Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela

Falsas etapas de uma aliança contra a Venezuela.

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Con un amargo sabor injerencista y una política fracasada y cruel, Estados Unidos, la Unión Europea, el llamado Grupo de Lima y la desprestigiada OEA, continúan asumiendo posiciones contrarias al diálogo político auspiciado por el Gobierno venezolano y sectores opositores, apoyado por la mayoría de a população.

Os últimos passos, longe de contribuir para a paz, a reconciliação e o respeito a um país soberano, fogem de todas as normas internacionais.

Um exemplo da continuidade dessa política de intromissão nos assuntos internos de um Estado foi a mais recente decisão do novo governo de Washington de prorrogar por um ano a emergência nacional declarada pelos Estados Unidos, o que qualifica o país sul-americano como perigoso .

La mayoría de la población apoya el diálogo político auspiciado por el Gobierno venezolano.

O argumento não poderia ser menos crível: «A situação na Venezuela continua a representar uma ameaça incomum e extraordinária à segurança nacional e à política externa dos Estados Unidos, para a qual determinei que é necessário continuar com a emergência nacional declarada em o Decreto Executivo 13692 a respeito da situação na Venezuela “, disse o presidente em nota divulgada pela Casa Branca.

Outro exemplo do prolongamento do uso de uma política de oposição à soberania venezuelana está contido no diálogo telefônico mantido entre o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, e o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, cujo compromisso transcendeu os eua uu com a “promoção de uma transição democrática e pacífica” naquela nação, ignorando que há um governo e um presidente democraticamente eleito pela maioria do povo e reconhecido por grande parte da comunidade internacional.

Para realizar esse propósito, a Casa Branca publicou um documento no qual fala em “trabalhar com aliados com ideias semelhantes, incluindo a União Europeia, o Grupo de Lima e a OEA”.

É inédito que estas posições sejam tomadas em abertamente contra as regras internacionais de respeito mútuo, uma vez que nem Washington nem a UE mostram qualquer interesse no processo de diálogo que está a decorrer em Caracas. Ao contrário, as receitas continuam sendo as sanções econômicas em meio a uma pandemia sufocante e a intensificação da perseguição econômica e financeira, que inclui o confisco de milhões de dólares de dinheiro venezuelano em bancos americanos e europeus.

O oportuno, claro, seria o que hoje é o mais improvável, que a administração dos Estados Unidos e alguns governos da União Europeia coincidam em favorecer, politicamente, a realização de um diálogo governo-oposição e, economicamente, retirar as sanções arbitrárias e devolver a Caracas os recursos hipotecados que pertencem ao povo bolivariano.

Categories: # Argentina, #Canadá, #Caracas, #Colombia, Grupo de Lima, #Jorge Arreaza, #Perú, #venezuela, # OEA, # Venezuela, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Caracas, Golpe de Estado, Militar,#Nicolás Maduro Moros, #Venezuela, #Colombia, Ejército de Liberación Nacional (ELN), Guerrilla, Paz, #Venezuela, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosGrupo de LimaPalacio de Miraflores, #EUA contra uma possível intervenção militar na# Venezuela, #OEA,Luis Almagro, #Venezuela, A obsessão dos Estados Unidos, Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), Cuba, Organización de Estados Americanos (OEA), Dança de máscaras na OEA, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Grupo de Lima, Injerencia De EEUU, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, UNION EUROPEA | Deixe um comentário

A alucinatória “democracia do Ocidente”

Por Sara Rosenberg

As potências ocidentais – os chamados “países democráticos do Ocidente” – têm uma longa e abominável história de intervenções abertas ou disfarçadas contra a soberania dos povos do Oriente, da África e da América Latina. Um processo de expansão colonial e imperial (pilhagem e destruição) que continua até hoje de várias maneiras.

Um imenso aparato de propaganda se encarrega de transformar a ingerência e a destruição de povos inteiros em uma necessidade e em uma tarefa quase messiânica das “democracias” ocidentais. E os cidadãos / ou súditos dos EUA e da UE repetem ou presumem que vivem em um sistema democrático.

A democracia que eles acham que vivem é uma espécie de alucinação coletiva? É o resultado da perda do sentido humano que nos permite ver e compreender o que está acontecendo?

Caminho por esta cidade duplamente mascarada, ouço, vejo e pergunto.

Como o crime se naturalizou a ponto de cidadãos de “países avançados” acreditarem que vivem em um sistema democrático?

Como é possível que os governos “democraticamente” eleitos nos EUA e na UE (e nos Emirados e em Israel) cometam um crime contra a humanidade, como o bloqueio e sanções a países soberanos, em nome da “democracia” e do seu já apodrecendo o apêndice “liberdade”?

Com que direito é sancionado e bloqueado, condenando os povos a suportar terríveis dificuldades materiais?

Quem tem o direito de punir e bloquear para causar tanto sofrimento a milhões de seres humanos?

Ou é parte da guerra – não declarada – e é um crime contra a humanidade? E se assim fosse, as “democracias” que os exercem e os cidadãos-eleitores que os convêm estariam a endossar um crime contra a humanidade? Eles sabem que crimes contra a humanidade não prescrevem?

Fora do reino da esquerda punida e minoritária anti-imperialista que sobrevive na Europa, cada vez que pergunto o que significa esta democracia e como funciona, o tabu é imposto à razão e à evidência. Tento dar dados que arranham pelo menos a crença ou o salto de fé, mas são inúteis.

Em geral, ninguém quer ouvir tal pergunta ou falar sobre sanções e bloqueios como crimes contra a humanidade. Ainda menos agora no contexto de Covid, quando a coerção somada à crueldade (des) informativa é exercida impunemente contra o povo desses países “democráticos”, enquanto grandes corporações colocam em risco a saúde de todos.

No entanto, os países malignos, demonizados, sancionados e bloqueados – são trinta e nove – alcançaram resultados de saúde superiores que não dependem da bolsa de valores ou da máfia ocidental. Cuba está produzindo sua vacina Sovereign gratuita e universal. Rússia e China também.

Enquanto isso, na Espanha as questões elementares parecem ter sido dolorosamente encerradas, junto com o esquecimento de sua história heróica, de sua luta contra o fascismo e da força de um povo que lutou contra um prolongado golpe de estado e cujo resultado ainda grita um milhão e meio de mortos. É até difícil dizer você se lembra? Você sabe que hoje este país a serviço das grandes corporações e obediente aos ditames dos EUA e da OTAN, este país que repete em espanhol os ditames dos EUA e das grandes corporações financeiro-militares é um refúgio para terroristas e nazistas, enquanto que cem vezes por dia repetem as belas palavras “democracia” e “liberdade”?

O esquecimento da história somado ao intenso bombardeio da mídia instalou uma espécie de não consciência capaz de aceitar que este é o único mundo possível e que a democracia existe neste mundo. São as duas grandes alucinações que impedem todo movimento e dificultam qualquer transformação social.

O totalitarismo da ideologia capitalista – muito a despeito de Doña Ana Arendt – é como o vírus, entra no corpo e se replica até eliminar você – em nome da “liberdade” e da “democracia” – com o gancho multifacetado de ” mal menor ”, mas contagioso muito rapidamente. Sem uma falsa consciência, – aquela espécie de bom senso como dizia Gramsci -, do “mal menor” o vírus seria rapidamente isolado e a energia social que se fragmentava continuamente escorregaria para o esgoto ou para as poltronas do teatro democrático uma saída, ou seja, uma forma superior de organização, capaz de pôr em causa a falácia desta “democracia”.

Mas o que é e como é essa democracia, como ela realmente funciona? Eu pergunto e escuto. As respostas são sempre semelhantes: chama-se liberdade ter opinião dentro dos limites ditados pela mídia, escolher onde comprar e o que comprar na hora certa, transgredir certas normas (sexual-gênero, quase sempre), até votar a cada quatro anos sem ter qualquer instrumento institucional ou coletivo para exercer esse suposto voto, para poder falar de tudo desde que nada seja atacado em segundo plano, desde que não se cite o crime organizado, desde que cumpra a tarefa do “democrata”, isto é, com o silêncio e a passividade que eles impuseram a você.

O caso de Assange é paradigmático, mas o caso de Hasel também é paradigmático em outra escala, e tantos, mas tantos outros. Eles servem para exemplificar, fazem até parte do programa de sucção de energia e grande show midiático, capazes de usar e promover a violência e o caos que justificam e continuam a justificar a submissão absoluta ao conceito de “mal menor”. O grande show da tomada do Capitólio, transmitido milhares de vezes, serviu para esconder que uma das primeiras medidas do novo governo “democrático” é fortalecer a OTAN e fazer avançar suas políticas de interferência na Europa Oriental e em todo o mundo. Como disse Howard Zinn, é a alternância que serve para a continuidade do projeto imperial. Esta semana, um novo bombardeio da Síria foi a carta de apresentação do “novo” governo dos EUA.

Não ouse dizer que a água está molhada, ou que isso não é liberdade e muito menos democracia, porque você entrará no lugar de quem quer criar problemas. E o terror de ver ou pensar é superior à curiosidade lenta e constantemente aniquilada por essa cultura do individualismo doentio.

Tão profunda é a negação do óbvio: a única liberdade real é a liberdade de ignorar o que acontece coletivamente e as razões pelas quais isso acontece. A velha alienação, claro, mas o problema é como quebrá-la para abrir um buraco no escuro.

Porque essa escuridão (ouso dizer que essa escuridão espiritual cuidadosamente programada) não é qualquer tipo de escuridão, ela tem uma textura gelatinosa e uma grande capacidade de mutação. Parece ser a favor de grandes causas humanas, prolifera no negócio de reformas domésticas e sociais e recondicionamento com uma imensa gama de produtos humanitários (ONGs e grupos de diversos tipos) capazes de direcionar energia social para portos que garantem que nada mude. .No fundo, mas sim que as reclamações reforçam o sistema que produz a miséria absoluta da maior parte do planeta. Toda esta engenharia de reformas possíveis que nunca irão alterar o sistema de exploração radical e expropriação, alimentada pelo medo dos comunistas malvados e seus métodos totalitários, nasceu ao mesmo tempo que a primeira revolução bolchevique em nossa história. Teve que ser combatido e tem sido lutado até hoje de muitas maneiras. O essencial seria defender a propriedade privada, o capitalismo e o imperialismo, mesmo tendo que abrir mão do que se chama de “estado de bem-estar” no Ocidente, algumas migalhas em troca de silêncio e passividade e claro, também em troca de continuar com uma exploração neocolonial criminosa da Ásia, África e América Latina, que permite continuar acumulando capital. Em nome da “democracia ocidental”.

Isso é liberdade – que sem força ou verdade – é apenas uma máscara de obediência absoluta e inconsciente, alimentada pelo que chamo de “a equação do menos pior”. Estamos habituados a isso: votamos e vivemos pelo “menos pior” porque o horizonte que deveríamos imaginar ou ver foi previamente e conscienciosamente destruído. Até a ideia de progresso se mede pela quantidade de compras e vendas, nunca pela qualidade e sentido do trabalho humano – que humaniza – pelo direito à vida, a uma rica cultura coletiva, à saúde da maioria. ..

O Covid tornou isso mais do que evidente. Metrôs cheios de trabalhadores continuam a passar para empregos miseráveis, os donos de bares e hotéis continuam a gritar, eles continuam a queimar assentamentos pobres, eles ainda estão sem luz e sem teto no meio do inverno, bairros inteiros, os afogados no mar e o desemprego nas cidades E à medida que os nazis se organizam cada vez mais, continuamos a acreditar que somos livres graças a distrações de alta qualidade: o acesso ao espectáculo é gratuito e garantido. Os grandes monopólios da mídia ganham mais, também o ritual social que se renova a cada quatro anos, votando e depois esquecendo o que significa essa votação e como defendê-la, porque a maioria está ocupada mal sobrevivendo.

Acho que foi Tchekhov que disse que Deus se esconde nos detalhes e também o diabo.

E pela ordem dos detalhes aparecem as questões mais prementes, como o direito inalienável à moradia, à eletricidade, ao gás, a não depender de banco para ter serviços básicos, para poder ter acesso à saúde pública que este sendo desmontado dia após dia, e claro, claro, para construir um popular instrumento de controle e monitoramento das decisões que são tomadas em nosso nome em grandes salões acarpetados que servem de estádio de futebol atende ao torcedor que não define a festa apesar seus gritos. O jogo é disputado em quadra e a participação também é alucinante.

A distância entre crer e viver aumenta a cada dia, e a distância entre a lei escrita e o exercício da lei também. Há algum tempo, um teórico falava da esquizofrenia causada pelo capitalismo, porque essa esquizofrenia é evidente e não apenas evidente, mas também desenvolveu rapidamente seu aspecto paranóico que governa quase invisivelmente os atos. Todos sentem ou acreditam que vivem em democracia e alguns até pensam que vivem no melhor dos mundos possíveis (a minoria que possui os meios de produção) e outros nos “menos piores” (a maioria despossuída).

O cidadão do Ocidente não participa nem tem direitos nessa democracia em que acredita cegamente. Como se compromete relativamente com um voto, acaba sempre aceitando e até defendendo o que tem mais em mãos, mas é absolutamente incapaz de realizar o que votou. Não é representado diretamente nem tem acesso ao governo, nem mesmo ao de seu bairro ou comunidade mais próxima.

A cultura hegemônica é uma máquina quase perfeita que alcançou uma irresponsabilidade pessoal e social absoluta. Um maquinário que a cada dia é lubrificado com novos produtos pelos quais certas raivas ou inconformidades podem explodir rapidamente atoladas em temas propostos de antemão e que são absolutamente úteis para perpetuar a máquina da infelicidade humana. São “distratores” altamente eficazes e nada espontâneos, mas produzidos por uma fina engenharia política que nos permite acreditar na “liberdade de expressão”, como o policial que defendeu o grupo de nazistas que tentou desarticular a última manifestação de a saúde pública em Madrid. toneladas de perfume de shopping Eu não consigo alcançar o merza contra o merza, nossa capacidade de lutar e nosso novo passo e movimento A liberdade do Ocidente goteja sangue e cheira a podre. Eles não alcançariam toneladas de purificadores de ar de shopping para escondê-lo.

A democracia no capitalismo é uma alucinação cruel, enquanto os nazistas têm a porta aberta e se lançam contra aqueles que não têm alucinações e lutam por justiça e democracia participativa e socialista. É um clássico.

Esta alucinação democrática também sustenta os constantes ataques, sanções e bloqueios de povos soberanos que decidiram não se submeter ao imperialismo e sua hedionda crueldade.

Esta alucinação democrática abre as portas ao fascismo, que, como disse Brecht, nada mais é do que a assustada burguesia -criminosa em tempos de crise, como o que vivemos.

A verdade é que os governos dos Estados Unidos e da UE usam a palavra “liberdade” e “direitos humanos” para condenar e sancionar países soberanos e participar nos mais hediondos crimes de guerra, em nome da “democracia ocidental”.

Uma “democracia” que reconhece ladrões de marionetes e criminosos como Guaidó / López, ao mesmo tempo que sanciona o governo legítimo da Venezuela e defende um governo como a Colômbia que massacra seu povo diariamente, e o que dizer dos 60 anos de bloqueio ao povo cubano, participação na guerra contra o povo sírio, iemenita, palestino … longa é a lista de crimes de guerra em que as “democracias” agem em nome da “liberdade” e dos “direitos humanos”.

Mas esta mutilada “democracia” ocidental não pode e nunca conseguirá vencer a consciência e a dignidade dos povos que, apesar do bloqueio, diariamente derrotam o imperialismo.

Retirado de The Insomniac Pupil.

Categories: # Cuba, # Venezuela, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #America Latina, #China#EEUU#Iran#Nicaragua.barco hospital naval Arca de la Paz, #China#EEUUDonald TrumpFondo Monetario Internacional (FMI)Ivan Duque, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, Africa, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, China, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Injerencia De EEUU, OTAN, propaganda contra Cuba, Venezuela, Nicarágua, Irã, Rússia e China,, RUSIA, UNION EUROPEA | Deixe um comentário

Alba-TCP exige levantamiento de medidas coercitivas.

Categories: # Cuba, # Venezuela, #Donald Trump, #Estados Unidos, #ECUADOR#Paraguay#PerúAsunciónConvención de Viena, #Estados Unidos, #Nicaragua, #Venezuela, #Nicaragua, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, ECUADOR, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Injerencia De EEUU, Manipulacion Politica, Politica Exterior | Deixe um comentário

#Maduro para a #UniãoEuropéia: “Ou você retifica ou não há tipo de diálogo”

O presidente destacou que seu governo adoraria ter as melhores relações com toda a Europa, mas considerou inaceitável que o bloco “ofenda” seu país.

Categories: # Venezuela, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Injerencia De EEUU, UNION EUROPEA | Deixe um comentário

Conexão Global 24/02: #Venezuela dá ao embaixador da UE 72 horas para deixar o país .

Categories: # Argentina, #Canadá, #Caracas, #Colombia, Grupo de Lima, #Jorge Arreaza, #Perú, #venezuela, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Caracas, Golpe de Estado, Militar,#Nicolás Maduro Moros, #Venezuela, #Estados Unidos, #Nicolás Maduro, #Venezuela, agressão internacional contra a Venezuela,, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, EUROPA, Europa postura intervencionista, Guatemala, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia, Injerencia De EEUU, mentiras construídas em Washington contra Cuba, MISION DIPLOMATICA, PENSAMIENTO DIPLOMATICO, Washington, Washington deseja apenas como vizinhos os governos servis | Deixe um comentário

#GrupoPuebla denuncia ações contra #Cuba, #Venezuela e #Nicarágua

Autor: Ana Laura Palomino | internacionales@granma.cu

Um apelo para defender Cuba, Venezuela e Nicarágua das agressões e ingerências de potências ou terceiros Estados, fez do Grupo de Puebla, uma aliança progressista composta por personalidades de 17 nações.

Como parte de um manifesto progressista, publicado em seu site no dia 10 de fevereiro, a organização denuncia que “vários dos países da região têm sido objeto de ações que visam a desestabilização através da imposição de bloqueios, sanções econômicas e políticas. Leis unilaterais contrárias ao direito internacional ”.

“Esse tipo de posições anacrônicas e desatualizadas são ainda mais graves no contexto da crise de saúde porque afetam o acesso a insumos, medicamentos e meios de conter a pandemia”, acrescentam no documento, composto por 33 pontos entre os quais o número 10 visa enfrentar a interferência.

MANIFESTO PROGRESSIVO DO GRUPO PUEBLA

| Apresentamos este manifesto como o ponto de partida de um processo de construção coletiva de um projeto político alternativo para a América Latina e o Caribe.

O Manifesto também denuncia os efeitos sociais do modelo neoliberal apoiado no financiamento do capital, no qual se promovem a extrema desigualdade e a precariedade do mercado de trabalho, o Estado de bem-estar e a democracia são enfraquecidos, os direitos sociais são prejudicados e o meio ambiente e tende a levar a crises econômicas recorrentes.

“Seu esgotamento e conseqüente crise econômica e social gerou um crescimento da extrema direita em várias latitudes, o que coloca em risco as democracias, mesmo em países com significativa trajetória democrática. Este modelo incompatível com a vida deve ser substituído por outro que reivindica solidariedade, justiça e formas substantivas de democracia. É urgente uma nova direção para os povos da América Latina, Caribe e Ibero-América ”, declaram.

Recentemente, esta organização, na qual se destaca a participação de vários presidentes e ex-presidentes do continente, exigiu o acesso universal, gratuito e imediato às vacinas contra a COVID-19 em setores com menos recursos econômicos.

O Grupo Puebla considerou “estas posições como ataques aos segmentos mais vulneráveis ​​de nossos povos, mas também como uma ameaça ao processo de integração. O progressismo promove soluções alinhadas com a resolução pacífica dos conflitos, a não intervenção e o apoio a soluções democráticas, pacíficas e negociadas.

O Manifesto também denuncia os efeitos sociais do modelo neoliberal apoiado no financiamento do capital, no qual se promovem a extrema desigualdade e a precariedade do mercado de trabalho, o Estado de bem-estar e a democracia são enfraquecidos, os direitos sociais são prejudicados e o meio ambiente e tende a levar a crises econômicas recorrentes.

“Seu esgotamento e conseqüente crise econômica e social gerou um crescimento da extrema direita em várias latitudes, o que coloca em risco as democracias, mesmo em países com significativa trajetória democrática. Este modelo incompatível com a vida deve ser substituído por outro que reivindica solidariedade, justiça e formas substantivas de democracia. É urgente uma nova direção para os povos da América Latina, Caribe e Ibero-América ”, declaram.

Recentemente, esta organização, na qual se destaca a participação de vários presidentes e ex-presidentes do continente, exigiu o acesso universal, gratuito e imediato às vacinas contra a COVID-19 em setores com menos recursos econômicos.

Categories: # Cuba, # Venezuela, #Argentina, #Brasil, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Nicaragua, #salud, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Coronavirus, CoronaVirus, Política, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Grupo de Lima, Injerencia De EEUU, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Partido dos Trabalhadores no Brasil., Profesionales e la Salud | Deixe um comentário

Moscou não acredita em lágrimas.

Por Arthur González

Os Estados Unidos e seus aliados europeus esquecem que Moscou não acredita nas lágrimas de quem clama por sua resposta, como na provocação tecida no caso do blogueiro pró-ianque Alexei Navalni, cópia do método usado contra a Venezuela com Juan El Títere Guaidó.

A fabricação de Navalni é um sinal do desespero que o Ocidente tem para desestabilizar o governo Vladimir Putin e, neste contexto, obrigar a República Alemã a quebrar o contrato para a construção do gasoduto, ao qual os Estados Unidos se opuseram desde o início.

Um exemplo da estratégia desenhada para aumentar as sanções europeias contra a Rússia e reforçar a imagem de um “regime repressivo” que pretendem fabricar, foi a recente visita ao Kremlin de Josep Borrell, Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros, a fim de solicitar a libertação do blogueiro da oposição, em franca e inaceitável interferência nos assuntos internos da Rússia, o que nenhum país europeu permitiria a Moscou, caso solicitasse algo semelhante.

Internet

Prova de que o interesse pretendido é perturbar a ordem interna russa, foi a participação da embaixada ianque e de oficiais da CIA, no estímulo às marchas de protesto, instigando os jovens a deixarem suas casas para exigir a libertação do oponente, financiada com Dólares americanos, bem como a participação de diplomatas da Polônia, Alemanha e Suécia nas reuniões ilegais de 23 de janeiro realizadas em Moscou e São Petersburgo, ações inaceitáveis ​​e incompatíveis com o status diplomático, em total violação da Convenção de Viena de 1961 .

Essas ações intervencionistas são comuns entre diplomatas americanos e europeus em Cuba, onde se encontram com os contra-revolucionários para orientar, fornecer e dar-lhes apoio político.

Moscovo, face a esta provocação, decidiu expulsar imediatamente vários diplomatas, lembrando aos europeus que não haverá concessões de princípios, nem serão toleradas ingerências nos seus assuntos internos, como prova de que as sanções e os meios de comunicação mostram construídos a favor da imprensa. Ocidental, isso não os assusta e a Rússia tem que ser respeitada.

O duplo padrão da posição europeia está na diferença de respostas entre a prisão de Julián Assange, pelas autoridades britânicas, e Navalni, já que o jornalista australiano sofre todo tipo de arbitrariedade jurídica, está confinado a uma cela de isolamento apesar de sua saúde precária , a espionagem sofrida durante seu asilo na embaixada do Equador em Londres e a possibilidade de ser extraditado para os Estados Unidos, onde a morte o espera.

Por que a União Europeia não exige a libertação de Assange, como faz com o adversário russo? Quando Borrell visitará Londres para tratar deste assunto que exige uma intervenção rápida, devido à saúde delicada do detido?

Onde estão os diplomatas europeus que não pressionam o Reino Unido para exigir sua libertação rápida?

Com sinceridade e coragem, o chanceler russo, Sergey Lavrov, lembrou a Borrell que antes de meter o nariz em Moscou, ele deveria lidar com os prisioneiros da independência catalã, acusados ​​de sedição na Espanha, por apenas organizarem um referendo, a fim de alcançar o antigo luta pela independência da Catalunha e apesar do facto de os tribunais da Alemanha e da Bélgica terem decidido contra as suas sanções, a justiça espanhola recusa-se a libertá-los.

Em uma tentativa fracassada de pressionar a Rússia, Borrell lembrou a Lavrov que a UE é o primeiro parceiro comercial da Rússia, embora para suavizar a chantagem, ele acrescentou que, apesar das grandes diferenças, há muitas questões nas quais eles podem trabalhar juntos. e Moscou está em baixa, omitindo que a responsabilidade recai exclusivamente sobre aqueles que se opõem a reconhecer a independência política da Rússia e aspiram submetê-la por meio de sanções econômicas, no melhor estilo ianque.

É claro que a pressão contra a Rússia não está ligada aos partidos Republicano ou Democrata, é um ódio visceral ao seu sistema político, que Washington jamais tolerará e isso é indicado pelas declarações mais recentes do governo Biden, nas quais criticou duramente a repressão na Rússia e apontou diretamente para o presidente Vladimir Putin:

“O tempo em que os Estados Unidos se submeteram aos atos agressivos da Rússia … acabou e o governo lutará contra o desejo da Rússia de enfraquecer nossa democracia.”

A mesma retórica imperial e ameaçadora de sempre.

No entanto, nem Washington nem Bruxelas condenam Paris pela repressão selvagem e prisão de trabalhadores em coletes amarelos, que protestam há mais de um ano por melhorias em seu padrão de vida.

Borrell também não mencionou as atuais repressões policiais e a prisão daqueles que, no dia 30 de dezembro, participaram de uma das habituais manifestações ao lado da casa do segundo vice-presidente do Governo, Pablo Iglesias, e da ministra da Igualdade, Irene Montero .

Tudo sugere que os ianques e os europeus aplicam o princípio “Faça o que eu digo, mas não o que eu faço”.

Talvez com a intenção de sublinhar os pontos de contacto que ainda existem entre a União Europeia e a Rússia e terminar a sua visita em tom menos tenso, Josep Borrell pediu publicamente aos Estados Unidos que retirassem Cuba da lista dos patrocinadores do terrorismo, embora isto não era o verdadeiro objetivo de suas conversas com Lavrov.

José Martí foi sábio ao afirmar:

“Superar as intrigas é superar as cobras.”

Categories: # Cuba, # Venezuela, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #CIA, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Injerencia De EEUU, REINO UNIDO, RUSIA, RUSSIA, UNION EUROPEA | Deixe um comentário

Notícias da América Latina e do mundo.

Categories: # Cuba, # Venezuela, #Brasil, #Brasil, Corrupción, #Jair Bolsonaro, #Caracas, Golpe de Estado, Militar,#Nicolás Maduro Moros, #Venezuela, #colaboracion medica cubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Francia, #Nicolás Maduro, #Nicolás Maduro Moros, #salud, #Uruguai, Colombia, España, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Guaidó nomeia "embaixadores" ilegais, Guaidó, um "presidente" sem território, Guatemala, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia, India, Injerencia De EEUU, PALESTINA, Profesionales e la Salud, REINO UNIDO | Deixe um comentário

Agenda aberta .

Categories: # Argentina, #Canadá, #Caracas, #Colombia, Grupo de Lima, #Jorge Arreaza, #Perú, #venezuela, # Venezuela, # yo voto vs bloqueo, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #America Latina, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados UnidosGrupo de LimaPalacio de Miraflores, #EstadosUnidos, #FalsosAtaquesAcústicos, Cuba, diplomáticos estadounidenses, Estados Unidos, #Salud en Cuba, #solidaridadvs bloqueo, #Trump, @Trump, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, antilatinoamericana agenda geopolítica belicista e Donad Trump alinhados, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, bloqueo, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, confrontar Donald Trump da câmara baixa, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., CubavsBloqueo, Donald Trump liderou um golpe de estado na nação bolivariana, Donald Trump, Estados Unidos, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, EUA avalia retornar a Cuba para lista de estados patrocinadores do terrorismo, FORA TRUMP, Injerencia De EEUU, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, relações bilaterais, o governo Donald Trump, Terrorismo, TERRORISMO VS CUBA, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Por que os EUA estão preocupados com a recente lei aprovada na Nicarágua?

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Poucos dias depois de o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, pisar na poeira e deixar a Casa Branca para trás de Donald Trump, ele ousou exigir que o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, “mudasse de rumo” em seu país, e afirmou que “Washington não tolerará ameaças à democracia na Nicarágua.”

Esse homem parece esquecer os anos em que a Frente Sandinista e o Comandante Ortega lutaram com armas, até derrotar a ditadura de Anastasio Somoza, e depois, a dura batalha para fazer daquela nação centro-americana um exemplo de independência, com planos sociais que Eles promoveram não apenas o desenvolvimento econômico, mas levaram o país a excelentes taxas de saúde, educação e emprego.

Coronavirus: dónde está Daniel Ortega, el líder de Nicaragua que no aparece  en público - LA NACION

Pompeo poderia dedicar suas “preocupações” a encontrar uma solução para o sistema que representa, doente com metástases e com programa de saúde em coma.

Outros atores americanos atacaram a Nicarágua, como o congressista Albio Sires, que pediu uma “resposta internacional unificada” contra o governo nicaraguense.

Poucos dias antes das ameaças de Pompeo e do pedido do deputado Senhores, o Secretário-Geral da OEA, Luis Almagro, inspirou a campanha de denúncias contra a nação sandinista, chegando a exigir que o Presidente Ortega revogasse a lei recentemente aprovada democraticamente naquele país, com o título de Lei de Defesa dos Direitos dos Povos à Independência, Soberania e Autodeterminação para a Paz.

Especificamente, trata-se de exigir que a Nicarágua renuncie à sua soberania e permita que grupos pagos pelos Estados Unidos e apoiados pela OEA assumam o poder na nação sandinista.

Após o primeiro pronunciamento de Almagro, o embaixador do governo Trump junto à OEA, Carlos Trujillo, “deu todo o apoio de seu governo” à demanda contra Manágua.

A lei que “irritou” Pompeo, Almagro e outros personagens da mesma categoria, foi aprovada pela maioria dos membros da Assembleia Nacional daquele país, e se pronuncia para desqualificar aqueles que “ferem os interesses de supremo da nação, contemplado no ordenamento jurídico.

Daniel Ortega - Noticias, reportajes, vídeos y fotografías - Libertad  Digital

Segundo a Prensa Latina, a legislação, em seu artigo 1º, determina que “os nicaragüenses que liderarem ou financiarem um golpe de Estado, que alterarem a ordem constitucional, perderão o direito político de serem eleitos”.

Da mesma forma, essas limitações terão aquelas que “promovem ou encorajam atos terroristas, que realizam atos que minam a independência, a soberania e a autodeterminação, que incitam a ingerência estrangeira nos assuntos internos”.

Outros sujeitos aos quais o novo corpo jurídico poderá ser aplicado serão aqueles que “solicitarem intervenções militares, e se organizarem com financiamento de potências estrangeiras para realizar atos de terrorismo e desestabilização”.

Por fim, cita, entre os desqualificados, aqueles que “propõem e administram bloqueios de operações econômicas, comerciais e financeiras contra o país e suas instituições, aqueles que exigem, exaltam e aplaudem a imposição de sanções contra o Estado da Nicarágua e seus cidadãos ».

Luis Almagro, el candidato de Pompeo

Almagro, em seu ego servil ao império, encerrou sua declaração dirigida ao presidente da Nicarágua com uma oferta que caracteriza o próprio coração da instituição e de seu chefe: “a OEA está preparada para aconselhar sobre a realização de eleições livres, justas e transparentes”. .

Almagro parece pensar que na região o plano de golpe que a própria OEA, e ele pessoalmente engendrou, contra o governo de Evo Morales e as massas na Bolívia, que causou mortes e feridos e declínio econômico e social para aquela nação que viveu seus melhores anos.

Categories: "Liberdade", "democracia", "racismo" e "direitos humanos", #China#EEUU#Iran#Nicaragua.barco hospital naval Arca de la Paz, #Daniel Ortega Saavedra, #Nicaragua, #USAID, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Nicaragua, #OEA, #OEA,Luis Almagro, CIA, CIA Mike Pompeo, Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), Cuba, Organización de Estados Americanos (OEA), Dança de máscaras na OEA, Donald Trump liderou um golpe de estado na nação bolivariana, Donald Trump, Estados Unidos, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, expulsou da aliança o Secretário Geral da OEA, FORA TRUMP, Injerencia De EEUU, Luis Almagro, Nicarágua, Organização dos Estados Americanos (OEA), Nicaragua, Organizacion e Estados Americanos (OEA), relações bilaterais, o governo Donald Trump, Secretário-Geral da OEA,, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: