Eles condenam a ocupação ilegal de uma clínica cubana na Bolívia.

A organização amiga de Cuba lembrou que o edifício foi legalmente adquirido pelo Estado cubano.

O Movimento Boliviano de Solidariedade com Cuba condenou o ataque à Clínica Colaboradora, fato perpetrado “por oficiais do governo de fato em cumplicidade com o Departamento de Estado dos Estados Unidos”.

Ante el auge de la propagación de la enfermedad en Bolivia, Cuba cedió el uso del edificio en favor de los pacientes, pese a la arbitrariedad de la conducta del Gobierno de facto boliviano, y a que la Mayor de las Antillas no renuncia a la titularidad del inmueble.

Por meio de uma declaração, o grupo de solidariedade lembrou que, durante 12 anos, a missão médica cubana na Bolívia teve o trabalho de centenas de especialistas.

“Com o objetivo de fornecer atendimento adequado a essas pessoas, Cuba ergueu a Clínica Colaboradora na cidade de La Paz, equipada com tecnologia de ponta, de acordo com a excelência das práticas de saúde que esse país desenvolve”, acrescentou.

Ele denunciou que há alguns dias o estabelecimento foi agredido e invadido por oficiais de fato do governo, e disse que a agressão foi liderada por dois ministros, indicados pelas numerosas violações dos Direitos Humanos desde o golpe de novembro de 2019 na nação.

O Movimento garantiu que o assalto foi realizado como um espetáculo da mídia, com a desculpa de preocupação do governo sobre o avanço da pandemia de Covid-19 e a possibilidade de usar a referida clínica para combatê-lo.

“Esse é um argumento falacioso, já que, neste momento, é evidente a ineptidão, incompetência, incapacidade de administrar e negligência criminal do governo em relação à pandemia”, enfatiza o documento.

Nesse sentido, a organização condenou o ato e denunciou “a conduta repugnante dos ministros envolvidos” e lembrou à opinião pública que os bens dessa clínica pertencem ao Estado cubano.

Da mesma forma, ele valorizou a atitude e a resposta do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, em sintonia com uma posição ética digna e solidária.

Em uma declaração recente, o Governo das Grandes Antilhas salientou que, sem renunciar à propriedade da clínica da Collaborator’s Clinic e aos direitos que ela presta como legítimo proprietário, disponibiliza ao povo boliviano seu uso para servir doente de Covid-19 enquanto durar a crise causada pela pandemia na Bolívia.

A Clínica fazia parte das 158 unidades de saúde em que, no âmbito do Acordo de Cooperação Técnico-Científica de 1985 na área da saúde entre os governos de Cuba e Bolívia e suas atualizações subsequentes, cerca de 18.000 profissionais de saúde Eles ofereceram ao irmão boliviano mais de 73 milhões de consultas médicas.

Na Bolívia, os colaboradores de saúde da ilha prestaram seus serviços em 34 Hospitais Comunitários Abrangentes, 119 Centros Comunitários Abrangentes e cinco centros oftalmológicos, distribuídos nos nove departamentos, 28 províncias e 42 municípios do país.

Categories: #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Bolívia, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Salud en Cuba, ·Medicos Cubanos, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, CUBA-BOLÍVIA, epidemia, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: