Agentes “castristas” descobertos no Canal 41 de Miami. Dê uma boa olhada a este Yunior.

#CubaNoEsMiami #ArtistasDelImperio #UnaSolaRevolucion #LaRazonEsNuestroEscudo #XCubaYo #UnMejorPais

A #YouthInRevolution enviou-nos a correr e demonstrou o que o “DICTATOR” faz.

#XCubaYo #SomosContinuidad #UnaSolaRevolucion #UnblockCuba #CubaNoEsMiami #UnMejorPais

Os EUA e a UE planeiam sancionar Cuba.

#EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal #CubaLibreYSoberana #XCubaYo #LaRazonEsNuestroEscudo #UnblockCuba #UnaSolaRevolucion

Por Arthur González

O apelo à marcha provocadora da contra-revolução interna faz parte do novo plano dos Estados Unidos para ter o pretexto de aumentar as sanções contra Cuba, que tem o apoio do Parlamento Europeu, sob as alegadas violações dos direitos humanos.

Apenas alguns meses após a retumbante vitória cubana na Assembleia Geral das Nações Unidas contra o criminoso bloqueio económico, comercial e financeiro mantido pelos Estados Unidos contra o povo cubano, os ianques estão a tentar desviar a atenção do mundo do seu genocídio e a lançar as sementes da opinião mundial de que Cuba é “uma ditadura que reprime” os seus cidadãos, e é por isso que estão a organizar a marcha que procura uma mudança de sistema, algo que Washington não permite no seu próprio país.

#ElBloqueoEsReal

As organizações contra-revolucionárias em Miami, apoiadas e financiadas pelo regime americano para as suas acções contra Cuba, encorajaram desde o início a referida marcha, e até o próprio Departamento de Estado manifestou o seu total apoio à mesma, o que mostra quem está por detrás da suposta iniciativa dos seus organizadores na ilha.

Os Yankees estão convencidos de que o povo cubano não apoiará tal provocação e muitos dos participantes serão presos por violarem as leis em vigor, razão pela qual estão a preparar novas sanções, algo que Joe Biden aprovará sob pressão da máfia anticubana, em vez de cumprir as suas promessas eleitorais de eliminar as sanções impostas por Donald Trump, que são dirigidas contra o povo, tais como as viagens de cubanos que vivem nos Estados Unidos para visitar as suas famílias, a proibição de remessas e as licenças que permitiam o intercâmbio cultural, educativo e religioso entre os dois países.

Estas sanções afectaram o sector privado cubano, que deixou de ter clientes americanos nos seus restaurantes, cafetarias, albergues e transportes.

O Ministério Público da República de Cuba convocou os organizadores da marcha para os avisar da violação das leis se realizarem a marcha, como certamente farão para fornecer aos ianques e aos europeus argumentos para as suas novas sanções, como está contemplado no plano elaborado há semanas pelos especialistas da CIA e do Departamento de Estado que compõem a divisão encarregada do trabalho contra Cuba.

Nos últimos dias, vários eurodeputados controlados pela embaixada dos EUA em Bruxelas exigiram que a União Europeia rompesse as suas relações com o governo cubano, pedido a que se juntou Rosa María Payá, estreita colaboradora do Senador Marco Rubio, que declarou publicamente que Josep Borrell, Alto Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros, deveria condenar veementemente as “violações dos direitos humanos em Cuba”.

Para maior pressão e propaganda mediática, assinou uma declaração conjunta com os eurodeputados Hermann Tertsch, Leopoldo López Gil e José Ramón Bauza, condenando os “delitos” e “abusos” praticados por Havana.

Tudo está pronto para as sanções, que no caso da União Europeia visa suspender o Acordo de Diálogo Político e Cooperação entre a União Europeia e Cuba, incluindo a ajuda financeira, tudo isto para reforçar a guerra económica e financeira dos EUA, algo que Washington tem vindo a procurar desde que a Posição Comum foi eliminada, aprovada em 1996 sob proposta do então presidente de Espanha, José María Aznar.

Os Estados Unidos também mostraram a sua linha de acção, apoiada pelo relatório espúrio produzido, “por coincidência” nos últimos dias, pela organização por eles financiada, Human Rights Watch, condenando o governo cubano por “ataques ao povo cubano por protesto pacífico, tais como detenções arbitrárias, julgamentos abusivos, maus-tratos, espancamentos e abusos psicológicos”.

Sobre as medidas que a Casa Branca tomará para endurecer as suas sanções contra o povo cubano, o subsecretário Brian A. Nichols disse que o relatório detalha o “ataque do regime cubano ao povo cubano”, acrescentando:

“Os Estados Unidos condenam veementemente a decisão do regime cubano de não permitir a realização de protestos pacíficos. Negar aos cubanos o direito de reunião pacífica a 15 de Novembro demonstra o desrespeito do regime cubano pelos direitos humanos e liberdades do seu povo. Esta e outras tentativas flagrantes de intimidação dos seus cidadãos são um sinal claro de que o regime não dará ouvidos ao que os cubanos têm a dizer.

E com o habitual cinismo ianque, acrescentou ele:

“Os Estados Unidos continuam firmemente empenhados no povo cubano, no seu direito de se reunirem pacificamente e de se expressarem, e no seu esforço para escolherem livremente os seus líderes e decidirem o seu futuro”.

Aqueles que pretendem passar fome e matar cubanos, impedir a compra de medicamentos e equipamento médico para enfrentar a pandemia de Covid-19, perseguir a compra de alimentos e combustível, negar vistos de reunificação familiar e a chegada de remessas, declaram-se “empenhados em ajudar os cubanos”.

O plano dos EUA para aumentar as sanções foi aprovado desde que conceberam a marcha e prepararam os seus organizadores em Cuba. Estão apenas à espera que as autoridades comecem a sua execução, porque, como Robert Kennedy, o Procurador-Geral dos EUA, afirmou em Janeiro de 1962 durante uma reunião da Força Tarefa Alargada do Conselho de Segurança sobre Cuba:

“Uma solução para o problema cubano constitui neste momento uma alta prioridade do governo dos Estados Unidos, tudo o resto é secundário. Nenhum tempo, dinheiro, esforço ou recursos humanos serão poupados. Não deve haver engano sobre o empenho das nossas agências envolvidas, e a responsabilidade que têm neste trabalho. Estas agências estão conscientes de que farão o seu melhor em tudo o que for necessário.

“O último capítulo sobre Cuba ainda não foi escrito, tem de ser escrito e será escrito”.

Cuba é um espinho do lado dos Yankees e é por isso que, apesar de tantos fracassos, eles insistem em escrever esse último capítulo, apoiado por noviços mercenários que aspiram a ganhar um espaço fugaz no palco político e um visto para residir nos Estados Unidos, mas como José Martí disse uma vez:

“A pobreza passa, o que não passa é desonra”.

#JairBolsonaro, durante a #Pandemia .

#JairBolsonaro #Covid-19 #Politica

A comissão parlamentar de inquérito do Brasil apresentou na quarta-feira o seu relatório final sobre o tratamento da pandemia pelo Presidente Jair Bolsonaro. Os senadores chegaram a um consenso para acusar o presidente de pelo menos nove crimes durante a sua gestão da crise de saúde. Do ponto de vista do analista político Carlos Alberto Almeida, os crimes de Bolsonaro são evidentes.

Lei, ou algaraviar para meter um “Gato por liebre”?

#ConstituciónCubana #UnaSolaRevolucion #LaRazonEsNuestroEscudo #UnMejorPais

Por Ernesto Estévez Rams

Vivemos num planeta dominado pela hegemonia do capitalismo – mundo manifestado em formas imperiais e subimperiais, antes de mais pelos EUA desde a sua emergência após a Segunda Guerra Mundial. Numa época de declínio da hegemonia imperial dos EUA no planeta, vemos a formação cada vez mais evidente de blocos regionais que de alguma forma lhe estão contrapostos. Estes blocos, em alguns casos, são mesmo manifestações de certas burguesias nacionais cujos interesses não se alinham necessariamente com os dos EUA.

Por razões históricas e geográficas, a subordinação da América Latina à hegemonia dos EUA é muito mais acentuada e em condições de vassalagem muito mais manifestas do que em outras regiões do mundo. Pela mesma razão, a nossa região tem vindo a travar uma batalha aguda em termos contra-hegemónicos há décadas. As burguesias latino-americanas há muito que não têm capacidade e força para se estabelecerem em oposição aos EUA, mesmo que estes últimos limitem o seu próprio desenvolvimento como classe: é uma burguesia cliente.

Há tentativas de certos sectores nacionalistas das burguesias latino-americanas de se contraporem à hegemonia dos EUA, mas o seu alcance real tem sido muito limitado. A sua própria hegemonia dentro dos seus países é, quando muito, muito instável, o que levou a mais do que alguns golpes de Estado e outras derrotas violentas mais ou menos disfarçadas de uma certa legalidade “democrática”.

Esta realidade global e, em particular, regional significa que os nossos sistemas jurídicos, incluindo as constituições, não são um exercício endógeno que tem lugar fora deste contexto. Neste momento, vemos esta luta na União Europeia, onde a relação entre as constituições nacionais e a ordem política consagrada de forma supranacional no bloco está a ser discutida em termos muito concretos. O Supremo Tribunal polaco decidiu que certas disposições da UE são contrárias à Constituição polaca.

Na Europa, esta luta disfarça a violência com que se instala por detrás de uma etapa “democrática”. Noutras regiões, não há muita paciência para tais diligências e elas são rapidamente desmanteladas para mostrar a sua violência de uma forma flagrante e brutal. Quando Zelaya quis mudar a ordem constitucional do seu país, com a intenção explícita de reduzir a capacidade imperial de intervir na mesma, um golpe de Estado terminou de forma rápida e expedita, enquanto a Secretária de Estado Hilary Clinton aplaudiu sem hesitações a violação das aparentes regras teatrais, e o fim abrupto da peça com aquele deus ex machina de intervenção.

As constituições, como toda a jurisprudência que emana, num dado momento, da organização política de uma sociedade, reflectem correlações de forças internas e externas. Mas em última análise, como Marx analisou, respondem às relações de produção subjacentes, que é a classe no poder e a força da sua hegemonia face a outras classes, mas desde a emergência do imperialismo capitalista global, estas relações de produção e estas correlações de classe já não estão confinadas ao país, respondem de forma marcada às relações de classe que se estabelecem a nível supranacional. Podem reflectir, por exemplo, a capacidade de uma burguesia nacional de se proteger contra a invasão de burguesias estrangeiras. As constituições respondem aos sistemas económicos dos quais emergem. Este é um argumento antigo e bem conhecido, sistematizado por muitos, incluindo num bom número de páginas do antigo Marx.

Alguns nas suas análises constitucionais esquecem-no, ou querem que o esqueçamos. O que é novo, talvez hoje, é que o carácter de classe das leis é mais evidente e directo, que não se limita ao Estado-nação mas vai para além dele, mesmo que as leis mantenham o seu carácter nacional.

Em Cuba, todas as nossas constituições, mas em particular as que surgiram desde o triunfo da Revolução, não são apenas uma manifestação de uma ordem económica e política interna específica, mas respondem a um contexto supranacional que, em última análise, determina a nossa capacidade de sermos uma nação, ou seja, a nossa soberania, também vista como uma questão de classe; qualquer análise que ignore esta realidade como um facto essencial, grita mais pelos seus silêncios do que pelo que diz.

Os nossos artigos constitucionais sobre a irreversibilidade do socialismo e o partido único são, em primeiro lugar, artigos que respondem a este contexto supranacional, ou seja, da agressão do imperialismo global, em particular do imperialismo dos EUA contra Cuba como um Estado-nação. Vê-los de uma perspectiva endógena é puramente miópico, inconsciente ou tendencioso. Nesse sentido, estes artigos não são puramente “ideologia”, são uma manifestação, no espaço da lei, de uma vontade de defender o Estado como representação da soberania de classe que nos demos a nós próprios face ao imperialismo americano. É impressionante como tudo isto é ignorado em análises que tentam erguer como um direito “moral” justificado por certas doutrinas, ditadas à margem da nossa realidade concreta, acções políticas contra estes preceitos constitucionais e que tentam reduzir o debate a uma mera questão endógena. Cada acção política em Cuba determina o seu carácter, qualquer que seja o seu tipo, pelo posicionamento que assume na prática face ao dilema essencial da nação cubana: a sua forma de existência baseada na classe face ao imperialismo ianque.

Toda a acção política que é instrumental para a agressão dos EUA é essencialmente violenta e ilegítima, porque é útil para o exercício violento desse imperialismo. A nossa batalha dentro de Cuba é manter internamente uma esmagadora correlação socialista de forças que contraria a correlação imensamente desfavorável das forças da hegemonia imperialista fora de Cuba. As nossas leis devem responder a esta realidade. Como Fidel disse em clara síntese, a Constituição cubana é a filha da Revolução e não o contrário. E essa Revolução, protegida pela nossa história, é nacionalista, anti-imperialista e socialista. O resto é uma algaraviada para nos vender um porco num espeto.

A popularidade de #JoeBiden em 9 meses despenca mais rapidamente do que a dos últimos 10 presidentes dos #EUA. #BaixaPopularidadeDoBiden

#BaixaPopularidadeDoBiden

A aprovação do cargo do presidente democrata no terceiro trimestre caiu 11,3 pontos em relação à sua classificação do primeiro trimestre (56%).

O apoio público do Presidente dos EUA Joe Biden caiu 14 pontos percentuais desde Junho. Estes dados foram recolhidos por uma sondagem Gallup realizada entre 1 e 19 de Outubro.

Biden teve uma taxa de aprovação de 57% após o primeiro mês do seu mandato, mas a partir de Junho começou a diminuir para 42% actualmente. As razões para isto incluem a retirada caótica das tropas do Afeganistão em Agosto e o aumento dos casos de coronavírus, bem como questões económicas tais como problemas da cadeia de abastecimento e o aumento da inflação.

Uma das conclusões da sondagem Gallup é que a aprovação do mandato do presidente democrata no terceiro trimestre caiu 11,3 pontos em relação à sua classificação do primeiro trimestre (56%). Esta é a maior queda entre os últimos 10 presidentes dos EUA, desde Dwight D. Eisenhower, entre o seu primeiro e terceiro trimestres no cargo.

Além disso, neste terceiro trimestre ao leme da Casa Branca, a sua taxa de aprovação foi em média de 44,7%. De acordo com Gallup, todos os presidentes desde Eisenhower, excepto Trump, tiveram índices de aprovação mais elevados do que Biden durante o terceiro trimestre.

O #GuerreroCubano . Com a sua verdade em campo aberto.

#CubaNoEsMiami #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #XCubaYo

%d bloggers like this: