Con Filo: A neutralidade impossível (+ Vídeo)

As redes sociais são também uma arma de colonização ideológica, prometem ser uma ferramenta para dar voz, quando na realidade o que fazem é legitimar a voz principal, e quase sempre “pagadora”, e desacreditar as restantes.

Sobre as redes sociais (digitais), “aquele paraíso da liberdade” onde interagimos todos os dias, falamos hoje em Con Filo.
Em vídeo, o programa

O secretário de Estado espanhol para a Ibero-América e o Caribe perdeu a memória.

Por Arthur González.

Juan Fernández, secretário de Estado espanhol para a Ibero-América e o Caribe, ex-embaixador da Espanha em Cuba entre 2018 e 2020, mostra uma perda total de sua memória, demonstrada em sua “preocupação” expressa em Roma, pelo direito de manifestação e sua petição de liberdade para violadores da lei, detidos por seus atos de vandalismo durante os distúrbios de 11 de julho de 2021.

Acrescentou que se opõe a que o governo cubano classifique de ilegal a marcha provocativa ordenada pelos Estados Unidos para o dia 15 de novembro.

Parece que o senhor Fernández não lembra que Cuba não é mais uma colônia da Espanha, é independente deles e desde 1959 dos Estados Unidos, e por causa dessa derrota os ianques tentam, a todo custo, tê-la novamente sob suas garras, e até mesmo a Espanha. Ele os apoiou quando a estação da CIA foi fechada em 1961, devido ao colapso das relações diplomáticas.

Para refrescar a memória do Secretário de Estado espanhol, é bom destacar que, segundo declarações do agente ilegal da CIA, John Maples Spiritto, a CIA deu a atenção de alguns agentes ao oficial dos Serviços de Inteligência da Espanha, Jaime Capdevila García del Valle, credenciada em Havana com fachada de diplomata, que, por meio da mala diplomática de sua embaixada, transferiu informações obtidas de seus agentes, apoiados por sua secretária, a espanhola Carmen Jiménez Gómez.

Outro descuido importante de Juan Fernández e do chanceler espanhol, José Manuel Albares, é que a Espanha prendeu, julgou e encarcerou os catalães que pediam independência, considerando-os criminosos e não prisioneiros políticos, negando-lhes o direito de expressar livremente suas reivindicações. .

Ambos os funcionários não têm moral para exigir que Cuba não atue contra aqueles que, financiados e treinados pelos Estados Unidos, tentam desestabilizar a ordem constitucional, porque a Espanha condenou os independentistas catalães pelos crimes de “desobediência e sedição”, sancionando-os com penas entre 9 e 13 anos, e mesmo a pedido do partido VOX foi 74 anos de prisão, apenas por organizar em outubro de 2017, um referendo de independência contra o governo espanhol.

Será que esses funcionários espanhóis já não se lembram que milhares de policiais foram enviados à Catalunha, vindos de diferentes partes da Espanha, para impedir as manifestações de apoio ao referendo e foram violentamente reprimidos pela polícia, deixando dezenas de feridos e centenas de detidos?

As imagens dessas repressões mostram espancamentos, gás lacrimogêneo e outros métodos que não existiam em Cuba depois de janeiro de 1959.

E a repressão realizada pela polícia face aos protestos pela detenção do rapper catalão, só para citar o rei emérito Juan Carlos I, não é uma violação da liberdade de expressão e pensamento?

Agora o ministro e seu vice-ministro querem acusar Cuba de não aceitar uma marcha provocativa, que visa derrubar o sistema cubano, não o considera sedicioso e inconstitucional porque ambos são anti-socialistas e pró-ianques, mas aplaudem as sentenças proferidas pelo Supremo Tribunal da Espanha ao condenar nove ex-dirigentes catalães por “sedição” e não por rebelião, nem por considerá-los presos políticos, mas “criminosos comuns”.

Um exemplo de como a Espanha lidou com esta questão é a sentença de 12 anos de prisão a Jordi Turull, ex-assessor da presidência e porta-voz do governo catalão, apenas por participar de diferentes reuniões, onde a estratégia a seguir com o referendo foi definido para independência. O partido VOX também pediu 74 anos de prisão.

A pobre memória de Juan Fernández e de seu ministro José Manuel Albares é tal que parecem não se lembrar da pena a 10 anos e 6 meses de prisão, imposta pelo Supremo Tribunal Federal a Josep Rull, ex-ministro catalão do Território e Sustentabilidade, pelo crime de “sedição”, sob o argumento de que “tinha plena consciência da inobservância da legalidade e, apesar disso, avançou com o plano de referendo”, além de lançar as bases que levaram à mobilização cidadã, que, segundo ao Tribunal, “Com suas ações impediu o normal funcionamento do Estado que atua em defesa da legalidade”. Por essa razão, o partido VOX pediu 74 anos de prisão pelos crimes de “rebelião e organização criminosa”.

Nem os dois esquecidos se lembram que o Supremo Tribunal mandou Jordi Sánchez para a prisão por 9 anos, considerando que sua atuação no referendo “foi absolutamente necessária para a execução dos planos sediciosos” e “não se limitou à liderança” do mobilizações de massa?

Perante estes acontecimentos, o governo espanhol conseguiu a possibilidade de aplicar o artigo 155 da Constituição, para decretar o estado de alarme, o estado de exceção ou o estado de sítio, e ainda aplicar a Lei de Segurança Nacional, promulgada em 2015, que permite ao Governo decretar que o país se encontra em situação de interesse para a segurança nacional.

Certamente os esquecidos sairão junto com os ianques para condenar Cuba, quando os tribunais aplicarem o código penal a Yúnior García e seus capangas, pelos crimes dos quais foram alertados pela promotoria, devido a seus planos de violar as leis em vigor. , mas em Cuba não é sancionada como na Espanha, nem reprimida com a brutalidade que sua polícia desdobrou contra os manifestantes na Catalunha.

Durante estes dias, os senadores norte-americanos Chris Murphy e Bob Menéndez, criticaram a “inação” do governo espanhol antes da ditadura comunista castrista imposta em Cuba, acusando-os de estarem “mais preocupados com seus hotéis e investimentos em Cuba” do que com o cumprimento com os direitos humanos no país, críticas que podem estar na origem das declarações dos “esquecidos” diplomatas ibéricos.

Veremos os resultados, mas os cubanos sabem o que defendem, porque a soberania e a independência custaram muito sangue e quem tentar dominar Cuba só recolherá o pó da derrota.

Triste papel desses senhores, mas como afirmou José Martí:

“As batalhas da língua são fracas”

María Elvira, Marcel Felipe e os balões Cantoya, todos em bolina. Isto é difícil para o #FBI.

#CubaNoEsMiami #MafiaCubanoAmericana

Os contra-revolucionários não terão tribuna em Cuba.

#TuMarchaNoMeConvence #NosVemosEl15 #LaRazonEsNuestroEscudo #XCubaYo #CubaLibreYSoberana

Por Redacción Razones de Cuba

“Não lhes será permitido repetir o que aconteceu a 11 de Julho”, diz Manuel López Castilla, um camponês associado à cooperativa de crédito e serviços Arístides Estévez (CCS) no município de Playa, Havana, um homem, como todos os cubanos que apoiam a Revolução, dos genuínos, que são a maioria.

Esta marcha é a ideia daqueles ali – aponta indignadamente para o norte com o dedo – e aqui os lacaios estão a realizá-la, mas nenhum deles está convencido do fracasso. “Não sei que método lhes resta; Biden diz que Cuba está finalmente a aproximar-se de uma democracia plena e pura, não sei a que democracia ele se refere, ou com que conta”, questiona ele.

O campesinato cubano, reafirma López Castilla, não concorda com a manifestação que nos querem impor para 15 de Novembro, porque este sector sempre esteve do lado de causas justas, e a nossa história é prova disso.

A raíz de una convocatoria lanzada por Miguel Díaz-Canel Bermúdez, Primer Secretario del Comité Central del Partido Comunista de Cuba y Presidente de la República, revolucionarios cubanos salieron a las calles para demostrar el respaldo a la Revolución Cubana y a sus dirigentes, en La Habana, Cuba, el 11 de julio de 2021. ACN FOTO/Omara GARCÍA MEDEROS/ogm

Ele diz sem rodeios: “Sempre acreditámos na unidade entre camponeses e trabalhadores, e eles nunca conseguirão quebrá-la, porque é a nossa espinha dorsal. A primeira missão dos camponeses, para manter a nossa bandeira e realizações elevadas, é continuar a produzir alimentos. Esta deve ser a nossa forma de resolver os problemas que temos hoje.

A sua principal fraqueza, diz López Castilla sobre aqueles que reivindicam o seu “direito de manifestação”, é que não conhecem o povo cubano, porque há anos adquirimos conhecimentos políticos, temos uma ideologia sólida, sabemos que somos os únicos que podemos resolver os nossos problemas; “e a juventude está do nosso lado”. É por isso que – refere-se, pelas suas razões, à voz do Comandante-em-Chefe – não existe aqui nenhuma plataforma para contra-revolucionários.

Esta é também a opinião do presidente da CCS, Yoel Barreto Rodríguez. Na sua opinião, aqueles que foram pagos para manchar a história da Revolução não têm o apoio do campesinato, “porque com a vitória de 1959 o nosso sector ganhou direitos, prestígio e moral. Agora o que temos de fazer é cumprir com a Revolução, produzindo, fornecendo alimentos para o povo”.

Reflecte, sem receio de estar enganado, que eles apelam ao suposto direito dado pela Constituição de se manifestarem, mas isso é quando não limita o direito comum. “Se esta marcha fosse realmente para um benefício social, ou representasse a voz das comunidades, seria admissível, mas sabemos que não é esse o caso, porque os motivos e os protagonistas foram identificados. É por isso que não podemos concordar, nem hoje, nem nunca.

Para Pedro Valdés Pérez, outro associado da CCS Arístides Estévez, e o seu maior produtor de leite, as razões não se alteram. Está também convencido de que aqueles que foram treinados pela Revolução o devem a ela.

“Somos a maioria a favor da obra revolucionária. Estou convencido de que a nossa juventude tem a mesma opinião. Tenho 20 ou 30 jovens a trabalhar comigo, que partilham os meus ideais, porque somos todos formados sob as asas da nossa sociedade socialista, com os seus defeitos, mas indispensáveis”.

Fazem parte dos 168 associados que contribuem para uma cooperativa criada pela Revolução para beneficiar cerca de 135 centros de consumo social, entre os quais as escolas do município de Playa; e conseguiram atingir 123% do que estava previsto até agora este ano, apesar do milhão de dificuldades que o bloqueio significa para a agricultura cubana, mais a crise provocada pela pandemia.

CENPALAB DEFENDE O SOCIALISMO

Para os trabalhadores do Centro Nacional de Produção de Animais de Laboratório (Cenpalab), um nicho essencial para o desenvolvimento da indústria biotecnológica cubana desde a sua criação nos anos 80, a tão desejada marcha, que nada mais será do que outra estratégia, sem qualquer benefício para o povo, também é embaraçosa.

Consideram insultuoso, além disso, que em favor dos seus interesses, usem frases como “regime” para se referirem a um país cujo governo socialista luta todos os dias pelo bem-estar do seu povo. O Cenpalab é um exemplo em primeira mão, porque como instituição essencial para a pré-clínica dos candidatos à vacina da ilha contra a COVID-19, eles testemunharam e aprenderam o acto de fazer muito com pouco.

Miguel Angel Esquivel Perez, chefe do Departamento de Vigilância Tecnológica, está ciente disto, e considera este esforço como mais uma tentativa imperialista de subverter a ordem política no nosso país, e parte de um plano dos nossos inimigos jurados, que ainda não superaram o facto de ter sido construída uma revolução socialista “debaixo dos seus narizes”.

“Tentaram derrotar-nos na Baía dos Porcos e ainda hoje tentam derrotar-nos, com o bloqueio económico e todas as suas medidas, mas não foram capazes de nos derrotar. Eles querem ignorar todos os anos da história e, por essa razão, não aprendem que Cuba não se rende”, disse Esquivel Pérez.

Sobre esta última farsa, a que tenta camuflar-se na nossa Constituição socialista, ela assinala: “O povo de Cuba sabe que não procura a paz nem a liberdade, mas quer aproveitar-se da situação crítica que o mundo atravessa e, sobretudo, o nosso país, face à COVID-19 e ao injusto bloqueio”.

Esta é também a opinião de Daniela Amaranta, uma jovem de 24 anos, que trabalha como especialista em Contabilidade e Finanças no centro, e que viu como os trabalhadores do Cenpalab apoiam o país a partir de muitas trincheiras.

Entretanto, Andrea Armas Torres, outra das jovens mulheres do centro e chefe do Grupo de Assistência Técnica, está indignada com as formas como estes indivíduos têm subvertido, especialmente os jovens. “Nós, como militantes, trabalhadores que têm visto a acção revolucionária e a vocação que o povo cubano tem mantido durante mais de 60 anos, seguiremos sempre os ideais de Fidel”.

Cuba, o seu povo, não jogará com aqueles que são pagos para semear ódio e que querem baixar as bandeiras da soberania, da independência e da dignidade, que custaram tantos sacrifícios.

O MECANISMO DE DEMONIZAÇÃO CONTRA CUBA É REFORÇADO

A máquina dos media do imperialismo norte-americano, na sua terceira geração de guerra contra a Revolução Cubana, propagou-se através dos seus meios de comunicação dominantes (a chamada mainstream), a ideia rebuscada de que o governo cubano violou artigos da nossa Constituição, ao negar a autorização para uma chamada marcha cívica nacional pela mudança. Que mudança?

Tal como aconteceu com a agitação de Julho passado, Washington deu mais uma vez a ordem para atacar. Não esconde a tentativa de impor uma matriz demonizante a Cuba e desacreditar as suas autoridades. O objectivo é legitimar a acção provocadora de mercenários “pacifistas” internos, cegos pelo ódio e pela vingança.

Por exemplo, o canal imperial britânico BBC mostra-o de forma gritante: “Apelando à Constituição, um grupo de activistas tinha pedido ao governo cubano uma autorização sem precedentes para realizar uma marcha de mudança a 15 de Novembro. E apelando à mesma Constituição, o governo cubano negou o direito de protestar”, mas nunca explica que este tipo de estratégia desestabilizadora tenha sido tentada noutros países para incitar golpes, derrubar governos e arruinar povos inteiros, como aconteceu na ex-Jugoslávia, Ucrânia, Venezuela, Bolívia, Líbia, Síria e Nicarágua.

Ao mesmo tempo, a CNN em espanhol ecoa alegadas ameaças aos activistas da oposição cubana, sem mencionar a formação recebida por estes grupos em cursos patrocinados pela fundação argentina de direita Cadal, universidades americanas e think tanks como o Carnegie Endowment for International Peace (dirigido até recentemente pelo actual director da CIA, William J. Burns).

Também não diz que aqueles que apelam à manifestação de Novembro foram formados como líderes de opinião contra-revolucionários pelo tão apregoado Conselho para a Transição Democrática de Cuba, uma plataforma que se articula em termos do golpe anticonstitucional no nosso país, e que reconheceu abertamente receber financiamento do reaccionário National Endowment for Democracy (NED).

Agências como a AFP e a EFE, o jornal de Miami El Nuevo Herald, que nunca se cansam de incitar das suas páginas um surto social que justificaria a tão desejada intervenção militar da Casa Branca, juntam-se de bom grado a estes desígnios imperialistas.

Desavergonhadamente, o império ousou pedir às autoridades cubanas que respeitassem os direitos fundamentais do povo cubano, na sequência da resposta que os organizadores do protesto receberam nas primeiras horas da manhã de terça-feira. Numa súbita perda de memória, ele nada diz sobre as 243 medidas herdadas da era Trump, que apertaram o bloqueio económico e estão a causar tantos danos à família cubana de ambos os lados do Estreito da Florida.

“Exortamos o governo de Havana a respeitar as liberdades e direitos fundamentais do povo cubano”, disse o porta-voz do Departamento de Estado Ned Price numa troca com repórteres, tal como relatado pela famigerada Voz das Américas.

O programa de televisão Con Filo pintava os i’s e atravessava os t’s revelando os verdadeiros objectivos destas novas acções, e revelava os nomes daqueles que davam as ordens da Florida: Orlando Gutiérrez Boronat, Jorge Luis García, seguidores da brigada mercenária fracassada 2506 e outros destes indivíduos exemplares que pedem sem vergonha a intervenção dos Fuzileiros Navais dos EUA em Cuba.

O Estado cubano e as leis têm a obrigação de salvaguardar a tranquilidade e a segurança dos cidadãos. #Cuba

#Cuba

Por: Yudy Castro Morales

Embora as investigações sobre os tumultos ocorridos em Cuba no domingo 11 de Julho estejam em curso, José Luis Reyes Blanco, chefe do Departamento de Supervisão da Direcção do Processo Penal da Procuradoria-Geral da República (FGR), disse à Granma que “alguns dos comportamentos demonstrados constituem de facto um crime”.

Para apoiar a sua afirmação, Reyes Blanco, que tem 30 anos de experiência no sector, apelou, antes de mais, à Carta Magna, não só pela sua superioridade como Lei das Leis, mas também como projecto social, aprovado por mais de 86% dos cubanos.

O artigo 1º, disse, consagra “Cuba como um Estado de direito socialista e de justiça social, democrático, independente e soberano, organizado com todos e para o bem de todos” e, no artigo 4º, estabelece que “a defesa da pátria socialista é a maior honra e o dever supremo de todo o cubano”.

Este preceito, sublinhou o procurador, também apoia o direito dos cubanos a lutar por todos os meios, incluindo a luta armada, quando nenhum outro recurso é possível, contra alguém que tente derrubar a ordem política, económica e social que decidimos construir.

Protestas en Cuba: las fotos de la inusual manifestación contra el gobierno  en Cuba y la respuesta de la policía - BBC News Mundo

Na sua revisão dos princípios constitucionais que protegem a defesa da nação, Reyes Blanco concentrou-se também no Artigo 13, que enuncia os objectivos essenciais do Estado, entre os quais se encontram: manter e defender a independência, integridade e soberania, bem como preservar a segurança nacional.

Também chamou a atenção, como noutras ocasiões, para o Artigo 45, que se refere aos limites que a Lei Suprema estabelece sobre o exercício dos direitos dos cidadãos, como muitos, durante os tumultos dos últimos dias, levantaram como argumento “a defesa e aplicação dos seus direitos”.

Vale a pena lembrar que, segundo o texto constitucional, “o exercício dos direitos dos indivíduos é limitado apenas pelos direitos dos outros, segurança colectiva, bem-estar geral, respeito pela ordem pública, a Constituição e as leis”.

José Luis Reyes concentrou-se também no Artigo 90, que se refere às responsabilidades e deveres dos cidadãos, derivados do exercício dos seus direitos e liberdades.

A este respeito, mencionou, entre outros, “o dever de mostrar o devido respeito pelas autoridades e seus agentes; de respeitar os direitos dos outros e não abusar dos seus; e de agir nas suas relações com outras pessoas, em conformidade com os princípios da solidariedade humana, respeito e observância das regras de coexistência social”.

Sem recorrer ao conhecimento da lei, e sujeito apenas ao senso comum das pessoas, é possível afirmar que os actos em questão transgridem de forma flagrante estes limites e deveres.

Las fotos más impactantes de las multitudinarias protestas contra el  régimen de Cuba - Infobae

INFRACÇÕES E FACTORES AGRAVANTES

Neste momento, explicou José Luis Reyes, o Ministério Público realiza o controlo da investigação criminal de todos os processos, com rigoroso respeito pela qualidade e celeridade, a determinação da responsabilidade individual, as características pessoais do acusado e as circunstâncias concomitantes.

No que respeita às medidas cautelares, acrescentou, será utilizada a prisão preventiva e a prisão preventiva, de preferência para os casos mais graves, ou aqueles cometidos por reincidentes e multi-recidivistas.

Salientou ainda que serão tidas em conta circunstâncias agravantes de responsabilidade criminal, o que implica a modificação dos limites mínimos e máximos das sanções a impor:

Fazer parte de um grupo de mais de três pessoas.
Provocando graves consequências com o crime.
Envolvendo menores.
Tirar partido de uma situação especial.
Usando um meio que causa um perigo comum.
Actuar contra pessoas ou bens relacionados com actividades prioritárias para o desenvolvimento económico e social do país.
Em termos de possíveis crimes, o procurador salientou os considerados “comuns”, cometidos contra a ordem pública e a administração e jurisdição, sem ignorar outros como crimes contra a vida (ferimentos), e actos de vandalismo como o saque de lojas.

Com base neste tipo de infracções, acrescentou a desordem pública, por outras palavras, “qualquer pessoa que provoque lutas ou distúrbios em estabelecimentos abertos ao público, veículos de transporte público, círculos sociais, espectáculos, festas familiares ou públicas ou outros eventos ou locais frequentados por numerosas pessoas, é punível com uma pena de prisão de três meses a um ano ou uma multa de 100 a 300 quotas ou ambas.

Protestas en Cuba: las fotos de la inusual manifestación contra el gobierno  en Cuba y la respuesta de la policía - BBC News Mundo

“Se o objectivo for perturbar de alguma forma a ordem pública, a pena é a privação de liberdade durante um a três anos ou uma multa de 300 a 1 000 quotas ou ambas”.

Ele também especificou o que diz respeito ao ataque: “qualquer pessoa que utilize violência ou intimidação contra uma autoridade, um funcionário público, ou os seus agentes ou assistentes, para os impedir de realizar um acto próprio das suas funções, ou para exigir que o realizem, ou por vingança ou represália pelo exercício dessas funções, incorre na pena de prisão de um a três anos”.

No entanto, Reyes Blanco acrescentou, se alguma das seguintes circunstâncias coincidir nos actos supracitados: duas ou mais pessoas participam, é realizada com o uso de armas, causa lesões corporais ou danos à saúde da parte ofendida, e o objectivo prosseguido pelo agente é alcançado, a pena de privação de liberdade pode ser aumentada de três para oito anos.

Durante os actos de desestabilização, também se podem presumir as seguintes infracções:

Resistência: Qualquer pessoa que resista a uma autoridade, funcionário público ou aos seus agentes ou auxiliares no exercício das suas funções, incorre na pena de privação de liberdade de três meses a um ano ou numa multa de 100 a 300 quotas.
Desprezo: Quem ameaçar, caluniar, caluniar, difamar, insultar, insultar, insultar ou de qualquer forma ofender ou ofender, por palavra ou por escrito, a dignidade ou o decoro de uma autoridade, funcionário público, ou dos seus agentes ou auxiliares, no exercício das suas funções ou por ocasião ou ocasião, será punido com uma privação de liberdade de três meses a um ano ou uma multa de 100 a 300 quotas, ou ambas.
Desobediência: Qualquer indivíduo que desobedeça às decisões das autoridades ou dos funcionários públicos, ou às ordens dos seus agentes ou assistentes emitidas no exercício das suas funções, será punido com uma privação de liberdade por um período de três meses a um ano ou uma multa de 100 a 300 quotas ou ambas.
O DEVIDO PROCESSO, UMA PREMISSA CUBANA PARA A ACÇÃO

Sempre que falamos especificamente de processos penais, é necessário salientar, na opinião do Chefe do Departamento de Supervisão da Direcção de Processo Penal do FGR, o devido processo, entendido como o garante e guardião dos direitos dos cidadãos.

Como detalhado na Constituição, em cada caso as autoridades cubanas asseguram o cumprimento de todos os princípios que tornam isto possível, tais como

Não ser privado de liberdade, excepto por uma autoridade competente e durante o período legalmente estabelecido.
A ser prestada assistência jurídica desde o início do processo.
Presumir-se inocente até que um julgamento final seja proferido contra eles.
Ser tratado com respeito pela sua dignidade e integridade física, mental e moral, e não ser vítima de violência ou coerção de qualquer tipo para os forçar a testemunhar.
Não testemunhar contra si próprios, o seu cônjuge, companheiro ou parentes até ao quarto grau de consanguinidade e segundo grau de afinidade.
Ser informado das acusações contra ele/ela.
A ser julgado por um tribunal legalmente pré-estabelecido e ao abrigo de leis que precedem a infracção.
Comunicar imediatamente com a sua família ou familiares se for detido ou detido.
Se é uma vítima, para gozar de protecção para o exercício dos seus direitos.
Para além de qualquer dano ou prejuízo que tenha ocorrido nos últimos dias, existe um bem maior, disse o procurador, que tem sido manchado e que o Estado e as leis cubanas, a começar pela Constituição, têm a obrigação de salvaguardar. Esse bem é a tranquilidade e a segurança dos cidadãos, uma das sublimes conquistas da Revolução.

A Carta Magna, nas palavras de Reyes Blanco, “protege-nos a todos, mas em seu nome, os limites não podem ser transgredidos. O país tem o direito de se defender contra uma conduta que vise subverter a ordem constitucional. E o Código Penal mantém o seu objectivo primordial de proteger a sociedade, o povo, a ordem social, económica e política e o regime do Estado”.

Extraído de Granma

O que eles não dizem sobre #Cuba . .#CubaNoEstaSola #EliminenElBloqueoYa #PatriaOMuerte

#CubaNoEstaSola #EliminenElBloqueoYa #PatriaOMuerte

Por Rosa Miriam Elizalde

Estamos a viver, em pleno andamento, uma guerra de informação ao estilo antigo dos falcões que sussurram ao ouvido dos presidentes dos EUA. Não começou com Biden, deve ser dito. Desde 2017 que têm vindo a martelar a falácia de uma explosão social em Cuba com a sua solução mágica, “intervenção humanitária”, enquanto Trump avançou com a sua ladainha de sanções adicionais ao bloqueio, 243 para ser exacto, que a actual administração tem mantido incólume.

Em Fevereiro de 2020, os amigos do Secretário-Geral da OEA Luis Almagro e os congressistas da Florida, entre selfie e selfie com as facas mais odiosas da direita transnacional, lançaram a campanha em redes “Crise em Cuba: repressão, fome e coronavírus”. Nessa altura, não havia um único caso de Covid19 na ilha. Também não houve, como agora, falta de alimentos ou medicamentos, apesar dos sucessivos golpes nas finanças, da pressão sobre os bancos, da perseguição aos petroleiros, do abrupto corte de remessas, do cancelamento de voos regulares a partir dos Estados Unidos e muitos mais.

Lo que no dicen de Cuba | Cubadebate

Como o escritor cubano René Vázquez Díaz recordou nestes dias, imagine o exército de funcionários do governo dos EUA que trabalharam lealmente, desde 1960, para fazer sofrer as crianças cubanas, os idosos e doentes, as mulheres e os homens de um pequeno país que nunca assaltou o seu tormento a ponto de sofrer um sofrimento indescritível. “Imagine o número maciço de funcionários públicos que, agora mais do que nunca, continuam a realizar este trabalho diário”.

Imagine por um momento quanto custou esta guerra de espectro total, operando no ciberespaço, onde ligam e cruzam toda a informação dos operacionais “em tempo real” para assegurar que a explosão social passe da promessa machista para algo que se parece com ela, sem qualquer menção à mão que abalou e embalou o berço. E sem revelar, evidentemente, que a maioria da população cubana não participou nos incidentes e não aceitará de forma alguma a “intervenção humanitária” e as bombas e fuzileiros que a acompanham.

Quando o governo apelou ao seu povo para que se defendesse, então a batida dos tambores nas redes sociais e nos meios de comunicação transnacionais deu o sinal para transformar o Presidente Miguel Díaz-Canel num criminoso. Esqueceram-se de mencionar que ele não chamou o exército para disparar contra os cidadãos, nem lhes ordenou que arrancassem os olhos, nem que usassem bastões eléctricos, nem tanques de água com ácido, nem gás lacrimogéneo, nem qualquer outra arma além do peito daqueles que sabem quem é o criminoso nesta história, como nos recordou o diplomata cubano Eugenio Martinez. E saíram para defender a Revolução, mesmo antes de Díaz-Canel explicar no domingo à tarde o que estava a acontecer e chamar para acalmar as pessoas que têm sido bombardeadas dia após dia por oceanos de informação tóxica e notícias falsas de todo o tipo através de redes sociais. Ao escrever isto, a CNN en Español apresentou uma manifestação de apoio à Revolução pelos trabalhadores no Ministério da Economia em Havana, como se fosse um protesto anti-governamental. Para a tornar mais realista, acrescentaram a canção “Libertad” do empresário de Miami Emilio Estefan.

Maitor@Mayner2012

FAKE NEWS DE CNN

No se cansan de engañar, igual lo hacian (y hacen) con Siria.

Esta imagen es de trabajadores y directivos del Ministerio de Economía de Cuba en un acto de apoyo a la Revolución. No se dejen engañar !

Imagen

O que eles não dizem sobre Cuba é que há quase dois anos que documentam a participação de empresas e sítios digitais da Florida na organização desta campanha, com financiamento do governo dos EUA. Também não falam da utilização da última geração de grandes sistemas de dados e inteligência artificial contra a ilha, tais como os utilizados para justificar o golpe na Bolívia, por exemplo, e da presença de cibertropos digitais que coordenam acções nas redes e utilizam estes sistemas de inteligência informática para gerar uma câmara de eco barulhenta contra o governo cubano.

O investigador espanhol Julián Macías Tovar mostrou como estes cibertroops organizados no Twitter amplificaram milhões de mensagens e deram instruções para o assédio coordenado de influenciadores com o objectivo de dar volume à hashtag #SOSCuba. As tácticas utilizadas, típicas das operações de guerra cibernética, destinavam-se a gerar artificialmente a ilusão de um consenso em grande escala contra o governo cubano através de uma operação de força bruta cuidadosamente planeada em plataformas sociais, que combina todas as características da guerra irregular ou híbrida desenhada pelos EUA na era da Internet, que se encontra em prática há quase 20 anos.

Lo que no dicen de Cuba

Quando em 2003 o Departamento de Defesa dos EUA declarou o ciberespaço como um novo território a conquistar, fê-lo para definir a guerra central em rede, ou operações de guerra cibernética, descritas como “condução e preparação para conduzir operações militares de acordo com princípios relacionados com a informação”. Significa perturbar, se não destruir, os sistemas de informação e comunicação, amplamente definidos para incluir também a cultura militar, da qual um adversário depende para se “conhecer”: quem é, onde está, o que pode fazer, quando o pode fazer, pelo que está a lutar, quais as ameaças a combater primeiro, etc.”.

A desinformação, fraude e manipulação não só tentam transformar os distúrbios criados nos laboratórios americanos em agitação social, mas também transformar os espectadores em cúmplices de um crime contra milhões de cubanos. Há muitas coisas que permanecem por dizer sobre Cuba, mas esta é sem dúvida a principal.

Ahí les va… o resumo informativo .

Remessa de gasolina iraniana que já havia sido vendida para Caracas confiscada pelos EUA.

Se Correa for impedido de concorrer à vice-presidência, terá que se preocupar com a democracia no Equador .

Natureza “inadmissível” de qualquer interferência nos assuntos internos da nação.

%d bloggers like this: