Pequim mostra Washington no Mar da China até onde pode ir…

#China#InjerenciaDeEEUU #UniónEuropea #InjerenciaDeEEUU #NancyPelosi #Taiwan

Festival da Toranja com Angolanos e Cubanos (+Fotos)

Luanda, 31 jul (Prensa Latina) Membros da Associação de Antigos Estudantes Angolanos em Cuba (Los Caimaneros) realizaram este fim-de-semana em Luanda uma Festa da Toranja, num gesto de solidariedade com o país caribenho.

Comidas típicas, música de dança popular e pequenas exposições de artesanato, roupas e perfumes caracterizaram as propostas do evento, cujo nome evoca os laços de fraternidade entre os dois povos.

Na década de 1980, o Festival da Toranja era a festa mais esperada da Isla la Juventud (no sul do arquipélago cubano); e “nós adoramos ir”, disse Alfredo Boavida, nativo de Caiman, à Prensa Latina.

Para os habitantes da vila, “os estudiosos estrangeiros não eram estranhos, gostávamos e comíamos como qualquer pinero (nativo da região) e, naqueles dias de feira, meu prato favorito era o fricassé de porco”, acrescentou o atual presidente da Associação de Pré-cadetes e Cadetes (Assopreca).

Na sua opinião, os dirigentes dos Caimaneros tiveram uma boa ideia ao propor este encontro, com a aspiração de acrescentar, em futuras edições anuais, mais amigos da Revolução Cubana.

A toranja é “um símbolo nas nossas vidas”: aprender da escola para o campo, estudar em Cuba, pensar no futuro de Angola, “fruta fresca à mão quando tínhamos sede ou fome” e uma experiência marcada pelo cunho internacionalista da Fidel Castro, respondeu o representante da Assopreca.

Segundo José Condesso de Carvalho, um dos coordenadores da iniciativa, os Caimaneros têm outras atividades de confraternização previstas ao longo de 2022, incluindo intercâmbios desportivos.

“Todos os amigos dos Caimaneros e aqueles que vivem dando o melhor de Cuba estão convidados a recriar a cultura, a gastronomia, a música, os sentimentos de dois povos juntos no mesmo caminho”, disse à Prensa Latina.

Ngelesi Mona Wotchilongo (filho da terra na língua Nyaneka Humbi) trouxe para a feira suas criações: colares, pulseiras, cintos e outras peças feitas de miçangas, madeira, fibra vegetal e pedra, “onde tudo tem seu significado”, respondeu o jovem, de uma etnia de origem bantu da província meridional da Huíla.

Suas explicações sobre a espiritualidade da cultura africana ganharam a atenção do público: cubanos e angolanos ali compartilhavam experiências sobre roupas e crenças quando pedem saúde, fertilidade, boa sorte e proteção contra maus olhados, porque “usamos nomes diferentes, mas eles são a mesma coisa”, observou Mona Wotchhilongo.

O convite inicial deste fim de semana contou com a presença de membros da associação de Caimaneros, adolescentes e jovens angolanos como ativistas, dirigentes de outras organizações de solidariedade com a ilha, diplomatas e colaboradores da nação caribenha.

rgh/mjm

Eles revelam que o príncipe Charles aceitou uma doação da família BinLaden

Londres, 31 jul (Prensa Latina) El príncipe Carlos, heredero a la corona británica, recibió una donación de un millón de libras esterlinas (1,2 millones de dólares) de la familia del asesinado terrorista saudita Osama bin Laden, reportó hoy el Sunday Times.

Segundo o jornal britânico, o filho da rainha Elizabeth II aceitou a doação em 2013, dois anos após a execução do fundador da Al Qaeda por tropas especiais norte-americanas durante uma incursão ao conjunto habitacional onde ele estava escondido em território paquistanês.

O dinheiro para as fundações de caridade presididas pelo príncipe de Gales foi oferecido a ele por dois dos meio-irmãos de Bin Laden depois que Charles os conheceu em sua residência londrina em Clarence House, acrescentou a publicação.

O gabinete do herdeiro do trono britânico confirmou o recebimento dos fundos e garantiu que eles só foram aceitos após a realização de todas as diligências necessárias e verificação de uma grande variedade de fontes, incluindo o governo Britânico.

Qualquer tentativa de sugerir o contrário é falsa, disse o comunicado da Clarence House, referindo-se às alegações do Sunday Times de que alguns funcionários da fundação expressaram dúvidas sobre a sabedoria de aceitar a doação.

As revelações sobre o dinheiro dado pela família Bin Laden acontecem um mês depois que o príncipe Charles aceitou uma mala contendo € 1 milhão em dinheiro de um ex-primeiro-ministro do Catar.

Na época, o escritório da realeza britânica disse que a doação foi imediatamente entregue a uma das fundações de caridade que ele preside, e todo o devido processo foi seguido.

A comissão governamental encarregada de garantir a origem dos fundos administrados por instituições de caridade e organizações de caridade no Reino Unido recusou-se a iniciar uma investigação.

Enquanto isso, a Polícia Metropolitana de Londres investiga uma denúncia desde fevereiro de que um assessor do príncipe Charles ofereceu títulos e cidadania britânica a um milionário saudita em troca de doações a fundações.

rgh/nm

MPLA prevê mais investimentos em universidades em Angola (+Fotos)

Luanda, 01 Ago (Prensa Latina) O MPLA vai promover mais investimentos para o ensino superior em Angola, caso continue a liderar o Governo em resultado das próximas eleições gerais, assegurou hoje o Presidente João Lourenço.

A visão do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) é colocar as universidades do país entre as melhores de África e nas primeiras posições do ranking mundial, tendo em conta o papel determinante do conhecimento técnico-científico, defendeu o dirigente da festa.

Conforme explicou, o programa da organização para o período 2022-2027 contempla um “forte investimento” em infraestruturas e equipamentos, bem como na formação contínua dos docentes do ensino superior.

O avanço qualitativo das licenciaturas, mestrados e doutoramentos, raciocinou, vai dotar de profissionais mais competentes para contribuir para a transformação socioeconómica interna e para a promoção dos quadros angolanos nas organizações regionais e internacionais.

Lourenço agradeceu a oportunidade de falar sobre o tema com mais de mil jovens, participantes na décima oitava edição do Canfeu (campo de férias para estudantes universitários), cuja sessão inaugural decorreu no pavilhão multiusos do Kilamba, na província de Luanda.

Quem vai determinar o rumo da disputa eleitoral são, sem dúvida, os jovens, porque constituem a maioria da população angolana, ponderou o dirigente.

Organizado pela Juventude do MPLA (JMPLA), o encontro prolonga-se até à próxima quinta-feira, com a assistência de delegados de todas as províncias e propostas variadas de debate político, ofertas recreativas e intercâmbios culturais e desportivos.

Mais de 14.399.000 angolanos poderão votar no dia 24 de Agosto, incluindo cerca de 22.500 residentes no estrangeiro, segundo dados da Comissão Nacional de Eleições.

As últimas eleições gerais, realizadas a 23 de agosto de 2017, deram a vitória ao MPLA, com 61,08 por cento dos votos.

mgt/mjm

Cuba lidera América Latina na 44ª Olimpíada de Xadrez (+ Foto)

Nova Délhi, 1º de agosto (Prensa Latina) Cuba lidera a América Latina e o Caribe na 44ª Olimpíada de Xadrez por Equipes, que hoje terá sua quarta rodada na cidade indiana de Mahabalipuram, onde existem vários Patrimônios da Humanidade.

Por: Alfredo Boada Mola

As equipes masculina e feminina da ilha caribenha mantiveram um bom ritmo desde o início da competição e neste domingo realizaram seus dois duelos contra dois fortes rivais como Ucrânia e Austrália, respectivamente.

O Mestre Internacional e técnico da seleção masculina cubana, Rodney Pérez, elogiou o desempenho de seus jogadores neste domingo e destacou para a Prensa Latina a vitória com peças pretas do Grão-Mestre (GM) Yasser Quesada (2568 ELO) no primeiro tabuleiro contra o GM ucraniano Anton Korobov (2692), após uma abertura inglesa.

Os duelos entre Carlos Daniel Albornoz (2.566) e Andréi Volokitin (2.674), que levantou a defesa siciliana, e entre Volodymyr Onyshchuk (2.612) e Isan Ortiz (2.526) terminaram empatados, na Abertura Ruy López, com os dois cubanos em carga. de figuras brancas.

A derrota dos cubanos veio no terceiro tabuleiro, quando o ucraniano Kirill Shevchenko (2654) prevaleceu com as brancas contra Luis Ernesto Quesada (2549), que levantou uma defesa eslava contra a saída do peão da dama, que selou o empate na comparação .

Luis Ernesto esteve às vezes perto de alcançar a paridade e lutou até o fim, comentou o estrategista da equipe cubana.

“Estou feliz com o resultado, embora pudesse ter sido melhor, porque Isan também esteve muito perto de alcançar uma vantagem decisiva na quarta mesa e lutou por isso o tempo todo”, enfatizou o técnico da ilha com entusiasmo.

Este domingo as meninas cubanas também terminaram com um empate contra a equipe australiana no setor feminino do maior torneio por equipes da Federação Internacional de Xadrez (FIDE).

A luta é disputada no Four Points by Sheraton Convention Center, na cidade de Mahabalipuram, no estado de Tamil Nadu, no sul da Índia.

O duelo entre Cuba e Austrália teve empates de Lisandra Ordaz (2367) contra Julia Ryjanova (2284) e Maritza Arribas (2239) contra Jilin Zhang (2212).

A campeã nacional Yaniela Forgas (2343) venceu Nguyen Mai Chi Phan (2139), mas Ineymig Hernández (2234) caiu para Thu Giang Nguyen (2119) na quarta tabela.

Também para a América Latina e Caribe, a Argentina caiu de 1 a 3 contra o Azerbaijão no aberto, pelo mesmo caminho Brasil contra a Espanha, o Chile foi varrido pela França e a Guatemala perdeu por 1,5 a 2,5 contra a Sérvia.

O Peru venceu o Zimbábue por 3 a 1, o Paraguai 4 a 0 País de Gales, o Uruguai por 3,5 a 0,5 contra a Argélia e a Colômbia por 4 a 0 contra o Sudão.

Entre as mulheres, a Argentina venceu a África do Sul por 4 a 0, o Peru perdeu para o Cazaquistão por 3 a 1, a Colômbia para a Hungria e o Brasil foi varrido pela Bulgária, Equador por Israel, Nicarágua pela Eslovênia, Guatemala pela Noruega e Jamaica por Cingapura.

O Panamá separou-se com a Letônia por 2 a 2, o Chile venceu a Coréia do Sul, a Venezuela venceu o Quênia por 3 a 1, o México por 2,5 a 1,5 venceu Hong Kong, a Bolívia por 3 a 1 Andorra e o Paraguai venceu Moçambique por 3 a 1.

jf/abm

Australianos exigiram o fim do #bloqueio dos EUA contra Cuba

Camberra, 1º de agosto (Prensa Latina) Amigos de Cuba na Austrália participaram do dia internacional contra o bloqueio imposto pelos Estados Unidos à nação caribenha e exigiram o fim da política ilegal dos EUA, destacaram hoje fontes diplomáticas.

Na cidade de Perth, capital do estado da Austrália Ocidental, ocorreu a demonstração de apoio à luta do povo cubano contra a guerra econômica do governo dos Estados Unidos, destacou a embaixada da ilha em Camberra.

Os australianos percorreram a ponte central de Elizabeth Quay naquela cidade para demonstrar sua rejeição ao bloqueio injusto contra Cuba, segundo a missão diplomática

Além disso, ratificaram sua solidariedade e apoio à ilha que sofre com a política desprezível, intensificada por Washington em um contexto muito difícil marcado pelo rescaldo da pandemia de Covid-19 e pelo impacto da crise econômica global, destacaram fontes diplomáticas .

mv/lrd

Bolsonaro, cada vez mais pressionado e incontrolável

Por: Eric Nepomuceno

Até poucos dias atrás, Celso Campilongo, diretor da tão tradicional e centenária Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, era desconhecido fora do meio jurídico brasileiro. Pois bem, ficou conhecido porque nessa qualidade teve de publicar um longo manifesto redigido conjuntamente por uma vasta gama de juristas, juristas e dirigentes políticos, defendendo – em termos amplos, sem citar nenhum nome, nenhum partido – as instituições, leia-se, o Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, com certa ênfase no sistema eleitoral e democrático nascido com a Constituição de 1988.

Campilongo admitiu, ao lançar o texto, em 26 de julho, que esperava conseguir cerca de 300 adesões. Erro tremendo: em 24 horas as assinaturas já somavam 100.000. E no último final de semana já ultrapassaram a marca de meio milhão.

Por mais vagos que sejam os termos – e vale reiterar: intencionalmente vagos – o texto chega plenamente ao fígado do desequilibrado presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro.

O próprio título do documento, escrito – segundo os comentários mais comuns – não no português falado no Brasil, mas numa língua rara e complexa chamada “juridiqués”, devido ao seu tom eminentemente jurídico, é enfadonhamente amplo: “Carta aos Mulheres brasileiras e brasileiros em defesa do Estado Democrático de Direito”.

Resumindo: “Carta em defesa da democracia”, ou seja, contra tudo o que Bolsonaro está tentando fazer.

Entre os assinantes estão desde banqueiros a ex-membros do Supremo Tribunal Federal, de sindicatos à poderosa Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, de intelectuais e artistas como Chico Buarque e Caetano Veloso a ex-ministros de governos anteriores, de professores universitários a estudantes e, claro, as pessoas.

Sabe-se que manifestações escritas massivas não têm, nem remotamente, o mesmo efeito das manifestações de rua, que por ora são resumidas, no Brasil, pelos defensores de Bolsonaro.

E isso, se considerarmos que os desfiles de motos que reúnem quatro ou seis mil pessoas são “manifestações de massa”.

Não há oposição, por enquanto graças ao medo da reação dos grandes grupos de capangas armados, os chamados “milícias”, mobilizados por Bolsonaro e seus filhos trogloditas.

Mas essa Carta teve um efeito imediato e contundente sobre a figura bizarra do patético e perigoso extrema-direita.

Primeiro, ficou claro que os donos do dinheiro, protegidos pela Federação Brasileira de Bancos, não estão mais com ele.

Em segundo lugar, que um grande setor do agronegócio também saltou do navio da extrema direita – não por razões ideológicas e muito menos morais, mas por puro interesse em defender seus bolsos muito bem alimentados.

E terceiro, e talvez mais importante, constata-se que o apoio a Bolsonaro por partidos políticos de direita oscila cada vez mais, não ao sabor do vento, mas dos benefícios a serem negociados em termos de absoluta urgência, antes de sua derrota .

Cresce o desespero da extrema-direita, acentua-se seu desequilíbrio, e quanto mais claro fica o panorama de sua possível derrota em um primeiro turno, mais tentativas aparecem para preservá-lo da justiça ao ser expulso da cadeira presidencial.

Naqueles dias, a mobilização ganhou alguma força para que o Congresso, dominado – melhor dizendo: literalmente alugado, porque no Brasil essa ala é alugada para qualquer um – por Bolsonaro tentasse aprovar uma emenda constitucional que garanta, a todos os ex-presidentes, uma fórum, nomeando-os senadores vitalícios.

Algo semelhante existe no Paraguai, algo semelhante foi imposto no Chile após a queda do sanguinário Augusto Pinochet.

No caso brasileiro, porém, o tiro pode sair pela culatra.

É que, sem as imunidades, Jair Bolsonaro cairá na muito, muito lenta Justiça de Primeira Instância, o que poderia favorecê-lo.

Já com a imunidade de senador vitalício, ele cairá no Supremo Tribunal Federal, cada vez mais claramente indignado não só por seus ataques ferozes e diários à democracia, mas também pela compra que realiza para impedir qualquer um dos 147 pedidos de deposição sai da gaveta do muito corrupto presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira.

Ou seja: se o futuro do meu pobre país continua cada vez mais nebuloso, o do pior e mais imundo presidente da história brasileira fica cada vez mais claro.

(Tomado de Página12)

A economia dos EUA entra em recessão após dois trimestres consecutivos de declínio.

#EconomíaMundial #EstadosUnidos #MercadoFinanciero

CUBADEBATE

A economia dos EUA registou uma queda de 0,9% do PIB no segundo trimestre. Um valor que se soma à contracção de 1,6 por cento nos primeiros três meses do ano. Assim, entrou tecnicamente numa recessão, tendo acumulado dois trimestres consecutivos de declínio. A perspectiva pode tornar-se mais desanimadora se se acrescentar que a Reserva Federal aumentou novamente a taxa de juro de referência em 75 pontos base. Esta é a mesma magnitude que a caminhada de Junho. Desde o início da década de 1990 que não se verificam ajustamentos mensais tão grandes.

Sinal de Wall Street junto à Bolsa de Nova Iorque em Nova Iorque (EUA), 9 de Março de 2020. Foto: Carlo Allegri/Reuters.

Numa conferência de imprensa, o chefe da Reserva Federal, Jerome Powell, reiterou uma mensagem dura. Disse que não hesitará em aplicar todas as medidas contraccionistas necessárias para reconduzir a inflação a 2,0% ao ano. Os últimos dados sobre os preços tinham atingido o seu pico às 9.1. Por outras palavras: as autoridades económicas dos EUA estão preparadas para gerar e suportar toda a recessão necessária para refrear o processo inflacionário.

Contudo, no mundo dos negócios isto não parece ser inteiramente claro e a reacção de Wall Street nas últimas semanas é uma prova disso mesmo. O Dow Jones, o S&P e o Nasdaq acumularam ganhos entre 5 e 10% em Julho. Mas particularmente as empresas de tecnologia e inovação que tinham sentido o impacto do aumento das taxas de juro no primeiro trimestre mostraram impressionantes ressaltos.

Um dos exemplos é a subida das acções da Tesla, que nos primeiros 28 dias de Julho acumularam um aumento de 25%. Este comício permitiu-lhe cortar uma boa parte da queda acumulada do ano. Algo semelhante aconteceu com a Amazónia. Para além dos saltos nas primeiras semanas de Julho, apresentou o seu balanço trimestral. Os ganhos não estavam de acordo com as expectativas, mas as receitas da empresa excederam as expectativas. Após a divulgação dos dados, no comércio pós-mercado, as suas acções subiram mais de 11%.

Os analistas começam a pensar que a Reserva Federal será mais matizada na sua postura e que a política monetária será menos restritiva do que o esperado. Foi assim que foram interpretados os ajustamentos das taxas de Julho. Embora tenha havido um aumento de 75 pontos base, o cenário mais pessimista para os fundos de investimento, que considerava a possibilidade de um aumento de 100 pontos base, não ocorreu.

O pano de fundo é que a decisão de pôr fim ao ciclo do dinheiro barato, que começou em 2008 com a crise das hipotecas subprime, obrigou as autoridades monetárias americanas a enfrentar uma encruzilhada no início deste ano que continua por resolver por agora. Aumentar as taxas mais do que o necessário cria o risco de uma crise difícil de prever, devido ao seu efeito de arrastamento em várias responsabilidades, tais como a dívida das empresas. Mas aumentá-la menos pode fazer com que as expectativas de inflação percam a sua âncora. Esta é a opinião dos consultores de elite e críticos americanos do sistema, tais como o grego Yanis Varoufakis.

De momento, Wall Street parece estar a celebrar o facto de terem dado um primeiro passo para começar a desbloquear a encruzilhada e influenciar o curso da Reserva Federal. Eles acreditam que o aperto monetário será a meio caminho, embora não seja claro o que acontecerá aos preços e ao resto das macrovariáveis.

Os odiosos incitam à violência contra a caravana de Cuba em Miami.

#EliminaElBloqueo #PorLaFamiliaCubana #CubaEsAmor #CubaPorLaSalud #PuentesDeAmor #ElCaminoEsLaPaz

CUBADEBATE

Um grupo de “odiadores” incitou à violência contra a caravana na cidade de Miami, chamado pelo movimento Pontes do Amor para exigir que o governo dos EUA acabasse com o bloqueio económico contra Cuba.

O Presidente dos EUA Joe Biden prometeu inverter as políticas fracassadas de Cuba do seu predecessor, Donald Trump. Foto: Prensa Latina

Isto foi denunciado pelo líder da iniciativa, o professor cubano-americano Carlos Lazo, que se encontrava nas ruas da cidade de Coral Gables, em Miami, rodeado por dezenas de pessoas que se manifestavam contra as sanções de Washington contra a ilha das Caraíbas, numa emissão em directo nas suas redes sociais.

Chamam-nos terroristas por levarmos medicamentos e leite em pó para Cuba para crianças e idosos, chamam-nos terroristas por sermos a favor da reunificação familiar e das viagens a Cuba, e somos a favor das pontes de amor”, disse Lazo.

“Chamam-nos terroristas por trazermos para Cuba medicamentos e leite em pó para crianças e idosos”, disse Carlos Lazo. Foto: Prensa Latina

No domingo de manhã, enquanto cubanos e amigos da ilha falavam em várias cidades do mundo contra a guerra económica que afecta as famílias cubanas há mais de 60 anos, em Miami a polícia interveio para prender aqueles que tentaram atacar os activistas.

Com slogans de “Cuba sim, bloqueio não!” e “Biden, levanta as sanções contra Cuba!” começaram o dia de solidariedade com a ilha e depois viajaram pela cidade do sul dos EUA em carros, motocicletas e bicicletas.

Ao mesmo tempo, esta manhã teve lugar uma campanha de tweeting com os hashtags #EliminateTheBlockade #UnblockCuba e #BridgesOfLove para exigir o fim da política coerciva unilateral e pedir a ambos os lados que avancem no caminho da compreensão.

O Presidente dos EUA Joe Biden prometeu inverter as políticas fracassadas de Cuba do seu antecessor, Donald Trump, mas 18 meses após a sua chegada à Casa Branca quase não há sinais nessa direcção.

Com slogans de “Cuba sim, bloqueio não!” e “Biden, levantem as sanções contra Cuba! Foto: Prensa Latina

A 16 de Maio, a administração democrática anunciou algumas medidas bem-vindas em matéria de vistos, migração regular, viagens, remessas e ajustamentos aos regulamentos para transacções com o sector não estatal; contudo, não tocaram na própria essência do bloqueio.

As autoridades cubanas expressaram que este é um passo limitado na direcção certa, mas que os anúncios não modificam de forma alguma o bloqueio, nem as principais medidas de asfixia económica tomadas pela administração Trump (2017-2021).

O Presidente da Câmara de Nova Iorque contradiz Biden. Ele diz que os EUA estão numa crise financeira como nunca antes.

#InjerenciaDeEEUU #GuerraEconómica #CrisisFinanciera

%d bloggers like this: