÓLICA, mas a sua atitude e acções destinadas a sufocar um povo no desespero da fome e da falta de medicamentos nada tem a ver com uma fé de amor e compaixão, razão pela qual pedimos a intervenção do POPE de Roma.

O bloqueio MATULA e deve terminar agora. As 243 sanções adicionais impostas por Donald Trump agravam o genocídio contra um povo digno que desperdiçou a solidariedade em todo o mundo. DEIXA CUBA VIVER! FAÇA A COISA DIREITA!

A crueldade contra os cubanos é total e não contra o governo, como eles justificam.

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #MafiaCubanoAmericana

Por Arthur González

Aconselhado por senadores anti-cubanos, Democratas e Republicanos, o Presidente Joe Biden mantém todas as sanções aplicadas por Donald Trump contra Cuba, e não cumpre as suas promessas de campanha.

O corrupto senador democrata Bob Menendez e o seu aliado republicano Marco Rubio, membros da máfia terrorista anti-cubana, pressionam-no a manter intacta a política de Trump, dos altos cargos que ocupam em importantes comissões senatoriais, na esperança de destruir a Revolução Cubana, enquanto desfrutam do sofrimento do povo cubano, face à supressão das remessas familiares, à proibição dos voos dos Estados Unidos para as províncias da ilha, ao corte do intercâmbio cultural e ao não cumprimento do programa de imigração, incluindo os vistos de reagrupamento familiar e a lotaria internacional.

Menéndez, num discurso recente no Senado, disse: “A política de Barack Obama em relação a Cuba foi um erro que não deveria ser partilhada” e pediu ao Presidente Bidel para aprovar mais sanções, o que ele fez sem pensar que é o povo que paga por tais decisões.

A falta de sentimento na política ianque é evidente na manipulação da emigração legal dos cubanos, que sofrem os excessos desse governo que não tem misericórdia de milhares de famílias, separadas desde que a CIA, sob a direcção de Mike Pompeo, propôs Trump o plano para justificar o encerramento da missão diplomática em Havana, aprovada por Obama, como o culminar da restauração das relações, facto que enfureceu a máfia anti-cubana.

Este plano consistiu no fabrico de ataques acústicos inexistentes e na mentira de que estes “afectaram” a saúde dos seus diplomatas, que “por coincidência” são funcionários da CIA, facto que serviu de pretexto para encerrar o consulado e, por conseguinte, dificultar a obtenção de um visto para aqueles que desejam viajar para os Estados Unidos.

A crueldade dos Yankees não tem paralelo e é demonstrada na ausência de humanismo com a emissão de vistos, inclusive para os vencedores cubanos da lotaria internacional lançada anualmente pelo Departamento de Estado, cerca de 55.000 vistos para todo o mundo e um pouco mais de mil para Cuba.

Estes vistos devem ser concedidos dentro de um ano fiscal, caso contrário perdem-se, algo que acontece com os cubanos que têm de viajar para a Guiana para serem entrevistados no consulado dos EUA, uma situação que aumenta os custos para qualquer cidadão, e não apenas para os cubanos.

Esta odisseia foi agravada pela pandemia de Covid, que reduziu os voos internacionais e o encerramento temporário das embaixadas, uma situação que comprometeu os sonhos dos cubanos de poderem obter autorização para emigrar legalmente e reunir-se com os seus familiares mais próximos.

Para Menéndez e Rubio, ambos filhos de emigrantes cubanos, esta angústia não lhes interessa, prova da sua falta de humanidade para aqueles que vivem separados, devido a uma política que não faz sentido.

O mesmo acontece com o acordo migratório em vigor entre os Estados Unidos e Cuba, onde prometeram conceder não menos de 20.000 vistos por ano, também não cumpridos desde a tomada de posse de Trump e prometeram à máfia anticubana aumentar a hostilidade contra o povo cubano, que recebe directamente os efeitos de todas as sanções.

A crueldade contra os cubanos é total e não contra o governo como eles justificam, uma situação palpável no cancelamento de vistos múltiplos por cinco anos por Trump, juntamente com o congelamento da emissão de muitos cartões de residência permanente, incluindo os vistos da lotaria internacional, popularmente conhecida como a Lotaria.

O Congresso dos EUA, tão “preocupado” com a situação dos direitos humanos na ilha, não tomou medidas com os vencedores da lotaria cubana que perderam os seus vistos a 30 de Setembro, quando não foram recebidos no consulado da Guiana, uma situação que não é da responsabilidade dos vencedores.

Estes congressistas só estão interessados em retratar um governo revolucionário como um “violador dos direitos humanos”, mas o povo pode ir para o inferno, não é problema deles. É por isso que continuam a não pressionar Biden para que as remessas familiares para Cuba sejam retomadas, apesar de o governo dos EUA as ter acabado de aprovar para o Afeganistão, onde existe um poder acusado de ser terrorista e traficante de droga.

No entanto, para aqueles que entram ilegalmente nos Estados Unidos através da fronteira mexicana, ou deixam uma equipa desportiva e declaram ao funcionário do Serviço de Imigração que “fogem do comunismo”, são imediatamente admitidos, porque serve de propaganda contra a Revolução Cubana que tanto odeiam, por não se ajoelharem perante as ordens ianques e resistirem à impiedosa guerra económica, comercial e financeira, que visa matar à fome um povo inteiro, quer simpatizem ou não com o socialismo.

Depois falam cinicamente de “humanidade e preocupação” com o povo cubano.

José Martí tinha toda a razão quando escreveu em 1884:

“O Partido Democrata, onde governa, ensina corrupções iguais às que desacreditam os republicanos”.

#ParaísosFiscais, #Lasso, #Piñera e #Abinader, a #CaixaDePandora está aberta ..

#ParaisosFiscais #PapelesDePandora

A extensa investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) revelou no domingo que 14 líderes mundiais e 21 outros líderes que desde então deixaram o poder esconderam bens e rendimentos no valor de milhares de milhões de dólares para evitar pagar impostos em paraísos fiscais.

Os ficheiros vazados, apelidados de Pandora Papers, incluem 35 líderes mundiais – ainda no poder ou reformados – e mais de 300 funcionários públicos em todo o mundo que detêm bens em ou através de paraísos fiscais.

Os Documentos de Pandora incluem, entre outros estadistas, os três actuais líderes latino-americanos: o Presidente do Equador, Guillermo Lasso, o Presidente do Chile, Sebastián Piñera e o líder da República Dominicana, Luis Abinader. Além disso, as fugas incluem outros altos funcionários latino-americanos: 11 presidentes reformados, 90 políticos de alto nível e um governador de um banco central.

Guillermo Lasso
De acordo com os documentos divulgados, o Presidente equatoriano Guillermo Lasso teve ligações a 10 empresas offshore e trusts no Panamá e nos estados americanos do Dakota do Sul e Delaware: Bretten Trust, Liberty US Trust, Bernini Foundation, Bretten Holdings, Da Vinci Foundation, Fundación Bienes Raíces, Nora Group Investment Corp, Pietro Overseas SA, Positano Trade LLC e Tintoretto International Foundation.

Bretten Trust e Liberty US Trust foram criados em 2017, e a Lasso autorizou a transferência para esses dois trusts de empresas operadas por duas fundações de interesse privado panamenses, denominadas Bernini e Barberini. De acordo com as regras de cada fundação, seriam feitas distribuições mensais aos beneficiários após a morte de Lasso, incluindo $20.000 à sua esposa, $2.000 aos seus filhos e $1.500 ao seu irmão.

Lasso disse ao ICIJ que não tem “nenhuma relação de propriedade, controlo, benefício ou interesse de qualquer tipo” com o Bretten Trust e o Liberty US Trust e que sempre cumpriu a legislação equatoriana que proíbe candidatos e funcionários públicos de deter empresas em paraísos fiscais.

As outras entidades mencionadas foram dissolvidas e, tal como confirmado pelo presidente do país latino-americano, não têm actualmente existência legal, enquanto que a utilização passada de qualquer entidade internacional era legítima.

Luis Abinader
O presidente dominicano está ligado a duas empresas panamenhas: Littlecot Inc. e Padreso SA, criada antes de a Abinader assumir a presidência do país em 2020. Os ficheiros indicam que as acções eram inicialmente “acções ao portador”, um mecanismo que permitia esconder a identidade dos proprietários das acções.

No entanto, em 2015, uma lei panamenha obrigou as empresas a revelar os nomes dos proprietários de tais títulos. Em 2018, um representante da família presidencial enviou um documento ao prestador de serviços offshore Overseas Management Corp. Nele, os irmãos de Abinader foram listados como accionistas da Littlecot Inc e da Padreso SA em vez de “al tenedor”.

Por seu lado, o presidente dominicano esclareceu ao ICIJ que a Littlecot Inc. possui uma propriedade familiar na República Dominicana, enquanto que a Padresso SA detém acções em seis outras entidades com propriedades e extensões da universidade privada propriedade da sua família.

Quanto às acções ao portador, a Abinader esclareceu que as entidades em questão foram criadas “por consultores que contratámos para comprar as empresas nestas jurisdições (neste caso, o Panamá)”. Explicou também que estes tipos de títulos eram utilizados para “facilitar as transacções comerciais com clientes e reduzir os obstáculos administrativos para as empresas durante a constituição”.

Paralelamente, o líder salientou que é proprietário de entidades “offshore”, uma vez que a utilização de entidades dominicanas para “comprar bens ou trocar bens no estrangeiro costumava ser um desafio (e ainda é) devido à falta de reconhecimento que estas empresas têm em jurisdições estrangeiras”.

Entretanto, o porta-voz presidencial Homero Figueroa reagiu aos Pandora Papers na sua conta do Twitter, observando que a informação hoje divulgada reconhece “a transparência do presidente”.

Sebastián Piñera
O inquérito jornalístico aponta para o facto de que o actual presidente chileno Sebastián Piñera esteve envolvido em várias empresas offshore. Os filhos de Piñera detinham 33,3% das acções do projecto mineiro Dominga. Em Dezembro de 2010, quando Piñera já era presidente há nove meses, a sua família vendeu as suas acções na empresa mineira ao empresário Carlos Alberto Délano, um dos amigos de infância de Piñera. A venda foi feita através de duas empresas de fachada registadas nas Ilhas Virgens Britânicas.

A venda foi selada com dois minutos: um assinado no Chile por 14 milhões de dólares e o outro no mesmo paraíso fiscal por 138 milhões de dólares. O pagamento deveria ser feito em três prestações, mas com uma contingência: o último pagamento só seria feito se o governo chileno não declarasse a área de operações do projecto Dominga como um santuário natural. O governo de Piñera decidiu não promover a iniciativa ambiental e assim a terceira parcela foi desembolsada.

Esta decisão do governo Piñera foi precedida por outra: em Março de 2010, o presidente anunciou o cancelamento da construção da central termoeléctrica de Barrancones, após uma onda de protestos de ambientalistas. O projecto foi encerrado apesar de ter as licenças para funcionar. Na altura, não se sabia que Piñera estava envolvido no projecto Dominga, segundo o Centro de Investigación Periodística (CIPER, Chile).

Além disso, os jornais publicados revelam que alguns dias antes de Piñera tomar posse em 2018, a empresa Parque Chiloé Overseas Inc. (Parque Chiloé Overseas Inc.). (registado nas BVI e ligado a ele) fundiu-se com o Parque Chiloé SA do Chile. Esta última foi então absorvida por outra entidade chilena, Inversiones Odisea, onde quatro dos filhos do presidente possuem acções.

Entretanto, o gerente das empresas familiares de Piñera, salientou aos investigadores que o inquilino de La Moneda não participou, nem tinha conhecimento dos detalhes da compra e venda do projecto Dominga. Ao mesmo tempo, ele especificou que nem Piñera, nem nenhum dos seus familiares directos têm controlo sobre empresas registadas nas IVB.

A Presidência chilena já emitiu uma declaração explicando, entre outras coisas, que a venda do projecto Dominga já foi objecto de uma investigação e que o Ministério Público “recomendou que o caso fosse encerrado devido à inexistência de um crime”.

Por seu lado, o jornalista Marco Teruggi salientou que é difícil processar os evasores fiscais, um facto que, na sua opinião, contribui para a desigualdade na América Latina. “Num continente tão desigual, em vez de contribuir para situações de necessidades extraordinárias – como as causadas pela pandemia – estas grandes fortunas decidem fugir para evitar pagar os seus impostos e, portanto, não contribuir para o bem comum”, disse ele.

Tomado de RT

BIDEN É O MESMO QUE TRUNFO MAS COM UM DISFARCE DIFERENTE.

#DerechosHumanos #InjerenciaDeEEUU #ONU #OEA

Por Redacción Razones de Cuba

Muito se diz sobre como a administração de Joe Biden é diferente da de Donald Trump, tanto em substância como em forma. Talvez na retórica haja uma mudança de paradigma; no entanto, a mesma postura excepcionalista ainda é transportada como um cartão de visita, um comportamento típico da natureza imperial de qualquer administração da Casa Branca.

Embora tentem distanciar-se formalmente, o presidente democrata demonstra que prossegue algumas das políticas mais controversas do magnata republicano. Especialmente quando se trata de imigração e política externa, mesmo que muitas pessoas ingénuas ainda recitam o catecismo actual dos meios de comunicação social dos EUA.

Tomemos alguns casos e argumentos para mostrar que não existe tal quebra fundamental nas linhas fundamentais dos dois últimos ocupantes da Casa Branca sobre estas duas questões.

IMIGRAÇÃO CRIMINALIZADA
Recentemente, a fotografia de um polícia cowboy a chicotear um imigrante haitiano perto da fronteira sul dos EUA causou indignação (quase) em todo o mundo, pois mostrou que o que a liderança do Partido Democrata criticou a anterior administração republicana por tanta coisa continuava a acontecer sem contrição: o tratamento criminalizante dos imigrantes nos Estados Unidos.

Mas pouco se tem dito sobre os pormenores do caso. Para além da famosa fotografia, a administração Biden mudou-se para expulsar migrantes acampados debaixo de uma ponte em Del Rio, Texas.

Milhares de migrantes, muitos deles originários do Haiti, acamparam em condições esquálidas durante mais de uma semana.

O plano governamental baseia-se numa política controversa da era Trump implementada nos primeiros dias da pandemia para acelerar as remoções. O plano de afastamento baseia-se numa lei de saúde pública raramente utilizada, conhecida como Título 42. As autoridades de imigração dizem que uma ordem de saúde pública dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) permite-lhes afastar rapidamente os migrantes que atravessam a fronteira sem lhes dar uma oportunidade de requerer asilo.

Embora o Presidente Biden tenha tomado posse prometendo um sistema de imigração mais humano, a sua administração continuou a utilizar a política do Título 42 e defendeu-a em tribunal, apesar da crescente pressão dos defensores dos direitos humanos nos EUA.

A administração Trump há muito que defendia que os migrantes que atravessavam a fronteira sul não se qualificavam como refugiados fugidos de perseguições e, por conseguinte, não estavam protegidos pela lei de asilo dos EUA.

Em Março de 2020, com a cobiça a alastrar rapidamente naquele país, o governo de então decidiu invocar o Título 42 para fixar a fronteira.

O governo removeu cerca de 9.000 crianças desacompanhadas que atravessaram a fronteira perante um juiz federal que emitiu uma injunção preliminar em Novembro com o objectivo de pôr termo à prática. O Juiz Emmet Sullivan disse que o Título 42 permite aos funcionários bloquear a entrada de não-cidadãos portadores de doenças, mas não permite a remoção de pessoas. Mas isso não parou de acelerar as remoções.

A administração Biden estabeleceu excepções para as crianças migrantes não acompanhadas. Permitiu que a maioria dos pais e filhos chegassem juntos para pedir asilo. Mas tem continuado a remover muitas outras, incluindo algumas famílias e dezenas de milhares de adultos solteiros que atravessam a fronteira.

Existe um litígio judicial que ordena uma suspensão semelhante sobre a utilização do Título 42 para devolver as famílias com crianças, estabelecendo um prazo de duas semanas para a administração cumprir. A administração Biden está a recorrer dessa decisão.

Enquanto a administração Biden defende a utilização do Título 42 como medida de segurança pública para travar a propagação da covid-19, médicos e defensores dos imigrantes acusaram que tal posição é simplesmente um pretexto para tirar rapidamente os imigrantes do país, sendo o exemplo mais recente aqueles que se abrigam sob a ponte internacional no porto de entrada de Del Rio.

Os defensores dos imigrantes afirmaram que continuarão a lutar em tribunal para pôr fim ao Título 42, afirmando que é particularmente cruel aplicá-lo neste caso, uma vez que o Haiti ainda está a recuperar de um recente terramoto e tumulto político na sequência do assassinato de Jovenel Moïse, no qual as agências norte-americanas terão estado alegadamente envolvidas.

Assim, a administração Biden luta nos tribunais para preservar uma das políticas fronteiriças mais odiadas da administração Trump.

Isto não é surpreendente considerando que o número de imigrantes detidos pela Immigration and Customs Enforcement (ICE) aumentou em 70% sob o mandato de Biden. Quando tomou posse, o número de imigrantes sob custódia federal estava a um mínimo de 20 anos.

Desde o último trimestre de 2001 até ao presente, mais de 5,8 milhões de pessoas foram encarceradas nas prisões de imigração dos EUA.
Não só o número de detidos em questão está a aumentar, como as crianças continuam presas, quase 15.000 por dia, em instalações e bases militares de grande escala. Estas condições têm sido exacerbadas pela pandemia. Os críticos do ICE alegam que pouco tem feito para manter a covid-19 à distância, espalhando infecções não só dentro das prisões de imigração, mas também nas comunidades vizinhas e para outros países através das deportações de milhares de imigrantes.

POLÍTICA EXTERNA A LA CARTE
É verdade que o tom de Donald Trump foi sempre beligerante em relação aos assuntos internacionais, mas ele fez o seu melhor para não iniciar quaisquer novas guerras (embora o assassinato do General Qassem Soleimani em Janeiro de 2020, o furto flagrante de petróleo sírio e o apoio aos sauditas contra o Iémen tenha sido um incitamento ao mesmo no Sudoeste Asiático).

Não sabemos se Biden planeia estabelecer quaisquer novas guerras, para além do pivot para a contenção militar asiática (China-Rússia), mas é verdade que ele cumpriu o mandato estabelecido por Donald Trump para deixar o Afeganistão com os Taliban a tomar as rédeas do governo, acordado em Fevereiro de 2020.

Tanto Biden como Trump foram, durante vários anos, contra a então longa ocupação do Afeganistão; que ambos fizeram da retirada dos EUA desse território geopolítico chave um objectivo da sua administração mostra claramente uma continuidade de políticas na área internacional e militar.

De facto, a administração Biden moveu-se unilateralmente, tal como o seu antecessor, tanto no Afeganistão como noutras arenas, e foi criticada pelos seus pares europeus e mesmo no seio da OTAN, uma vez que os EUA tomaram medidas descoordenadas com os seus aliados em diferentes arenas.

Por exemplo, o anúncio surpresa de um acordo dos EUA, juntamente com a Grã-Bretanha, para ajudar a Austrália a construir submarinos movidos a energia nuclear a serem utilizados contra a China nos próximos anos, provocou a indignação dos franceses, que perderam um contrato lucrativo de 66 mil milhões de dólares para o fornecimento de submarinos movidos a diesel.

Neste caso, diz o jornalista e analista Patrick Cockburn num artigo publicado há alguns dias, “Biden comportou-se na verdadeira tradição Trump de causar maior indignação a um aliado do que consternação a um potencial inimigo”.

“Esta decisão brutal, unilateral e imprevisível faz-me lembrar muito do que o Sr. Trump costumava fazer”, disse o Ministro dos Negócios Estrangeiros francês Jean-Yves Le Drian. “Estou zangado e amargo. Isto não se faz entre aliados. É realmente uma facada nas costas”.

Tanto a retirada precipitada dos EUA do Afeganistão como o novo acordo entre os EUA, Reino Unido e Austrália (chamado AUKUS) são uma imagem clara do que Cockburn descreve:

“Biden, que estava cheio de retórica ‘América está de volta’ no início da sua presidência, está agora a tratar alguns dos seus aliados com a mesma arrogância que Trump alguma vez tratou”.

Existem também outras áreas em que Biden parece estar a seguir as políticas de Trump, tais como a sua relutância em aderir de novo ao acordo nuclear iraniano da JCPOA, que prometeu fazer, e que já deveria ter feito se fosse essa a sua vontade. A eleição de Ebrahim Raisi para a presidência da República Islâmica da linha dura foi uma reacção a isto: o fracasso de Biden em aderir ao acordo.

Agora o governo iraniano está em posição de assumir a liderança em possíveis negociações nucleares num futuro próximo, graças ao Trumpismo de Biden.

Poder-se-ia também argumentar que, independentemente de quem se sentar na cadeira presidencial na Sala Oval, a política externa dos EUA será dominada por outras forças que não representam e apoiam precisamente a diplomacia e o direito internacional, tais como o complexo militar-industrial e os decisores nas agências de segurança e inteligência do tipo CIA e ANS. Este tem sido o caso pelo menos desde alguns anos antes da era Eisenhower, que alertou para os grandes contratos militares que o governo federal e o Congresso estavam a celebrar com grandes empresas privadas, ainda hoje beneficiárias das intermináveis guerras dos EUA.

Mas vale a pena notar que existe uma continuidade, e não uma pausa, como o New York Times e outros meios de comunicação social do império americano, que pode ser vista como um legado de como as coisas são feitas na Casa Branca dos últimos tempos, nas vésperas de um mundo cada vez mais multipolar.

Extraído da Missão Verdade

O declínio dos Estados Unidos: um ponto de vista académico dominante.

#InjerenciaDeEEUU #CampañasMediaticas #China #EconomiaMundial

Por: Atilio Borón

Até há poucos anos atrás, nós, críticos do imperialismo dos EUA, éramos tradicionalmente ignorados pelos especialistas, académicos e os meios de comunicação social. Fomos acusados de sermos “ideológicos” e desrespeitosos das realidades da cena internacional, ou, em alguns casos, marginalizados; acusados de sermos apenas panfletários “antiamericanos” vociferantes que não mereciam qualquer consideração na opinião pública ou no mundo académico. No entanto, já não é este o caso.

HOJE, A LITERATURA QUE EXAMINA AS MUITAS DIMENSÕES DO DECLÍNIO DA AMÉRICA É IMENSA E ESTÁ A CRESCER A CADA HORA QUE PASSA. SURPREENDENTEMENTE, MUITOS À ESQUERDA AINDA SE AGARRAM À VELHA CONCEPÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS COMO UM PODER OMNIPOTENTE E INVENCÍVEL, QUE É AGORA UM RETRATO DO PASSADO.

A fim de exemplificar o verdadeiro estado do império americano, passarei em revista brevemente o artigo que Richard Haass publicou no início deste ano (11 de Janeiro de 2021) em Foreign Affairs. Haass está longe de ser um professor obscuro de Relações Internacionais ou um esquerdista convicto, sem uma audiência de massas.

Pelo contrário, ele é um pensador altamente influente no estabelecimento da política externa dos EUA. Durante quase duas décadas, presidiu ao mais importante grupo de reflexão sobre política externa dos Estados Unidos: o Council on Foreign Affairs. Anteriormente, como diplomata consumado, foi Director de Planeamento Político no Departamento de Estado e colaborador próximo do Secretário de Estado de George W. Bush, Colin Powell. Haass não é apenas um académico refinado – tem um doutoramento de Oxford; foi também um defensor convicto da infame “guerra ao terror” lançada pela Casa Branca após os ataques de 11 de Setembro de 2001.

Na verdade, o artigo que agora discutimos foi publicado na principal revista americana de política externa. O título da sua contribuição, “Presente na Destruição”, resume bastante bem a sua visão pessimista da política externa dos EUA e a diminuição do papel dos Estados Unidos na actual cena internacional.

O seu artigo foi escrito sob as sombrias impressões deixadas pelos acontecimentos de 6 de Janeiro no Capitólio, em Washington DC. Haass salienta, com razão, que as consequências e implicações do assalto por bandos de extrema-direita nos recintos da soberania popular nos Estados Unidos transcenderiam a esfera doméstica.

FOI UM GOLPE DEVASTADOR PARA A IMAGEM EXEMPLAR DOS ESTADOS UNIDOS COMO O “LÍDER NATURAL” DO CHAMADO MUNDO LIVRE E O MODELO A SER EMULADO POR TODOS OS PAÍSES QUE LUTAM PARA SE EMANCIPAREM DAS AUTOCRACIAS QUE OS OPRIMIRAM DURANTE SÉCULOS. ESTA CONFIGURAÇÃO DE CIRCUNSTÂNCIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS ASSINALA, SEGUNDO O NOSSO AUTOR, O ADVENTO DE UM “MUNDO PÓS-AMERICANO, UM MUNDO QUE JÁ NÃO É DEFINIDO PELA PRIMAZIA DOS ESTADOS UNIDOS”.

Uma situação negativa, acrescenta, que “vem mais cedo do que geralmente se esperava, não tanto devido ao inevitável aumento de outras potências, mas por causa do que os Estados Unidos fizeram a si próprios”. O resultado final desta série de acontecimentos, entre os quais a desastrosa administração de Donald Trump desempenha um papel crucial, é um “acentuado declínio da influência dos EUA, em benefício da China, Irão e Rússia”.

Haass tenta aliviar a ansiedade que a sua opinião poderia produzir entre os seus concidadãos, assegurando-lhes que mesmo no “mundo pós-americano, o poder e a influência dos EUA continuam a ser substanciais”. Mas ele qualifica subtilmente a sua afirmação afirmando que a crença tradicional no “excepcionalismo americano” deve ser definitivamente arquivada.

Após a invasão do Capitólio, perdeu-se uma componente decisiva do “poder suave” dos EUA: a ideia de que a democracia americana é um exemplo brilhante (e intemporal) para o resto do mundo. O país tem agora de enfrentar, com recursos de poder reduzidos, “grande rivalidade de poder” (China e Rússia, antes de qualquer outro), bem como desafios globais complexos como as alterações climáticas, doenças infecciosas e pandemias futuras, grandes migrações de pessoas (deslocadas por guerras, secas, inundações, pobreza, crises políticas), proliferação nuclear, terrorismo e ameaças cibernéticas.

A mensagem do artigo é clara e simples: “um mundo ‘pós-americano’ não será dominado pelos Estados Unidos, mas isso não significa que tenha de ser liderado pela China ou definido pelo caos”. A China emerge como o grande inimigo, já não é apenas um concorrente económico. A Nova Guerra Fria está aqui e os diplomatas americanos não pouparão esforços para convencer – ou chantagear – os líderes de muitas nações de que a escolha é entre os Estados Unidos ou a China. E, se eles não fizerem a escolha certa, certamente reinará o caos. Esperemos que não sejam bem sucedidos nessa campanha.

Tirado de CubaDebate

Para além da vassalagem aos EUA e Celac: a razão pela qual a OEA vai desaparecer.

#EUA #OEA #CELAC #EconomiaMundial #UnionEuropea #CHINA

Javier Buenrostro, historiador por la Universidad Nacional Autónoma de México y McGill University.

Javier Buenrostro, historiador por la Universidad Nacional Autónoma de México y McGill University.

A 18 de Setembro, o México acolheu a VI Cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e das Caraíbas (CELAC), dois dias após a celebração da independência do México. Havia muitas expectativas para esta reunião em que participaram 31 nações e onde se especulava que a substituição de uma Organização dos Estados Americanos (OEA) obsoleta e decadente, uma organização que nasceu em 1948 para proteger os interesses dos Estados Unidos durante a Guerra Fria no quadro dos acordos de Bretton Woods, a criação do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial e a imposição do dólar como moeda internacional de referência, poderia ser discutida em profundidade.

A OEA teve a sua quota-parte de baixos e altos na sua história, embora tenham existido mais vales do que picos. Um dos pontos mais baixos foi em Punta del Este (Uruguai) em 1962, quando foi decidido expulsar Cuba da organização, sendo o México e a própria Cuba as únicas nações a votar contra a resolução. Nos últimos anos, desde a liderança de Luis Almagro, a OEA tem demonstrado ser um organismo profundamente parcial a favor da direita latino-americana e dos interesses regionais dos Estados Unidos. Um caso em questão é o envolvimento da OEA e de Luis Almagro no golpe de Estado sofrido por Evo Morales na Bolívia, que só pôde ser revertido graças ao apoio esmagador do povo boliviano ao Movimento para o Socialismo (MAS) nas eleições seguintes.

A 6ª Cimeira Celac teve momentos de alguma intensidade, especialmente devido aos confrontos verbais entre os Presidentes Miguel Díaz-Canel (Cuba) e Nicolás Maduro (Venezuela), por um lado, e Luis Lacalle Pou (Uruguai) e Mario Abdo Benítez (Paraguai), por outro. A ausência do Brasil, devido à decisão da direita Jair Bolsonaro de sair no ano passado, e a participação precipitada da Argentina, devido ao cancelamento de Alberto Fernández no último minuto e à demissão a meio do evento do Ministro dos Negócios Estrangeiros Felipe Solá, também deixaram a sua marca na reunião internacional.

Mas a mensagem mais importante do Celac veio de fora da América Latina. O Presidente da China, Xi Jinping, foi o único convidado de fora da nossa área geográfica a dar uma mensagem, e este convite veio do México, o país anfitrião, que também detém a presidência pro tempore da Celac e, ao mesmo tempo, é um vizinho e importante parceiro comercial dos Estados Unidos. Uma combinação e tanto.

“O capitalismo tal como o conhecemos está em crise e a ordem global está a mudar a um ritmo acelerado, mantendo a direcção anteriormente prevista. E isto é que a China acabará por ser o actor económico global mais importante nas próximas três décadas”.

As críticas ao Presidente López Obrador da direita mexicana e ao conservadorismo não tardaram a chegar. Os condenados ao desastre mencionaram que a presença dos presidentes de Cuba, Venezuela e sobretudo da China durante a cimeira poderia fazer explodir as relações com os Estados Unidos. Estas opiniões mostram não só que a direita mexicana adoraria manter uma relação de vassalagem com os Estados Unidos, mas também a sua incapacidade de compreender que o mundo está a mudar e que não é o mesmo que foi durante a Guerra Fria, especialmente depois da pandemia de Covid-19.

Todas as análises económicas concordam que o mundo sofreu a pior recessão económica desde a Grande Depressão. O capitalismo tal como o conhecemos está em crise e a ordem global está a mudar a um ritmo acelerado, embora na direcção anteriormente prevista. E isto é que a China acabará por ser o actor económico mais importante do mundo pelo menos durante as próximas três décadas.

Mexico President Andres Manuel Lopez Obrador(C) poses for a photo with leaders and prime ministers during the summit of the Community of Latin American and Caribbean States (CELAC), at the National Palace in Mexico City, Mexico September 18, 2021. Mexico’s Presidency/Handout via REUTERS ATTENTION EDITORS – THIS IMAGE HAS BEEN SUPPLIED BY A THIRD PARTY. NO RESALES. NO ARCHIVES

Dois acontecimentos paralelos à Cimeira do Celac confirmam isto. A primeira é que o Grupo Evergrande, até há pouco tempo o maior promotor imobiliário do mundo, está perto da falência com mais de 300 mil milhões de dólares de passivo. O que é impressionante é que, apesar dos números espantosos, os analistas excluíram uma crise financeira global como a que ocorreu em 2008 com o colapso da empresa americana Lehman Brothers. Parece que o problema ficará na China não só porque Evergrande tem lá a maior parte das suas dívidas, mas também porque a economia chinesa é capaz de absorver e lidar com esta crise financeira. Esta é a dimensão da economia e da capacidade financeira da China, se ainda tivéssemos dúvidas.

O outro facto que chamou a nossa atenção foi o discurso de Joe Biden à Assembleia Geral da ONU há alguns dias atrás. Biden foi muito claro que os EUA não querem uma nova Guerra Fria com a China ou um mundo dividido em blocos rígidos e, embora ele defendesse uma concorrência vigorosa com outras potências, evitou o discurso duro e confrontativo utilizado por Donald Trump. Biden era consciente e cauteloso face à nova realidade global que já é evidente aos olhos do mundo, com excepção de certos conservadores antiquados que ainda pensam que vivemos no mundo que foi forjado no pós-guerra, há mais de setenta anos.

Nem os acordos de Bretton Woods, nem o mal denominado Consenso de Washington, nem o Fundo Monetário Internacional, nem o Banco Mundial, nem a dolarização da economia são já os princípios orientadores da economia mundial, nem devem ser as vozes orientadoras das organizações internacionais, nem devem ser as vozes orientadoras da política externa na América Latina. A OEA já está morta e o seu coveiro não será o CELAC, mas a ordem económica mundial que lhe deu origem e que agora também está defunta.

A nova ordem, pelo menos no futuro imediato, será baseada no multilateralismo, mas na qual a China desempenhará um papel preponderante ao lado dos Estados Unidos, que também manterão um papel de liderança. O unilateralismo não é uma opção e a cooperação internacional terá de se tornar uma realidade e deixar de ser puro discurso e boas intenções.

López Obrador deu um passo nesta direcção na Cimeira Celac, convidando os restantes participantes a construir algo semelhante no continente americano à Comunidade Económica que deu origem à actual União Europeia. Ou seja, criar um corpo mais equitativo e plural e não apenas um que sirva os interesses dos Estados Unidos. Isso já não funciona na realidade.

Extraído de RT

Descobre as importantes revelações que os amigos maçónicos me enviaram.

#RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #CubaNoEsMiami #Covid-19